quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Nada mais do que previsível

Naiane Copa dos Campeões 2017
Quando fiquei sabendo da dispensa da Macris da seleção brasileira, que se prepara para a disputa da Copa dos Campeões no início de setembro, fiquei um pouco surpresa. Passado um tempo, pensando com mais calma, tudo me pareceu muito previsível e normal. Ainda mais sabendo que a (re)convocada para o seu lugar é a Naiane.

É verdade que o fato de que a Macris ter jogado as duas etapas finais do Grand Prix e, depois, o Sul-americano e, ao mesmo tempo, a Naiane não ter acompanhado o grupo e voltado ao Barueri, nos deu a impressão de que a levantadora do Minas tinha “caído nas graças” do treinador e desbancado a sua concorrente. 

Mas a realidade é que o Zé Roberto é previsível. Se a Juma, que não fez um treino sequer com a seleção, fosse chamada, aí sim seria de cair para trás. O histórico do treinador já nos mostrava que ele não era um dos maiores admiradores da Macris. Ela nunca esteve como primeira opção quando Dani Lins ou, principalmente, a Fabíola não tinha condições. Ao ter escolhido a Naiane para começar a temporada como reserva da Roberta, nos dava outro sinal: de que, no mínimo, ele colocava as duas jogadoras (Naiane e Macris) no mesmo patamar.

Estando no mesmo nível, nada mais justo do que dar oportunidades iguais às duas e revezá-las. 


*******************************

Ok, podemos questionar a avaliação do treinador. Até eu, que passo longe da porta do fã-clube da Macris e não me impressiono com seus seguidos títulos de melhor levantadora da Superliga, daria preferência a ela na disputa com a Naiane.

Sinceramente não acredito que a dispensa tenha sido por motivos técnicos (não faz sentido) ou por “panela”. Para aqueles que acreditam nessa última causa, pergunto se, para o Zé Roberto, não seria mais negócio manter a Naiane em Barueri, ganhando entrosamento com o grupo que irá jogar a SL, campeonato para o qual ele tem uma meta bastante ambiciosa: estar entre os quatro melhores. Acho que há argumentos convincentes para justificar qualquer uma das escolhas.

Agora, admito que este tipo de questionamento, o da “panela”, vai ser sempre legítimo, principalmente quando o Zé Roberto estiver no comando de um time feminino aqui no Brasil – situação que não aprovo, como comentei diversas vezes aqui à época do Vôlei Amil e, mais recentemente, na ascensão do Barueri à Superliga principal. É inevitável, ainda mais porque o Zé Roberto tem antecedentes que o “incriminam”, vide a Copa dos Campeões de 2013. 

*******************************

No fim, gastamos um energia danada discutindo este dilema Macris x Naiane e ele não faz a menor diferença agora e, muito provavelmente, não fará neste ciclo. Neste momento, a oportunidade de qualquer uma das duas de jogar é mínima. É uma inversão por set, e olhe lá.

Para o ciclo, o Zé Roberto “fechou” com a Roberta (desde o ano passado, aliás) para ser a levantadora que representa a renovação e a reserva das mais experientes. Experiência que continuará representada pela Dani Lins - em primeiríssimo lugar - e pela Fabíola. 

Depois de todos estes anos no comando da seleção, surpreendente é nos surpreendermos com o previsível Zé Roberto.

18 comentários:

JC disse...

Zé como todo mundo já sabe gosta de levantadora obediente. Macris é rapida, tem velocidade nos levantamento (ok as vezes falta precisão) mas ñ obedeçe taticamente o que se pede. Ela faz o que quer ou "o que da!". Naiane embora tenha tido seus lampejos de abuso é mais obediente, jogou com o Paulo coco ano passado.

Ainda gosto muito mais por exemplo do jogo da Giovanna mas ela é baixissima pros padrões até da superliga

Kamila Azevedo disse...

Vou me repetir um pouco, agora: como disse no último post, na minha opinião, se o critério fosse técnico e, desde sempre, tivesse a intenção de revezar as levantadoras convocadas (com exceção da Roberta), acredito que Naiane (por ser mais fraca tecnicamente, na minha opinião) deveria ter ido ao Campeonato Sul Americano, e a Macris (que é uma levantadora melhor, com um estilo de jogo completamente oposto ao da Roberta) deveria ir para a Copa dos Campeões, um torneio muito mais importante, em que ela seria muito mais útil!

Não sei o que se passa na cabeça do ZRG, mas levar a Naiane para a Copa dos Campeões não me parece a melhor decisão.

Yano o Chato disse...

Nenhuma novidade, nenhuma surpresa. Vou utilizar um post de um colega (L. Mesquita) que tão bem explicou a escolha técnica:

"As questões técnicas, alegadas pelo Zé para o corte da MACRIS, na verdade, são as seguintes:
1. MACRIS foi a MELHOR levantadora da SUPERLIGA cinco vezes consecutivas em 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017;
2. Após o término da SUPERLIGA/2017, MACRIS, valorizada no mercado, recebeu propostas de CINCO equipes para assinar contrato para a temporada seguinte: Terracap/Brasília, Camponesa/Minas, Hinode/Barueri, Fluminense-RJ e Nestlé/Osasco;
3. MACRIS era a primeira opção de levantadora para o Hinode/Barueri, porém ela preferiu fechar com o Camponesa/Minas;
4. Depois da recusa de MACRIS, o Hinode/Barueri contratou NAIANE;
5. O Zé Roberto gosta de treinar na SELEÇÃO jogadoras que jogam no time dele, Hinode/Barueri, da mesma forma que ele fez quando treinava o AMIL/Campinas... Logo NAIANE e SARAELEN do Hinode/Barueri foram convocadas para a seleção para o lugar de MACRIS do Camponesa/Minas e ADENÍZIA do Scandicci."

Acrescento os últimos jogos do Minas na temporada, nos quais a Naiane não conseguia sequer colocar uma bola alta na saída de rede para a Hooker atacar, tendo a Karine que entrar para fazer isso.

Zé Roberto é isso!!

Fernanda Oliveira disse...

Se for pensar em importância dos torneios em que cada uma vai participar tem uma divisão equilibrada. 1 torneio forte e fraco pra cada. A Macris teve ainda mais chance de jogar do que a Naiane até agora. Vai ver ele vai testar ela agora em um nível mais alto.
O problema pra mim no caso é que a Naiane não deveria nem ser convocada.
Ela é a mais irregular das levantadoras possíveis pra esse ciclo. A Juma foi a titular no mundial sub 23 por méritos e comanda bem o Bauru. Diferente da Naiane que nos jogos principais do Minas bancou milhões de vezes pra Karine que nunca foi excelente.

Wasley Farias Dias disse...

Eu já faço a leitura de que a Roberta será a levantadora para o próximo ciclo olímpico, inclusive com grande possibilidade de ser convocada para o Mundial e as Olimpíadas. Roberta pode ter alguns problemas técnicos, principalmente precisão nos levantamentos (especialmente nos contra-ataques), mas é a melhor sacadora e a melhor bloqueadora das levantadoras convocadas recentemente. Pode melhorar defensivamente, ainda mais sendo treinada com o Bernardinho. Acho que a outra vaga será disputada entre a Dani e a Fabíola. Macris não parece estar nos planos dele. Isso cria a possibilidade de usar uma levantadora mais jovem para uma renovação futura, talvez para depois de 2020. Com a vaga para o Mundial garantida, acredito que o objetivo é de dar experiência em uma competição de maior nível técnico à Naiane. Acho que se a vaga ao Mundial ainda estivesse em aberto, teria optado pela Macris, assim como ele o fez na fase final do Grand prix.

L. Mesquita disse...

Laura, Kamila e amigos, Bom Dia!
O que não dá pra entender e muito menos pra engolir é o tal do critério "Técnico":
1. No Camponesa/Minas quem segurava a onda na hora"H" era a KARINE, pois na hora do aperto não se podia contar com a NAIANE;
2. Pelo alegado critério técnico, para revezar com a Roberta na seleção, posso citar pelo menos 5 levantadoras melhores tecnicamente que a NAIANE:
Macrís do CAMPONESA/MINAS,Fabíola do NESTLÉ/OSASCO, Juma do BAURU, Ananda do DENTIL/PRAIA CLUB e Giovana do FLUMINENSE-RJ, no mínimo essas levantadoras são melhores no tal "CRITÉRIO TÉCNICO" que a NAIANE.
O fato é que é muito difícil engolir a convocação da NAIANE para a seleção, o Zé pode até alegar outros motivos, mas CRITÉRIO TÉCNICO não cola!

Anônimo disse...

O Zé Roberto que me desculpe, mas se não gosta da Macris, deveria então convocar qualquer outra levantadora, porque a Naiane muito fraca.
Acho a Naiane uma levantadora que não tem a menor condição de posutular uma vaga no time principal do Brasil. Quem acompanhou a última Superliga viu que na hora do vamos ver, ela não dava conta do serviço, tendo que ser substituída pela veterana Karine, que se saiu melhor nos play-offs.
Como mencioado por outros leitores, acho que as jovens levantadores dos times da Superligas A, como Juma (Bauru), Giovana (Fluminense), Ananda (Praia) tem mais talento e potencial que Naiane.
Também acho um pouco discutível o fato de ele ficar privilegiando jogadores do seu time, pois além de valorizá-las pela passagem pela Seleção, fica a sensação de que se está na panela a Seleção fica mais perto. O ZRG podia evitar isso. Jogadoras tipo Naiane e Saraelen, no mínimo, há várias outras por aí.
Márcio.

Kaike Lemos disse...

NAIANE ja foi boa mas ultimamente muito instavel. ZRG não viu a SL direito! A Naiane visivelmente a mais fraca (Uma Ana Tiemi da vida! Só tem altura! Macris sem duvida a melhor! E outra, as Inversões não funcionavam pois quando era bola pra Monique , em vez de soltar o braço ,aliviava ou largava! 2· tem que ser mais agressiva, por mim ja era Paula na seleção a bastante tempo. Roberta titular! Acabou esse negócio de Dani Lins titular absoluta!

Wasley Farias Dias disse...

Eu acho que a vida da Naiane não será muito fácil com o Zé, não. Especialmente no Hinode Barueri. Vide o que aconteceu com a Claudinha no Amil Campinas. Talvez a opinião dele sobre ela mude com a temporada.

Divino Alves disse...

Bom difícil de entender as escolhas do técnico, mas fazer o que, teremos que aceitar. Eu só penso que a Macrís poderia ser muito mais útil do que a Naiane, o Brasil podia ter dois modelos de jogo, um mais rápido com a Macrís e outro mais tradicional e com a Roberta.Nossa seleção hoje tinha que buscar um jeito de inovar, mas infelizmente enquanto tivermos o Zé Roberto, essas tais mudanças não serão realizadas

Cassiano disse...

Realmente tá difícil engolir a convocação da Naiane! Eu tinha esperança do Zé chamar a Juma para vaga da Macris, mas a " lógica " que ronda a comissão técnica da seleção prevaleceu! Outra tb difícil de digerir foi a convocação da Saraelen no lugar Adenizia! Acho que o Zé não acompanhou a superliga passada e não viu que a Valquíria e a Milka, além de serem bem mais altas, jogaram muito mais!

Camilla Paiva disse...

Que mal pergunte, o que foi que aconteceu com a Claudinha quando tava no Amil? Só curiosidade mesmo.

Camilla Paiva disse...

Foi a adenizia pediu dispensa para ter mais tempo de descanso.

Camilla Paiva disse...

Tanto a convocação da Naiane quanto da saraelen foram péssimas, na minha opinião. Saraelen é a cara do toco e a Naiane é muito irregular ainda. Acho que ela teria que "engrossar o couro" e aprender a aguentar a pressão na superliga mesmo, não na seleção. Como você bem disse na sua análise, Laura, Zé fechou com a Roberta, o que eu não acho ruim, por considerar que ela tem feito boas participações nas competições que ocorreram esse ano, além dos outros pontos como bom saque, bloqueio, defesa e a obediência que ela tem. Por mim, ela poderia continuar sendo titular, mas acredito que assim que a Dani Lins quiser, ela volta, o que acho uma pena porque ela estava muito acomodada. Tomara que o Zé em 2018 coloque as duas para brigar pela vaga no mundial, o que seria interessante, mas a tendência é Dani Lins ser absoluta pra ele.

Laura disse...

Wasley, tb tenho esta impressão em relação a Naiane no Barueri. Acho q vai ser decisivo pro futuro dela na seleção, pode ficar bem queimada com o Zé.

Camilla, num jogo de semifinal da SL, transmitido pela Globo, o Zé Roberto chamou a Claudinha de burra durante um tempo técnico. Tem aqui o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=x03Cc8US2Gs

Ela foi contratada pelo Amil e convocada naquele ano (2013) para a seleção. Aí depois aconteceu isso na SL, uma bronca que foi bastante desmedida, e ela não teve mais chances na seleção.

Wasley Farias Dias disse...

Obrigado, Laura, pela resposta à Camilla.

Camilla Paiva disse...

Vi o vídeo. Nossa que horrível, Coitada dela.

Sergio disse...

Não se pode acusar o ZRG de imprevisível. Esta não foi a primeira vez que ele convocou uma jogadora do seu time em detrimento de outra mais qualificada.