segunda-feira, 22 de maio de 2017

Tem gringo no banco

Depois de semanas de buscas e sondagens, resolvida a novela: Stefano Lavarini será o comandante do Minas na temporada 17/18. 

Italiano, Lavarini fazia parte, desde 2010, do staff técnico do tradicional time do Bergamo, mas foi em 2012 que assumiu, pela primeira vez na carreira, o posto de treinador principal. Sob seu comando, o Bergamo venceu a Copa Itália do ano passado. Lavarini ainda trabalhou como assistente de Giovani Guidetti e da Lang Ping.  

Trabalhar em uma liga estrangeira será uma novidade para Lavarini tanto quanto será para o Minas e para o vôlei brasileiro feminino receber um “gringo” no comando de uma das equipes. Na história recente da Superliga feminina, não me recordo de nenhum estrangeiro que tenha assumido o posto de treinador.

Não existe uma tradição, portanto, de outras escolas ou outros pensamentos na competição brasileira. A Superliga tem um DNA muito brasileiro. 

*******************************
Este será um dos desafios de Lavarini. Apesar de a experiência da liga italiana ter dado a ele, certamente, um jogo de cintura para aproveitar da melhor forma os mais diversos estilos de jogo de cada atleta estrangeira, ali ele representava a base da qual partia todo o resto.

Aqui, ele é o estrangeiro. O time já está praticamente montado sem a sua interferência. Há uma série de jogadoras, não só no Minas, que ele não tem conhecimento ou conhece muito pouco. Coisas pelas quais ele terá que correr atrás e que requerem um bom tempo.

O meu receio é que, nesta posição de novato, Lavarini possa ser engolido pelo time, ainda mais se não mostrar resultados de cara. Tem duas jogadoras de personalidade forte que podem assumir o comando do time informalmente: Hooker e Macris.

Hooker tem o poder da bola. Criou uma identidade com o Minas e percebe-se seu peso no grupo. E Macris, mesmo na sua temporada de estreia, também pode oferecer resistência ao comando de Lavarini, pois ela não costuma dar muito ouvidos às orientações dos treinadores. Se ela não ouviu o Zé Roberto, que dirá Lavarini.

Por outro lado, Lavarini chega com um novo olhar e com um novo espírito que pode ser positivo para a competição. Ele deve saber, obviamente, quem é que manda no cenário nacional. Mas, exatamente por esta posição de novato, pode assumir uma posição mais ousada e, digamos, desrespeitosa ao status quo brasileiro. 

*******************************

Serão muitas novidades para digerir. Para os dois lados, aliás.

Fico na torcida para que a experiência dê certo. Acho que o Brasil, assim como a Itália, tem uma boa escola de treinadores que podem dar conta com competência das equipes daqui. Mas a troca de conhecimentos e a abertura para outras visões e modos de trabalho são sempre incentivadoras da qualidade nas competições nacionais. 

4 comentários:

L. Mesquita disse...

Acho que o TRIO MACRIS, HOOKER e LAVARINI vai dar o que falar... A experiencia de tecnico gringo deu certo no CRUZEIRO, porque nao pode dar certo no MINAS? Vou torcer pra que o MINAS tenha sucesso com essa NOVA EMPREITADA...

Isa Costa disse...

Continuo na torcida por uma superliga de alto nível, acirrada e com uma final diferente de Rio x Osasco, não aguento mais,nada contra os times em especial, só acho que com outros times brigando de igual pra igual nosso vôlei só tem a ganhar

Matheus Vieira Felipe disse...

Gosto do trabalho do Lavarini, ele vem mostrando ser um bom treinador. Veremos agora nesse novo desafio, eu particularmente acredito que o time mineiro só tenha a ganhar com a vinda de um treinador estrangeiro. As vezes acho o Paulo Coco se omite demais em relação a algumas coisas dentro de quadra. Vamos analisar melhor como será esse confronto entre os dois durante a Superliga.

Cesar Castro disse...

Nao sabia que a Macris enxarnava a Venturini nao...

Essa rebeldia aí num se cria nao, pois bola EU nao vejo...