Equilíbrio na Copa Brasil: ninguém sabe, ninguém viu

Semifinais Copa Brasil 2018 
Dentil/Praia Clube 3x0 Camponesa/Minas

Vôlei Nestlé 3x1 Sesc-RJ
Sesc Minas Tandara Fernanda Garay

 Primeiro set enganador...

Quem esperava emoção e equilíbrio no restante das semifinais da Copa Brasil depois da primeira parcial entre Praia Clube e Minas (que terminou em 27x25) só se decepcionou. O que veio a partir dali não passou de mornas disputas entre os quatro melhores times do Brasil. Nem o duelo mineiro nem o clássico entre Rio e Osasco conseguiram entregar partidas interessantes ou lá muito qualificadas.
 
A impressão que ficou depois de assistir aos dois jogos é que Minas e Sesc esqueceram de comparecer por inteiro em quadra, deixando os confrontos capengas em emoção e competitividade. Antes de terem adversários que os impediram de fazer o seu melhor jogo, as próprias equipes estiveram abaixo dos seus rendimentos.


Isso se viu no excesso de erros não forçados e do pouco que fizeram jogadoras que costumam crescer em momentos de aperto, caso da Hooker, no Minas, e da Monique, no Sesc.

 ***********************************


Minas e Sesc pecaram em duas frentes. Além dos erros de ataque, trabalharam mal defensivamente. No caso mineiro, o saque até teve bons resultados, mas defensivamente e no bloqueio a equipe esteve muito abaixo do seu rival.

No Sesc não houve uma pressão constante no saque, tanto que a linha de passe de Osasco fez uma das suas melhores partidas. O estrago de uma bola na mão da Fabíola foi sentido pelo bloqueio e defesa cariocas, quase toda partida perdidos na velocidade da levantadora. 
 
Com a mesma condição não trabalhou a Roberta, principalmente nos dois primeiros sets. A levantadora não só não conseguia impor velocidade como também pecava na altura de alguns levantamentos para as ponteiras. O Sesc só foi ganhar um pouco mais de fundo de quadra e se aproximar ao seu estilo de jogo de menos erros e maior volume com a entrada da Gabi no terceiro set. Aliás, acho que o Bernardinho demorou demais para acioná-la ou mesmo optar pela Kasiely.


Com um passe mais regular, o Osasco esteve bem equilibrado ofensivamente. Fabíola usou todas as suas opções e todas responderam bem (inclusive a Leyva). O mesmo se viu no Praia, com a Claudinha fazendo uma partida de recuperação com boa distribuição e precisão nos contra-ataques.
 
 ***********************************



Final: Praia Clube x Vôlei Nestlé


Pelo que tem apresentado, o Praia está com a faca e o queijo na mão para alcançar seu primeiro título nacional. 


Os dois times têm características de jogo parecidas, são bastante agressivos ofensivamente e usam bem a relação saque e bloqueio. Porém, o Praia tem conseguido, tecnicamente, ser superior ao entrar em ação. Costuma ser mais regular tanto no passe como no ataque, sendo menos ansioso na definição e apostando na troca de bolas quando o ataque não se mostra ideal. 


O Osasco pode ser um adversário difícil para o Praia, mas acredito que o maior obstáculo para o time mineiro chegar ao título será ele mesmo. A expectativa em torno dele é maior do que a do Osasco, apesar do histórico da equipe paulista. O Praia é o melhor time desta temporada e precisa confirmar isso em quadra para que os fantasmas do passado não voltem a rondá-lo e para, de uma vez por todas, comece a aprender a ser vencedor.


Comentários

L. Mesquita disse…
Laura, parabéns! Mais uma visão do que foram as semifinais da Copa Brasil. Parece que Minas e Sesc não mostraram o que podem e foram totalmente DOMINADOS pelo PRAIA!
Amigos, fiquei impressionado ontem com o desempenho da Suelen, com certeza foi uma das melhores atuações dela na temporada se atecipando nas bolas mais difíceis defendendo bolas rápidas meio e pesadas da Hooker. Com um passe refinado na mão de Ananda e Claudinha. E levantamentos na medida quando Claudinha ou Ananda defendiam a bola e sobrava pra Suelen levantar. Se o NESTLÉ quiser vencer tem começar evitando a Suelen no saque e tentar forçar pra cima da Garay para pelo menos cansá-la.
Carla fez também uma partida excelente no ataque, saque e defesa, tanto que ninguém sentiu falta da Fawcet, claro que Fawcet aumentaria o bloqueio se estivesse em condições físicas ideais para jogar pelo menos um set inteiro.
Walewska e Fabiana com ataques fulminantes e indefensáveis, mostraram pq são as líderes das estatísticas de ataque.
Garay não tinha viagem perdida, mesmo com bolas, às vezes, não muito bem levantadas ela virava no talento.
Amanda é a jogadora da mão de fora, com bloqueios pesados de Hooker, Mara e Gattaz é o recurso que ela executa muito bem, além de compor muito bem na linha de passe.
Claudinha esteve bem grande parte do jogo, mas Paulo Coco soube também usar a Ananda sempre que necessário. Prefiro a Ananda de títular, mas Claudinha ontem vacilou menos que contra o Fluminense.
No Minas, Mara, com a altura que tem poderia ser mais efetiva no ataque, ela está longe de ter o mesmo aproveitamento da Gattaz.
Não entendo a falta de agressividade da Hooker em algumas bolas boas para atacar. A Hooker não é boa na pingada, ela telegrafa demais e fica fácil defender a pingada dela. Falta à Hooker jogar VÔLEI DE PRAIA para aprender a dar uma largadinha mais disfarçada e eficiente. Hooker é atacante de força e não de habilidade.
Não entendi NADA a sequência louca de bolas que a Karine deu pra Rosamaria na saída de rede, quando a HOOKER estava na entrada e Mayane pelo meio, Rosa marcadissima pelo bloqueio e defesa, não conseguia por a bola no chão, até que ela deu um avião. Porque não tentar a Mayane ou a Hooker pelo menos uma vez?
L. Mesquita disse…
Kasiely entrava para sacar e punha o saque no MEIO DA REDE!!! É muito feio sacar no MEIO DA REDE!!! Até admito que se erre um saque pra fora tentando buscar a linha, mas no MEIO DA REDE não dá! Jogadora de colegial que erra no meio da rede! Ainda mais que Kasiely entrava justamente pra sacar!
Num outro extremo da Kasiely estava PEÑA que tem um CANHÃO naquela mão e toda vez que ia pro saque dava uma MACHADADA que destruía o passe do NESTLÉ. PEÑA foi a melhor ponteira do jogo, mas nem Drussyla e nem Gabi depois conseguiram acompanhar o ritmo da DOMINICANA. Pelo NESTLÉ, as 2 ponteiras Mari e Leyva estavam se complementando e Leyva fez uma partida fenomenal no ataque!
Fabiola fez uma partida muito inteligente e jogou muito bem com as suas centrais Bia e Nikovic que corresponderam no ataque. E Tandara, como sempre, eficiente no desafogo. Tassia, lider nas estatísticas de passe, só estava tendo dificuldades mesmo com o saque da PEÑA, o resto Tassia tirou de letra.
Na final, com duas liberos muito boas de passe, a solução será sobrecarregar as melhores atacantes. Creio que Garay e Leyva serão os alvos preferidos do saque adversário para tentar atrapalhar o ataque delas. Talvez sobre para Amanda e Mari PB o papel de fazer a diferença na final. A disputa entre as centrais será muito interessante são 4 centrais de altíssimo nível: Bia, Ninkovic, Fabiana e Walewska jogaram muito na semifinal.
Entre as levantadoras, confio mais na Fabiola que na Claudinha, mas se precisar Paulo Coco tem Ananda em excelente fase.
Entre as opostas, Carla é raçuda, mas sou mais a Tandara.
Entre as liberos, Tassia lidera as estatísticas de passe, mas prefiro a Suelen pelo conjunto da obra e pela liderança que exerce em quadra.
Enfim: jogaço com resultado IMPREVISÍVEL!!!
Alysson Barros disse…
Espero que o Praia vença para seguir firme rumo ao título da Superliga. A derrota seria catastrófica para elas.

Esse time do Bernardo, agora que perdeu duas partidas para seus rivais diretos, creio e espero que comece a penar. Torço para que não seja finalista da Superliga. Já deu.

E que o Nestlé fique de fora também e o Minas ou o Barueri assumam a posição de um dos finalistas. Espero o crescimento do Fluminense também, já que quase venceu o líder unvivto.
Kamila Azevedo disse…
Seria interessante para o cenário do vôlei feminino brasileiro a quebra da hegemonia de Osasco e Rio de Janeiro, que revezam nos últimos anos conquistando os mais importantes títulos nacionais. Acho que o Praia Clube tem feito por onde, nessa temporada, merecer os títulos da Copa Brasil e da Superliga. Veremos o que acontece na final de hoje. Se Osasco jogar determinado e focado como ontem, será uma briga boa!

Em relação ao time de Minas, que decepção! Achei que elas fariam uma partida mais igual com Praia Clube. Me enganei... A sensação que tenho é a de que Macris não se encaixou muito bem com as jogadoras do Minas. O jogo não flui e Minas sempre peca pela irregularidade. Não consegue manter um padrão de jogo até o fim.

O time do SESC ontem estava irreconhecível! Até as jogadoras que saem do banco e que costumam render bem, como Kasiely; ontem não conseguiram reverter a situação.
Lulu disse…
Algumas observações pessoais sobre as transmissões do SporTV:

- Legenda da transmissão e anunciado pelo narrador: SESC RJ Rio x Osasco. Será que o narrador segue recomendação da empresa ou a omissão do patrocinador Nestle é de interesse pessoal?

- Na apresentação das jogadoras do Camponesa Minas com a imagem delas, Hooker é apresentada sem imagem, sem foto só uma silhueta de uma mulher.

Sobre os jogos:
Camponesa Minas x Praia:
Pri Daroit, sendo Pri Daroit; Rosamaria, sendo Rosamaria quando cobrada até a exaustão. Cabe à Comissão do Camponesa cobrar de suas levantadoras para que na hora da pressão a bola é para a Oposta, principalmente se esta chama-se Hooker.
O Praia jogou o que tem jogado na Superliga.

Sesc Rio x Osasco Nestle:
O jogo da Ninkovic está crescendo assim como o de Leyva, passando melhor. o narrador confunde Lorenne, que marcou o último ponto do jogo com a Leyva, ocorre até na Superliga, já está chato.
No Sesc, A Pena tem a mão pesada mas como ponteira, precisa melhorar o entrosamento com a Fabi, tecnicamente, bloqueia muito mal, é alta mas não dá um toco, sobrecarrega a defesa. Faltou oposta e foi um jogo de muitos erros. A boa nova foi ver a Gabi voltando, quem gosta de volei, sem clubismo fica feliz com uma ponteira cheia de técnica.
Hoje é a final, tomara que o Praia vença, para o bem da continuidade de investimentos dos patrocinadores dessa bela Equipe. Obs: Nada contra o Osasco.
MArcos Pontes disse…
Kamila Azevedo, nesse jogo apesar de uma ou duas opções erradas que ao meu ver comprometeram a chances do minas equilibrar a partida, a Macris foi bem, e olha que ela é uma jogadora que não gosto, justamente pela personalidade dificil, empáfia e falta de humildade, coisas que a afastaram da seleção. Acontece que no Minas existem jogadoras cavalo paraguaio, as três atacantes jogam bem em inicio de set, mas na hora de decidir falta controle emocional, só jogam com o momento favorável. Não tem comparação com as atletas do praia, que são ponta firme e jogam a qualquer momento da partida.

RJ X Osasco
Rio de janeiro com o time mais fraco de sua história, Osasco com time muito bom individualmente, acho que se não fosse pelo treinador seria uma equipe pra bater o praia, mas com o Luisomar no comando não acredito nessa possibilidade.
Final: Jogo duro, Ataque equilibrado, Bloqueio equilibrado, sistema defensivo acho o do praia um pouco melhor, passe praia um pouco melhor, sem bola na mão Fabiola se vira melhor que Claudinha, Ponteiras praia melhor, oposto se nicole jogar equilibrado se não osasco melhor, líbero praia melhor, centrais acho bem equilibrado.
No fim do dia 3x1 praia e o primeiro titulo nacional das mineiras.
Cesar Nascimento disse…
eu acho que o Osasco leva essa , tudo que o praia fez até agora não vale nada se não levar a taça e esse time do praia conhecemos bem , fase classificatória é uma coisa decisão é outra , sobre Osasco e Rio resultado normal porque esse jogo é um jogo diferente de tudo onde tudo pode ocorrer tanto para um lado como para o outro
Sergio disse…
Acho que a Peña é banco de kasy. Queria saber como uma pessoa de 1.92 nao consegue bloquear nem amortecer ninguem. Estou decepcionado com o Bernardo. Ontem foi algo para esquecer. Time não passou bem. Peña entrando na frente de Fabi oara passar. Ela derrubou bolas. Mas errou mais. Esse ano vai ser de lamentações. O RJ precisa mudar seu patrocinador senão vai virar um sesi.
L. Mesquita disse…
Concordo com o Marcos Pontes, Macris fez uma excelente partida, inclusive resolvendo na bola de segunda quando ninguém virava, o problema foi das atacantes que estavam muito inconstantes, até Hooker não estava num bom dia! Só mesmo a Carol Gattaz que estava muito bem no ataque! Não foi a Macris e sim a Karine que insistiu em varias bolas seguidas em uma rede de 3 tendo MAYANE pelo meio, Hooker na entrada e Daroit pelo fundo e Karine só repetia bola pra Rosamaria na saida de rede!
Também concordo com Cesar Nascimento que fase de classificação é uma coisa e partida decisiva é outra... O Praia já tem uma lista extensa de Vice-campeonatos: vice Sul-americano, da Superliga, da Copa Brasil e do Mineiro. Veremos agora se permanece no Vice ou sobe mais um degrau no podium...
Tem duas posições que considero o Nestlé melhor que o Praia: Fabiola e Tandara melhores que Claudinha e Carla.
Porém considero que Suelen é mais completa e tem mais liderança que Tassia.
Em relação às centrais e às ponteiras vejo bastante equilibrio entre as 2 equipes nos duelos Fabiana/Walewska x Bia/Ninkovic e Leyva/ Mari PB X Garay/Amanda.
Anônimo disse…
Sergio, Kasiely no lugar de Peña? Você por acaso assistiu ao jogo? Como trocar Peña pela Kasiely? A amarelona da Kasiely entrava pra sacar e punha a bola no meio da rede!
Se a Peña entrou na frente da Fabi pra passar é porque ela queria jogo, a Peña era uma das poucas que estava jogando com a faca nos dentes no Sesc! Peña se esforçou no passe, arrasou no saque, se apresentou até pra levantar quando Roberta defendeu e no ataque foi a mais eficiente do Sesc! Peña entrou na frente da Fabi sim, mas foi pq ela lutou do início ao fim, Peña queria jogo!
Quem não correspondeu foi Drussyla e depois Gabi parecia que iria melhorar, mas começou a errar também!
Peña jogou praticamente sozinha na ponta, pois as outras ponteiras Drussyla, Gabi e Kasiely não entraram para o jogo nem com 1% da disposição da Peña!