Noite de estreias

Sesi Vôlei Bauru 3x0 Hinode Barueri 
Sesc-RJ 3x0 Curitiba Vôlei 

Foto: Marcelo Ferrazoli
A primeira rodada da Superliga prometia um encontro interessante logo de cara: Sesi Bauru e Barueri. Dois times semelhantes em termos de investimento e de ambição nesta edição do campeonato.

Só que até mesmo o duelo do Sesc-RJ contra o Curitiba – ou seja, do atual vice-campeão da SL e tradicional clube brasileiro contra o time que está pela primeira vez na elite nacional – foi mais interessante e qualificado.

Sesi e Barueri fizeram um jogo muito ruim, de muitos problemas nas linhas de passe e de muitos erros.

O Sesi, pelo menos, conseguiu melhorar o seu desempenho ao longo da disputa. Perdeu uma vantagem no primeiro set por falhas de ataque e dificuldade na virada de bola que só foi recuperada por conta dos erros do Barueri na definição do set e da eficiência da Diouf neste momento.

A força ofensiva do Sesi novamente fez a diferença, desta vez não com a Tiffany (que teve uma participação pequena e nula num dos sets) reforçando o ataque, mas com a própria titular Palacio. A cubana segurou o ritmo ofensivo do time quando a Diouf caiu de rendimento. Enquanto isso, do outro lado da quadra, apesar das inúmeras trocas do Zé Roberto, a melhor opção de ataque do Barueri acabou sendo a Maira.

Skowronska, que deveria ser a segurança da definição, foi a responsável pela maioria dos erros de ataque do time. Sem contar a Milka, pelo meio, numa jogada cuja insistência da Dani Lins não compreendi. Aliás, comparando diretamente as levantadoras, Fabíola teve mais feeling na distribuição, leu melhor o momento de cada uma das suas jogadoras – e olha que nenhuma das duas esteve com uma recepção estável.

Ou seja, a diferença é que o Sesi conseguiu trabalhar melhor os obstáculos do ataque do que o Barueri que, apesar do tempo de preparação entre os campeonatos, pareceu sofrer, nesta estreia, de menor entrosamento do que no Paulista. Está bastante distante dos times que o Zé Roberto costuma montar, que prezam pela troca de bola e pelo volume de jogo.
 

E na estreia de Sesc e Curitiba, deu gosto de ver o volume de jogo das duas equipes. O time paranaense deu bastante luta nos dois primeiros sets, pressionando o Rio no saque e incomodando a marcação carioca com bolas mais velozes no ataque, inclusive utilizando bem as suas centrais.

O Sesc, por sua vez, tem muito a agradecer a Peña, que quebrou o galho do time em muitos momentos no ataque, numa atuação quase que impecável. Monique foi mais participativa no ataque do que na final do Carioca e se saiu bem na recepção. Apesar de ser uma jogadora mais técnica e que já cumpriu esta função outras vezes, passar não é a sua especialidade. E assumir a bomba de uma hora pra outra, obviamente, não é fácil. Ainda assim, independentemente do seu desempenho, uma coisa é certa: sempre será melhor do que a Kosheleva. A russa é um desastre no passe... E, desta vez, não compensou tanto no ataque, dando alguns pontos importante em erros ao Curitiba. 


**************************************************

O início também não foi fácil para Minas e Osasco. O primeiro demorou para acordar pra partida e perdeu o primeiro set contra o Brasília. O segundo, numa dificuldade que já é histórica, penou para bater o Sanca. Destaque para a Hooker como titular desde o início do jogo - ainda que a melhor atacante de Osasco tenha sido a Leyva.

Demais resultados da 1ª rodada da SL 18/19

Pinheiros 3x1 Fluminense

Vôlei Balneário Camboriu 0x3 Dentil/Praia Clube

BRB/Brasília Vôlei 1x3 Minas

São Cristóvão Saúde/São Caetano 1x3 Osasco/Audax

Comentários

Anônimo disse…
O Fluminense monta um timaço e mais uma vez dá vexame! Ganha do SESC RJ. na fase de classificação, chega na final e toma a virada no tie break e perde o Título Estadual. Agora já estreia na Superliga com derrota para o Pinheiros. O que adianta ter investido tanto e ter feito boas contratações se o time "amarela"?
Anônimo disse…
O Fluminense tem é que tomar vergonha nessa cara e parar de ficar tomando essas viradas inacreditáveis! Não bastasse a virada que tomou no tie break na final do Campeonato Carioca depois de estar vencendo por 6x2, contra o Pinheiros joga muito bem e vence fácil o primeiro set por 25x19 depois relaxa e deixa o Pinheiros "gostar do jogo" e vencer o segundo set por 25x22, no terceiro set depois de um bom começo, o Fluminense relaxa antes de fechar o set e permite a virada do Pinheiros no final do set por 26x24. Aí entram abaladas no quarto set, por deixarem escapar o terceiro set, e o Pinheiros aproveita e fecha em 25x21. O Fluminense não tem nenhuma garotinha novata, são todas experientes e gabaritadas, então elas têm que tomar vergonha na cara e parar de relaxar e ficar tomando essas viradas, afinal de contas o jogo só acaba quando termina!
Anônimo disse…
Ju Paes consegue ser pior libero que Gabiru
Anônimo disse…
Vai ser forte assim lá na República Dominicana! Peña Isabel está muito ignorante, disribuindo porrada pra tudo quanto é lado, machucando o passe e a defesa adversária no saque e no ataque. Se Bernardinho conseguir aprimorar só um pouquinho o passe dela, Peña Isabel se tornará uma máquina mortífera! E Mari PB ainda tá reclamando da Tifany, deixa ela cruzar com o SESC e tomar pancada no saque e no ataque da Peña. Assim como a genética privilegia os kenyanos nas corridas de fundo, os jamaicanos nas corridas de velocidade, a República Dominicana é um país abençoado por produzir mulatas gigantes, musculosas e fortes. Você olha pro tamanho do corpo da Peña Isabel e dá até medo, porque ela não é só altaa com seus 1,90m, mas também corpulenta, tem um bração grosso e uma mão pesadíssima. Marcos Kwiek tem tudo o que um técnico de vôlei quer nas mãos e não consegue fazer as gigantes dominicanas atuarem como um time. Fico imaginando se um técnico como Bernardinho, Guidetti, Terzic ou Lavarini pega um time desse de mulatas altas, fortes e com bom alcance de bola, se não teriam resultados muito melhores que o Kwiek.
A República Dominicana está na grupo do Brasil no qualificatório olímpico, se o técnico não fosse o incompetente do Kwiek, diria que as dominicanas seriam favoritas contra o Brasil, mas como o Kwiek está lá pra bagunçar e atrapalhar o time, tudo pode acontecer!
Kamila Azevedo disse…
Infelizmente, não consegui assistir ao jogo do Sesi Bauru, mas fico feliz com a estreia vitoriosa na Superliga. Boto muita fé no time de Anderson Rodrigues e acho que poderá surpreender na fase final.

Assisti, no entanto, ao jogo entre Sesc e Curitiba. Achei o time do Curitiba muito fraco e me surpreendi até com o trabalho que deram ao Sesc. Acredito que isso ocorre, pois os times ainda estão sem ritmo.
Anônimo disse…
Acho estranho comentário, SESC tem que agradecer a peña, não acho. Jogadora tá ali para jogar, jogou bem, assim como a Jucy. O que vi foi mais um jogo inconstante de GABIRU e de ROBERTA. Sinceramente depois que ela voltou da seleção parece que não está escutando ou olhando o jogo. Bola para Kosheleva não é rapida é alta e precisa o que ela não está sabendo fazer.
Anônimo disse…
É anônimo, concordo contigo, parece que a temporada na seleção nas más companhias de Dani-si Lins e Zé Mané influenciaram de forma negativa e estragaram o jogo da Roberta. Bernardinho vai ter que consertá-la de novo!
Anônimo disse…
Roberta sofreu o efeito Zé Roberto de desestabilizar levantadoras. Antes fazia um feijão com arroz bem feito, agora nem isso.

Eu amei ver o Hinode perder. Time horroroso. O mané mais perdido do que as jogadoras.

Fiquei lá no twitter movimentando minha hashtag #ForaZé, mas ninguém me acompanhou. Mas fiquei feliz com a derrota dele.

Penha, Jucy e Monique seguraram o tranco. Jogaram muito.

Fabíola melhor levantadora da temporada até o momento.

Outro que impossibilita o despertar do time é o Luizomar. Não adianta, com ele à frente, não vai nunca dar certo para Osasco.

Mantronix Inc disse…
Do jeito q a Peña esta jogando, e q a Gabiru não esta, acho boa ideia quando a Drussyla voltar, retornar como líbero.
Anônimo disse…
Tá louco Mantronix, colocar Drussyla de líbero. Acho que essa ídeia é o medo de ter um adversário com Kosheleva, Drussyla, Peña, Vitoria, Roberta(infelizmente), Jucy, Mayhara ou Bia, Monique (Peña). Acho que o time fica forte no ataque e perde em passe. Espero que Bernardo tenha perdido a paciência com GABI e coloque Vitória. Contudo esse ai é meu time ideal para a Superliga.
Renato Carvalho disse…
O flu tem um bom time mas com essa de líbero é Giovana de levantafora não dá
Mantronix Inc disse…
Hoje, (terça,20 de novembro) tem Osasco x Sesi-Bauru, às 19:30 transmissão no Sportv2.

Mari Paraíba q se cuide.
Anônimo disse…
Kkkkkk Mantronix, o jogo de hoje é realmente imperdível!
Se Mari está incomodada com a Tifany, quero ver o que ela vai fazer quando pegar a Peña Isabel,a destruidora mor dessa Superliga!