Cara a cara: quem leva a melhor?

Domingo acontece a primeira final da Superliga 17/18. Promessa de um duelo equilibrado entre as duas melhores campanhas do campeonato. 

Se no conjunto Praia Clube e Sesc se mostraram as melhores equipes da SL, individualmente eles também têm os seus destaques. O Papo fez o comparativo entre as titulares dos dois time para saber: afinal, cara a cara, quem se sai melhor?

Levantadoras 
Claudinha (Praia Clube) x Roberta (Sesc-RJ)
 

As duas levantadoras não começaram da melhor forma a SL, mas cresceram durante a temporada. A Roberta começou o campeonato um pouco desencontrada das suas atacantes; Claudinha não conseguia manter um padrão durante os jogos e era constantemente substituída. A verdade é que as duas levantadoras (a Roberta durante toda a SL, a Claudinha mais para o final) estão tendo um desafio enorme para trabalhar com o passe que têm recebido. 

E, dentro desta realidade, as duas têm feito um bom trabalho. Mesmo sem passe, Claudinha tem conseguido manter a qualidade dos levantamentos para as pontas e tenta sempre colocar as centrais para jogar – o que, no entanto, nem sempre sai da melhor forma. Já a Roberta faz o feijão com arroz bem feito, tentando colocar um pouco de velocidade para suas atacantes mais baixas, mas esquece por vezes das suas centrais. 

O que talvez diferencie mais as duas, no geral, e possa ser o grande ponto de diferença nas finais é a estratégia e a aplicação tática. Roberta é mais disciplinada e tranquila, dificilmente foge daquilo que o Bernardinho orienta. Claudinha por vezes se perde na distribuição, com escolhas precipitadas. Por isso, por ser mais madura na hora da decisão, a Roberta é mais confiável.  

Vencedora: Roberta (Sesc-RJ)

Ponteiras Passadoras 
Fê Garay (Praia Clube) x Drussyla (Sesc-RJ) 
 
O comparativo das ponteiras é mais complicado de fazer porque o Sesc mudou recentemente, nas semifinais, as posições da Gabi e da Drussyla, o que faria com que a correspondência com o Praia também mudasse. Como não se sabe se manterá a alteração nas finais e como a Drussyla jogou a maior parte da Superliga na posição que corresponde à da Garay, farei a relação ilustrada acima.

Fê Garay retornou ao Brasil em grande estilo. Mesmo que o Praia tenha um ataque bem distribuído, ela costuma ser bastante exigida nos momentos mais críticos. E, como é de esperar, não tem decepcionado na responsabilidade. No passe também, apesar de não ser a principal responsável pelo fundamento, tem garantido qualidade.

O mesmo não se pode dizer da Drussyla, que tem sido muito pressionada neste campeonato no passe e, muitas vezes, comprometido o desenvolvimento do time por conta dos erros no fundamento. Essa dificuldade também a deixou pouco à vontade no ataque. Recuperou um pouco o desempenho da temporada passada nas semifinais contra o Minas e quebrou alguns galhos para a equipe compondo a rede de dois. O teste na SL passada nos leva a crer que ela não vai se esconder nestas finais. Agora, se irá jogar bem, é difícil saber...

Vencedora: Garay (Praia Clube)



Amanda (Praia Clube) x Gabi (Sesc-RJ) 

A Amanda deveria ser a ponteira especialista na recepção do Praia, mas passou por maus momentos durante a SL neste fundamento. No ataque também não conseguiu repetir o desempenho do Brasília – ainda que não se esperasse tanto dela neste quesito – e tem sido um problema para o time quando está na rede de dois. Até por isso, chegou a perder posição para a Ellen, recuperada nas semifinais. É habilidosa e técnica, boa jogadora para o fundo de quadra, mas não se sabe muito bem como irá reagir à pressão das finais.

Dúvida que não ronda a jovem, mas experiente, Gabi. Ela teve uma temporada irregular por conta da cirurgia no joelho, mas está recuperando a velha forma neste final de SL. Nem sempre tem tido um desempenho seguro no passe, mas sua presença, em geral, deu maior estabilidade ao time. No ataque, está se virando bem mesmo quando não tem a bola veloz que lhe favorece. Ainda que não esteja 100%, pela experiência em decisões, é mais confiável do que a Amanda.

Vencedora: Gabi (Sesc-RJ)

Opostas
Fawcett (Praia Clube) x Monique (Sesc-RJ)
 
Não tem sido uma SL regular para nenhuma das duas que, inclusive, ficaram afastadas das quadras por problemas físicos por um tempo nesta temporada.  

Mesmo assim, Monique manteve-se praticamente durante todo o campeonato como a principal pontuadora do Sesc. Quando retornou, foi fundamental para as vitórias cariocas nas semifinais contra o Minas. Costuma crescer na hora decisiva e não tem por que duvidar que aconteça isso nos jogos finais deste ano.

Fawcett teve altos e baixos durante as semifinais, brilhando na última partida do duelo com o Osasco, tanto no saque como no ataque. O saque viagem é um dos seus pontos fortes e um diferencial entre as demais jogadoras desta decisão. A atacante está entre as maiores pontuadoras no fundamento na SL. Em compensação, Fawcett tem a pecha – que não vem de hoje - de sumir na hora da decisão. A desconfiança vai acompanha-la nestas finais.


Vencedora: Monique (Sesc-RJ)

Meios de rede
Wal e Fabiana (Praia Clube) x Mayhara e Jucy (Sesc-RJ) 

   
Neste comparativo, o Praia leva boa vantagem - até por uma questão de característica de jogo em que as centrais são muito mais presentes no ataque.  

Tanto Fabiana quanto Wal tem tido um desempenho regular durante a SL e se destacado no ataque e no bloqueio. Ainda que nem sempre tenham as melhores bolas, a sintonia com a Claudinha está muito melhor do que na temporada passada e as centrais ganharam importância no conjunto.

No Sesc, Mayhara também faz uma temporada regular e tem tido momentos importantes no bloqueio. Ficou um tempo fora no início da SL por uma lesão, mas isso não impediu que despontasse entre as melhores bloqueadoras e atacantes da competição.

Mas o Sesc tem tido maior dificuldade em acionar com frequência suas centrais, o que impediu uma participação mais ativa dela e também da Jucy. A Jucy, infelizmente, faz uma temporada abaixo do seu padrão. Não recuperou o seu melhor ritmo no ataque e tem sido bastante tímida no bloqueio. Apareceu bem na última semifinal – tomara que seja um indício de boas atuações nas finais também.

Vencedoras: Wal e Fabiana (Praia Clube) 

Líberos
Suelen (Praia Clube) x Fabi (Sesc-RJ)  
 
As duas líberos se destacam na defesa. São o ponto de partida para um dos melhores aspectos das duas equipes, o sistema de contra-ataque.

O que as diferencia é o desempenho na recepção - tarefa difícil para as duas já que a linha de passe é um dos pontos frágeis dos dois times e nem sempre estão acompanhadas de parceiras confiáveis.


Porém, a Fabi tem se saído melhor na missão porque, se nem sempre entrega o melhor passe, ao menos não comete tantos erros quanto a Suelen. A líbero do Praia deu umas bobeadas em momentos importantes nos playoffs. De uma líbero, se espera maior segurança no fundamento.

Vencedora: Fabi

Comentários

Alysson Barros disse…
Independente de quem se saia melhor individualmente que o Praia faça valer o coletivo e leve o caneco.
Rodolpho Francis disse…
Só acho que as centrais do Praia não levam tanta vantagem em relação as centrais do Sesc. Mayhara é de longe a central mais regular entre as 4. Eu ficaria com Walewska(que se vira muito bem com as jacas da Claudia) e com a Mayhara, que tem estado entre as maiores pontuadoras do time(fazendo o papel que era da Jucy no ano passado). Sou muito fã da Fabiana, pra mim a segunda melhor central que já vi jogar(atrás da Valeskinha, da época em jogava com a Fernanda Venturini), mas ela não tem estado regular. Nos jogos contra o Osasco mesmo foi a maior pontuadora do time num jogo e no seguinte sumiu. Por conta desses pontos eu ficaria com Walewska e Mayhara. Mas sem dúvidas a Fabiana e a Jucy farão um ótimo jogo.
Anônimo disse…
Acho Mayhara super básica, com um passe melhor q o Rio tem, e uma levantadora inteligente q eh a Roberta, fica muito fácil uma central mediana como a Mayhara se destacar.
Cesar Nascimento disse…
eu acho que a Mayhara no momento só está atrás de Fabiana e Gataz se ela é mediana tem um monte junto dela não ponho a jucy e a Wal porque como as duas citadas acima tem um pouco mais de bagagem mais a Mayhara desde os tempos do praia lá com o Spencer que era bola de segurança veio para o extinto Rexona aí achou jucy e Carol voando não tinha como mais ela tá mostrando o valor dela é tem vaga de titular em qualquer uma das grandes do vôlei feminino , portanto na minha opinião ela não é mediana não é uma ótima central
Kaike Lemos disse…
Roberta da banho na Claudia! A levantadora do SESC, n afoba,abala,desaba e n faz jogadas previsiveis. A Claudia com diz o TRI CAMPEÃO OLIMPICO ZRG disse: larga de ser burra! Ela tem que fazer isso mesmo.

Mayhara e meio lenta pra atacar. E seu saque previsivel, ela sempre vai na diagonal.

Garay e Fawcett, vão ter que chamar o jogo pra si e derrubar as 7 anãs! (ADORO ELAS! Sempre mostram que tamanho n e documento!)

No mercado: Voloch fala que Minas esta interessado na Bartsch, se juntasse Bartsch e contratassem a Bjelica e a Edinara! Voava! Renovaram com a Mara atoa, PANTUFEIRA.

Flu: Vai ser Thais,Pri Daroit e Carla ou seja n renovem com a Giovanna, n tem passe e a Giovanna é ruim em se deslocar.

Abraços.
Rodolpho Francis disse…
Lembrando que a Mayhara tbm é destaque no Bloqueio e dentre as entrais que ainda estão na competição ela é a primeira colocada(a primeira central é a Bia mas todos ja sabem disso). É uma central super técnica e se vira muito bem com as bolas que a Roberta manda pra ela(que nem sempre estão boas)
Sergio disse…
Bom. Independente das jogadoras. Quero que o SESC GANHE maid uma. Mas se perder, parabéns a equipe. Fez o que dela se esperava. Com elenco inferior ao praia, osasco e minas (no papel) chegou a final.
Kamila Azevedo disse…
Praia Clube tem um conjunto melhor de jogadoras e pela campanha que fez, nesta Superliga, merece ser o favorito e vencer o campeonato. Por outro lado, o SESC tem Bernardinho no banco. Ele é o grande diferencial desse final, pois, mesmo com um grupo irregular, consegue arrancar o melhor de cada jogadora e fazer com que elas joguem em conjunto, em equipe. Espero que tenhamos duas grandes partidas. Estou na torcida pelo Praia, pra acabar com a hegemonia dos últimos anos entre Osasco e Rio.
Yana Souza disse…
Kamila, não acho o time do praia tenha um grupo melhor não... e o Rio ganha não é só por causa de Bernardinho não... Vamos dar o mérito pras jogadoras tb... vejo o time do praia com linha de passe inferior ao Rio.. e Roberta bloqueia muito...
Eita jogão!!! Triste de não poder ir no jogo em Minas, mas amanhã tô lá pra torcer e sofrer pelo meu Rio!!
Anônimo disse…
Rafa cruzeiro disse:
O grande diferencial do time é o seu conjunto, então o comparativo individual não tem tanta importância, assim, por exemplo, a Roberta se destaca também na composição do bloqueio como o excelente posionamento na defesa, isso vale também para Monique e Gabi. Então todas se completam e nenhuma se destaca individualmente.
Será um ótimo jogo, torcendo pelo Praia.