Quebrado o tabu

Sesc-RJ 0x3 Dentil/Praia Clube
Sesc vôlei feminino
Foto: Erbs Jr/Sesc-RJ

Primeira vitória da história do Praia Clube sobre o Rio de Janeiro! E uma senhora vitória de 3x0 na casa carioca.

Ao contrário de outras temporadas, o Praia Clube que se apresentou neste confronto foi o mesmo que vimos durante a Superliga até aqui. O mesmo ímpeto, a mesma agressividade no saque e no ataque e o mesmo controle sobre suas ações. Desde vez o Praia não mudou, seja na técnica ou na atitude, quando se deparou com o Sesc.

O Sesc é que, sim, esteve num ponto fora da curva - mais uma vez, é bom lembrar. Contra o Minas o time já tinha feito uma partida abaixo da sua capacidades e fugindo das suas características principais de jogo de poucos erros e de paciência.

Imaginava que o Bernardinho iria esperar mais para colocar a Peña entre as titulares. A formação com Kasiely e Drussyla como ponteiras poderia não ser das mais grandiosas, mas estava garantindo o equilíbrio e, de certa forma, um estilo de jogo mais dentro dos padrões do que estamos acostumados a ver no Rio de Janeiro.

Desde que a Peña entrou como titular, o time perdeu muito em recepção e a Drussyla caiu muito de rendimento tanto no passe como no ataque. A jovem ponteira fica, com esta formação, bastante pressionada.



E o Praia se aproveitou bem de Peña e Drussyla na linha de passe. O saque tem sido um dos pontos fortes da equipe mineira e, contra o Sesc, não foi diferente. Neste fundamento desestruturou as cariocas, seja conseguindo pontos diretos, seja tirando a velocidade da armação dos ataques que viraram presas fáceis para o bloqueio e defesa.

Ambas equipes trabalharam melhor com a posse do saque, mas sem dúvida o Praia teve mais qualidade para se aproveitar dos resultados do fundamento, tanto pelo melhor trabalho da defesa/bloqueio como também por ter sido mais competente nos contra-ataques. Sem contar que o time tem na Fawcett (e até na Garay) um ótimo quebra galho para recepções ruins.

O Sesc poderia ter a mesma saída com a Peña, mas ela não teve a mesma regularidade que apresentou no jogo contra o Minas – apesar de ter sido a melhor atacante carioca no confronto com o Praia. Ela e todo o time esteviram muito ansiosos e impacientes na definição dos ataques.

Na comparação com a temporada passada, pos papéis se inverteram. O Praia é que desta vez esteve mais tranquilo e apostando na troca de bolas enquanto o Sesc esteve perdido em quadra pela má recepção e pelo excesso de erros que cometia. 


***************************************

O Praia Clube enfrenta o Barueri na última rodada e tem tudo para terminar o primeiro turno invicto. Venceu os adversários mais fortes, se livrou da touca contra o Rio de Janeiro e deixou para trás aquela atitude perdedora da temporada passada. Pelo contrário, o time está bastante agressivo e confiante. Finalmente está se dando o valor que realmente merece.

O Sesc encerra o turno contra o Osasco que também está testando uma nova formação em quadra com Leyva como ponteira e Tandara como oposto. Só que, no caso carioca, acho que a combinação Peña e Drussyla faz com que o time fuja do estilo de jogo que o caracterizou por todos estes anos. O Bernardo certamente confia na Drussyla, que ela pode crescer e responder bem a pressão que esta formação impõe a ela - e quem sou eu para discordar? -, mas é bastante arriscado coloca-la (e o time) nesta situação neste momento final de turno em que os jogos são mais fortes. Esperava que o Bernardo testasse esta nova formação no início do returno. É do estilo do treinador arriscar, apostar nas suas jogadoras (mesmo as mais jovens) em momentos improváveis, mas isso às vezes custa caro.

Não foi uma perda de título,é bem verdade. Mas foi uma derrota feia para um adversário freguês, que nunca o tinha vencido. E do jeito que o Praia está nesta temporada, é dar muita moral para um time forte e candidatíssimo a tirar a hegemonia carioca na SL. 


Comentários

Cesar Nascimento disse…
olá concordo em quase todos os pontos Laura , mais será que o praia irá se manter nesse padrão ? lembro do Osasco em uma temporada ficou 29 jogos invicto ganhou turno e returno bateu no Rexona na ida e na volta mais na final sucumbiu , sou Sesc reconheço o ótimo momento do praia mais até a final tem muita estrada , vamos aguardar
Divino Alves disse…
Muito boa análise da partida. O praia realmente tirou um peso das costas. Torço pra Osasco, mas realmente o praia se continuar nessa linha, vai conseguir o título. Torço por uma final diferente. E se o praia conseguiu chegar a final merece conquistar o título principalmente pelo investimento que fez..
Joao Ismar disse…
César, a referida companha de Osasco foi na temporada 2013/2014, o time passou a fase de classificação invicto e caiu na semi final para o Sesi. Naquele ano Osasco sequer disputou a final.
Marco Freitas devia evitar fazer os jogos do Rio. É evidente a torcida dele pelo time carioca. Ontem, diante do jogo ruim apresentado pelo Rio, ele chegou a tentar justificar o desempenho aquem falando que Rio estava com pelo menos 3 titulares fora de quadra, talvez até 4 (detalhe: Quando ele falou isso a Roberta já estava de volta)... É um dos melhores comentaristas que o SporTV tem, mas seria melhor assumir que o Praia ganhou por méritos.
Sergio disse…
Laura, concordo com quase tudo, desde que estavam contratando jogadoras, sempre disse nesse blog que o SESC seria a terceira ou quarta força, com Praia, OSASCO, MINAS e em seguida SESC. As contratações do SESC, não sei o motivo, creio que diminuição no investimento para equipe feminina, pois possui também o masculino, o que acho um grande erro, uma empresa manter dois times na atual situação do país, acho que o SESC vai virar o SESI daqui no máximo dois anos. Contudo, sou torcedor do SESC e nem por isso, deixo de ver um jogo como um todo, o jogo de ontem aconteceu a mesma coisa que lá em Minas, o SESC totalmente perdido, sem saber em quem jogar a bola e principalmente sem passe. Ter Drussyla e Peña é deixar o time totalmente vulnerável na recepção. O time em Minas melhorou por sorte quando a Drussyla saiu, e as sacadoras do time adversário viu a quadra diminuir pois tinha a FABI e a KASIELE no passe, não sei porque motivo não o fez dessa vez, pois a Drussyla não está bem nem no passe nem no ataque. Contudo não a crucificarei pois ela vai melhorar. Esse ano, acho muito, mas muiiito difícil o SESC ganhar, mas como bom torcedor, ACREDITO no poder de superação das GUERREIRAS.
Laura disse…
Oi, César! Verdade, as coisas podem mudar. Difícil saber se o Praia será o mesmo qd chegar o momento de decisão. O Rio já sabemos q cresce nestas horas independentemente do elenco ou da campanha feita antes.

Até agora o Praia tem mais imposto pressão do q sofrido. Mas acho o teste superado contra o Sesc foi um importante passo para a maturidade do time.
Leozir Goncalves disse…
O Praia está jogando muito, mas ainda acredito que as outras 4 grandes têm muito o que evoluir e o Praia pouca coisa. O Rio com a Gabizinha de volta se tornará outro e assim acontecerá com Minas quando a Hooker pegar ritmo, Também, Osasco está em fase de adaptação à nova formação. Barueri terá Thaisa e a polonesa. Sem contar que daqui 4 meses, não sabemos como estará o Praia.
Chandler Bing disse…
Primeiramente quero dizer que adorei o jogo que o Praia Clube fez, simplesmente não deixou o Rio jogar.
Confesso que não sou fã do jogo da Cláudia, e também não confio na mesma, até mesmo preferiria Ananda te titular em seu lugar, mas adoro quando uma jogadora "cala a minha boca"; e foi exatamente o que a Claudinha fez. Acho que nunca a vi fazendo um jogo tão regular, tão consciente.... a bola pra Fabiana, que desde os tempos de SESI ela nunca havia acertado, ontem ela simplesmente mostrou o quão evoluiu até nisso. Ela soube distribuir o jogo bem e isso merece ser reconhecido.
Praia é um timaço, no papel e em quadra também. O que eu espero é que esse time continue fazendo bonito, pelo bem do projeto.
E era um time que eu queria também ver jogando um Mundial. Desde quando Osasco foi campeão, nunca mais vimos um representante de peso no Brasil. Hoje eu acho que o Praia tem elenco pra se garantir...

Praia Clube, por favor, continue com todo esse sucesso!


Rio simplesmente foi massacrado pelo Praia, que não deixou o time adversário jogar.
Kasiely se mostrou até agora a melhor opção em uma das pontas. O time fica muito frágil sem uma ponteira com as características dela.
Drussyla realmente tem sentido a pressão.
Mas Bernardo é o técnico, ele sabe o que faz. Eu sou só amante do esporte.
Carina disse…
Vitórias são méritos da equipe, que inclui comissão técnica e jogadoras, mas ressalto aqui Fernanda Garay como um grande destaque, além de jogar muito bem, sinto seriedade e companheirismo dela na quadra. É muito bom ver uma jogadora como ela, Fabiana e Walewska, multi campeãs, sendo muito serenas durante o jogo, sem arrogância e prepotência.
Anônimo disse…
Bruno BH

Isso aí, o paria foi aquilo que se espera há pelo menos três temporadas. Tudo isso porque está equilibrado em padrão de jogo e o mental. Triste ver o Sesc co tantos problemas e incapaz de jogar de igual para igual, pra vermos se o Praia conseguiria vencer assim mesmo - mas, o problema foi do SESC.
Aliás na SL feminina a maioria dos confrontos mais esperados nem sempre tem sido os mais disputados, porque um time tem sido superior ao outro.
Concordo com a galera que ainda espera ver o resultado na final... Se estes times forem os finalistas né, porém, lembro-lhes que felizmente acabou o tal de jogo único (modelo europeu de ligas internacionais imposto pela TV) e isso de alguma maneira tira um pouco da vantagem do SESC que tem no Bernardinho o melhor técnico em preparar um time (tático, emocional e motivacional) para uma decisão.
Cesar Nascimento disse…
sou torcedor do Sesc o praia tá no ápice mereceu a vitória fez um bom jogo , mais como já disse daqui até a grande final esse ano em dói jogos mais os playofs em 5 jogos mais a copa Brasil serão mais ou menos entre returno copa Brasil e playofs uns 20 jogos o praia está no topo os outros crescendo, outra coisa que me incomoda o praia mudou algumas peças mais a base que sempre amarelou continua lá será que na hora do revés que ele vai chegar essa mesma base que conhecemos vai responder positivamente ? se sim aí o time estará preparado porque algumas pessoas só enaltecem o trabalho de quem já tem nome como Garay , fabizona , Wal e tal quase ninguém cita uma peça importantíssima que tem dado um equilíbrio que o time nunca teve, chama se Amanda se o treinador resolver inventar e tirar ela do time aí vamos ver o que irá acontecer tomara que ele não surte mais sabe como é cabeça desses caras gosta de inventar
Mantronix Inc disse…
Laura,

Fugindo do tema, uma pergunta.

Fabizona e Garay estão jogando muito. Não sei pra Tóquio mas p o Mundial próximo estão muito bem.
Voltam ou não pra Seleção?
E quem sai?
Anônimo disse…
César Nascimento
Não concordo que não se enaltece a Amanda. Todos os veículos que falam de vôlei dão sempre o devido valor pra ela. Quanto ao decorrer da competição, acho que justamente por serem play-offs as chances do rio diminuem. Apesar de contar com jogadoras que já integram a seleção, a equipe carioca é fraca em relação principalmente ao Praia. Dificilmente o time mineiro perderia uma série para as cariocas. Em relação ao psicológico, acho que esse jogo contra o Sesc e o anterior contra o Osasco deram o tom de como o time está preparado para a continuidade da competição! Abs
Sergio disse…
Só saberemo do que o SESC RJ é capaz, após a GABI voltar, a Jucy estar 100% e a Mahyara também voltar. Até agora não entendi o motivo do Bernardo não ter tirado a Drussyla do jogo com o Praia, pois o jogo estava bom para a Kasieli. Uma ponteira definidora e uma passadora, é assim que joga o praia. Simples assim.
Rodolpho Francis disse…
Só corrigindo algumas pessoas aqui do blog... o Rio leva vantagem em séries com mais jogos, tanto que nem nos lembramos anultima vez que ele ficou de fora de uma decisão. Acho que jogo unico favorece o adversário. No mais, praia jogou muito e mereceu a Vitória
Sergio disse…
Rodolpho, concordo com você. O SESC foi a várias finais jogando melhor de 3 partidas e não jogo único. Acho que o SESC RJ tem algo diferente dos demais, a grande maioria ADORA o SESC, os que não gostam sempre acham que ele está sendo beneficiado e que o Bernardo é o técnico que mais briga com a arbitragem, com as jogadoras, com o torcedor, etc, etc,etc. Isso deveria parar já tá ficando chato. Para aqueles que não torcem para o RJ, aprendam conosco. Quando perdemos não colocamos culpa em ninguem, simples assim, o que falamos é que o time não jogou o que podia, etc etc etc.
Paulo Roberto disse…
O Praia realmente está jogando um voleibol gostoso de ver. Afinado, bem em todos os fundamentos, time aplicado taticamente, equilibrado emocionalmente. Tomara que mantenham a pegada até os playoffs.

Sobre o Sesc acho que só teremos uma real noção do poder efetivo do time, quando contar com todas as titulares.
L. Mesquita disse…
Este comentário foi removido pelo autor.