Quem não tem cão, caça com Gattaz

Camponesa/Minas 3x0 Renata Valinhos/Country

Foto: Orlando Bento/MTC

O primeiro turno do Minas terminou diferente do que começou. Sem surpresas desagradáveis, como aconteceram nos dois primeiros jogos da Superliga em que perdeu para São Caetano e Pinheiros, venceu o Valinhos em casa. Mas não foi uma vitória fácil nem muito convincente.

Os dois primeiros sets foram complicados para o Minas que sofreu com a pressão do saque do Valinhos e com a dificuldades de colocar a bola no chão de suas atacantes. Sem poder contar com a Hooker, machucada, e com Pri Daroit e Rosamaria em dificuldades pelas pontas, Carol Gattaz acabou sendo a principal força de ataque mineira.

A central, aliás, foi quem tirou o time do apuro no primeiro set não só por ter sido a bola de segurança da Macris, mas também pela grande atuação no bloqueio. 
******************************

Apesar de estar numa situação semelhante ao início do campeonato, sem ter a Hooker à disposição, o técnico Lavarini resolveu não mexer na estrutura do time, mantendo a Rosamaria como ponteira passada e colocando a Laiza como oposta. A Macris não jogou muita responsabilidade para a jovem atacante, mas ela se saiu bem quando acionada. O problema dos Minas pelas pontas esteve mais por conta do mau dia da Daroit no ataque e da já conhecida dificuldade da Rosa em lidar com a pressão na recepção.

O Valinhos também teve mérito ao segurar o ataque mineiro na defesa. O time teve bom volume de jogo e se valeu dele nos dois primeiros sets para equilibrar a disputa e fazer suar um Minas um tanto devagar. Começou a partida bem na virada de bola com a Nayara Felix, mas perdeu força ao longo da partida não só por conta da queda da recepção, mas também pela queda da qualidade na armação das jogadas. As levantadoras não têm muita regularidade, não conseguem manter um padrão de bolas para suas atacantes. A central Vivian que o diga... Difícil ela receber uma bola que aproveite toda a sua altura, está sempre atacando com o braço encurtado. 


******************************

O Valinhos termina o primeiro turno com 4 pontos, uma vitória sobre o Sesi e um tie-break contra o Osasco.

O Minas não se despede do turno com uma grande atuação, mas pelo menos desta vez fez valer suas individualidades para conseguir o resultado sem tropeço. Como na temporada passada, fecha o primeiro turno ainda em transição, buscando o melhor entrosamento e consolidar o seu jogo. Provavelmente deve ficar na quarta colocação ao final da última rodada. Os pontos perdidos nas duas primeiras rodadas fizeram falta, poderiam coloca-lo ao menos uma posição acima.

Comentários

L. Mesquita disse…
Carol Gattaz é realmente uma CENTRAL em belíssima forma e em uma grande fase da carreira, vale lembrar que ela foi a MVP da conquita do CAMPEONATO MINEIRO.
Stefano Lavarini não havia utilizado a oposta LAIZA antes pq ela estava voltando de contusão e não estava 100% para atuar, assim como HOOKER, que havia atrasado sua chegada e ainda não está 100%.
Por falar em opostas... Já que o COMITÊ OLÍMPICO INTERNACIONAL permite, temos que ter TIFANNY na seleção feminina urgente!!!
O ZÉ ROBERTO não tem NENHUM MOTIVO para não convocá-la, o que vale são as regras e as regras do COI permitem!!!
Não temos na SELEÇÃO FEMININA nenhuma PONTEIRA/OPOSTA de 1,94m, com alcance de bola e mesma força da TIFANNY, por isso, em 2018, TIFANNY é presença certa na convocação da seleção feminina!
Além disso TIFANNY, além das vantagens óbvias da ALTURA, FORÇA e ALCANCE DE BOLA, tem as vantagens extras de não MENSTRUAR, não ter TPM, não ENGRAVIDAR e não AMAMENTAR que o sonho de consumo de todo técnico de equipes femininas, então TIFANNY tem que estar na seleção feminina urgente!!!
TIFANNY já será um grande reforço para o MUNDIAL de 2018!!!
Sempre comentamos sobre o problema de ALTURA das nossas PONTEIRAS/OPOSTAS eme relação às EUROPEIAS de 1,90m... TIFANNY veio pra resolver esse problema, afinal de contas não dá pra desprezar uma PONTEIRA/OPOSTA de 1,94m no VOLEI BRASILEIRO que só tem BAIXINHAS em relação ao VÔLEI EUROPEU!!!
TIFANNY seja muito bem vinda à SELEÇÃO FEMININA!!!
Paulo Roberto disse…
A Gattaz do Minas é uma jogadora diferente daquela que víamos anos atrás. Como a maturidade lhe fez bem. Aguerrida, raçuda, a única que chama a vibração do time nos momentos ruins.

E mais um show de erros da arbitragem. Vergonhoso! A CBV como sempre se fará se cega.
Ana disse…
Nos últimos jogos a Rosa tem ficado no fundo de quadra, sendo pouco acionada pela levantadora, recebendo poucas bolas, teve alguns erros de ataque, nada que justifique não receber bola pra atacar, deve ser um pedido do técnico, talvez pra melhorar o sistema defensivo dela, que por sinal já dá pra notar uma melhora, tem defendido muito, só não está atacando como de costume.
já vejo o Minas assumindo a 3° colocação na superliga.
Daniel disse…
"Não temos na SELEÇÃO FEMININA nenhuma PONTEIRA/OPOSTA de 1,94m, com alcance de bola e mesma força da TIFANNY, por isso, em 2018, TIFANNY é presença certa na convocação da seleção feminina!
Além disso TIFANNY, além das vantagens óbvias da ALTURA, FORÇA e ALCANCE DE BOLA, tem as vantagens extras de não MENSTRUAR, não ter TPM, não ENGRAVIDAR e não AMAMENTAR que o sonho de consumo de todo técnico de equipes femininas, então TIFANNY tem que estar na seleção feminina urgente!!!"

NÃO TEMOS NA SELEÇÃO FEMININA NINGUÉM COM ESSAS CARACTERÍSTICAS PELO SIMPLES FATO DE QUE AS PESSOAS QUE AS PORTAM ESTÃO JOGANDO NO NAIPE MASCULINO, ONDE ESSA PESSOA DEVERIA ESTAR COMPETINDO. TIRAR QUALQUER ATLETA COM OS CROMOSSOMOS SEXUAIS XX PARA SUBSTITUÍ-LA POR POR UM XY É INFINITAMENTE ERRADO. ACORDEM!!!
Cesar Nascimento disse…
o Minas pode colocar na conta da Gataz os 3 pontos de ontem ela só não fez chover , um dia em que as ponteiras não funcionaram ela sozinha salvou o time de um vexame e foi de uma sinceridade na entrevista quando disse que se Valinhos fosse um time mais experiente elas teriam perdido o jogo pura verdade o Minas venceu por saber se valer da falta de experiência do Valinhos agora o Minas só tá jogando com uma central Mara peteleco tá por fora viu erra todos os ataques quando faz um bloqueio que é obrigação faz uma presepada que parece que ganhou o Mundial af ridícula essa postura Gataz faz pontos de todas as formas e ninguém vê essa postura mais enfim ...no fim das contas não foi piti que Drussyla deu nem todo mundo tem sangue de barata 3 erros de arbitragem grotescos da arbitragem e ainda fazem chacotas com o trabalho das pessoas uma hora dessas alguém derruba esses sopradores de apito da cadeira , mais ninguém vai se manifestar foi o Valinhos
L. Mesquita disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
L. Mesquita disse…
Vejo que a temporada de seleções de 2018 será promissora para a SELEÇÃO BRASILEIRA em relação ao UP GRADE de altura nas jogadoras selecionáveis. Com os excelentes desempenhos de Carol Gattaz pelo Minas e de Regiane e Tifany na Europa, temos 3 jogadoras de 1,90m à disposição do Ze Roberto para o Mundial. Já que REGIANE e TIFANY são jogadoras versáteis, jogam de ponteira e oposta, seria interessante a inclusão delas na seleção brasileira, uma vez que foram destaque no vôlei polonês e italiano e Tifany promete se destacar pelo BAURU na SUPERLIGA. REGIANE, melhor ponteira-passadora da LIGA POLONESA e a CAROL GATTAZ, melhor central do MINAS, bola de segurança da MACRIS.
As alturas são Carol 1,92m; Regiane 1,90m e Tifany 1,94m.
Que tal a seleção com a seguinte formação:
Levantadora: Roberta
Ponteiras: Garay e Regiane
Centrais: Gattaz e Bia
Oposta: Tifany
Líberos: Suelen e Leia.
Rodolpho Francis disse…
L. MESQUITA e Daniel, discordo comoletamente de voces. Primeiro, a Tiffany nao é uma jogadora de seleção brasileira (pelo menos nao ate o momento. Quero dizer que ela nao tem nada de extraordinário, além da altura). E quem acompanha a atleta desde antes da transição percebe que ela diminuiu a impulsão a força , a velocidade, dentre outras características. Esse argumento de aue ela nao pode jogar a liga feminina nao cola e se nao fosae divulgado talvez nem soubéssemos.
Daniel disse…
Rodolpho, não é argumento, é fato. É um homem que retirou sua genitália, isso ninguém pode mudar. É biologia, sem nenhuma relação com preconceitos. Se coletarmos material genético de Tiffany e de Helô, por exemplo, verificaríamos que o primeiro indivíduo possui os cromossomos sexuais XY e o segundo XX, respectivamente um homem e uma mulher. Terapia hormonal, CBV, FIVB, nada mudará isso. É injusto para com as mulheres, será que ninguém percebe? Dizer que força, impulsão e velocidade diminuiram não é a mesma coisa que dizer que elas se equiparam às mesmas características das demais atletas. E como assim nem soubéssemos? Você realmente acha que ninguém perceberia que no time haveria um homem com maquiagem e cabelo comprido? A FIVB está fazendo isso por uma mera questão mercadológica, e francamente, qualquer mulher que apoiar esse tipo de iniciativa, deveria pensar melhor, pois no futuro ficará sem emprego.
L. Mesquita disse…
Rodolpho, no vôlei feminino italiano a Tifany pegava a bola alto e forte, foi eleita MVP e maior pontuadora em algumas partidas, portanto não se trata de uma jogadora qualquer. Só de ter jogado ligas masculinas prova que Tifany é uma jogadora diferenciada, pois o voleibol masculino é muito mais forte e competitivo que o feminino. Talvez a Tifany venha a ser a BRANKICA MIHAJLOVIC que faltava na nossa seleção. Todos sabemos que a MIHAJLOVIC tem uma pedrada no saque e no ataque, tem uma força e potencia que parece de homem.
Agora se o COI e a FIVB permite, acho que deveremos contar com a Tifany na seleção feminina, pois nunca tivemos uma ponteira/ oposta de 1,94m que pega a bola alta e forte como ela. Tifany seria a nossa Mihajlovic, que também joga de ponteira/oposta e tem um coice no ataque e no saque. Temos que dançar conforme a música e jogar com o regulamento debaixo do braço e se o regulamento do COI e da FIVB diz sim, eu digo: porque não termos uma ponteira/oposta alta e forte na seleção? Com a recuperação e a volta da MVP OLÍMPICA PAULA PEQUENO, o BAURU contará com um trio de ponteiras bem forte: PAULA, PALÁCIOS e TIFANY e tem tudo para fazer um segundo turno ainda melhor que o primeiro turno. O negócio é ver como Tifany voltará da cirurgia que fez na mão, e se jogar o que jogou na Italia, tem tudo para se destacar pelo Vôlei Bauru.