Brasília ficou para trás


Bem que o título deste post poderia fazer referência ao centro político brasileiro, né? Mas não, o papo aqui é de vôlei. 
 
Desde a criação do Brasília, em 2013, todo ano depois da Superliga é o mesmo suspense. Há uma demora para saber se o projeto consegue patrocínio e continua. E isso atrasa toda a ação do clube nas negociações e contratações.
 
Desta vez não foi diferente. A resposta até que veio mais rápida do que nos anos anteriores: no início deste mês, o Banco de Brasília (BRB) renovou a parceria para a próxima temporada. Só que foi tarde demais para o clube manter seus principais valores. Macris foi para o Minas; Amanda para o Praia Clube; Vivian para o Sesc e Roberta para o Pinheiros.

O Brasília periga ainda perder sua jogadora-símbolo, Paula Pequeno que, segundo informações do Bruno Voloch, estaria de mudança para Bauru. 
 
******************************

O Brasília nunca foi o time das grandes contratações, sempre foi o das vias alternativas. Encontrou nas duas últimas temporadas uma boa composição de elenco e conseguiu, dentro das suas limitações, fazer uma equipe até bem competitiva, principalmente com o Anderson Rodrigues no comando na SL 16/17 (o treinador, aliás, continua com o futuro indefinido).

Infelizmente, Brasília não conseguiu partir da boa base que tinha na SL 16/17 e acrescentar os reforços necessário para a próxima temporada. Teve que reconstruir o time inteiro e sem opções muito promissoras. Não sei se conseguirá sequer se manter no grupo intermediário da competição.

Traz Malu, do Praia Clube, a oposto que tanto o Brasília precisou na última SL; e a central Aline, do Rio do Sul, jogadora experiente e sempre muito forte no bloqueio. As duas me parecem boas alternativas para o elenco.

No mais, o clube fez uma troca de líberos na qual, na minha opinião, sai perdendo - Fernanda vai para o Flu enquanto Ju Perdigão chega ao Brasília -, além de contratar a ponteira Isabela Paquiardi, do Sesi, e a central Carol, do São Caetano.

Na posição mais importante, de levantadora, duas jovens: Thainá, do Brusque da SL B; e Vivian, da seleção sub-20 e que já fazia parte do elenco de Brasília. Permanece também na equipe a experiente atacante (e pouco aproveitada na SL passada) Mari Hellen.


******************************
 
Fica-se naquela situação contraditória. Uma parte comemora o fato do projeto do Brasília continuar e que mais um espaço permaneça aberto para que jogadoras mais jovens ou menos badaladas tenham oportunidade de jogar como titulares.

A outra parte lamenta que o time não tenha dado um passo a frente em termos de investimentos para fazer uma equipe competitiva e enriquecer as disputas da Superliga. O Brasília esteve próximo disso depois da última temporada. Mas retrocedeu, infelizmente.

Comentários

L.MESQUITA disse…
O BRASÍLIA eh mais um time que virou um SESI feminino. Perdeu a base e começou or último as contratações... Vai cumprir tabela, apenas!!! PRAIA,MINAS,NESTLÉ,BAURU,SESC-RJ e FLUMINENSE estão mais fortes que o BRASÍLIA... BRASÍLIA,RIO DO SUL,SÃO CAETANO e PINHEIROS brigarão pelas últimas 2 vagas dos play-offs...
Sergio disse…
Boa noite Leitores, gostaria de saber se Sheila vai jogar no Sesc Rio!? Ou ela continua em mais um ano sabático?
O Pinheiros está acima do Brasília esse ano.
Rah Silva disse…
Não Acho que o Brasília esteja tão abaixo. É um elenco competitivo que pode vir a vingar sim.
Malu é uma jovem oposta, que ganhando experiência pode vir a evoluir muito vendo que tem muitas habilidades.
Thainá é aquela conhecida levantadora do Mackenzie no tempo que a Gabi do rio jogava la e foi descoberta pela Bernardo. As ponteiras Mari Helen e Priscila são experientes e podem ajudar muito. As centrais é uma mescla a Aline que é uma central alta que bloqueia bem, e bem a Carol do São Caetano. A líbero é a Juju Perdigão. Acho um time competitivo somando a um bom Banco.
Anônimo disse…
Poderia ter trazido a Helô em vez da Malu
Joao Ismar disse…
Rah Silva, a levantadora do Makenzie na época que ela deram trabalho para o Rexona (2011/2012) nas quartas era a Pri Heldes.
Anônimo disse…
A thainá era banco nessa época.
Bernardo disse…
Praia, Minas, osasco, rio, bauru, barueri, pinheiros e fluminense todos superiores ao Brasília. Q deve brigar contra o rebaixamento junto com são Caetano, rio do sul e sesi ou valinhos.
Jess disse…
Boa Tarde!

Sergio, onde você viu que a Sheilla pode ir pro Rio?
Esse ano o Sesi volta forte. Se confirmar a Coca como parceira deve chegar até estrangeira. Vamos aguardar.
Sergio disse…
Jess, apenas especulação...
Anônimo disse…
Sheilla no Rio? Nããoooooooooooooo!