Sesc 17/18 - O nome é diferente; o elenco nem tanto

Sesc mantém time titular para próxima temporada volei feminino

Sai Rexona, entra Sesc. Parece que o nome vai ser a única grande diferença entre a temporada 16/17 e 17/18.

É que o vice-campeão mundial investiu na manutenção das titulares do time (considerando neste grupo a Drussyla). A única saída é da Carol, que, pelo que apresentou na última temporada, não causa grande impacto.

Eu sou do grupo – talvez pequeno – dos que acham que a Mayhara (também já do elenco) pode dar conta do recado como titular para as disputas nacionais. Não acho, portanto, que a posição será uma grande preocupação para a próxima temporada. 

A limpa maior mesmo aconteceu no banco e não há nenhuma grande perda: saem Buijs, Camila Adão e Helô, além da jovem central Stephanie.
 
********************************** 

A manutenção das titulares pode parecer a opção mais segura. Afinal, há ali o entrosamento de mais de uma temporada juntas e total adaptação ao trabalho do Bernardinho.

No entanto, considero que há um risco nesta escolha. Isso porque, naturalmente, pode haver um esgotamento e aquilo que funcionava antes não dar mais resultado. Tudo tem o sua data de validade.


Sem o componente do novo ou uma grande motivação individual, jogadoras como Monique e Gabi terão que atentar para não ficar na sua zona de conforto ou no automático, principalmente se não tiverem, como ao que tudo indica até o momento, alguém no banco para ameaçar as suas titularidades.

Além disso, até agora, o Sesc está com pouca margem para quedas de rendimento ou contusões que desfalquem o time.


Talvez a Vivian seja o único componente forte do banco capaz de estimular uma briga por posição - no caso, entre as centrais - e garantir uma reposição qualificada. A Carol Leite não chega para ameaçar a Roberta e sim para agregar qualidade e segurança na inversão 5x1 - mas quem será a oposto reserva para complementar a inversão?

Até agora, tivemos somente a confirmação, além da Vivian e da Carol, da jovem ponteira Kasiely que, como titular do Rio do Sul, fez uma temporada de recuperação depois de passagens irregulares no passe e no ataque no Brasília e no Pinheiros. Pelo que vejo dela, não me parece que ela tenha qualidade e ambição suficientes para buscar seu espaço. 


**********************************

Não sei os planos do Sesc, mas diria que o ideal seria ter um banco com mais salvaguardas de qualidade. Por enquanto,  a reserva está parecendo uma oportunidade de intercâmbio em que mais ganham as atletas do que o time.

É óbvio que tudo isso não impede o time de ser campeão da SL - já vimos o Bernardinho ganhar o título com tudo quanto foi elenco seu comando. Impedirá um salto maior, o Mundial.

Comentários

Sergio disse…
Laura, boa noite!

Concordo com você, no que se refere a banco, contudo, não concordo quando você fala que algumas jogadoras possam se acomodar, acho muito difícil, pois o Bernardo está sempre em cima e para provar isso, faço-lhes uma pergunta: Você acharia que outro técnico colocaria Anne no banco para colocar uma jovem de 20 anos?
Agora quanto ao banco de reserva esse me preocupa, pois todas as contratações estão aquém do esperado.
Laura disse…
Oi, Sergio! Tb acho muito difícil, mas pode acontecer um relaxamento natural. O mais comum mesmo é uma queda de rendimento, tipo a da Carol este ano. E, se acontecer, desta vez não terá ninguém no banco em condições de assumir a titularidade.
Luiz disse…
Acredito que o Bernardinho utilizará a Regis como oposta nas inversões. Ela já "quebrou um galho" atuando nessa posição naquela temporada em que Bruna e Andreia eram as opostas, jogando, inclusive, um Mundial de Clubes. Eu acho um desperdício a Regiane se contentar em ficar ganhando títulos como reserva. É nítido que ela se acomodou. Amanda decidiu sair da zona de conforto e se deu muito bem, sendo até convocada pra seleção.
Mantronix Inc disse…
SESC não da poxa, até pq O SESC de SP já tem a legitimidade do nome. Tem q ser SESC-RIO !
L. Mesquita disse…
Nao existe zona de conforto pra Monique, ela nunca se acomoda... VIVIAN nao se contenta com banco, pelo q ela jogou no BRASÍLIA, ela quer eh mais!!!
L. Mesquita disse…
Ano passado, com as contratações mais pomposas de PRAIA,MINAS e NESTLE e com o SESC RJ so trazendo a ANNE BUJS, sendo apenas a QUARTA FORCA DA SUPERLIGA, muitos achavam q a SUPERLIGA poderia ter um novo campeao, porem, o que vimos foi o SESC RJ sendo CAMPEAO DA COPA BRASIL E DA SUPERLIGA e PRATA NO MUNDIAL. Esse ano segue pelo mesmo caminho, contratacoes modestas comparadas aos elencos de PRAIA,MINAS E NESTLE, mas BERNARDINHO ja cansou de fazer milagre... Com Bernardinho no banco tudo eh possivel...
Antonio disse…
Penso que o Sesc não vai ficar no anunciado até agora, seria insuficiente para manter a atual competitividade, mesmo no âmbito doméstico. A troca da Carol pela Mayhara enfraquece muito o bloqueio e nada significativo acrescenta ao ataque.
O Bernardo e comissão técnica são muito bons, mas não farão mágica. Essa última temporada mostrou que não vai dar mais para continuar com uma equipe tão baixa, por mais bem treinada que possa ser. Deve ser o único time profissional de vôlei no mundo, masculino ou feminino, onde o levantador é o jogador mais alto dos titulares.
Jess disse…
Bom dia..

Não sei se to falando besteira, se estiver peço desculpas... mas todo esse tempo com o Bernardo no comando.. vcs ainda se preocupam em quem irá jogar no Rio?

Mas concordo que se quiser ganhar além da superliga.. tem que contratar..
Vicente Maia disse…
Acho o Bernardinho um gênio incomparável, o mais brilhante técnico que já vi, mas não acredito que ele faça milagres. O time do Rio de Janeiro vem mais fraco a cada temporada, embora os resultados digam o contrário. Temporada passada perdeu sua melhor atacante, Natália, e trouxe para o seu lugar uma atacante que acabou não produzindo muito. Se não fosse o time estar trabalhando a Drussyla há três anos, a coisa teria ficado feia. Essa temporada perdeu a Carol, que podia não estar no seu melhor momento pelos problemas que teve no começo do ano, mas é uma central de seleção brasileira e que fez 10 bloqueios contra o time do Dínamo. Não vejo Mayhara ou Vivian no mesmo nível de Carol, embora está última seja uma promessa que se espera que ser treinada pelo Bernardinho impulsione seu crescimento como atleta.
Nessa temporada que se finda, tanto Minas como Osasco foram adversários bem mais difíceis e que poderiam sim ter derrubado a equipe carioca. Na próxima temporada estes times, além do Praia, virão mais fortes.
Um banco forte é motivo não apenas de tirar a jogadora de sua zona de conforto, é também uma margem de segurança importante para a equipe. Gabi está lesionada há já algum tempo, tanto que seu rendimento nos playoffs da Superliga e no mundial foi bem aquém do que ela poderia dar, mas o Rio de Janeiro não tem ninguém para substituí-la mesmo porque Drussyla já estava como titular. Quem será a nova Drussyla? A carta na manga que o Bernardinho teria? infelizmente, nesse momento, não tem ninguém. Vitória é uma grande promessa, embora não esteja nem perto de Fabi e Carol Leite é um bom nome para reserva da Roberta, mas não tem reserva para oposta e nem para ponteira.
Haroldo Caldas disse…
Concordo com o que disse o Vicente. Não podemos esquecer que, embora tenha sido o campeão, o Rio não teve vida fácil. Foram necessários cinco jogos contra o time do Minas para conseguir a classificação para a final. E, não fosse a entrada da Drussyla teria sido, na minha opinião, desclassificado. Na decisão, foram cinco sets contra o time do Osasco, que se mostrou bem frágil no mundial. Penso que, minimamente, uma boa oposta teria que ser contratada. Isto possibilitaria a sempre útil inversão do 5x1 em determinados momentos. Não sou entusiasta da Mayhara e espero estar realmente errado quanto à possibilidade da mesma manter o titularidade. O Rio, é claro, manteve-se forte. Contudo seu reino será seriamente ameaçado na próxima temporada, sobretudo pelos times de Minas.
L.MESQUITA disse…
VIVIAN PELLEGRINO teve aproveitamento de 32.75% no bloqueio,à frente de ANA CAROLINA,que teve aproveitamento de 28.78%. No ataque, VIVIAN mais uma vez foi melhor que CAROL: VIVIAN ficou com 49,05% e CAROL com 43,20% de aproveitamento.VIVAN fez uma temporada melhor, bloqueou e atacou mais que a CAROL... Ela vem pro SESC RJ para substituir a CAROL como titular e não pra ser reserva. O BERNARDINHO com um time só de brasileiras baixinhas titulares conseguiu ser PRATA no MUNDIAL,eliminou gigantes do DINAMO MOSCOW e VOLERO ZURICH,as mesmas que bateram no NESTLÉ...A contratação de FABÍOLA deixa o NESTLÉ bem mais perigoso...
Evandro Mallon disse…
O único ano que o Rexona investiu pesado nas contratações foi em 98, quando trouxe Karin Negrao, Tara cross Batle, Waleska e contata com a libero Daniela, Fernanda Venturini, Elisangela e Érica.

Depois disso foram contratações bem mais comedidas.
Mantronix Inc disse…
Mayhara uiiii, fez 2 pontos cedeu 8 contra o Vakif. Tirar Carol e deixar Mayhara ninguém merece, bola fora Bernardo.
Rodolpho Francis disse…
Evandro, discordo... O Rexona investiu muito quando trouxe Shari e contava com Jucy(que ja brilhava), Valeskinha, Fabi e Regis/Suelle que se alternavam. No primeiro ano a levantadora era a Dani, depois foi a Venurini
Evandro Mallon disse…
Rodolpho, boa lembrança. Mas acho que analisando ''peça por peça'', o time de 98 era mais de investimento pesado do que o ano que teve Shari.
l.mesquita disse…
Não sei pq vcs puseram na suas cabeças que MAYHARA será titular se VIVIAN foi contratada justamente para substituir a CAROL???
Laura disse…
Mesquita, a tendência natural é que a Mayhara assuma a titularidade, ou pelo menos seja testada primeiro do que a Vivian. Está no grupo, já substituiu a Carol e a Jucy diversas vezes. O Bernardinho deve gostar dela, senão já a teria dispensado, não? E acho q ela não se submeteria a mais uma temporada no Rio para ser reserva, se não tivesse, ao menos, chances de ser titular. Agora, nada impede que a Vivian, q é mais completa, roube a sua posição.
L. Mesquita disse…
Laura, entendo seu ponto de vista, mas Bernardinho gosta da REGIS(como desafogo, como reserva que entra qdo necessário), entra e sai ponteiras do SESC RJ e nao foi natural REGIS virar titular, ela continua como coringa de oposta e ponteira, quando necessario... MARA foi uma central que volta e meia entrava no time durante anos, mas nao foi natural ela virar titular... Da mesma forma que nao acho natural a MAYHARA virar titular soh pq a CAROL saiu, a VIVIAN eh guerreira e depois de uma temporada espetacular no BRASILIA, ela nao pensa em ser reserva e acho q ela nao foi contratada pra isso. Claro q havera uma disputa saudavel pela posicao, mas creio q VIVIAN estah em vantagem por ter sido uma das melhores centrais da SUPERLIGA...
Ander disse…
Oi Laura e colegas do Blog.
Alguém sabe onde a Carol e a Anne vão jogar na próxima temporada??
Seria muito absurdo pensar que Carol pudesse pintar no Minas ou até no Barueri??
O que acham??
Laura disse…
Oi, Ander! Acho mto pouco provável. A Carol deve ir para onde a Anne for e isso deve ser o exterior. Por enquanto, só li rumores sobre o destino delas: China ou Japão.
Ander disse…
Obrigado pela resposta Laura!!
Entre essas duas possibilidades postadas por ti, acredito mais no Japão. Mas para a Carol, o Japão é uma liga que não deverá acrescentar muito na sua evolução como atleta.