Duelos de gigantes nas semifinais da SL



Esta é a terceira edição seguida da Superliga em que teremos Rio de Janeiro, Osasco, Minas e Praia Clube como semifinalistas. Além disso, nesta temporada, os confrontos de semifinais serão os mesmos da edição passada.

Desta vez, porém, vejo que é mais difícil fazer uma previsão de quais equipes serão as finalistas. Mesmo que o Praia Clube e o Sesc tenham feito campanhas na primeira fase superiores a Minas e Osasco, terminando com uma boa pontuação à frente deles, existem outros aspectos que podem equilibrar as disputas e embaralhar as perspectivas dos resultados. 


Vamos analisar o que vem por aí:

Praia Clube x Vôlei Nestlé  
1º jogo – 23/03 – 19h


O Praia é um time com mais recursos individuais - capazes de fazer a diferença - do que o Osasco. Coletivamente também é mais regular e acurado. Porém, não se sabe como vai reagir na hora da decisão.

O Osasco tem no saque uma arma que pode desestruturar o Praia não só taticamente como emocionalmente. Temos visto como o time mineiro tem tido problemas na recepção e como o fundamento o complicou na primeira partida contra o Bauru. Sem contar que o Osasco enfrentou uma quarta de final mais equilibrada em que respondeu bem aos momentos mais tensos. Está mais cascudo.

A Claudinha também é uma incógnita. Vai se manter centrada durante os momentos de pressão? Por mais que a Ananda seja uma substituta recorrente e faça bem o seu papel, ter que trocar de levantadora a todo momento acaba influenciando na segurança da equipe. 

Em contrapartida, o fato de a semifinal ser disputada em melhor de cinco jogos pesa a favor do Praia. Dá menos margem para que se repita o que aconteceu na final da Copa Brasil em que o time mineiro se apequenou diante de uma atuação extraordinária do Osasco  - atuação que até agora estamos esperando que se repita, por sinal.

Sesc-RJ x Camponesa/Minas  
1º jogo – 23/03 – 21h30 

Ano passado os dois times fizeram uma série semifinal de grande nível, decidida apenas no quinto jogo. Os times chegam a decisão deste ano em situações diferentes, mas não será surpresa se a disputa se estender novamente até a quinta partida.

O Minas desta semifinal está mais maduro e equilibrado. O seu histórico recente, no qual se incluem as semifinais do ano passado e a conquista do Sul-americano 2018, ajudou a dar maior estofo para a equipe. O fato de ter uma levantadora mais madura também colabora para dar maior segurança ao time.

Além disso, na comparação com o ano passado, o Minas está menos dependente da Hooker, que não faz uma SL de tanto destaque como a de 16/17. Porém, ao mesmo tempo, tem nela uma jogadora que pode fazer a diferença na decisão e com o básico (bola alta na ponta). É uma opção importante para um time que tem problemas na recepção e que tende, pela personalidade da sua levantadora, arriscar bastante.


Do lado do Sesc, o comparativo com a temporada 16/17 não é tão positivo. O time sofre com os mesmos problemas de recepção que sofria com a Buijs no ano passado. Desta vez, porém, não há nenhuma Drussyla para entrar e mudar a cara do time. A Drussyla hoje é titular e tem tido um temporada difícil, com atuações ruins, em que compromete na recepção e não contribui no ataque.

O bom é que o Sesc se aproximou, mais agora ao final do segundo turno, daquele seu estilo de jogo mais jogueiro e de menos falhas. A Penã como oposta e a Gabi, cada vez mais à vontade em quadra, também trouxeram alternativas seguras ao ataque.

O Minas, acredito, vive um melhor momento do que o Sesc, embalado pela conquista do Sul-americano, justamente contra o time carioca, e as boas vitórias nas quartas. Mas nunca se pode menosprezar a força das equipes comandadas pelo Bernardinho quando chegam à decisão. Esta semifinal é a mais difícil de se apostar num vencedor.

Comentários

Kamila Azevedo disse…
São 2 conflitos, realmente, equilibradíssimos. Não me surpreenderia se chegássemos aos cinco jogos nas duas semifinais. Estou torcendo para que a final seja entre Osasco x Minas. Mas acho que vai dar Praia x Minas.
Anônimo disse…
Eu torcia por uma final Praia e Rio, mais pelo fator revanche de 2016. Mas a bem da verdade, para benefício da própria Superliga, que precisa se oxigenar, uma final Praia e Minas seria o ideal. Monopólios nunca são benéficos. Torço mesmo para um campeão inédito (só o Praia pode fazer isso) ou pelo menos uma final inédita... Mas concordo que tudo pode acontecer. Cada equipe tem seus pilares, e o que veremos é se esses pilares vão segurar a ponta. No Praia, diria que Garay e as centrais precisam aparecer muito. No Osasco. Tandara e Bia. No SESC, que parece que efetivou o castigo de Monique, o conjunto sempre é perigoso. E o Minas depende de Gattaz e Hooker. Falta pouco...
Paulo Roberto disse…
Estou torcendo por uma final Minas x Osasco, mas ficaria muito feliz com uma final mineira também.

Sobre as séries acho que o Praia passa senão com um 3x0, com um 3x1. A instabilidade no passe de Osasco, o salto alto da Tandara, a ineficiência das demais atacantes e claro o Luizomar devem colaborar pra isso. Vai ser difícil o raio cair três vezes no mesmo lugar.

Sobre Sesc x Minas de longe é a série mais imprevisível e creio que acabará somente no jogo 5. Sinceramente não tenho palpite aqui. O Minas parece mais confiável, regular e com uma Gattaz que se o passe sair será uma arma importantíssima pra Macris. Pelo lado do Rio não podemos nos esquecer de Bernadinho e da crescente recuperação da Gabi. Enfim. Que tenhamos excelentes jogos.
Anônimo disse…
Eu faço uma análise baseada nos técnicos e creio que no confronto Luizomar x Paulo Côco, dará Praia.
No confronto Bernardinho x Lavarini, em condições normais, eu diria que o Rio levaria. Porém acho que o Lavarini aprendeu muito rápido a marcar o Rio e está muito motivado individualmente para ganhar esta série. E o Rio não está inteiro como em outras temporadas. Tem muita gente quebrada e sem peças de reposição no banco, e agora tem o caso da Monique, que não é um fenômeno mas sempre ajudou o time quando necessário. Por tudo isso, acho que no confronto Bernardinho x Lavarini, dará Minas.

Assim, teremos a final Praia x Minas.
L. Mesquita disse…
Stefano Lavarini em pouco tempo já conquistou 3 títulos pelo Minas: Gatorade Cup no Peru, Campeonato Mineiro e Campeonato Sul-americano e vem de 2 vitórias seguidas sobre o SESC, no returno da Superliga e no Sul-americano.
A contratação de Lavarini foi um ótimo investimento para o Minas!
Lavarini é um técnico que não tem medo de enfrentar o Bernardinho!
Kaike Lemos disse…
Rio x Minas, na minha opiniao dá Minas, pois vive melhor fase do que o Rio, ainda mais depois da suposta lesão de Monique, e o fato de Drussylla estar pessima no quesito passe. Peña e Gabi são o ataque do time! A Roberta teria que colocar as centrais pra jogar no ataque, principalmente a Mayhara. Minas só se preucupa com a Rosa, que fez péssima apresentação diante do Flu. Melhor do jogo é o saca na Drussylla.

Praia e Osasco, ou melhor Praia x Tandara, se o Praia perder a serie, é culpa da Ellen e Claudia Bueno, pois o time é selecionavel com Garay,Fabiana e Walewska! E a campeã mundial Fawcett.
O Osasco sofre com a Tandara DEPENDENCIA! Pois a peruana toma toco e mais tocos e Mari PB n sabe atacar ou segura pancada melhor que a Tiffany e Andreia. Junto com o passe HORRIVEL! nem Bia que ta pessima no ataque e a mediana Nikovic tem chances de mudar o jogo.
Sergio disse…
Só o tempo dirá, no momento os jogos mais emocionante ficará a cargo do SESC x Minas. Não acho a equipe do Minas superior ao SESC, pois que está no bom momento, vamos ver como vai ser.
Joao Ismar disse…
Minas x Rio será um jogo mais bonito de ver de que Osasco x Praia, certamente os sistemas defensivos do primeiro confronto darão um show. Osasco x Praia acredito que será um jogo mais tenso, certamente com mais erros, Osasco tem que sacar muito bem se quiser ter chances de chegar a final, já o praia terá o bloqueio como arma, já que o ataque do time Paulista será concentrado na Tandara.
Nenhum resultado seria surpresa, tanto uma final mineira, como o velho Rio x Osasco. Particularmente acredito na repetição da final de 2016, primeiro porque Praia e Rio tem os times mais coesos, algumas jogadoras podem desequilibrar o confronto e chamar a responsabilidade, mas não tem jogadoras abaixo da média como Minas e Osasco. Explico: Ellen braga é o elo mais fraco do time de Uberlândia, mas existem boas peças de substituição no elenco, seja com Amanda ou com a Carla, então o time não seria tão prejudicado. O Rio tem um time bastante homogêneo, com a volta da Gabi as ações de ataque ganharam maior equilibro, alem disso tem Vivian, Monique e Kasy no banco para ajudarem o time, se necessário.
Minas e Osasco jogam com o time titular, e olhe lá. Quando observamos o grupo como um todo, algumas jogadoras em grande fase como Tandara e Gataz contrastam com jogadoras que vem atuando abaixo da média como Leyva, Ninkovic, Mara e Rosamaria. Carol e Daroit ainda podem ajudar quando entram, mas não resolvem o problema. Num dia bom em campeonatos decididos em jogos únicos tudo pode acontecer, mas numa série melhor de cinco, como dito acima, é difícil um raio cair 3 vezes no mesmo lugar.
anonimo disse…
Percebendo que o Rio é penta campeão e dos últimos 12 títulos levou 10 é melhor realmente que haja outro campeão. A rivalidade Rio/Osasco só existe em quadra hoje. Em termos de títulos não existe mais. Osasco só foi campeão 3 vezes e tem vergonhosos 12 vices. Mesmo sendo torcedor do Sesc-Rio seria muito melhor para a competição assim como aconteceu no sul americano que houvesse outro campeão.
Mantronix Inc disse…
Se como disseram anteriormente, conseguirem " anular" Tandara como anularam a Tiffany, vai ficar fácil pro Praia, por outro lado o prejuízo q a Ellen da na recepção não compensa seus pontinhos no ataque, Amanda tem q voltar urgente.

Leyva vai fazer seus pontos no ataque mas não é bola de segurança, Mari Paraíba com muita dificuldade de por bola no chão, não deixa a rede rodar, por outro lado, equilibra no passse coisa q a Ellen n faz.

Praia tem 2 jogadoras de segurança Garay e Fawcet, enquanto Osasco só tem Tandara.

As meios do Praia, se o passe for ao menos regular, são superiores com Fabiana, Walewska e Natasha.

Tem tudo p/ dar Praia.
l.mesquita disse…
MANTRONIX, vale ressaltar que ANGELA LEYVA jogou muito tanto na semifinal contra o SESC quanto na final contra o PRAIA na COPA BRASIL. Se LEYVA conseguir repetir essas belas atuações no ataque, ajudará muito a Tandara.
Sergio disse…
Anonimo, bom dia!

Respeito sua opinião em querer outro campeão, mas como torcedor do SESC quero sim o SESC-RJ campeão, acho difícil, mas com garra e determinação poderemos conseguir, esse ano foi sofrível, o time não tem passe, até Fabi não está passando tão bem como outrora. Gosto de Peña como oposta, mas prefiro Monique, pois a mesma tem ótimo fundo de quadra e defente melhor e passa melhor que peña. Se não chegarmos a mais uma final, não tem problema, mas espero que a comissão reveja o critério de contratação, pois esse ano erraram por demais. Um time que tinha como jogadora mais alta a levantadora, foi algo fora do comum.
Esse negócio de ser melhor ou pior pro volei é coisa de quem torce contra. Vou torcer para o meu Sesc Rio passar para mais uma final sim. Espero que contra o Praia para ter bons jogos e que vença o melhor daí. Seria muito bom ganhar de novo com o time todo ferrado pra mostrar o peso dessa camisa!!
Anônimo disse…
Gente, as pessoas tendem a enfatizar os erros e dificuldades do RIO e esquecem a dos outros times... O Praia com a linha de passe Garay e Ellen de Ponteiras não evolui não... Por mais que Ellen esteja virando bolas, da muito prejuízo na defesa e recepção... O Osasco é muito instável, principalmente com a insistência de Luizomar com Leyva, que entrega pontos seguidos para o adversário... O Minas para mim, também não alcançou um equilíbrio entre passe, defesa e contra.ataque, dependendo de uma meio para virar partidas... Resumindo, para mim o Rio ainda é o candidato ao título deste ano, sim... Sejamos coerente e racionais...
Rodolpho Francis disse…
Eu tbm acho que se o Rio chegar a mais um final vai ser por méritos, já que teve uma temporada bem estranha(de muitas lesões) e ainda tem a Drussyla que deve estar sentindo a pressão de ser uma jogadora importante pro time. O Banco do Rio não está tão ruim, acho que a unica que destoa é a Natiele, que quando entra não consegue fazer a diferença. Eu manteria a Kasy, acredito que ela tem um grande futuro(se evoluir no ataque) pois não é de hoje que ela passa e defende bem e já tirou o Sesc de alguns buracos. Torço pro Rio e quero mais que sejam campeãs novamente, os outros que continuem se reforçando pra tirar essa hegemonia.