GP 2017 - Brasil 2x3 Japão



Brasil perde para o Japão no Grand Prix 2017 seleção brasileira vôlei feminino

Era para ser uma semana para o Brasil encaminhar sua classificação para a fase final do Grand Prix. Depois da vitória contra a Sérvia, parecia que a seleção iria confirmar essa expectativa, mas no fim, o jogo virou completamente. O Brasil terminou a segunda semana com três derrotas na competição.


Assim como contra a Tailândia, o Brasil não entrou bem na partida contra as donas da casa. O Japão. inteligentemente, resolveu trocar sua levantadora para usar a seu favor o efeito surpresa. E deu certo. A seleção brasileiro demorou a encontrar o ataque japonês na marcação.

Só a partir do terceiro set o Brasil conseguiu equilibrar a disputa e compensar a dificuldade que estava tendo na parte ofensiva com a relação saque/bloqueio. Porém, o maior problema brasileiro foi não manter constância em nada, inclusive no bloqueio. Quando parecia que o time tinha conseguido se estabilizar, vinha uma sequência de erros em passe, ataque ou saque. 
******************************

Sem contar que, contra uma equipe tão técnica como a japonesa, o Brasil também precisava ser mais cuidadoso nos seus acabamentos de jogadas, o que não aconteceu. Já se sabia que seria difícil virar de primeira contra o Japão e que as jogadas iam se prolongar em troca de bolas. E nisso a seleção não trabalhou com a mesma qualidade que o adversário.

Como exemplo cito as inúmeras oportunidades de contra-ataques desperdiças por levantamentos ruins. Aliás, aqui se nota uma grande diferença entre a Gabiru e a Suelen na posição de líbero. A Suelen tem um toque qualificadíssimo enquanto a Gabiru compromete seriamente a definição do ataque com levantamentos mal executados. 

******************************

É complicado achar a medida certa para a cobrança e a preocupação em relação às derrotas desta semana. Fica difícil entender como uma seleção tão superior fisicamente a Japão e Tailândia não consiga se impor e se perca tanto contra estes adversários. Ao mesmo tempo, é compreensível que, para um time novo como o brasileiro, haja uma dificuldade ao enfrentar adversários tão “redondos” e de conjuntos super acertados.

Isso de certa forma evidenciou como o conjunto brasileiro ainda está imaturo. E é neste ponto que acredito deva vir a cobrança. Se a seleção estivesse jogando a cada partida com uma formação diferente, seria compreensível a falta de cara e de regularidade do time. Mas não é o caso. A base é a mesma desde os primeiros amistosos. Era de se esperar, portanto, uma equipe mais coesa e encaixada. 

******************************
Pê ésse:

- No mínimo curiosa a divisão de responsabilidades da comissão técnica do Japão. A treinadora é a ex-levantadora e medalhista olímpica Kumi Nakada, mas quem comanda os tempos técnicos é sempre o seu segundo assistente, o turco Ferhat Akbas. Acho bem bacana, aliás, este reforço internacional trazido pela seleção japonesa que precisava se renovar. Mas que, nas partidas, a Nakada parece somente uma “treinadora decorativa”, parece. Até porque ela mal se dirige às jogadoras nos tempos e durante a partida.




******************************

Demais resultados da 3ª rodada do 2º turno do GP:

Grupo D
Sérvia 3x1 Tailândia

Grupo E

China 3x2 EUA

Itália 3x0 Turquia

Grupo F

Rep. Dominicana 3x2 Bélgica

Rússia x Holanda

- No grupo E, a Itália teve uma semana de revanches contra China e EUA. Paola Egonu continua com pontuações excelente no ataque a cada partida. Já os EUA, , mantendo a base titular, não conseguiram repetir o feito das três vitórias da semana passada e enfrentaram duas derrotas.

- No grupo F, a Holanda, que havia sido outra vítima do Japão na semana passada, está conseguindo se segurar na tabela mesmo sem poder contar com a Sloetjes.

Comentários

Cas disse…
Laura, sobre a questão dos técnicos do Japão, vi num outro grupo uma discussão sobre isso, sobre quem seria o técnico de verdade, já que ela fica na beira da quadra e ele da as instruções, daí uma pessoa lá falou que ela não está falando muito com as jogadoras porque estaria com uma faringite.
Gilbert Angerami disse…
Como disse em outros Posts, com esse time não dá para se esperar NADA nesse GP.
Coitado do pessoal de Cuiabá que raramente tem a oportunidade de assistir ao vivo a seleção!
Chandler Bing disse…
A impressão que eu tive, desde o jogo contra a Tailândia, é que esses 2 jogos contra times asiáticos era jogo para se utilizar de uma oposta mais técnica, no caso a Monique. Nesses 2 jogos Tandara foi muito defendida (não estou dizendo que ela foi mal).
Monique, por ser mais baixa, seria uma jogadora com o mesmo estilo das asiáticas não só no ataque, mas na defesa também. Deveria ter voltado no 5° Set depois que foi substituída.

Enquanto Japão (assim como a Tailândia) estava jogando com passe na mão, Brasil quinou várias bolas na recepção. Quando Amanda entrou pra sacar e fazer fundo, ela raramente quinou. Daí fiquei me perguntando "Por quê não iniciar com Amanda de titular em um dos sets, pra ver no que da?"


Alguém me tira essa dúvida, se souberem, óbvio; Suelen está com algum problema físico?
Estranhei muito a Gabiru nesses 3 jogos como titular. Não sei se por opção técnica, pra dar rodagem à jogadora... mas fato é que senti bastante falta da Suelen, principalmente nos levantamentos.


Japão e principalmente a Tailândia venceram o Brasil com totais méritos.
Tonkom e Sato simplesmente brincaram com as bloqueadoras brasileiras.

No que eu acho que o Brasil poderia ter sido melhor era na paciência, pois vimos um time muito impaciente para rodar no ataque, enquanto o Japão defendia tudo e tinha paciência no contra ataque.
Laura disse…
Obrigada, Cas, faz sentido. A situação estava mesmo estranha.
Laura disse…
Chandler, concordo sobre Monique e Amanda. Acho q a opção pela Gabiru foi mesmo para dar rodagem a ela.
Camilla Paiva disse…
Laura, não sei se você tem a mesma opinião, mas tenho achado o time muito apático. Antes era a Natália que em todos os jogos anteriores vinha com cara de cansada, mas tirando a Adenisia, o restante apresentou o mesmo astral também. Quanto a "renovação" fico pensando que se o Zé colocasse as poucas novas jogadoras convocadas pra ganhar rodagem, é provável que os resultados também não fossem tão favoráveis pela falta de experiência delas, e como no Brasil a gente não tem tanta paciência com derrotas, acho que fica essa sinuca de bico. O complicado, como você disse, é que esse time está jogando junto desde os primeiros amistosos e ainda continua muito inconsistente. Sinceramente, jogando como está e mudando pouquíssima coisa de um jogo pra outro, não vejo o time com condições de vencer a Holanda e os EUA. O time está sem liderança e sem identidade, a meu ver.
Lucas Gadelha disse…
O fundo de quadra do Brasil está muito deficiente ao meu ver. As jogadoras não estão se posicionando bem na defesa e quando o fazem não estão tendo o controle para gerar um bom passe para contra-ataque. A Gabi tem potencial, mas não está pronta ainda. Tem que rodar mais na função de líbero. Esse time tem que treinar exaustivamente passe e defesa. Deu gosto de ver a proficiência técnica e a habilidade das passadoras da Tailândia e do Japão que entregavam a bola na mão das respectivas levantadoras.
Roberta ontem abusou da sua imprecisão. Até o Nalbert perdeu a paciência com ela que encurtava demasiadamente a bola para a Natália na ponta. Tandara deve ter saído com a coluna arrebentada ontem. Ela saca, defende, bloqueia muito bem, mas o seu gesto técnico no levantamento não é bom. Efetivá-la como titular tendo Macris a disposição me parece incoerente.
Natália, ontem mostrou porque nunca se firmou como a prodígio que era quando surgiu nas categorias de base: inconsistência. Ela faz cinco recepções perfeitas e quina cinco outras. Ela enterrra uma ataque com bloqueio triplo, mas depois manda uma bola na rede com um bloqueio quebrado. Erra em momentos cruciais. Seu nome e a palavra capitã na mesma sentença não combinam. Ela não tem aparato emocional para carregar esse peso. Sua apatia e visível cansaço são agravantes na sua fraca atuação. Zé deveria repensar sua presença nas convocações desse ano.
Drussyla não está pronta para seleção ainda. O único fundamento que ela "domina" é a defesa. Rosamaria, mesmo com a sua deficiência no passe é uma melhor opção em quadra, pois sua maior agressividade no ataque compensa.
Agora, esperar que a Natália cubra a Rosamaria na recepção é um absurdo. Ela mal cobre a si mesma. É um cego ajudando outro cego. Zé Roberto está querendo repetir o que fez em 2008 quando tinha Mari e Paula, duas jogadoras que não tinham a recepção como especialidade, mas que rodavam quando o passe não era perfeito. No seu respectivo contexto deu certo, por um tempo. Tinha Fofão que fazia milagres com o passe C. Na atual conjuntura, não está funcionando.
Enfim, nunca esperei uma vitória acachapante da seleção nesse Grand Prix nesse Grand Prix. Sabia que esses percalços aconteceriam. Resta saber como o Zé vai reagir e que mudanças ele irá promover.
L. Mesquita disse…
INCOMPETÊNCIA da COMISSÃO TÉCNICA. Chega de ZE ROBERTO! BERNARDINHO com as BAIXINHAS do SESC RJ foi PRATA no MUNDIAL DE CLUBES ganhando de times que são CONSTELAÇÕES MUNDIAIS DE CRAQUES! ECZACIBASI, VAKIFBANK, VOLERO e DINAMO MOSCOW são muito mais fortes que essas seleções nacionais e mesmo assim BERNARDINHO com suas baixinhas foi PRATA. MAMI UCHISETO tem só 1,71m e acabou com o jogo ontem. Tomkom tem 1,69m, Kongyot também não é muito alta e acabaram com o jogo! O problema NÃO é só altura... O problema antesde mais nada é incompetência da COMISSÃO TÉCNICA: FORA ZE ROBERTO!!!
L. Mesquita disse…
Olha LAURA, TAILÂNDIA e JAPÃO estão com equipes renovadas também, só que mais eficiente que o BRASIL... Semana passada depois das dificuldades contra a Turquia, eu já havia comentado que o BRASIL teria muitas dificuldades essa semana para derrubar bolas na eficiente defesa asiática... A qualidade do ataque brasileiro está baixa, encontrando bastante dificuldade de por a bola no chão, e diante desses defesas constantes as jogadoras brasileiras tem se afobado e errado. Tandara é só porrada e pouca inteligência, porradas previsíveis é o que as asiáticas gostam de defender. GABIRU não aprovou como libero, a SUELEN se saiu muito melhor... Ridículo não levar uma libero de VERDADE para auxiliar a SUELEN. A melhor renovação do Brasil seria na COMISSÃO TÉCNICA. Já deu de ZE ROBERTO!
Yano o Chato disse…
Eu tinha decidido não comentar neste Grand Prix porque me fizeram uma crítica de que eu estava sendo muito rápido em dar o veredicto desta seleção e que eu poderia estar sendo leviando. Mantenho minha opinião sobre este grupo, que todos já sabem aliás. Mas parei para pensar e resolvi dar um tempo das críticas.

Porém vou fazer um ajuste pontual. Tendo o grupo fechado e mais ou menos definias as titulares, o pior desse Grand Prix é o Zé Roberto. Definitivamente ele já não sabe mais dirigir bem uma equipe durante a partida, o que é fundamental para sair de condições adversas. Tá se perdendo nas escolhas, na inversão 5x1, quando muitas vezes era pra mudar só a levantadora ou só a oposta, ele vai e muda as duas. Contra a Tailândia e contra o Japão ele deveria ter deixado a Monique em quadra nos últimos sets e aproveitar o entrosamento com a Roberta e o jogo da Monique, que encaixa com o das baixinhas orientais.

Outra coisa, fala da versatilidade das jogadoras, mas não a usa. Troca Natália por Tandara uma vez na vida, ou desloca Natália para saída e entra com Amanda para estabilizar o passe. Deixa Rosamaria na saída. Mas não, não sai do script, com as substituições de sempre. Daqui a dois dias a seleção estará toda marcada. Não usa a Mara, não usa a Naiane, não trabalhou a Macris. Não levou a Paula nem a Lorene.

Outra coisa, sinto que ele quer montar o time como se as jogadoras fosses as antigas. Não vai conseguir. As centrais são mais baixas e menos eficientes e a recepção é a pior de toda a história da seleção feminina, podem pesquisar. Portanto, o jogo se resolverá pelas pontas, no caso com Rosa, Natália e Tandara, o que exigirá precisão da Roberta para as pontas.

Ele que bote isso na cabeça. Senão vai dar vexame.
Kamila Azevedo disse…
2012, pra mim, foi o limite para ZRG. Mesmo com o título olímpico conquistado em Londres, ficou claro que o que aconteceu ali foi um pacto entre as jogadoras. Se elas não tivessem se unido em prol do resultado, com certeza, não teríamos conquistado uma medalha.

Tendo dito isso, não tenho medo nenhum em afirmar que o ZRG é um técnico ultrapassado e teimoso. Como bem disse o Francisco em seu comentário, ele estacionou no tempo. O preço que estamos pagando hoje, com essa inconstância da seleção, é totalmente culpa do técnico. A renovação deveria ser feita mesclando a juventude de algumas jogadoras, como Lorenne, Paula Borgo, Valquíria, Bruna Tenório; com a experiência de uma Fabíola e de uma Juciely.

Natália não tem perfil de capitã, nem de liderança. Está visivelmente cansada, deveria ter tido férias nesse início de ciclo, assim como as outras jogadoras mais experientes do time. Adenízia tem desempenhado muito bem esse papel de chamar a responsabilidade pra si mesma e deveria ser a capitã do time. Você vê na cara dela que ela ama defender a seleção.

Mas, deixem-me voltar ao ZRG. Os erros que ele tem cometido nessa renovação vêm desde a convocação. Onde estão os destaques da Superliga (as já citadas Lorenne, Valquíria, Bruna Tenório), que nem convocadas foram? Onde está a melhor levantadora da Superliga nos últimos 4 anos (Macris), que nem sequer foi relacionada nas duas primeiras etapas do Grand Prix? Por que que o ZRG não aprende com os erros passados e mexe logo no time quando é necessário? Ele insiste com as suas escolhas e morre agarrado nelas. Mara, que é uma ótima central, nem chances teve de entrar em qualquer partida....

ZRG deveria ter entendido que o ciclo dele como técnico da seleção feminina já terminou. Ele parou no tempo! Não dá mais!

PS: Li, uma vez, que a birra do ZRG com a Macris é que ela seria uma jogadora difícil de lidar. Não entendo isso. Ela passou por times como Pinheiros, Brasília e nunca vi ninguém falar algo do tipo sobre ela. Alguém poderia me explicar a história por trás desses dois? A única explicação que vejo para a ausência de Macris é que ela, com seu jogo ousado e veloz, não seguiria as ordens do ultrapassado ZRG, que gosta do jogo engessado em suas levantadoras...
MINEIRIM disse…
Eu não vejo problema nenhum em perder no início de um ciclo, porém não consigo entender algumas decisões da comissão técnica. Para início de conversa a escalação, por que algumas jogadoras como Fernanda Tomé, Edinara, Mara, não podem ser testadas efetivamente como titulares? Infelizmente me parece que Zé já definiu sua equipe e agora irá dar rodagem a ela... Não acho justo cobrar da Gabiru, nem líbero ela era, errado é o Zé que a colocou lá. Roberta é tão maravilhosa assim a ponto dos estes de levantadora terem acabado? Não vejo na verdade grandes testes sendo realizados: Adenízia, Tandara e principalmente NATÁLIA ainda precisam ser testadas rsrsrs, piada...
edsantos disse…
desse jeito na proxima rodada só vamos ganhar da belgica, e eliminaçao na certa
Luiz disse…
Meu primeiro comentário é o seguinte: Tailândia não é time para o Brasil perder! O Brasil até com time B deveria ter vencido a Tailândia. Isso para mim é virar pano de chão para os outros times pisarem!! Sério mesmo! Um time como a Tailândia que tem uma média de altura de 1.75 (foi o que o narrador do Sportv falou), ou seja, nem bloqueio alto possui e muito menos atacantes de força.
Japão é um time que tem méritos, pois há muito tempo vem se mantendo entre os 10 melhores do mundo. Em 2012 foi medalha de bronze nos Jogos de Londres, no Mundial de 2010 foi bronze também, e só caiu de produção de 2013 em diante, mas, ainda sim, mantém uma qualidade técnica.
Gente, cadê a renovação no Brasil??? Onde está a renovação depois da olimpíada??? Os EUA estão com um time completamente diferente, assim como a China que acabou de ser campeã olímpica e mesmo assim faz testes com jogadoras. A Rússia, Itália, Turquia e a própria Sérvia estão colocando jogadoras novas para testar. Só o Brasil que ainda depende de Adenízia e Monique.
Me diga: levou a central Mara para quê?? Até hoje só fez passeio no Grand Prix, não tendo entrado em nenhum jogo!
Se a idéia é renovação, quem deveria jogar seria Mara, Bia, Suelen (líbero de verdade!), Rosamaria, Drussyla, Roberta/Naiane, Paula Borgo, por exemplo, servindo de oposta, ou até mesmo Lorenne...
O que precisa renovar de verdade no Brasil é a comissão técnica e o próprio técnico Zé Roberto, que parece ter congelado no tempo! O Brasil parou no tempo e daqui uns dias estará igual Cuba, caindo para o terceiro escalão do esporte. Vai ser muito triste!
Zé Roberto tem tanto medo de renovação, que 2018 no Campeonato Mundial, ele vai colocar Fabíola e Dani Lins, Fê Garay, Thaísa (se quiser voltar), Gabi (ponteira que nem sequer possui altura e força para o vôlei atual), Carol e Adenízia, além de Juciely (com 36 anos de idade), Léia (40 anos), e se bobear chama Sheilla e Fabiana, ou até mesmo Waleska e Sassá
Luiz disse…
Meu primeiro comentário é o seguinte: Tailândia não é time para o Brasil perder! O Brasil até com time B deveria ter vencido a Tailândia. Isso para mim é virar pano de chão para os outros times pisarem!! Sério mesmo! Um time como a Tailândia que tem uma média de altura de 1.75 (foi o que o narrador do Sportv falou), ou seja, nem bloqueio alto possui e muito menos atacantes de força.
Japão é um time que tem méritos, pois há muito tempo vem se mantendo entre os 10 melhores do mundo. Em 2012 foi medalha de bronze nos Jogos de Londres, no Mundial de 2010 foi bronze também, e só caiu de produção de 2013 em diante, mas, ainda sim, mantém uma qualidade técnica.
Gente, cadê a renovação no Brasil??? Onde está a renovação depois da olimpíada??? Os EUA estão com um time completamente diferente, assim como a China que acabou de ser campeã olímpica e mesmo assim faz testes com jogadoras. A Rússia, Itália, Turquia e a própria Sérvia estão colocando jogadoras novas para testar. Só o Brasil que ainda depende de Adenízia e Monique.
Me diga: levou a central Mara para quê?? Até hoje só fez passeio no Grand Prix, não tendo entrado em nenhum jogo!
Se a idéia é renovação, quem deveria jogar seria Mara, Bia, Suelen (líbero de verdade!), Rosamaria, Drussyla, Roberta/Naiane, Paula Borgo, por exemplo, servindo de oposta, ou até mesmo Lorenne...
O que precisa renovar de verdade no Brasil é a comissão técnica e o próprio técnico Zé Roberto, que parece ter congelado no tempo! O Brasil parou no tempo e daqui uns dias estará igual Cuba, caindo para o terceiro escalão do esporte. Vai ser muito triste!
Zé Roberto tem tanto medo de renovação, que 2018 no Campeonato Mundial, ele vai colocar Fabíola e Dani Lins, Fê Garay, Thaísa (se quiser voltar), Gabi (ponteira que nem sequer possui altura e força para o vôlei atual), Carol e Adenízia, além de Juciely (com 36 anos de idade), Léia (40 anos), e se bobear chama Sheilla e Fabiana, ou até mesmo Waleska e Sassá
Jess disse…
Boa Tarde pessoal;

Não vi os dois jogos contra esses times asiáticos, portanto não vou opinar em relação a eles;

Temos que ter paciência, não vejo problema em perder agora, apesar de que tem que haver uma preocupação e é “bom” perder agora pra consertar as coisas futuramente (Problema é se vai conseguir), (não só eu mas acho que todo mundo aqui) prefere mil vezes perder agora, do que no mundial e olimpiadas;

ZRG já começou errando na convocação, se é pra testar cadê a Paula, Lorenne, Bruna Honorio, Valquiria, Samara, Juma..

Quem entende a cabeça dele? Convocou a Amanda e só coloca a menina pra sacar, mesmo o passe dando prejuízo (não que ela seja uma expert, mas..); Não tira a Natália nem quando ela erra 11 de 10 bolas levantadas; Mara está lá de enfeite; Tem uma implicância com a Macris que ninguém sabe a causa, pq é muita teimosia pra não dizer burrice (panela) ficar com Roberta e Naiane tendo a Macris; Roberta as vezes não acerta os levantamentos e ele continua com ela, pq não testa a Naiane? e a Edinara por onde anda?
Rah Silva disse…
Se o Brasil n classificar para a fase final desse Grand Prix seria ótima oportunidade para tirar o JRG da Seleção. Poderia colocar o Wagao ou o Spencer. Dai sim daria chances para atletas como as do Sub-20, as levantadoras: Macris, Claudinha, Ananda, e Giovana. As opostas: Ana Paula, Lorenne, Bruna Honório, Sara e Bárbara. As ponteiras: Vanessa Janke, Samara, Fernanda Tomé, Edinara, Maira, Ellen, Paula Mohr, Ju Nogueira. As centrais: Milka, Valquiria, Letícia Hage, Jéssica Santos do sub-18 de 2m, Fran, Carla e Flávia do Valinhos, Marjorie, Aquino e Gabi Martins.
As Libéro: Ju Paes, Dani Terra e Natália Monteiro. Porte, plantel, e material físico o Brasil tem de sobra. Falta um técnico que saiba trabalhar novas atletas. Até o Kwiek seria melhor que o Ze nesse momento.
L. Mesquita disse…
Dese 2004, quando o Brasil perdeu aquele quarto set quando vencia por 24x19 e o tie break quando vencia por 12x9, tenho restrições ao Zé Roberto. Culparam a MARI, mas a culpa foi totalmente do Zé Roberto pelos seguintes motivos:
1. O corte INEXPLICÁVEL da CANHOTAÇA DE OURO LEILA BARROS, nossa melhor oposta da época. O corte foi tão inesperado e surpreendente quanto o da Fabíola nas vésperas de Londres-2012.
2. Ana Paula Henkel, MUSA da geração que conquistou a primeira medalha olímpica no vôeli feminino, Bronze em Atlanta-1996, MELHOR ATACANTE do GRAND PRIX-1998, MELHOR BLOQUEADORA do GRAND PRIX-1998, BI-CAMPEÃ MUNDIAL de VOLEI DE PRAIA(2003 e 2008), 5 vezes MELHOR SACADORA do CIRCUITO MUNDIAL DE VOLEI DE PRAIA(2003,2004,2005,2006,2007),chegou a Atenas para disputar o TORNEIO OLÍMPICO DE VOLEI DE PRAIA revoltadíssima com o CORTE INEXPLICÁVEL DE LEILA por ZÉ ROBERTO. ANA PAULA deixou de lado a diplomacia e criticou arduamente Zé Roberto:"O time é muito jovem e a experiência da Leila seria importante"... "Mesmo que ela ficasse no banco, já ajudaria"..."Mas cada um tem uma cabeça.". Leila era nome praticamente certo na Olimpíada. Zé, porém, surpreendeu a todos ao anunciar a dispensa da oposta canhota. Leila havia conquistado o Bronze nas Olimpíadas de Sydney-2000 e Atlanta-1996, Bronze na COPA DO MUNDO-1999, OURO no PAN-AMERICANO-1999, TETRA-CAMPEÃ do GRAND PRIX onde foi eleita MVP em 1996 e 1998. Como cortar uma oposta canhota, duas vezes eleita MVP do GRAND PRIX ???
3. Algo ficou no ar que ele deu preferência às jogadoras do time dele: Mari Steinbrecher e Bia Chagas eram opostas,titular e reserva,do Finasa/Osasco,time treinado por Zé Roberto. Qualquer semelhança com o corte da Fabíola pra Fernadinha que jogava no time do Zé e no corte da Macris pra Naiane que também aceitou jogar no time do Zé é mera coincidência???
4. Tudo bem, ele cortou a LEILA e levou 3 opostas: ELISANGELA, BIA e MARI sendo que 2 eram do time dele... Mas porque que quando precisou, não fez a inversão do 5x1? O que não faltava era opção de oposta para isso!!!
5. Deixar FOFÃO no banco enquanto o Brasil tomava a virada da Rússia tanto no quarto quanto no quinto set, sem tantar pelo menos a inversão do 5x1.
6. Deixar duas opostas mais experientes que a MARI no banco, a ELisângela Oliveira e a Bia Chagas, enquanto o Brasil tomava a virada da Rússia tanto no quarto quanto no quinto set, sem tantar pelo menos a inversão do 5x1.
7. Fernanda Venturini, nos match points a partir do 24x19, tentou virar com a MARI, com a Virna e com a Walewska, não deu certo, era hora então do Zé Roberto fazer alguma coisa e não ficar parado, inerte no banco, vendo o Brasil levar a virada da Rússia com uma FOFÃO e duas opostas mais experientes Bia e Elisângela somente assistindo ao jogo, querendo ajudar e não podendo porque o técnico estava PARALISADO DE MEDO e não teve coragem de mudar alguma coisa no time!!!
8. A MARI tinha apenas 21 anos, era a MAIS JOVEM DO TIME, estava apenas em sua primeira olimpíada pois tinha sido a revelação da SUPERLIGA. Se no final do quarto e do quinto set ela estava bem marcada pela Rússia e não conseguia por a bola no chão, porque o Zé não inverteu o 5x1? Ele tinha DUAS opostas no banco!!! Ele tinha a FOFÃO no banco!!! Porque, como comandante da equipe, não fez seu papel de técnico e mudou alguma coisa??? Preferiu contar com a sorte??? Ele queria que aparecesse um CORCUNDA lá no jogo???
Qualquer semelhança com o Zé de 2004 e o de agora NÃO É MERA COINCIDÊNCIA: cortes inexplicáveis, não mudar o time como necessário, morrer abraçado às suas teimosias, superstições e medo de alterar alguma coisa.
Duvido que em 2004, se o Zé tivesse a coragem de fazer a inversão do 5x1 e por FOFÃO na quadra com uma das opostas que estavam no banco, o Brasil não ganharia da Rússia. Nessa hora, a profecia da Ana Paula se concretizou, uma oposta como a Leila, duas vezes MVP do GRAND PRIX poderia fazer a diferença vindo do banco numa inversão do 5x1...
L. Mesquita disse…
Boa Noite Rah Silva, concordo contigo que o SPENCER LEE seria uma boa aposta, mas ninguém merece o MARCOS KWIEK, acho que o KWIEK e o ZÉ disputam o título de piores técnicos desse GRAND PRIX...
L. Mesquita disse…
Desde 2004,qdo o Brasil perdeu o quarto set quando vencia por 24x19 e o tie break qdo vencia por 12x9,tenho restrições ao Ze.Culparam a MARI,mas a culpa foi totalmente do Zé pelos seguintes motivos:
1.O corte INEXPLICÁVEL da CANHOTAÇA DE OURO LEILA BARROS,melhor oposta brasileira da época.O corte foi tão inesperado e surpreendente quanto o da Fabíola nas vésperas de Londres-2012.
2. Ana Paula Henkel, MUSA da geração que conquistou a primeira medalha olímpica,Bronze em Atlanta-1996,MELHOR ATACANTE e BLOQUEADORA do GRAND PRIX-1998,BI-CAMPEÃ MUNDIAL de VOLEI DE PRAIA(2003,2008),5 vezes MELHOR SACADORA do CIRCUITO MUNDIAL DE VOLEI DE PRAIA(2003,2004,2005,2006,2007),chegou a Atenas para disputar o TORNEIO OLÍMPICO DE VOLEI DE PRAIA revoltadíssima com o CORTE INEXPLICÁVEL DE LEILA por ZÉ. ANA PAULA deixou de lado a diplomacia e criticou o:"O time é muito jovem e a experiência da Leila seria importante"... "Mesmo que ela ficasse no banco, já ajudaria"..."Mas cada um tem uma cabeça.". Leila era nome praticamente certo na Olimpíada.Zé,porém,surpreendeu a todos ao anunciar a dispensa da oposta canhota.Leila havia conquistado o Bronze nas Olimpíadas de Sydney-2000 e Atlanta-1996,Bronze na COPA DO MUNDO-1999,OURO no PAN-AMERICANO-1999,TETRA-CAMPEÃ do GRAND PRIX onde foi eleita MVP em 1996 e 1998. Como cortar uma oposta canhota, duas vezes eleita MVP do GRAND PRIX?
3.Algo ficou no ar que ele deu preferência às jogadoras do time dele: Mari Steinbrecher e Bia Chagas eram opostas,titular e reserva,do Finasa/Osasco,time treinado por Zé Roberto.Qualquer semelhança com o corte da Fabíola pra Fernadinha que jogava no time do Zé e no corte da Macris pra Naiane que também aceitou jogar no time do Zé é mera coincidência?
4. Tudo bem,ele cortou a LEILA e levou 3 opostas: ELISANGELA, BIA e MARI sendo que 2 eram do time dele... Mas porque que quando precisou,não fez a inversão do 5x1? O que não faltava era opção de oposta para isso!
5.Deixar FOFÃO no banco enquanto o Brasil tomava a virada da Rússia tanto no quarto quanto no quinto set,sem tentar pelo menos a inversão do 5x1.
6.Deixar duas opostas mais experientes que a MARI no banco,Elisângela Oliveira e a Bia Chagas,enquanto o Brasil tomava a virada da Rússia tanto no quarto quanto no quinto set, sem tantar pelo menos a inversão do 5x1.
7. Fernanda Venturini, nos match points a partir do 24x19, tentou virar com MARI,Virna e Waleska,não deu certo com nenhuma das 3,era hora então do Zé Roberto fazer alguma coisa e não ficar parado,inerte no banco,vendo o Brasil levar a virada da Rússia com uma FOFÃO e duas opostas mais experientes Bia e Elisângela somente assistindo ao jogo.Elas querendo ajudar e não podendo porque o técnico estava PARALISADO DE MEDO e não teve coragem de mudar alguma coisa no time!!!
8.A MARI tinha apenas 21 anos,era a titular MAIS JOVEM DO TIME,estava apenas em sua primeira olimpíada pois tinha sido a revelação da SUPERLIGA.Se no final do quarto e do quinto set ela estava bem marcada pela Rússia e não conseguia por a bola no chão,porque o Zé não inverteu o 5x1?Ele tinha DUAS opostas no banco!Ele tinha a FOFÃO no banco!Porque,como comandante da equipe,não fez seu papel de técnico e mudou alguma coisa?Preferiu contar com a sorte?Ele queria que aparecesse um CORCUNDA lá no jogo?Qualquer semelhança com o Zé de 2004 e o de agora NÃO É MERA COINCIDÊNCIA: cortes inexplicáveis,não mudar o time como necessário,morrer abraçado às suas teimosias,superstições e medo de alterar alguma coisa.Duvido que em 2004, se o Zé tivesse a coragem de fazer a inversão do 5x1 e por FOFÃO na quadra com uma das opostas que estavam no banco,o Brasil não ganharia da Rússia.Nessa hora,a profecia da Ana Paula se concretizou, uma oposta como a Leila, duas vezes MVP do GRAND PRIX poderia fazer a diferença vindo do banco numa inversão do 5x1...
L. Mesquita disse…
A seleção de 2004, que conseguiu a façanha de entregar o jogo pra RUSSIA graças à teimosia e à inércia do Zé Roberto:
Libero: Arlene
Meios: Walewska, Valeskinha e Fabiana Claudino
Ponteiras: Virna, Erika e Sassa
Opostas: Eram 4 opostas na disputa pela vaga olímpica: 2 eram do time do ZE ROBERTO, a novata Marianne Steinbrecher, a revelação da Superliga e Bia Chagas, do Rexona tinha a Elisangela Oliveira e do BRASÍLIA/FORÇA OLÍMPICA tinha a canhota Leila Barros. Todos esperavam que a sensação da Superliga Mari e a duas vezes MVP do Grand Prix Leila estivessem garantidas na Olimpíada de Atrnas, sobrando o corte para a Elisangela ou para a Bia. Tamanha foi a surpresa e decepção de muitos qdo do nada foi anunciado o corte de Leila, a imprensa ficou surpresa e Ana Paula criticou abertamente a atitude do Ze.
Apesar de levar TRÊS OPOSTAS, quando mais se precisou da inversão do 5x1, o Ze não foi corajoso para usá-la, deixando a levantadora FOFÃO e as opostas Bia e Elisangela assistirem dó chiqueirinho o BRASIL tomar duas viradas seguidas da RUSSIA, no quarto e no quinto sets.
Da mesma forma que o Ze deixou o Brasil ser eliminado pela China na Rio-2016, com Dani Lins sobrecarregando a Natalia marcadissima pelo bloqueio Chinês deixando a GABI, JAQUELINE e FABÍOLA assistirem à eliminação do chiqueirinho.
Da mesma forma que MACRIS não tem oportunidades. Da mesma forma que MARA só fica no chiqueirinho, Edinara e muitas outras...
Mantronix Inc disse…



Brasil tá sem bloqueio.
Anônimo disse…
MANTRONIX,respeito sua opinião,mas o BRASIL tem 3 jogadoras entre as 10 melhores BLOQUEADORAS DO GRAND PRIX: ADENÍZIA,BIA e ROBERTA. O grande problema do BRASIL É A DIFICULDADE de por a bola no chão. Prova disso é mal desempenho do Brasil contra equipes com bom sistema defensivo. O Brasil teve dificuldades contra a Turquia, Japão e Tailândia. As jogadoras estão esquecendo a técnica de explorar bloqueio, de atacar na linha, da deixadinha colocada no buraco da quadra pra querer resolver tudo na porrada... Tandara Rosamoaria, são que usam muita porrada e pouca variação nas jogadas.
Paulo Roberto disse…
L. Mesquita que análise interessante. Como não acompanhei os "bastidores" de Atenas, não me lembrava destes detalhes.

Sempre que comento sobre o Osasco falou dos erros de comando, aqui me parece que SFV também repete essa sina. Não há como isentar o ZRG. Como o Jess disse perder agora não é problema, realmente concordo, mas a forma que se perde nos diz algumas coisas. O histórico do técnico também nos diz algo.

Me parece que o Zé se apossou do trono da seleção e não há santo que enxergue que ele ali já deu. Ou será que não existe ninguém com força suficiente para peitá-lo?
Jess disse…
Boa Tarde!

Muito interessante a analise L. Mesquita, não só eu mas muita gente tb acha que perdemos títulos importantes, por conta da teimosia que o Zé tem em morrer abraçado e não convocar certas jogadoras..

Tirando aquela Cuba, nenhuma seleção se mantém no topo por tanto tempo, Sérvia em 2012 se não estou enganada, ficou em ultimo na fase de grupos e 4 anos depois era finalista, isso pq a seleção se renovou, e surgiu a Boskovic; Cedo pra falar, mas a Itália parece estar no caminho certo e a Holanda está fazendo uma bela campanha sem sua principal jogadora;

Estamos batendo na mesma tecla faz tempo, mas o grande problema da seleção é que não teve e nem está tendo renovação, pq do que adianta convocar estreantes na seleção senão coloca pra jogar? Pq se for analisar o time titular do Brasil, apenas a Roberta e a Bia seriam estreantes; É ri pra não chorar alguns comentaristas falando que tem que ter paciência com a Natália, que ela esta vindo de uma temporada desgastante, Ué mas e as outras jogadoras por acaso estavam paradas?

E Paulo Roberto, sou mulher rsrsrs.. , acho que o ZRG não sai da seleção mesmo não classificando para fase final desse GP , o que nos resta é torcer pras jogadoras que não estão jogando voltarem muito bem, pq o mundial está logo ali.. Mas (caso o improvável ocorra) quem poderia substituir o Zé?

Não sei ao certo quantas jogadoras se podem levar ao Mundial, supondo que seja 14, não sei pq mas ACHO que o Zé vai levar:

Levantadoras: Dani Lins e Roberta
Centrais: Thaisa, Juciely, Bia e Adenizia
Ponteiras: Natalia, Gabi(Sesc) , Garay, Rosamaria, Jaqueline,
Oposta: Tandara
Libero: Suellen e Gabiru

Falei demais, nossa!
Thulyo Praxedes disse…
É, a situação está um tanto quanto complicada.... rs... Eu tentaria mudar algo;
Natália na ponta
Tandara na ponta (colocando a força máxima nas pontas)
e deixando a Rosamaria de oposta, ou colocando Natália de oposta.

Agora só eu achei que a Amanda em quadra o passe saiu melhor? Monique quando entrou no lugar da tandara estabilizou o jogo, ele inexplicavelmente voltou com a tandara no último set, até o Nalbert estranhou a troca, tendo em vista os bloqueios que a monique fez.

Enfim, eu apostaria em mudanças e pra ontem, porque se ele for morrer com essa formação, creio que será um atropelo dos EUA e Holanda.
Kaike Lemos disse…
Nossa seleção está precisando de uma liderança melhor, também acho que a Adenizia deveria ser a capitã, Natalia some nos momentos decisivos. A comissão tecnica tem que ser substituida, a começar pelo Zé Roberto e panela ilimitada. Tem que haver uma renovação , com jogadoras novas e não com Natalia que ja teve chances e mostrou que não merecia alguma. Zé Roberto faz sempre escolhas erradas. Paulo Coco é p outro , no Minas era uma insistencia com a Naiane , que não é levantadora e tampouco jogadora. Rosamaria , pra se firmar precisa aue alguem a cubra, improvisar líbero não é o caminho. A Formação ideal deste "grupo" seria: Rosamaria, Amanda , Suellen , Roberta , Tandara , Adenizia e Mara ( Ajuda no bloqueio e não concordo o Ze deixa ela de enfeite!) . #SpencereWagaonaseleção
Kaike Lemos disse…
Isso que o Brasil precisa! Sem renovação não surgem excelentes jogadoras. Mas o ZRG , e panelinha ilimitada , não aceitam que o Brasil preciza se renovar. Vcs viram? A Italia ta forte! A Malinov no começo trabalha com as centrais o time adversario ta encostando ela chama Egonu de tudo quanto é jeito, e ela bate pra baixo.
Yano o Chato disse…
Gente, andei matutando aqui e tive a ideia de na quinta-feira, às 20 ou 21:00 hs, não lembro, bombardearmos o twitter e o facebook do programa Roda de Vôlei, exigindo uma postura menos corporativista da imprensa voleibolística em relação ao Zé Roberto. Faríamos perguntas bem objetivas sobre seus erros e insistências, sobre a derrota para a China, que ninguém até hoje questionou, a insistência com Natália. Falaríamos também da renovação, derrota para Tailândia e Japão, etc. Não deixaríamos eles em paz.

O que acham?
l.mesquita disse…
Acho ótimo Yano, só quero saber se eles teriam essa coragem de contestar isso no programa...
Yano o Chato disse…
provavelmente não. sempre fui vetado em minhas colocações. só publicam rasgação de seda
Kamila Azevedo disse…
Acabei de ver que a Macris foi integrada ao grupo da seleção brasileira para a etapa de Cuiabá. Me preocupa o fato da comissão técnica só ter “lembrado” dela para a última rodada do torneio. Será que querem jogar a responsabilidade nas mãos dela? Será que a Macris, em poucos dias de treinamento, consegue entrosamento com o resto das meninas? Me preocupa muito isso... Medo do ZRG “teimoso e ultrapassado” estar querendo queimar a jogadora...

Entretanto, confio na qualidade da Macris e sei que a ousadia e a velocidade de seu jogo serão muito benéficas para a seleção, neste momento. Só espero que o Zé Teimoso dê a ela a oportunidade que ela merece, ao invés de só colocá-la nas inversões de 5x1....
Evandro Mallon disse…
O Zé nao aprende. Ele só conquistou o que tem por saber se ''grudar'' em jogadoras especiais que faziam a diferença. Em 92 ele tinha um super time, em 96 foi um fiasco com o quinto lugar em Atlanta. O Dayvit durou uma temporada, o Volei Amil, duas. Vamos ver o Barueri.

Em 2004 ele cortou Leila, levando duas opostas inexperientes. E nao tirou Virna que levou um senhor toco no simples da Sokolova quando tava 24 a 23. E só fazendo 10 pontos numa partida de 5 set's.

Paulo Roberto disse…
Oi Jess, me perdoe pelo equívoco.

Também acho que o Zé Roberto não sai da seleção, mas se saisse gostaria de ver o Bernadinho de volta. Mas acho que o Wagão ou Spencer Lee poderiam fazer trabalhos interessantes. Mas o que eu queria mesmo era ver uma mulher no comando. Como já citei antes aqui a Fofão anda fazendo cursos, talvez pela inexperiência como treinadora ela não aceitaria, mas quem sabe para o ciclo 2024?
Jess disse…
Tudo bem Paulo Roberto, o Spencer tinha que virar logo o tecnico do Osasco #NãoAguentoMaisOLuizomar, ai teria uma chance na seleção.. (quando o Zé sair)

Kamila acho que se ele colocar logo ela de cara, a impressão que vai dar é que está tentando queimar a jogadora, pq tem que haver um entrosamento, vai colocando ela aos poucos durante essa partida contra a Belgica.. pq contra Holanda e EUA iremos precisar muito dela