quarta-feira, 11 de outubro de 2017

SL 17/18: O que vem por aí (parte 1)


No próximo domingo (15) começa a Superliga 17/18 - aquele campeonato que amamos falar mal, mas que morremos de saudade quando termina.

Para nos prepararmos para mais uma edição, o Papo de Vôlei traz a relação dos elencos das 12 equipes participantes e, de quebra, faz uma avaliação daqueles times que devem protagonizar a disputa desta temporada, destacando os pontos fortes e fracos de cada um, assim como o que melhorou ou piorou da temporada passada para cá. 

Nesta primeira parte, temos Sesc, Praia Clube,  Fluminense, Pinheiros, Sesi e São Caetano.

SESC-RJ  

Levantadoras: Roberta, Carol Leite e Mikaella 

Opostas: Monique e Natiele

Ponteiras: Gabi, Drussyla, Gabiru e Kasiely

Centrais: Juciely, Vivian, Mayhara e Linda Jéssica

Líberos: Fabi e Vitória

Treinador: Bernardinho  


Pontos fortes: Manteve a base da temporada passada e permanece com o comando vencedor do Bernardinho.

Pontos fracos: Com a Gabi lesionada, vai passar boa parte da Superliga com opções restritas no banco de reserva para a posição. Não chega a ser um ponto fraco, mas sim delicado o fato de a Drussyla, uma jovem jogadora que ainda alterna altos e baixos, ser a referência do time no ataque.

O que melhorou: A levantadora reserva.

O que piorou: Perdeu em altura nas poucas mudanças do elenco e em força ofensiva pelas pontas.


DENTIL/PRAIA CLUBE 


Levantadoras: Claudinha e Ananda

Opostas: Fawcett e Andreia

Ponteiras:
Fê Garay, Amanda, Ellen, Carla e Bruna.

Centrais: Wal, Fabiana e Natasha

Líberos: Suelen e Laís

Treinador: Paulo Coco 


Pontos fortes: É um time bem experiente, tanto em quadra como no banco. Teoricamente, é para ter bom poder de fogo pelas pontas com Fawcett e Garay sem perder o equilíbrio com o fundo de quadra com Amanda e Suelen. Tem boas opções de reservas.

Pontos fracos: Precisa se livrar da falta de confiança que acomete o time quando enfrenta qualquer dificuldade. A instabilidade da Claudinha também pode ser um problema para a evolução da equipe.

O que melhorou: O comando técnico, a levantadora reserva e as mudanças no time titular.

O que piorou: A oposto reserva. Malu era mais interessante que a Andreia para este papel. 



FLUMINENSE 
Levantadoras: Giovana e Jordane

Opostas: Renatinha, Arianne e Pamela

Ponteiras: Thaisinha, Michele, Clarisse, Carolina e Marcella

Centrais: Letícia Hage, Lara e Larissa

Líberos: Sassá e Fernanda

Treinador: Hylmer Dias


Pontos fortes: Tem potencial para ser bastante agressivo, tanto no saque como no ataque, ao mesmo tempo que tem volume de jogo.

Pontos fracos: Fica muito exposto com a Thaisinha no passe e comete muitos erros.

O que melhorou: A levantadora e a dupla de ponteiras titular. Ganhou maior poder ofensivo. As opções de líbero também melhoraram, com Sassá e Fernanda.

O que piorou: -


PINHEIROS 
Levantadoras: Diana e Bruninha

Opostas: Bruna e Ivna

Ponteiras: Vanessa, Mari Cassemiro, Maira e Lana

Centrais: Milka, Roberta, Lays

Líberos: Ju Paes e Letícia

Treinador: Paulo de Tarso



Pontos fortes: Tem um conjunto equilibrado, além de ser forte no bloqueio e no saque.

Pontos fracos: A linha de passe tem pontos fracos com a Mari e a Ju Paes.

O que melhorou: Está com um grupo mais experiente. Apesar de a Bárbara ter se destacado na temporada passada, a Bruna é uma oposto mais confiável. Melhorou o meio também com a Roberta.

O que piorou: -


SÃO CAETANO 
Levantadoras: Lyara e Ana Flávia   

Opostas: Sabrina e Ane   

Ponteiras: Fernanda Tomé, Sonaly  e Talia

Centrais: Camila Paracatu, Mimi Sosa e Gabriela Penna   

Líberos: Andressa   

Treinador: Hairton Cabral 

SESI 


Levantadoras: Pri Heldes, Bruna Caixeta e Iarla

Opostas: Neneca e Jéssica

Ponteiras: Nikolle, Glayce, Andreza, Cássia

Centrais: Dani Suco, Marjorie, Raquel Loff e Andressa

Líberos: Érika

Treinador: Lino

3 comentários:

Anônimo disse...

O Fluminense vai incomodar bastante os favoritos.

Kamila disse...

Uma pena ver o Pinheiros tão decadente. Mas, é o time para o qual torço e nunca abandonarei.

O Fluminense soube se reforçar bem e acho que pode dar trabalho. Só não gosto muito do técnico do time. Acho ele fraco.

O SESC deve perder sua hegemonia, nesse ano, mas nunca duvido do trabalho que o Bernardinho desenvolve. Ele sabe trabalhar bem com as jogadoras, sabendo tirar delas o que de melhor elas podem contribuir ao GRUPO! Isso que faz a diferença no trabalho dele!

O Dentil Praia Clube é uma incógnita. Tem excelentes jogadoras, mas uma levantadora titular muito fraca e um técnico ultrapassado e cover de quem é o nosso técnico mais ultrapassado! Então, infelizmente, acho que, mais uma vez, apesar das expectativas que se jogam sobre o time, eles vão nadar e morrer na praia.

Aposto que, nesse ano, a final da Superliga feminina será entre Minas x Osasco.

L. Mesquita disse...

Kamila, bom dia, nos últimos 10 anos de SUPERLIGA, BERNARDINHO nunca teve o melhor elenco ou o elenco mais caro e sempre trabalhou na FILOSOFIA "Se me derem limões, faço uma limonada".
Nesta SUPERLIGA não será diferente... Pelo menos DENTIL PRAIA CLUB, CAMPONESA MINAS e NESTLÉ OSASCO possuem maiores investimentos e elencos mais caros que o SESC RJ. Mais uma vez o time não entra com o time mais caro, mas todas as vezes BERNARDINHO conseguiu, no mínimo, chegar à final.
O maior investimento do SESC é o Bernardinho.