O encontro da tradição com a zebra


 
A final da Champions League 2018 será um encontro de um veterano em decisões, o Vakifbank, com um novato, o Alba Blaj.


O time turco se classificou para a sua oitava final depois de vencer por 3x2 o Conegliano numa semifinal que, apesar dos cinco sets, não foi das mais equilibradas. A não ser o tie-break, os outros sets foram de domínio de cada uma das equipes: os dois primeiros do Vakif; os terceiro e quarto, do Conegliano.

O time italiano demorou para fazer valer o seu saque e encontrar a marcação do adversário. Quando o bloqueio entrou, barrando inclusive a Zhu, o Conegliano entrou no jogo.

O Vakif sentiu a pressão, principalmente na virada de bola, e até a Zhu precisou de uma certa insistência para fazer cair seus ataques. O pecado do Conegliano foi o mesmo que o prejudicou na final do ano passado: a recepção.

Erros no passe e golpes de vista falhos, sobretudo da Bricio, complicaram o time no tie-break a ponto de o Vakif reverter uma bela vantagem de 12x9 conquistada pelas italianas.
*********************************
 
O Alba Blaj, por sua vez, chega a sua primeira final de Champions na história depois de superar o Galatasaray.

O Galatasaray praticamente só apareceu no primeiro. Nos demais não conseguiu impor pressão ao time romeno tamanho o número de erros que cometeu, principalmente de saque. O Alba trabalhou com melhor qualidade o saque, não só pontuando mais no fundamento como também impondo dificuldade na virada de bola turca. Os contra-ataques do Alba com a Cleger foram muito eficientes, também.

O Alba só foi voltar a sentir a pressão quando estava a um ponto da classificação para a final. Abriu vantagem de 24x17, mas só conseguiu fechar com 25x22. 

*********************************
 
É esta inexperiência que pode pesar na final contra o cascudo Vakifbank.

Vai ser um duelo bonito entre a Zhu e a Cleger. As duas são as principais atacantes de seus time.

O Vakif até pode ter outros recursos, mas na hora do aperto quem é acionada e quem corresponde é só a Zhu, todas as outras  jogadoras somem.

Já o Alba praticamente só pode contar com a Cleger no ataque. Tomara que a cubana esteja num bom dia para manter o nível de disputa interessante.

Comentários

L. Mesquita disse…
O time do ALBA BLAJ é uma verdadeira SALADA MISTA, uma LEGIÃO ESTRANGEIRA que conta com jogadoras de 8 países diferentes: 1 Romania:Ramona Rus,2 Romania:Adina Salaoru,3 Romania:Andreea Cristina Tamaș,4 Brasil:Mariana Thomaz De Aquino,5 Servia:Nataša Krsmanović,6 Servia:Tijana Malešević,7 Bulgaria:Slavina Koleva,8 Bulgaria:Petya Barakova,9 Turquia:Melisa Memiş,10 Cuba:Ana Cleger,11 Brasil:Renata Maggioni,13 Turquia:Selime İlyasoğlu,15 Alemanha:Lena Möllers,16 Servia:Marina Vujović,17 Puerto Rico:Lynda Morales,18 Romania:Nneka Onyejekwe,19 Cuba:Jennifer Yanet Alvarez Hernandez,20 Servia:Aleksandra Crnčević.
O ALBA BLAJ tirou o escorpião do bolso e investiu muito para essa temporada, a comissão técnica é SÉRVIA liderada pelo técnico Darko Zakoč que montou o time que surprendeu a todos e ficou na PRIMEIRA COLOCAÇÃO da fase de qualificação da CHAMPIONS LEAGUE 2018, depois desse feito, o ALBA BLAJ deixou de ser “ZEBRA”.
Óbvio que 9 entre 10 pessoas apostavam em uma final TURCA entre os tradicionais clubes GALATASARAY e VAKIFBANK, mas o ALBA BLAJ pôs água no chopp turco vencendo com propriedade o GALATASARAY, após o GALATASARAY ganhar o primeiro set parecia que a esperada final turca iria mesmo aconter, mas o domínio do GALATASARAY se restringiu apenas ao primeiro set, pois do segundo set em diante o ALBA BLAJ tomou as rédeas da partida e eliminou o timaço do Galatasaray.
A levantadora titular búlgara Petya Barakova gosta muito de jogar com as centrais: a romena Nneka e a sérvia Krsmanović e na hora do aperto aciona a cubana CLeger, as ponteiras titulares são sérvias Crnčević e Malesevic e as líberos são as turcas Memiş e İlyasoğlu.
Anônimo disse…
E o meu Sada Cruzeiro hexacampeão da Superliga. Leal monstro.
Laura você deveria comentar a Superliga masculina também. Nitroglicerina pura.
L. Mesquita disse…
O trio superpoderoso do VAKIFBANK: RASIC, SLOETJS e ZHU não deu qualquer chance de o ALBA BLAJ sequer respirar!
O debutante ALBA BLAJ sentiu muito o fato de disputar sua primeira FINAL de Champions League contra o Velho de Guerra VAKIFBANK que estava já na sua OITAVA FINAL!
Classificado para o MUNDIAL o VAKIFBANK dará muito trabalho ao MINAS.
Mas com as contratações de NATALIA, GABI e LANA de ponteiras BRUNA HONORIO e MALU de opostas, com MACRIS e BRUNINHA de levantadoras, e a renovação com o STEFANO LAVARINI, o MINAS está com um elenco excelente para o
MUNDIAL. Espero a recuperação da Gattaz que foi MVP do Mineiro e do Sul-americano e da efetivação da MAYANY como titular no meio de rede.