Liga 2018 - Brasil 0x3 Turquia


Procure o significado de frustração e aparecerá este jogo do Brasil contra a Turquia.
Depois de uma partida quase perfeita contra a China, a seleção brasileira retrocedeu seis semanas e repetiu o desempenho da estreia contra a Alemanha. Nenhuma seleção esteve, nesta Liga, a salvo dos altos e baixos. Um campeonato extenso tem destas coisas. Mas fica difícil entender e explicar como de um dia para o outro o Brasil passa do 80 para o 8.

Entendendo ou não, foi este Brasil que apareceu em quadra contra a Turquia. Com exceção da Gabi, excelente no ataque, nada deu certo para a seleção. Primeiro, ficou acuada pelo saque turco, o que desmontou a virada de bola. E, defensivamente, não soube ameaçar o adversário.  

O saque, de forma geral, foi colocado praticamente no colo das passadoras turcas. E olha que a recepção é uma das principais fragilidades da Turquia. O Brasil não soube aproveitar. Não soube aproveitar também os diversos erros que as turcas cometeram no saque e no ataque. A seleção teve várias chances para retomar a confiança e engrenar, mas não conseguia dar mais que dois ou três passos à frente sem voltar a cair pelos próprios erros.

Comentei que uma das vantagens brasileiras sobre a Turquia seria exatamente este controle dos erros. Ledo engano. O Brasil foi perdendo a paciência ao longo do jogo e, com isso, a precisão e o cuidado nas ações. Se não resultaram em pontos diretos, as falhas comprometeram seriamente qualquer reação na partida. 

Quando escrevi sobre a vinda da Jaqueline para o lugar da Drussyla, observei que ela provavelmente seria utilizada para fazer o fundo de quadra e sacar, dificilmente para ser titular. Um comentário que levou em conta não a qualidade da atleta, mas as condições físicas e de ritmo de jogo dela. Não tinha, portanto, grandes expectativas em relação ao reforço da Jaque. Ainda assim, me peguei questionando por que ela não entrou neste jogo, em que a recepção esteve um caos, para substituir a Amanda e não só, como utilizou o Zé, para sacar.

O passe é que estava desestabilizando o Brasil. Primeiro, acho que o Zé demorou demais para tirar a Amanda. Segundo, não acho que a opção por reforçar o ataque no segundo set, colocando a Rosamaria no lugar da Amanda, tenha sido a melhor. Naquele momento, a Gabi e a Tandara levavam bem o ataque – a oposta foi cair de rendimento no terceiro set. Acredito que a recepção era o que o Brasil deveria priorizar naquele momento, até para dar mais confiança e tranquilidade para o time. E, estando a Jaque no banco, uma especialista no fundamento, não custava tentar. 


**********************************

Antes de terminar, não se pode deixar de valorizar a atuação da Turquia, em mais um bom trabalho realizado pelo Guidetti. Leu perfeitamente o jogo brasileiro e não teve medo de agredir. Esta postura ousada e descompromissada, encarando de igual pra igual as principais seleções, tem dado muito resultado. O Brasil não foi a primeira vítima desta nova força do vôlei feminino, mas, infelizmente, foi a primeira fatal.

**********************************

Semifinal 2  
EUA 3x1 China

O conjunto mais organizado e aplicado dos EUA fez a diferença. As norte-americanas tiveram muito mais volume de jogo, tirando a paciência das atacantes chinesas que não conseguiram “se criar” em cima da defesa.

Sem contar que os EUA trabalharam e tiveram um melhor aproveitamento dos contra-ataques. Apesar de achar que a Lloyd começa a concentrar demais o jogo na Barstch, ela encontrou na central Akirandewo também uma importante alternativa para o ataque.

A China, por sua vez, sofreu nos dois primeiros sets com as falhas no passe e a partida inconstante da Zhu. É um time ainda sem unidade. 


************************************

Terceiro lugar - Brasil x China

Final – EUA x Turquia

Teremos nas decisões a repetição dos confrontos de grupo desta fase final. Duelos recentes, ainda muito vivos na memória, o que gera uma expectativa bastante grande nos vencedores, principalmente no Brasil. 


Se o Brasil voltar ao seu normal, a aplicação tática pode novamente fazer a diferença contra uma China pouco inspirada e que não consegue mostrar nada muito além da Zhu.

Na final, se a Turquia conseguir manter a postura descompromissada, pode ameaçar seriamente o título dos EUA. Lembrando que os dois encontros entre estas seleções na Liga foram para o tie-break, uma vitória para cada lado.

Comentários

L. Mesquita disse…
Meryem Boz do alto de seus 1,94m acabou com o jogo despejando potência pra cima das brasileiras!Só mesmo um sem noção como o Voloch acharia q o Brasil não poderia perder p/as CAMPEÃS MUNDIAIS SUB23 de mais de 1,90m da Turquia!Logo,daqui pra frente a renovada Turquia não é a mesma das Olimpíadas do Rio 2016 e vai dar muito mais trabalho!Vale ressaltar que a ponteira de 1,89m HANDE BALADIN foi MVP do CAMPEONATO MUNDIAL e q a GIGANTE OPOSTA BOZ tem 1,94m, q é a altura da TIFANY!BOZ,além de gigante,tem muita força e um físico privelegiado!A oposta reserva,Ebrar Karakurt tem também 1,94m!Nunca tivemos na seleção uma ponteira/oposta de 1,94m como a BOZ,por isso aguardo ANSIOSAMENTE ver TIFANY atuando pela seleção!
Resumindo:a Turquia tem duas opostas de 1,94m que fizeram a diferença nessa Liga das Nações e nossa única jogadora de 1,94m,a Tifany,tem q vir urgente pra seleção!
André disse…
Laura, se eu viajar em minhas impressões, por favor, me corrija.
Eu até acho boa e pertinente essa derrota. E por quê? Porque o título do Grand Prix do ano passado fez com que abafássemos muitos problemas que surgiram e eu temia que isso acontecesse de novo. Nosso time está muito mal escalado e não estamos servidos das melhores nas suas posições, de fato.
Respeito muito a trajetória e o histórico do Zé Roberto, mas insisto: acho que o tempo dele à frente da seleção já se esgotou. O cara fala em rodízio das jogadoras, mas algumas raramente entraram em quadra; fala de renovação, mas quer que Fabiana e Sheilla (que não joga há duas temporadas) voltem para a seleção.
Não entendo, por exemplo, porque Macris não foi efetivamente testada. Roberta já deu mostras do que é capaz, mas é Macris? Hoje, por exemplo, com a leitura de jogo da Roberta marcada, por que não arriscar?
O que Bia está fazendo ali?? Ela está sempre mal, só ataca largando e ele tira a Adenízia para colocar a Carol? Com exceção da Mara, só levamos centrais baixas para o nível internacional. Não temos boas e altas centrais que poderiam amadurecer nesse ano? Valquíria, Milka, por exemplo?
Amanda é boa jogadora, mas não para nivel internacional (embora eu não goste dela, mas acho Mari Paraíba muito melhor). Tandara não consegue carregar sozinha o piano nas costas...enfim, acho que nosso problema está na comissão técnica.
Sou brasileiro e sempre irei torcer pela nossa seleção, mas um possível título mascararia os problemas que esse grupo tem. Alguns eu já discuti em outros tópicos, como o fato de sermos um time de conjunto e agora estarmos numa Tandaradependência (e ainda bem que temos ela, pq se não fosse, seria muito pior). Enquanto outras seleções têm várias jogadoras abaixo dos 23 anos, as nossas mais novas são Rosamaria com 24 e Drussyla com 22. Ou seja, não temos renovação nesse time. Isso me preocupa!
ElaIne Mara disse…
Fiquei sem entender nada sobre o que vi na quadra hj e os 3x0 mais ainda.concordo com você Laura sobre as mudanças do Zé e acabou ficando um pouco sem sentido a não utilização da Jaques nessa vaidade da recepção. Concordo também com o L. Mesquita sobre a Campeãs Mundiais Juvenis o que nos deixa um recado sobre a nossa base no vôlei feminino e oqto ainda essa equipe pode crescer. A competição é longa pra todas as equipes. O Brasil não pode se apoiar nisso e sim entender que nos falta mais experiências para essas jogadoras ,até mesmo para a Tandara que sempre foi banco e hj virou protagonista solitária. A China virà pra cima como um Leao ferido e precisa saber se teremos o antídoto Sossega Leão. Força Brasil
Anônimo disse…
Sobre a convocação da Tyfani, eu vejo a mesma situação em relação a convocação do Leal:nem sobre tortura isso vai acontecerolar pois a manutenção dos privilégios e o preconceito faz parte das regras do jogo.Penso assim.
Kaike Lemos disse…
André, concordo com você! O tempo do ZRG já acabou faz TEMPO, e ele quer a volta de Sheilla e Fabiana.
Se EU comandasse a seleção eu reformularia toda essa renovação FALSA e fazia a verdadeira RENOVAÇÃO com:
Lev: Macris,Bruninha,Lyara,Juma e Giovanna.
Opostas: Bruna,Tiffany,Lorenne,Paula.
Ponteiras:Drussylla,Gabi,Maira,Lana,Gabi Cândido,KarolTormena,F.Tomé,Sonaly,Edinara e Gleici.
Centrais: Carol,Milka,Diana Alecrim,Mayani,Mayhara.
Lib: Laís,Ju Paes e Vitória.

Laura, ACREDITO que se a comissão técnica for trocada essa seleção pode ir mais longe! ZRG não faz jogadoras, pega prontas! Ele não COBRA,PRESSIONA ou DA APOIO as jogadoras!
Anônimo disse…
Eu estava doido para comentar este jogo. Não sei se sou louco ou vejo tudo diferente do que foi dito na transmissão pelos especialistas. Frustração minha que quase morri do coração aqui.

Não acho que nada funcionou; pelo contrário, muita coisa funcionou, muita mesmo. O principal elemento responsável pela derrota tem nome e sobrenome: José Roberto Guimarães. Ele não mereceu ganhar, assim como não merece ganhar o mundial.

Hoje ele deixou claro o porquê de ter perdido o jogo contra a China no Rio e o seu maior defeito: morrer abraçado em suas convicções, sem a capacidade de fazer o óbvio às vezes. Ele desenvolve uma tese e, como em um doutorado, tenta defendê-la até comprová-la, mas só que pode estar errado e do outro lado tem sempre outro time que também trabalha e estuda muito a seleção brasileira.

1° ponto - A comentada rede de dois que falamos ontem. Amanda na entrada, Bia na china (se resumiu a isso) e Tandara na Pipe (que não é pipe, pois não é um segundo tempo, é bola de fundo pelo meio).
Bia não vira nada então sobrecarrega Amanda, que também que não tá virando. O bloqueio e a defesa começam a marcar Tandara, que não vira mais também.
Soluções:
1 - Colocar Bia para atacar na frente da levantadora e Tandara no fundo pela saída, o mais básico.
2 - Trocar Bia por Carol.
3 - Tirar Amanda e por Jaqueline, que está lá no lugar de Drussyla, e era isso que acontecia quando Amanda não ia bem. O passe dela estava muito ruim, então Jaque arrumaria isso naquele momento.
4 - Tirar Amanda, por Tandara na entrada e Rosamaria na saída.

O que o Zé Roberto faz:

1 - Coloca Rosamaria no lugar de Amanda para melhorar o passe e o ataque. Onde já se viu isso? Será que não está claro ainda que Rosa não passa e não funciona na ponta da seleção? Quando a Rosa entrou no lugar da Amanda eu me tremi todo. Em alguns lances, Amanda voltou de novo.
2 - Tira Adenízia e coloca Carol, mantendo a Bia!!!!???? Alguém entendeu isso? Bia um zero à esquerda no jogo, errando saque e passando em branco no ataque e ele tira Adenízia?

Cadê as jogadoras versáteis? Por que levar Jaqueline do Brasil para a China, tirar a criatura do conforto do lar só pra colocá-la para sacar? A mulher que poderia mudar o jogo com uma recepção regular?

Muito burro o Zé hoje. Não fez alteração cirúrgica nenhuma como disseram os especialistas da transmissão. Só foi bem no fim do primeiro set. Ninguém o critica. Fala que ele errou, que fez escolhas incorretas. Será que ninguém vê. Nem precisa ser especialista para ver certas coisas.

Agora a Rosamaria e a Bia precisam se autoanalisar, fazer uma reflexão. Muito carão e bateção de cabelo e pouco vôlei. Bia é a cara do Osasco dos últimos tempos. Nenhum poder de reação. A Rosa coitada, não sei não.

O Zé já tinha jogado a toalha. Tomara que não ganhe o bronze nem o mundial. Tomara que ele saia da seleção. Já deu.

Um desespero porque o saque não tava entrando. Maluquice! Não tá entrando, fuck you. Segue o jogo e vamos pegar no bloqueio ou defesa. Não precisa se desesperar, é do jogo. O povo sacando na líbero igual como fazem aqui na superliga que eu tanto digo.

Parabéns às meninas. Tandara, Suelen, Gabi, Drussyla, Carol, Adenízia e Amanda brilharam nesta VNL. Amanda tem que melhorar um pouco o emocional em decisões. Roberta tem que treinar mais a precisão e se acalmar no jogo. Bia e Rosa não sei não, têm que se reinventar na seleção. Se resumir a atacar só bolas chinas é andar para trás, ainda mais sem ser efetiva.
Anônimo disse…
KAIKE...
COM ESSA ESCALACAO O BRASIL PERDERIA ATE O SULAMERICANO...
ZULIVRE!!!!