Com uma forcinha do banco


Final Paulista 2018 -
Audax/Osasco 2x3 Sesi/Vôlei Bauru

Duelo equilibradíssimo entre Sesi/Bauru e Audax/Osasco no primeiro jogo da final do Paulista
Assim como aconteceu na semifinal, o Osasco teve que correr atrás de uma desvantagem de 2x0. Só que, desta vez, a virada no placar não se concretizou. O Anderson Rodrigues foi certeiro nas suas modificações pelo Sesi no tie-break e elas fizeram a diferença.
Primeiro com a Andressa no lugar da Saraelen, recuperando a atuação forte do bloqueio, fundamento que tinha brilhado nos dois primeiros sets e se ausentado nos seguintes. O bloqueio levantou a moral do time que, naturalmente, estava abalada depois do empate do Osasco. Segundo, com a entrada da Arlene no saque, complicando a linha de passe e cancelando a desvantagem de 13x11 do time da casa.
As trocas do quinto set não só apenas ajudaram a definir o resultado final como foram um bom resumo do que foi o Sesi ao longo da partida. Anderson fez uso de quase todas as suas peças à disposição. Quando Palacio e Vanessa não deram resultado, lançou mão de Gabi Cândido e Edinara, que colaboraram para a recuperação do time no placar.
Quando Edinara já não rendia e a equipe perdia poder de definição com a queda de aproveitamento da Diouf, o treinador arriscou com a Tiffany como ponteira. É bem verdade que essa substituição não deu bons frutos – e eu até preferia que ele tivesse tentado o básico: a volta da Palacio. Mas é ótimo vê-lo tentar novas saídas e sem medo de usar os recursos que tem no banco. 
E esta força coletiva fez a diferença numa partida que foi extensa, desgastante e muito equilibrada. Mesmo as largas vantagens que uma e outra equipe abriam eram difíceis de se manter – tanto que quase todas foram revertidas pelo adversário. O empate do Osasco, ao contrário do que aconteceu contra o Barueri, não era tão improvável. Os dois primeiros sets tiveram placares próximos, decididos em detalhes. A única superioridade que se sustentou foi a do Osasco no quarto set.  Ou seja, ter peças de reposição capazes de mudar o cenário em quadra foi um trunfo importante para o Sesi.

*******************************************

Luizomar não tem a mesma riqueza de opções, mas também trouxe do banco a jogadora responsável por comandar a recuperação de Osasco. Mais uma vez Paula entrou para incendiar o time e dar a Claudinha uma opção de bola de segurança no ataque. Acho até que o treinador poderia ter antecipado esta troca já que a Leyva mostrava não estar tão inspirada. 
Com um início apagado da Lorenne, o Osasco ficou dependente, vejam só, da Mari PB, que esteve muito bem na função ofensiva. A entrada da Paula renovou o fôlego de ataque, reforçado, depois de um tempo curtindo o banco, pelo forte retorno da Lorenne. O time começou a organizar e a aproveitar melhor os contra-ataques tão desperdiçados no início da partida. Para uma equipe que foi muito mais do fundo de quadra do que do bloqueio, isso foi fundamental para se consolidar no jogo. 
No Sesi, o movimento foi contrário. A equipe perdeu poder de definição e aumentou o número de erros dados ao adversário, principalmente na recepção. A relação saque-bloqueio também, que tinha dado bons momentos nos dois primeiros sets, caiu e só foi retornar no set decisivo, o tie-break, revigorado pelas jogadoras do banco de reservas.
O segundo e decisivo jogo acontece na próxima segunda, às 19h15, em Bauru. Se o Osasco vencer, haverá a disputa do Golden Set para definir o campeão.
*******************************************


Algumas observações individuais:

- Grande partida da Fabíola. O que ela arrumou de passe, seja na virada seja nos contra-ataques, e colocou na pinta para suas atacantes não foi brincadeira. Muita precisão e habilidade da levantadora. Só não me agrada – e não tem dado bons resultados – a china. Falta velocidade para esta jogada. 
- Claudinha também fez boa partida, principalmente nos primeiros sets em que o passe oscilou bastante. O problema é quando ela inventa de surpreender nos momentos errados. A tentativa frustrada de uma bola de segunda no tie-break, por exemplo, comprometeu. 
- Muito bom ver o crescimento da Lorenne. Demorou para engrenar, é verdade, na partida. Mas quando voltou do banco, honrou as qualidades da sua posição e colocou bolas importante no chão. Será uma pena se este crescente for interrompido, na Superliga, pela chegada da Hooker.

- Como é bom ver a Paula jogando bem novamente, sendo decisiva no ataque. Na última temporada, até por conta das lesões, ela era muito mais vontade e garra do que bola. Agora, nestes dois últimos jogos, vimos as duas coisas andarem juntas, como nos velhos tempos. É claro que não dá para esperar dela o mesmo fôlego de antigamente, mas é muito bom ver como pode continuar sendo importante para uma equipe do nível do Osasco.

Comentários

Anônimo disse…
Quem disse q técnico não ganha jogo? Ess vitória foi totalmente arquitetada pelo excelente técnico Anderson Rodrigues, que nunca desistiu de tentar, arriscar, ousando para vencer! Quando vc faz um paralelo com a época do Kwiek no Bauru que só sabia bagunçar e afundar o time e, agora, vc vê as grandes atuações de Anderson Rodrigues no comando do time, nas orientações, nos pedidos de tempo, nas substituiçoões, vc vê o abismos que há entre Anderson e Kwiek! Comparando com o ultrapassado, paneleiro e acomodado do Zé Roberto, vc constata que Anderson não tem medo de usar o que tem, de mexer no time, buscando a formação que poderia ser melhor para cada momento do jogo, ao contrário do previsível Zé Roberto que várias vezes já morreu abraçado às suas convicções principalmente com Dani-si Lins e Natália contundida. Com certeza o Bauru de Anderson venceria a seleção do Zé panela se houvesse um confronto entre os dois.
Anônimo disse…
Quem disse q técnico não ganha jogo? Ess vitória foi totalmente arquitetada pelo excelente técnico Anderson Rodrigues, que nunca desistiu de tentar, arriscar, ousando para vencer! Quando vc faz um paralelo com a época do Kwiek no Bauru que só sabia bagunçar e afundar o time e, agora, vc vê as grandes atuações de Anderson Rodrigues no comando do time, nas orientações, nos pedidos de tempo, nas substituiçoões, vc vê o abismos que há entre Anderson e Kwiek! Comparando com o ultrapassado, paneleiro e acomodado do Zé Roberto, vc constata que Anderson não tem medo de usar o que tem, de mexer no time, buscando a formação que poderia ser melhor para cada momento do jogo, ao contrário do previsível Zé Roberto que várias vezes já morreu abraçado às suas convicções principalmente com Dani-si Lins e Natália contundida. Com certeza o Bauru de Anderson venceria a seleção do Zé panela se houvesse um confronto entre os dois.
Alysson Barros disse…
Incrível ver a Fabíola voltando a arrasar em partidas e me fazendo lembrar por que gosto dela desde quando desbancou as osasquenses junto com a Garay naquele título paulista pelo Pinheiros.

Zé Ruela tinha que ter investido nela, não na Pani Lins e muito menos na Roberta dois toques.

Parece ser a única que sabe consertar a quinação das ponteiras, tão em voga atualmente. Manda bolas na pinta e está se tornando imprevisível com uma dose muito boa de abuso. Parece ser a mais versátil. Consegue colocar o bolão que a Valentina gosta e depois acelerar para a ponta, com uma precisão de causar inveja às selecionáveis.

Espero que consiga manter o nível e aprimorá-lo. E depois sambar na cara do Zé Mané mais uma vez ao pedir dispensa da seleção mequetrefe que está e virou sob seu comando.

Quem fala que Tiffany leva vantagem precisa ver esse jogo: entrou e não fez absolutamente nada, muito pelo contrário, comprometeu o time inteiro. Só errou. Inacreditavelmente passou de forma razoável, mas tomou vários tocos e isolou bolas.

Brait pegou várias da Diouf. Em 2012 mão comcordei com seu corte, porém em 2016 sim. De qualquer forma, é inegável a falta de escrúpulo do Zé Lelé e na sua capacidade de fazer jogadoras não quererem mais saber do seu time. Uma a menos na conjuntura atual.

Esperando por mais tombos dele na Superliga.
Paulo Roberto disse…
Comentários certeiros mais uma vez Laura.

Me anima muito ver o Anderson como técnico, dá uma esperança de um possível nome pra SFV quando o Zé largar o osso.

A emoção da Fabíola no final mostra que ela se sentia muito pressionada em Osasco, agora em Bauru, parece muito mais leve (em todos os sentidos) e está voltando a mostrar o voleibol de antes da gestação. Hoje é sem dúvidas nossa melhor levantadora. Claudinha se tornou uma levantadora mais objetiva e isso é muito bom. Como você disse ainda tem momentos daquela Cláudia que inventa umas coisas sem noção, mas evoluiu muito desde o fatídico "burra" do Zé Roberto.

Sobre a Lorenne, estava me perguntando a mesma coisa durante o jogo, é claramente uma jogadora com potencial enorme, mas deveria ser titular absoluta de uma equipe menor. A Hooker não vem pra bancar. A Paula no time eleva o nível do Osasco. Eu se fosse o treinador já entrava com ela de titular no próximo jogo.

Penso que o Anderson vai tentar repetir a fórmula que deu certo com o Brasil em Pequim, obviamente guardando as devidas proporções: 3 atacantes de ponta muito fortes, mas com passe B; a levantadora pra consertar as coisas e duas centrais equilibradas. Se vai dar certo em um campeonato tão longo como a SL será outros 500.
Márcio Oliveira disse…
Estou temeroso em relação a Superliga 2018/19, a julgar pelo nível técnico das equipes paulista a coisa está ruim, equipes pra lá de medianas, o Osasco está muito mal, lutará muito para conseguir entrar na quarta vaga das semifinais desse ano, pois as outras três vagas já tem destino certo, vão para o Praia, Minas e Sesc Rio nessa ordem. Eu prevejo a final entre as equipes mineiras.
Camilla Paiva disse…
Queria só relatar a minha dor no coração de constatar que teremos que aguentar uma seleção com Suelen e gabiru improvisada de libero, enquanto Camila Brait fica de fora jogando o fino da bola. Tudo culpa do Zé Roberto. Até a Tássia deveria estar na seleção, pois apesar de oscilar muito, tem mais qualidade que Suelen ou gabiru. A Fabíola fez uma partida espetacular, e Claudinha evoluiu bastante. Ambas deveriam estar brigando pela posição de levantadora da seleção, mas já sabemos o que esperar do Zé paneleiro.
Laura disse…
Márcio, não estou assim tão preocupada com a SL. Pelo menos não acho que será pior do que a última em nível técnico e deveremos ter bastante equilíbrio. Temos q ver como os outros times começarão a competição. A preparação vivida no Paulista pode ser uma vantagem inicial tanto para o Sesi como para Osasco.

Paulo Roberto, pois fiquei pensando se valeria a pena começar o próximo jogo com a Paula como titular. O time ficou mais equilibrado com ela em quadra nas duas últimas partidas.
A questão é saber se o efeito será o mesmo com ela desde o início.

Camilla, acho que sua dor é compartilhada por todos. :(
Arley Rocha disse…
No próximo jogo eu deixaria a Andressa titular e deixaria Saraelen no Banco, Oh Centralzinha Ruim.
Anônimo disse…
Alguém tem que ser muito "hater" dos clubes paulistas para pôr o SESC RJ como terceira força da Superliga à frente de SESI Bauru e Audax Osasco. O SESC, desfalcado da libero Fabi e da Ponteira Gabi, vai levar muito ponto de saque. Gabiru de líbero é uma piada. Peña Isabel e Kosheleva simplesmente não tem passe. Bernardinho vai ter que fazer mágica pra esse time passar. A jogadas com as centrais serão anuladas. O RJ nem tem Campeonato Estadual direito, quem reclama do Campeonato Paulista com equipes como SESI Bauru, AUDAX Osasco, Pinheiros, São Caetano e Hinode Barueri, só pode ser por pura inveja e recalque.
Anônimo disse…
Sou torcedor do Audax Osasco, mas tenho que reconhecer que Anderson foi muito bem no José Liberatti. Todos sabem o quanto é difícil enfrentar a pressão da torcida Osasquense, ainda mais em uma final, no José Liberatti lotado. Mas como torcedor Osasquense, não posso deixar de elogiar também o desempenho de Luizomar durante a partida, lutando até o último ponto pela vitória e da raça das jogadoras. Em relação ao comentário lá de cima, acho que o Osasco também venceria a seleção do Zé Roberto, Walewska está melhor que as centrais da seleção, Brait é muito superior à Gabiru e Paula Pequeno tem mais garra e mais jogo que a Natália meia-bomba. Acredito numa excelente Superliga com Praia, Minas, Bauru e Osasco subindo de produção.
Anônimo disse…
No Estado do Rio, vejo o Fluminense fortalecido com os reforços de Joycinha, Pri Daroit, Carla e Ju Carrijo e o SESC enfraquecido com os desfalques de Gabi e Fabi. Talvez, o Fluminense seja o time mais forte do Rio no momento, porém quem tem Bernardinho como técnico nunca pode desanimar, o cara é fera e já mostrou várias capaz de tirar leite de pedra.
Anônimo disse…
Esse è o meu Osasco jogando como nunca e perdendo como sempre atè quando Senhor.
Agora uma dùvida entre Amanda e Mari Paraiba qual das duas è a maior encalhadora de rede do BRASIL.
Bjus da Soko.
Anônimo disse…
O Osasco Audax é Campeão Mundial e Tetra Campeão Sulamericano, tem que respeitar, apesar de ter perdido a primeira partida da Final do Paulista , perdeu de cabeça erguida, lutando até o final. Não esperem jogo fácil não lá no panela de pressão em Bauru, porque o Osasco Audax tem muita lenha pra queimar e vai lutar muito pelo título. O Osasco Audax é um time de guerreiras e a raça de Paula Pequeno representa a alma do time Osasquense. Aguardem, que tem jogão pela frente!
Márcio Oliveira disse…
Não tenho nenhuma inveja de equipas paulistas, cariocas ou de qualquer região do país, meu comentário foi somente em relação aos jogos que assisti do campeonato Paulista. Os times deste anis, salvo os mineiros, estão muito aquém dos times de anis anteriores, achei o nível técnico do campeonato Paulista bem fraco, alguns jogos até emocionantes, nas pelo nivelamento por baixo, acho todos os times ruins, deste o Sesc Bauru, comi o Osasco, Pinheiros e principalmente o Barueri. Estou desanimado com a Superliga que está para começar, tomara que seja apenas uma sensação ruim e que os times melhorem e muito o nível técnico. Quanto ao Sesc Rio, realmente está em termos de jogadoras bem inferior aos anos passados, porém tem um treinador que julgo ser o melhor ou um dos três melhores técnicas de vôlei do mundo.
Evandro Mallon disse…
Eu até não critico tanto a Gabiru ( ainda ), pelo fato de uma lesão séria, 9 meses de recuperação e pouco tempo de treino. No Osasco ela entrava justamente pra equilibrar o passe, e conseguia muito bem. Agora vamos ver com os treinos intensos do Bernadinho como ela vai voltar pra Superliga, ate pq treino com Zé Roberto nunca é referencia para nada né.
Kamila Azevedo disse…
Anderson Rodrigues tem se revelado um excelente técnico. Obviamente, ele tem um grande grupo de jogadoras em mãos, mas o SESI Bauru tem se saído muito bem. Concordo com seus comentários sobre a Fabíola: ela está em grande fase e, pra mim, é a melhor levantadora em atividade no Brasil.

Do lado de Osasco: Camila Brait foi um MONSTRO! O que foram algumas das defesas que ela fez? Sensacional!

Uma pena ver jogadoras desse nível fora da seleção. E a gente sabe que, enquanto Zé Teimoso for o técnico, elas não voltam a jogar com a amarelinha.
Joao Ismar disse…
Em relação ao nível da Superliga, apenas o Praia está acima dos demais. O Minas tem a Nathalia que já é uma ajuda importantíssima, mas falta uma oposta de definição. A Bruna joga muito, mas quando o time precisa dela, cadê? Vide a segunda partida das quartas de final da Superliga passada. Não vou nem comentar sobre a Mara.
Há anos o Bernardo vem tirando leite de pedra no Rio, mas eu sempre falei que o diferencial do time era a Fabi. Sem a Fabi (e ainda mais com Gabiru) vejo o Rio no mesmo patamar de Osasco, Bauru, Barueri...
Será uma das superligas mais equilibradas dos últimos tempos, não necessariamente a com melhor nível técnico.
Sobre o jogo, sou torcedor de Osasco, mas é impossível torcer contra a Fabíola. Mesmo no auge da Dani Lins, sempre achei a pastora melhor. Hoje ver a Roberta de titular da seleção é o fim.
Anônimo disse…
Ednara e Sara tiveram a infelicidade de cruzarem com o Zé Xulé em clube e o deixaram. Nunca mais vão voltar para a seleção.
Sérgio disse…
Se o Sesi Bauru contratar a Jaqueline vai dar muito trabalho na Superliga.
Anônimo disse…
Essa Superliga vai ser tão diferente.....prova disso neste fim de semana o SESC levou uma piaba do FLUFLUnense! Que delícia ver essas equipes de clubes de futebol entrando com tudo! Que venha o FRAmengo também!