GP 2017 - Brasil 0x3 Sérvia

Brasil perde para Sérvia no Grand Prix seleção brasileira vôlei feminino Mihajlovic


No post de ontem, disse que a Sérvia seria o grande primeiro teste da nova seleção brasileira. Pois desta prova, o Brasil saiu reprovado.

E nem falo isso por causa do resultado. Uma derrota para a vice-campeã olímpica, com praticamente sua força máxima, está dentro da normalidade. Sérvia e Brasil estão em momentos diferentes hoje.

O que fez o Brasil receber uma nota vermelha foi o desempenho em dois fundamentos. Primeiro na recepção. Ter dificuldades, ok. Agora, levar tantos pontos diretos em saque (11!) sai totalmente fora do aceitável. Ainda mais quando não é o saque da Mihajlovic, que muitas vezes entra como um ataque de rede. Isso é scout que a República Dominicana está acostumada a levar, não o Brasil.

Segundo, em um cenário como este, o Brasil não pode deixar de fazer bem o que melhor tem feito nesta temporada: sacar. A seleção não teve constância no saque durante a partida, tirou a pressão sobre a Sérvia que, como se sabe, não tem das linhas de passe mais qualificadas. Como consequência, o time brasileiro teve um desempenho fraquíssimo no bloqueio. 


****************************

A verdade é que cada seleção adota um posicionamento na linha de passe que acabou por fazer a diferença no resultado final. De um lado, a Sérvia esconde bem a Mihajlovic no passe. Malesevic e a líbero cobrem a quadra deixando-a livre para atacar. Foram poucas as vezes em que o Brasil conseguiu “acertar” na Mihajlovic no saque.

Do lado brasileiro, Rosamaria, ainda se aperfeiçoando na recepção, fica bastante exposta. Acreditro que seja uma escolha do Zé Roberto não usar tanto a Suelen e a Natália para cobrir a Rosa para que a jogadora evolua no fundamento. E, pelo mesmo motivo, ele esperou bastante para usar o banco quando a Rosa cometeu erros em sequência no passe. Mas isso realmente acabou comprometendo o desempenho da linha de recepção e impactando na continuidade do jogo brasileiro. 

****************************

Individualmente, Rosamaria foi a jogadora com mais dificuldades na partida. Foi perseguida no passe e no ataque não foi efetiva. Roberta forçou algumas bolas desnecessárias, mas manteve a distribuição e a qualidade dos levantamentos sob controle durante a maior parte da partida.

No meio, Bia se apresentou bem no ataque e tentou puxar uma reação do bloqueio no segundo set que acabou por não vir. Já a Carol, depois de um bom início no saque, acabou se escondendo na partida.

Pelas pontas, Tandara foi nossa melhor atacante e tem tido um ótimo aproveitamento dos ataques atrás da linha dos 3, tanto na saída como no meio. E isso até tem reforçado como a inversão do 5x1 com Monique e Naiane se faz totalmente desnecessária. O Brasil não ganha nem com altura - já que a Roberta é maior e bloqueia melhor do que a oposto reserva, nem com opção de ataque na rede.

Ainda espero mais da Natália, tanto no aspecto técnico como no de liderança. Numa partida como esta, ela tinha que chamar mais a responsabilidade para si. 

****************************

Se o Brasil saísse com a vitória, seria surpreendente. A Sérvia está num nível superior ao nosso.

O Brasil precisava deste teste para deixar bem claro os problemas e fragilidades que ficaram escondidas contra os adversários mais fracos. Víamos sinais de problemas na recepção e de regularidade na virada de bola, e eles ficaram super evidentes contra a Sérvia.

O que me preocupa mais é saber se aquilo que vinha funcionando bem era tudo uma ilusão. Contra a Sérvia, o saque não funcionou, o bloqueio não apareceu e, apesar da boa construção, houve desperdício de contra-ataques.

E tão cedo acho difícil obtermos a resposta. É que o Brasil só volta e a enfrentar  um adversário mais forte na próxima rodada, quando irá se encontrar novamente com a Sérvia novamente. 

****************************

Demais resultados da segunda rodada do GP:

Grupo A

Turquia 3x1 Bélgica

Grupo B

EUA 3x0 Itália

China 3x2 Rússia

Grupo C

Holanda 3x0 Tailândia

Japão 1x3 República Dominicana

Comentários

Pop On Air disse…
A Tandara, quem olha somente para os números de pontos que ela faz na partida termina se enganando, ela jogando na saída ou na entrada de rede comete muitos erros de ataque, gostei do jogo da Roberta, as atacantes que foram infelizes hoje, do lado da Servia uma imagem aerea da quadra durante o jogo deixa bem claro a pequenissima parte de quadra que a Mihailovich passa, o time joga praticamente com duas Opostas de primeira linha (quando a Boskovic é titular) em termos de eficiência de ataque, tem 3 excelentes centrais. E boas levantadoras. Ao lado da China é a melhor selecção do momento.
Palpiteiro disse…
Para mim, caiu o mito do supertécnico, da supercomissão técnica liderada por Zé. Ele sempre foi um grande administrador de estrelas. Supercomissão pra mim é a dos EUA, que transforma universitários em estrelas mundiais. Ganhamos tudo, porque tínhamos a melhor geração do Brasil de todos os tempos, uma hora isso vai ter de ser reconhecido: Sheilla, Fabiana, Thaísa, Fabizinha, Mari, Paula, Jacque, Walewska. E ainda contamos com Fofão, gênio como levantadora. Dani tem algumas limitações, mas foi a melhor levantadora de bolas de meio que já vi levantar. O Brasil usou esse expediente de sacar na libero contra os EUA, na final de Londres e acha que isso vai resolver sempre. Hoje, foram quase dois será para desistirem de sacar na libero. Sacar na libero, quando a linha de passe tem Malagurski, Mihalovic e Malesevic é piada. Já vi essa estratégia em diversos outros jogos. Achei Natália muito mal nessa função de ser "a" jogadora. Tandara tem muito mais esse perfil. Natalia não cobre Rosa na recepção, pq sempre a cobriram. No Brasil, só Jacque e Gabi podem fazer essa função. Suellen também não cobre, por questões físicas, não tem a condição física de Fabizinha. Não sei se perceberam, mas nos últimos pontos, Zé abdicou da libero e colocou Amanda pra defender... Ano que vem, é certo que teremos Garay, Thaísa e, talvez, Fabiana. Ou seja, dificilmente veremos renovação verdadeira na seleção brasileira. Só pontual e forçada... se fosse pela comissão, as campeãs olímpicas de Londres jogariam de bengala
O que foi também bastante frustante no jogo além dos constantes erros no passe e o saque pifio foi a falta de alternativas no banco do Brasil não tinha ninguém que pudesse mudar pelo menos um pouco o jogo a maneira de jogar e a falta de garra nem parece que essas jogadoras estão lutando por um lugar ao sol na seleção brasileira .
Kaike Lemos disse…
A Recepção é o que o Brasil precisa melhorar. Se a Natalia e a Rosamaria acha que receber um saque precisa ficar parada! Que a bola vem e na mão e facil! As servias sacam o mesmo saque da Mari e o viagem ( Bosko e Miha ) . A seleção precisa de jogadoras altas e completas. Ao meu ver , Tandara , Ade , Suellen e Roberta são as unicas que se salvam. Pra ganhar tem que sacar bem. Viagem é para dificultar coisa que o ZRG ABOLIU NA SELEÇÃO.
R J Souza disse…
Laura, primeiramente parabéns pelo sue blog. Sou leitor assíduo, apesar de não comparacer nos comentários. Resolvi escrever porque o que mais me incomoda no voleibol brasileiro não é tanto o que acontece dentro das quadras mas fora delas. Apesar de, digamos, 30 anos de um esporte que se tornou bastante profissional dentro das quadras, fora delas ainda se assiste, a meu ver, um amadorismo e provicianismo sem tamanho. É muito compadre e comadre comentando desempenhos e resultados. Entre os locutores e comentaristas, é um tal de passar a mão na cabeça do ex-colega de seleção ou de um clube, uma economia nas críticas ao mau desempenho nítido dos atletas das seleções masculina e feminina, essa principalmente, que, às vezes, fico pensando se estamos assistindo ao mesmo jogo. Por isso, quero parabeniza-la peloseu blog, principalmente porque você consegue fazer a crítica necessária de uma maneira muito educada.
Vamos lá, o desempenho do Brasil ontem, diante da Bélgica, e hoje diante da Sérvia foi mediocre. A seleção é mediocre e, na minha perspectiva, é isso ai, nada tem a ver com inicio de ciclo e coisa e tal. É só resgatar o desempenho de muitas das atletas em quadra e no banco durante a superliga. Pífio. É um show de horror. Natalia, Tantara, Rosamaria, meu deus é isso o que temos pela frente? O que precisava mesmo é começar a renovação pelo técnico, o que não vai acontecer, até porque ele mesmo disse outro dia que não vive sem a seleção. Mas é um pensamento antigo, passivo, de deixar o jogo rolar e achar que a atleta vai, numa hora, evoluir. Lamentável. Você já afirmou em posts anteriores que acredita que competiçoes como o Grand Prix são para fazer mesmo este tipo de teste. Na minha visão, porém, servem apenas para confirmar que a safra dos proximos anos é, em uma palavra, medíocre, na dimensão mais medíocre que ela pode ser!
L.MESQUITA disse…
Olha essa BRANKICA MIHAJLOVIC não joga VOLEIBOL FEMININO, a força dela não é de mulher não! Essa cavala tem força de HOMEM!!! É cada patada que DEUS ME LIVRE!!! Olha que do time que foi PRATA no RIO 2016, não entraram em quadra hoje contra o BRASIL Tijana Bošković,Jovana Brakočević,Bianka Buša,Jelena Nikolić,Maja Ognjenović,Silvija Popović e Jovana Stevanović,ou seja, a SÉRVIA tem muito mais elenco e poder de fogo que o BRASIL!!!
Outra coisa que acho interessantíssima no técnico ZORAN TERZIC é que ele usa o GRAND PRIX como laboratório, foi assim que ele e LANG PING chegaram a final olímpica, pondo o time pra rodar no GRAND PRIX. A escalação do TERZIC no 3x0 contra a BELGICA foi totalmente diferente do 3x0 contra o BRASIL, TERZIC faz questão de efetuar seus testes dando oportunidade de as jogadoras realmente jogarem!!! Contra a TURQUIA Ana Bjelica,Bianka Buša,Jovana Stevanović,Bojana Živković e Teodora Pusic foram titulares, contra o BRASIL Blagojevic,Malagurski,Antonjevic,Veljkovic e Malesevic foram titulares. O Terzic trocou 5 titulares de um jogo para o outro, não por mal desempenho, afinal elas detonaram as turcas na TURQUIA, mas pra fazer laboratório mesmo!!! Quando veremos o ZÉ ROBERTO fazer isso? NUNCA!!! Como OPOSTO, por exemplo, considero EDINARA uma OPOSTA ESPETACULAR, mas o ZÉ vai deixar ela entrar em alguma partida como TITULAR? ÓBVIO que não! Já o TERZIC lançou a BOSKOVIC de titular quando ela tinha DEZESSETE ANOS!!! Entenderam a grande diferença?
L. Mesquita disse…
Tudo bem que a MIHAJLOVIC é uma bomba atômica, mas levar ONZE aces, além de vários passes C, quebradíssimos é demais!!! A estratégia de saque da SÉRVIA foi seguida a risca, elas tiraram ao máximo o saque da SUELEN e bombardearam ROSAMARIA e NATÁLIA,e as duas ponteiras foram PÉSSIMAS NO PASSE!!! Mesmo assim ROBERTA se esforçou muito e fez boas jogadas com a BIA,aliás BIA foi a que teve melhor aproveitamento no ataque. A SÉRVIA conseguiu ser mais eficiente que o BRASIL em todos os quesitos, exceto em um: LÍBERO. A LÍBERO serve BLAGOEVIC era o PONTO FRACO do time, o nível dela nesse jogo foi de ruim para PÉSSSIMO, a MALESEVIC teve que se desdobrar no fundo de quadra coitada! Nesse ponto a líbero brasileira deu um banho na da SÉRVIA, Suelen teve uma boa atuação e não fosse muitas de suas defesas excelentes e coberturas de bloqueio, o BRASIL teria levado uma surra muito maior... Pelo menos uma das ponteiras tem que ser PASSADORA!!! Não dá pra jogar com ROSAMARIA e NATÁLIA, o Zé tem que testar uma formação com DRUSSYLA ou AMANDA pra fazer a função que MALESEVIC fez na SÉRVIA. Porque jogar com ROSAMARIA e NATÁLIA dando prejuízo no PASSE não dá!!! Nenhuma das duas é uma MIHAJLOVIC no ataque pra justificar jogar sem passe... Eu testaria uma formação com DRUSSYLA e NATÁLIA nas pontas e EDINARA de OPOSTA. Acho que o TERZIC teria coragem de fazer esses testes, mas em se tratando de ZE ROBERTO, duvido muito! O que NAIANE foi fazer nesse GRAND PRIX???
Suas entradas no time não tem surtido efeito positivo. E GABIRU, o que ela tá fazendo nesse GRAND PRIX??? Podia ter levado uma líbero de verdade pra revezar com a SUELEN,que nem o RENAN DALZOTO está revezando TAHLES HOSS e TIAGO BRENDLE na masculina, mas não... O Zé levou GABIRU pra ficar no chiqueirinho só assistindo aos jogos. Enquanto líberos de verdade poderiam estar ajudando mais a seleção... Enfim, acho que a renovação realmente necessária no Brasil é na comissão técnica!
Guilherme Andrade disse…
Nossa, as brasileiras flutuaram muito durante a partida... Mas como disse a Laura, procuro ver o lado bom da derrota, pois o time de uma forma geral acaba tomando mais consciência do que precisa ser melhorado...

Acho a Rosamaria uma jogadora de grande potencial, penso que será natural a evolução dela à medida que for ganhando rodagem internacional... de fato, no momento de pressão, a Rosa cai de rendimento... Outra coisa que observo é que as brasileiras não estão acostumadas e nem possuem ainda grande técnica para jogar com bloqueios altos e pesados, até mesmo porque na superliga a média de altura é bem baixa, o que não se repete a nível internacional...

Alguém pode me explicar que tristeza é essa que a Natália sente?? Nem de longe parece aquela jogadora que foi eleita uma das melhores da última liga turca... Ela está com um semblante de tristeza e desmotivação imenso, talvez esteja passando por algum problema pessoal ou mesmo depressão, não sei... Penso que ela não está muito confortável com a posição de capitã, nem com a pressão para que seja aquela jogadora que puxa o time nas horas difíceis...

Mudando de assunto, estou surpreso com o time russo... Com a ausência de Goncharova e Kosheleva achei que elas iriam perder feio pros times mais fortes, mas para minha surpresa perdeu de 3x2 tanto para os EUA quanto para a poderosa China... Que bom, espero que a renovação aconteça e que as novas jogadoras ganhem confiança com o tempo...

E um último comentário: tem coisa mais irritante que aquela dancinha em quadra das jogadoras chinesas?? Gente, eu acho aquela forma de comemorar chatíssima, irrita mesmo, rsrs...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nesse jogo, o Brasil sabia que ia perder e a Servia sabia que ia ganhar. E imagina se a Boskovic joga...

Faltam duas coisas fundamentais nessa seleção: personalidade e qualidade técnica. Com exceção da Natália, não temos uma jogadora fora de série, que decide um jogo.

Além de termos levado um 3 a 0, o que me decepcionou foi a passividade do time. As jogadoras aceitaram a derrota, e isso é complicado de engolir.
Unknown disse…
Concordo plenamente, que as equipes estão em momentos distintose e que é necessário tempo e paciência.Agora o que não dá pra entender é a convocação para o jogo como a Mara e não ser utilizada no esconde-esconde da Carol em vários momentos da partida.Justificaria nao rodar jogadoras se fosse no masculino, que de renovação não tem nada(Renan não é bobo, mas perdeu ).Acrédito que todas as jogadoras devem ser respeitadas mesmo porque não elas não se convocam,mas há ou causa um desgaste mto gde pessoal e de grupo a insegurança de jogar ou não. Até o momento o único nome certo é TANDARA.Passe e equilíbrio na defesa tem que funcionár,e não será com a Natália, que aparentemente está exausta.Enfim, ainda temos chao ate o Mundial e o Sulamericano(agosto 2017/Colombia ). Sorte Brasil.
Camilla Paiva disse…
Laura, me preocupa muito ver a recepção tão vulnerável frente a um time que tem mais qualidade no saque, como o da Servia. Como você disse, foram muitos erros. A Rosa Maria quinou uma infinidade de bolas ontem, e não era substituída. A impressão que da é que o Zé Roberto morre abraçado com a jogadora, mas abre mão. Acho que a Natália, por alguma razão, não rende na seleção. A considero ótima jogadora, mas acho que nos clubes ela consegue se sobressair mais. Não consigo vê-la como líder desse grupo também. Acho que time novo vai demorar a dar liga, e mesmo dando, a sensação é que falta aquela jogadora que brilha, o destaque.
Eu nem estaria muito preocupado com uma temporada ruim da seleção se isso significasse que estivéssemos tendo uma renovação de verdade e jogadoras estivessem sendo testadas. Não estão. Zé escolheu o time titular e pronto. Ele foi obrigado a chamar novas jogadoras (e não exatamente jogadoras novas, jovens mesmo), mas se restringiu a um grupo. As novas jogadoras estão realmente ganhando rodagem internacional? Uma ou outra né, pq as outras ficarão no banco eternamente. Além disso, se é pra sofrer uma ou duas temporadas renovando, renova mesmo, chama várias jogadoras que tem potencial, bota elas pra jogar, pra evoluírem e se mostrarem. Mas a gente fica com uma Monique que não vai a lugar nenhum ao invés de olhar para o futuro com uma Lorene (que pode vingar ou não, mas deve ser testada). Outras seleções não tiveram medo de usar suas jovens e hoje em dia temos aí por exemplo uma Boskovic, com 20 anos. Enfim...
Rah Silva disse…
Pra mim o tempo do JRG já passou na seleçao. O ideal seria Wagao ou Spencer Lee. Natália está decepcionando todos veem seu semblante "não-feliz" na seleção. Adenizia ou tandara mereciam ser capitã. Naiane, Carol, Amanda, Drussyla, Gabiru, não são jogadoras de cacife pra seleção. Tem que entender que posicionamento de bloqueio e técnica se aprende em treinos, Temos Valquiria(1,94), Flávia(1,96), Milka(1,90), Fran(1,90), Carla(1,96), Jéssica(2,08), Ingrid Ferrari(1,96), todas centrais com mais de 1,90. E nenhuma na seleção nem treinando junto. Mto menos a Jessica Central de 17 anos com mais de 2m. Júlia Bergsman(1,96), Fernanda Tomé(1,94), Suelle(1,88), Ariele(1,87) Paquiardi(1,88), Natália Fernandes(1,90), Amabile(1,89), Kasiely(1,87), todas ponteiras com mais de 1,87 e não estão na seleção. Lorenne(o caso mais injusto), Paula Borgo, Fran Lemos, Malu, Sabrina Mâncio, Ivna, todas opostas que poderiam Ser testadas e nada até aqui.
No caso de Libéro se eu fosse o JRG aguardaria e implorava a volta da Brait pra juntamente com Suelen serem as líberos da seleção. Fora que na minha opinião Dani Terra ou Ju Paes mereciam mais que Gabiru estar ali.
Perfeito o seu comentário o que adianta um técnico uma comissão técnica que não dar a mínima para renovação do nosso vôlei feminino e infelizmente a CBV nunca irá substituir ele não tem coragem só tendo um milagre e ele se demitir . Temos urgente que formar e treinar uma nova geração para o vôlei feminino do contrário seremos em pouco tempo um Peru da vida.