No Brasil, o Minas é quem manda

Final Copa Brasil 2019 -
Itambé Minas 3x1 Dentil/Praia Clube
vôlei feminino
Foto: Rodrigo Ziebell

É, o Minas não está dando chance para o Praia Clube nesta temporada. Segundo título em cima do seu principal rival: depois do Mineiro, a Copa Brasil 2019 – título inédito para o clube de Belo Horizonte.

E foi muito merecido. A verdade é que, com exceção do primeiro set, o Minas foi bem mais consistente durante a partida.

Dois fundamentos foram os principais diferenciais do Minas em relação ao Praia: a recepção, muito mais segura e regular, e o levantamento. Os dois aspectos, aliás, funcionaram bem desde o início do jogo. O que prejudicou o desempenho da equipe no primeiro set foi o sistema defensivo, a começar pelo saque. O Praia jogou com muita tranquilidade e teve um aproveitamento excelente no ataque com todas as suas atacantes. Surpreendentemente, o Minas esteve perdido na marcação, tanto do bloqueio como no fundo de quadra, e acabou por ser atropelado pelo rival.

Mas quando a situação defensiva se normalizou e o Minas começou a colocar um pouco de pressão para o outro lado, o Praia foi perdendo poder na sua artilharia e caindo qualidade de suas sua armações, seja na virada como nos contra-ataques. Lloyd dificultou o trabalho das suas principais atacantes, Fawcett e Garay, com bolas imprecisas, sem contar a total falta de habilidade para trabalhar a china com a Carol.

Pode não ter sido muito fora do padrão de atuações da Lloyd nesta temporada, mas se comparado com a levantadora do outro lado da rede, saltou aos olhos a diferença de qualidade. Macris teve uma atuação perfeita, tanto na distribuição como na precisão. Em um momento, chegou a usar a bola do meio fundo como bola de segurança, jogada que não vinha sendo utilizada tanta frequência nas últimas partidas.

O jogo do Minas fluiu com muito mais tranquilidade por conta da recepção e do padrão da Macris, coisa que não aconteceu no Praia, com muito mais dificuldade de colocar a bola no chão. E neste ponto acho que faltou uma ação mais rápida do Paulo Coco em substituir a Lloyd, o que só aconteceu no quarto set. Acho que era necessária a entrada da Ananda para tentar, pelo menos, ter uma regularidade nos levantamentos para Fawcett e Garay. Mas não fazer o que ele fez no final do terceiro set ao promover a inversão justamente no momento em que o time mostrava reação na parcial. Tirou a Fawcett, principal atacante do time, quando já não tinha a Rosamaria. Ou seja, reduziu o poder de ataque praticamente a uma opção, a Garay (e a Ananda nem conseguiu utilizá-la, optou pela Paula Borgo que foi bloqueada).

Enfim, a Llloyd certamente teve que trabalhar com uma recepção bem menos regular do que a Macris, mas não se pode negar que ela comprometeu algumas reações do time com escolhas erradas e a falta de precisão para ataques importantes. Contra um adversário que manteve o nível de jogo lá no alto quase o tempo todo, fez a diferença. Ainda mais que o Praia também não conseguiu puxar uma reação pela defesa. Vez ou outra até ensaiou uma recuperação com os bons saques da Carol e da Fawcett e um ou outro bloqueio, mas não encontrou regularidade.

O Minas pode não ser o líder da Superliga 18/19, por enquanto. Mas não há dúvida que é o time com o melhor jogo. É o mais estruturado e equilibrado. Tem solidez no fundo de quadra e na recepção e está superafiado ofensivamente, contando com a Macris e suas atacantes em ótima fase.

É muito provável que o clássico mineiro seja a final da edição desta SL. Se isso acontecer, o Praia chegará à decisão defendendo o título, mas o histórico dos últimos confrontos vai coloca-lo, na verdade, como um desafiante do Minas.

Comentários

Anônimo disse…
Com todo respeito as atacantes do Minas, mas se tirar a Macris, o time perde uns 40% da efetividade. Se a Carol Gattaz tá jogando tudo isso, muito se deve à levantadora. Paulo Coco deveria ter colocado a Ananda pra jogar no 4 set. Enquanto o Praia não estabilizar a linha de recepção vai continuar perdendo pro Minas.
Anônimo disse…
Muito bonito o jogo do Minas! As jogadoras conseguem impor um ritmo ao jogo fazendo as adversárias se perderem com tamanha agressividade e qualidade técnica. Até mesmo Natalia que nunca foi exímia passadora, está se virando bem na recepção. Macris é um show à parte, consegue até mesmo fazer com que a Mara ( que nunca teve no ataque seu principal fundamento), pontuar bem nos jogos. Porém em alguns momentos, o time minastenista parece se perder com o próprio jogo e acaba facilitando para o adversário. Se conseguisse jogar com 70% de sua agressividade durante todo o jogo, não teria perdido tantos sets quanto perdeu(digo na Copa Brasil quanto na Superliga). Parabéns o Minas e também ao Praia, que estiveram na final como os melhores times de fato.
Anônimo disse…
Quando a Macris coloca a Bruna no jogo, as coisas fluem melhor.
Anônimo disse…
Parabéns Minas!!!! Que ótimo uma final de Campeonato sem as imbatíveis do Rio e as campeãs mundiais do Osasco kkkkkk
Adoroooooo
Anônimo disse…
tá feio esse site! tão de férias? atualizam aí por favor! SUPERLIGA TÁ ROLANDO! obrigado por publicarem!
Evandro Mallon disse…
É anonimo, uma vez publiquei isso mesmo, referente à desatualização do site em pleno Mundial de seleções e depois campeonato Paulista. Recebi como resposta que, ela não faz isso para ganhar dinheiro, ela tem uma outra vida fora do vôlei tbm e ninguém ajuda ela.

Fiquei pensando: eu tbm tenho uma vida fora, trabalho,estudo, treino, saio de casa as 10 hr e retorno as 02hr da madrugada, e mesmo assim participo do site, vejo os jogos, comento. Não só eu, assim como você e a maioria aqui.
Anônimo disse…
Evandro e anônimo, desculpem-me a intromissão, mas é muito de mal gosto seus comentários. De fato a Laura não tem obrigação de publicar nada, ainda mais de forma rápida para agradar a todos. Vejam o espaço como uma oportunidade de comentar nosso esporte. Hoje em dia tá muito difícil gerenciar tanta coisa, redes sociais, trabalho e estudo. Já tive blog e muitas vezes queria postar, mas não dava vontade e me permitia a isso, porque mais do que agradar aos outros o blog era um agrado para mim.

Não é desrespeito a ninguém, é só questão do tempo e disponibilidade da pessoa mesmo.

Vamos ser é gratos que é mais legal.

Obrigado, Laura, por tantos anos de empenho e qualidade, preenchendo uma lacuna que o Estado e a mídia especializada e rica deixam em aberto.
Evandro Mallon disse…
Fica mais esclarecido quando a pessoa tem a maturidade de colocar algo se explicando o porquê da ausência, e não deixando todos na mão. Vc falta ao trabalho, dá uma justificativa. Vc não pode ir a uma festa, vc liga explicando o porquê. Vc marcou de ver um jogo e surgiu um imprevisto, vc manda uma mensagem alertando.
Vc tem um blog que a anos tem leitores fiéis e vc some do nada sem explicação ? Não é coisa de pessoa sensata a se fazer.
Anderson disse…
Tem que ser muito sem noção mesmo para comparar fazer comentários aleatórios com fazer textos, manter um blog. Os caras cobram como se estivessem pagando por um serviço não prestado. Deixando não mão pelo o quê? Sua vida não continua sem uma postagem? Os caras não sabem da vida dos outros e ficam cobrando... SACANAGEM! + Empatia por favor!
Laura,
gosto muito do seu blog, espero que volte logo. Abç
Laura disse…
Anônimo, obrigada pela compreensão. =) É bem isso mesmo.

Evandro, me desculpa. A verdade é que estou cansada. Passei boa parte destes 10 anos do Papo dormindo pouco para assistir e escrever sobre os jogos que aconteciam de madrugada (dos jogos mais importantes aos mais furrecos); horas em lan houses para não deixar de atualizar o blog quando estava num lugar sem internet; postando de aeroporto enquanto esperava voo; atrasando minhas tarefas no trabalho para escrever para o Papo; encaixando minhas férias em dias que não perdesse jogos importantes... E tantas outras histórias de bastidores para manter meu compromisso com o blog. E fiz tudo isso pq queria e gostava,e pq sabia que, a certa altura, tinha um compromisso com os leitores. Só que, antes de tudo, também tenho um compromisso comigo mesma. O blog começou como uma atividade terapêutica, literalmente. Precisava fazer algo que gostasse e encontrar pessoas que compartilhassem do mesmo gosto que eu pelo vôlei feminino.

Porém, nos últimos meses, o blog tem sido uma obrigação chata. Tem sido difícil escrever pq me sinto repetitiva e sem nada de interessantes para comentar. Tô sem saco até para me justificar do pq ou não vou comentar os jogos. Além disso, não tenho a mesma disposição de antes para lidar com as demandas profissionais e pessoais com as do blog.

Sei que tem muita gente que acompanha o Papo e que, de certa forma, estou deixando na mão. Por isso posterguei a pausa o máximo que pude. Mas cheguei no limite - muito incentivada, aliás, pelos teus comentários. Preciso de um tempo para recuperar o gosto de assistir aos jogos e a vontade de comentar os acontecimentos do vôlei.

Acho que você deveria ter um pouco mais de cuidado com estes comentários. Como o Anderson falou, vc não sabe o que se passa na vida dos outros para saber o pq das coisas.

Ah, e já q vc quer explicações, sobre o Mundial de Clubes foi o seguinte, vou te dar os detalhes: viajei a trabalho naqueles dias dos jogos da fase de grupos. Passava o dia fora do hotel e só conseguia ver os jogos, que eram de madrugada, no final do dia qd estávamos mais próximos dos jogos da rodada seguinte. Achei que não faria sentido ficar postando análises praticamente atrasadas e que (minha experiência já comprovou) seriam muito pouco lidas. Não passou pela minha cabeça que ia causar tanta indignação.

Até mais (ou não)! Vou lá em busca da minha maturidade e sensatez.
Evandro Mallon disse…
Resumindo tudo isso: questão da EMPATIA. Se você sabia que, de certa forma iria deixar leitores assíduos que acompanham o blog desde o ouro de Pequim, como eu, poderia, de certa forma, já esclarecer que estava sem tempo, sem vontade ou qquer outro motivo e que o blog iria postar QUANDO TIVESSE TEMPO OU NÃO ACUMULASSE TAREFAS.

Você já se perguntou quantos leitores entravam aqui todo dia para ver uma análise sua e comentar a respeito ? Volto a dizer de novo, questão da EMPATIA. Se colocar no lugar do outro e ver a análise que ele fez/faz sobre algo.

É muito fácil sempre querermos nos esconder atrás de desculpas, ser protegido pela carência, de não afetivo mútuo de outras pessoas. Mas esquecemos que, antes de nos escondermos atrás dessas desculpas, podemos sim, vir e colocar os pontos que estão estafados para que se haja uma compreensão de todos.

É facil dizer: pessoas, estou cansado, ok? Provavelmente não postarei tão logo sobre Mundial, sobre Superliga, enfim. Não ficar tempos sumido sem comentários nenhum. É difícil aceitar as criticas? SIM. Só que a maioria acha mais fácil vir depois do leite derramado com desculpas para ver se consegue consertar tudo.

Aquele jornal preferido que você lê todo dia, aquele site que você entra toda hora, aquele canal de TV que você assiste com frequencia parasse de uma hora pra outra, o que você pensaria ? Você acha que seria legal que esses se manisfestassem sobre o que ocorreu, certo ?
Aqui não é diferente. Simples assim.
Pedi satisfação da sua vida ? Em nenhum momento. Apenas coloquei o que houve com o blog que está a tempos desatualizado. Não aceita criticas? Não crie blogs, nao escreva para jornais. Você sempre estará em foco do acontecido e sua opinião será colocada em primeiro plano.

Sim, meu ultimo comentário aqui. Até tirei o blog dos favoritos para não visitar mais. Quando o próprio autor não consegue aceitar uma crítica e saber analisar ela, é porque o negócio tá feio e o nível descendo ladeira abaixo.

Sem mais por momento e ponto final.
Anônimo disse…
Alguma coisa aconteceu no Brasil que fez os brasileiros enlouquecerem.
Anônimo disse…
Talvez ela deixou de atualizar também, pq, a quantidade de comentários diminuiu no blog, pois, essa temporada o Rio não esteve em nenhuma final nacional e a galera aqui fanática e cega pelo Rio e Bernardo deixou de participar pq só comentavam qdo o Rio vencia.
Anônimo disse…
Laura, sou o anônimo que criticou o site no dia 7! Minhas sinceras desculpas! Não sabia da sua história aqui no site e sinceramente te digo que o nosso amor por este esporte que tanto amamos às vezes deixa-nos cegos em alguns aspectos e faz com que cometemos algumas injustiças! Muito agradecido por tudo o que vc tem feito pelo site e mais uma vez minhas sinceras desculpas! E viva o voleibol!
Laura disse…
Anônimo, obrigada! E não se preocupe, a crítica faz parte do trabalho e entendi a reclamação. Tanto q achei q o mais justo seria dar um tempo para recuperar a dedicação q o Papo merece. Espero q nos "vejamos" na volta. Abraço.