O visitante é quem manda

Semifinal - 2º jogo 
Rexona-Sesc 1x3 Camponesa/Minas
(22-25; 21-25; 25-21; 19-25) 

 Foto: Alexandre Loureiro/ Inovafoto

Que bela surpresa a recuperação do Minas neste segundo jogo de semifinal! Finalmente a equipe de Paulo Coco jogou no nível que se espera dela e, o mais importante, não se assustou com o forte adversário do outro lado da quadra.

É curioso como os papeis se inverteram neste segundo encontro entre Rexona e Minas. O Minas, assim como o Rexona lá em Belo Horizonte, se sentiu à vontade fora de casa.

Surpreendentemente,
foi também o Minas quem cresceu nos momentos decisivos dos dois primeiros sets enquanto o Rexona se desestabilizou com problemas na recepção. 

Este, aliás, foi a grande obstáculo da equipe carioca na partida. E muito porque o Minas pressionou no saque. Buijs não foi o único ponto fraco da linha de passe, Gabi também falhou e espalhou insegurança no fundamento. 

***********************************

Como consequência, desta vez, quem leu o jogo adversário com maior precisão foi o Minas. O Rexona ficou a partida inteira dividido entre o meio e as pontas e sem conseguir marcar a primeira bola com a Mara e a Gattaz.

Isso aconteceu muito porque também no levantamento as coisas se inverteram na comparação com o primeiro jogo. Naiane, com um passe mais regular, fez ótima distribuição ativando as centrais e acionando a Hooker nos momentos certos.

Roberta teve muito mais trabalho para acelerar e colocar Gabi e Monique na partida e acho que pecou na qualidade dos levantamentos nos contra-ataques. 

***********************************
Acho que a maior aliada do Minas neste segundo duelo foi a despretensão. Entrou sem o peso de vencer, apenas com o compromisso de fazer melhor do que na primeira partida. A vitória veio com mérito para a equipe mais regular e equilibrada nos fundamentos.

O Minas provocou o dia ruim do Rexona.

Não foram poucos os momentos em que o Rexona saiu da sua zona de conforto e teve seu comando na partida afrontado. Tanto que o sempre controlado e, até, frio time carioca teve que apelar para os brios e a ajuda da torcida para se recuperar no terceiro set.

O Minas mexeu seriamente com o Rexona e com as minhas previsões. A missão continua difícil, mas já não tão impossível como me fez acreditar depois do jogo em Belo Horizonte.

Comentários

Carina disse…
Arrisco-me a afirmar que esse foi um dos melhores jogos que assisti até agora na SL. Primeiro, um time fez o Rexona balançar durante o jogo, bloqueando e sacando de forma magistral, como mencionou Laura. Segundo, que jogo maravilhoso fez a Naiane, seguida de uma ótima atuação de Leia, e da precisão das demais jogadoras; sem contar na decisão acertada de Paulo Coco de entrarem na substituição Karol e Fran para sacarem. Mesmo que o Minas não vá para a final, ele vai cair de pé e com dignidade depois de um jogo desses. Ainda tenho esperanças que a decisão pelo título desse ano não seja aquela de sempre, Osasco x Rio/Rexona, acho que o Minas tem chance de estar em uma final.
Alysson Barros disse…
Naiane precisa jogar. Sentir pressão e aprender s se reencontrar na partida. Aquela Karine é deplorável, não pode ser titular em momento nenhum. Está aí a prova. Só vi o primeiro set, mas bastou isso para o Minas adquirir confiança. Pode, sim, bater o Rexona e agora a série está em aberto. Só forçar o saque, esse é o jeito para vencer as cariocas. Que Karine fique responsável pela animação de torcida costumeira e depois vaze do time.

Um time com Jaque e Leia no fundo de quadra tem que ser o melhor passado/defensor. Torcer para que não seja nada de grave a lesão da primeira.

Força, Minas!
Jess disse…
Minas fez nesse jogo o que não tinha feito no anterior.. SACOU bem..

Esta mais do que claro, que esse é o caminho para tentar ganhar do Rio, que não tem uma linha de passe muito boa, com isso a Roberta fica perdida, e não consegue desenvolver o jogo de uma forma precisa..

Parabéns ao Minas e que sexta seja outro jogão, pq na outra semifinal o Praia não está ajudando em nada..

P.S: O que está acontecendo com a Carol?
No penúltimo jogo entre Rio e Minas, eu até comentei aqui, que o time mineiro tinha chances de vencer , e vencer bem o Rio. Muitos duvidaram. estava faltando um pouco mais de confiança, e das principais jogadores chamarem a responsabilidade. É o que se viu nesse jogo, Jack cobrou o time dentro de quadra, chamou a responsabilidade até mesmo no ataque, passava confiança pra Nayane e o mesmo q se fez a Hooker. E até q enfim o Paulo teve o tato de manter a Nayane no jogo, ela é ótima jogadora só precisa de apoio nos momentos críticos. Ela colocou todo mundo jogar. É o mesmo q acontece com a Rosa, precisa de apoio. A Léia cobriu bem a linha de passe, assim passou confiança pra Rosa, pra ela atacar. O time do Minas vai da trabalho,pode até perder, numa melhor de cinco tudo pode acontecer. Mas o rio depois de anos vai sofrer. O Minas enfim tá se encontrando.
Paulo Roberto disse…
Esses jogos das semifinais nos dão uma amostra do porque o esporte é tão fascinante: às vezes é totalmente imprevisível.

Na série do Osasco, pra ruim, quem diria que o time paulista ia controlar as ações nos dois jogos, com direito a chocolate no primeiro?

Já na série RioxMinas, quem esperava aquele vitória das mineiras ontem? Gostei da forma como o time se portou. Finalmente Gattaz e Jaque se colocando como pilares do grupo e não se deixando contaminar pela insegurança das mais novas. Naiane pareceu mais tranquila e por isso fez um jogo melhor, ainda que com algumas imprecisões nas bolas da Jaque e da Hooker. Pelo lado Rio, parecia que elas estavam sentindo o peso de um jogo que nunca jogaram na vida. Espero agora que essa série vá até o quinto jogo e que tenhamos direito a tie-breaks disputadíssimos.
Sergio disse…
Como disse no blog anterior que a chance de vencer três jogos do rexona era de 55% pois não via o Rexona tão superior. Fico imaginando o que passa na cabeça de Bernardo, vendo a Anne jogar, ou melhor, não jogar. Sim, pois ela não ataca, não defende, nem passa e principalmente não bloqueia, uma jogadora de 1,91 não consegue bloquear ninguém, é tanto que Paulo Coco falou no terceiro set o qual o Rexona ganhou, que as jogadoras do Minas pararam de fazer a Anne jogar. Foi um claro sinal que a Anne era o desafogo das Minas, pois atacada e era amortecida pelo bloqueio.
Yano o Chato disse…
Acho importantíssimo o que a Laura falou sobre o Minas só jogar, sem se preocupar com a obrigação de ganhar. Acho que esse será o aspecto que determinará o próximo jogo, quando o Minas terá que jogar para ganhar. Quero ver como a Naiane vai responder. A distribuição foi ótima, tava quase uma bola pra cada posição. Esse é o caminho.

Agora tenho que destacar que é muito difícil jogar contra o Bernardinho e o Rexona pois eles fazem um antijogo extra quadra pressionando demais a arbitragem. Até as jogadoras fazem isso. O Bernardinho é muito antiético neste aspecto, pois pensa que só ele está ali trabalhando. Não gosto disso nele não. Adorei quando o árbitro não marcou os dois toques da Naiane e marcou o da Roberta, que é o que geralmente os outros árbitros fazem favorecer o Rio. Aliás a Roberta dá dois toques o jogo todo e todos fazem vista grossa. Foi bom provar do próprio veneno.

Nem a Monique conseguiu salvar o Rio. Eu achei que a Helô poderia entrar pra ajudar já que é mais alta e a Monique não tava funcionando mesmo.

O melhor jogo das semis até agora. Vamos pra frente.

Gente, e a torção da Thaísa, bizarra. E a Jaque? A bruxa tá solta para as bi olímpicas. A Fabiana também.
George disse…
Finalmente o Minas conseguiu impôr seu jogo. Entrou mais agressivo, agredindo no saque e bloqueio. Não se intimidou com o jogo redondo do Rexona e teve a recompensa. Vale destacar que saíram atrás em quase todos os sets e souberam ter paciência para esperar a hora certa da virada. Diferente da outra semi, acho que este está em aberto, o que estava faltando ao time mineiro era confiança. Depois de 4 anos e pouco sem vencer no Rio, ontem foram premiadas com um jogo muito bem feito e coeso. Os destaques ficam pra Naiane (que usou muito bem as atacantes, principalmente as meios e a Rosa) e a Mara, que bloqueou muito bem. Destaque também para o Paulo Coco que fez ótima entrada da Karol e da Fran para sacar, gerando aces e pontos de saque.
Arrisco que, se o Minas ganhas a próxima partida no Rio, deve ser finalista esse ano.
MINEIRIM disse…
Que surpresa maravilhosa. Irei até rever o jogo kkk. Apesar de amante do voleibol já estava cansativo esse domínio do Rio sem riscos, mesmo o Minas não indo à final mostrou sua força. Como já disse em outros posts da Laura o que matou o Minas foi o atraso na formação do elenco, esse time poderia ser campeão...
Jess disse…
Sergio, mas se ele coloca a Drussyla ela faz pior.. não conheço o banco do Rio tão a fundo.. pode ter alguém que possa substitui-la que eu não sei?

O que foi o Jader Rocha dizendo que a Rosamaria tinha 32 anos e era rodada? hahahahahahahahahahhahahahahahahaha
Anônimo disse…
Torço para o Rexona, mas em primeiro lugar, torço para um bom espetáculo. Gostei muito da vitória do Minas, e acho que agora o time cresce. No entanto não acho que o Minas consiga 3 jogos perante ao Rio. O Rexona precisava perder para poder identificar onde estão as falhas, e dificilmente voltaram a cometer. Enfim, foi um belo jogo, digno de uma semi de super liga.
Camilla Paiva disse…
Finalmente um jogo que fez valer uma semifinal. Foi emocionante. Já a outra semifinal, do oscasco x praia é de uma previsibilidade sem tamanho, chega dá vergonha. Melhor teria sido se o bauru tivesse passado. Em relação ao jogo rio x minas, achei a Naiane excelente, é jovem e tem muito futuro, basta ganhar mais confiança. Tirou o peso das costas da Hooker, pois não precisou acioná-la todo tempo já que as outras jogadoras, especialmente as centrais, estavam virando as bolas. O negócio apertou tanto no Rio que até a Regis entrou. Não lembro de tê-la visto jogando nunca. Espero que o minas consiga ir pra final, para que finalmente tenhamos outro campeão que não o Rio. Nada contra o time, mas é bom diversificar um pouco. Falaram acima da Carol, perguntando o que houve com ela, e compartilho do mesmo questionamento. Não pontua, pouco bloqueia, passa o jogo desaparecida. Muito fraca essa temporada dela.
Anônimo disse…
Não compensou muito o Rio ter ficado em primeiro lugar na primeira fase. O time com a melhor campanha pegou os confrontos mais difíceis. Enquanto ao segundo colocado, Osasco, acabou tendo uma vida bem mais tranquila, caindo com Fluminense e Praia Clube respectivamente.
Laura, você sabe dizer se os times brasileiros pensam em se reforçar para o mundial de clubes, ou irão com o elenco atual?
Laura disse…
O Jader falou isso? hahaha Tem uns narradores que falam cada besteira...

Não sei, George. Se o Minas vencer a próxima, não sei como o time irá reagir com a expectativa de conquistar a classificação em casa. De certa forma, será uma responsabilidade e nem sempre o Minas está sabendo lidar com isso.

Sergio, acho a Anne um desastre na defesa, seja na falta de reflexo como na qualidade do toque/passe, o que foge completamente dos times que o Bernardinho monta. Ela tinha dado um salto de qualidade no ataque que não se fez notar nesta semifinal e, assim, acaba sendo quase um peso morto no time.
Jess disse…
Falou.. hahahahahaha
Chandler Bing disse…
O mérito do Minas tem que ser sim reconhecido, o time sacou bem, defendeu bem, controlou a recepção e Naiane não sentiu a pressão.

Do lado do Rio, não sei se foi impressão minha, mas eu achei o Bernardo bem passivo, mas bem passivo mesmo. Em outros momentos do campeonato ele já teria substituído Carol por Mayhara e pelo menos feito uma inversão do 5×1.
Com Monique e Gabi totalmente fora do jogo, muito bem marcadas, a única jogadora digna, que estava jogando com sangue nos olhos, era a Jucy.
Gostei muito da entrada da Regiane pra sacar, mas só acho que o Bernardo poderia ter feito esta substituição antes.

Enfim, série continua em aberto, mas eu acredito em duas vitórias seguidas do Rio.
Ander disse…
Parabéns ao Minas!! Hooker voou no jogo ontem, atacando por cima dos bloks...Mara bloqueou muito e até largou uma bola e provocou a soberba dá Carol kkk...O Rio deve chegar a final mas foi bom ver a derrota do Bernardo, Griner Soberbo e das Imbatíveis dentro da casa delas kkkk
Joffre Neves disse…
Se o Minas vencer o próximo jogo ai da me arrisco a ser finalista.Ao caso do contrário : acho difícil.

Hooker é uma oposta muito boa,de cara a melhor americana sem dúvidas,se ela estivesse lá nas olimpíadas de 2016 os estados unidos estariam com o ouro.

Rosa e pri daroit se portaram bem : embora ache a rosa mais pesada,foi bem no ataque e no passe foi bem também.Pri errou uns passes e o rexona estava se aproximando,pontuou duas vezes no meio do block e mais ajudou que atrapalhou.

Joffre Neves disse…
Hora da Carol do rexona repensar essa temporada,talentosa e boa jogadora e até agora não foi 1/3 a de anos anteriores.Roberta anda com um toque bem feio,de 10 levantamentos uns 4 dá pra dar dois toques,tem muito a crescer e ainda boto esperança mas ao momento,se eu estivesse no lugar do zé,não a convocaria.Não tem como defender a anne em nenhum fundamento nesse jogo,pode render mais.Gabi mesmo errando e sendo bloqueada muitas vezes ainda é ok.


A vaga a final e de toda responsa ao rexona e ele que determinará se vai ou não pelo fato que foi montado muito mais cedo e tem o Bernardo no comando.O minas tem nada a ver com isso e pode ir pra a final se jogar como jogou hoje porém não é a sua obrigação,parece algo lógico mas a responsabilidade sempre vai no oponente do rexona pelo bernardo e pelas jogadoras.Tanto que até a Tandara no último confronto falou exatamente isso porque elas tinham terminado em 1 na tabela e dps alguns internautas acharam que ela tava entregando o pote de ouro e fazendo descaso com o jogo do returno.
Yano o Chato disse…
Acho que a Anne ainda está em período de adaptação. Novo trabalho, nova filosofia de treino e jogo, onde teve que abandonar suas características europeias. No momento dá pra ver que ela não tem um padrão de jogo e nas horas que a coias aperta tende a voltar para seu jogo antigo só de ataque. Mas ela está melhor sim nos fundamentos de fundo de quadra e tem mais recursos agora no ataque. Precisa de mais uma temporada para se consolidar e assumir o estilo do Bernardo. Tenho certeza de que quando ela voltar para a seleção holandesa vai ajudar muito mais o seu time. Lá eles tem a filosofia de tá ruim troca por outra, como acontecia com ela e a Plak. Aqui ela tem que ser responsável por passar e atacar. Não é atoa que as europeias nunca ganharam olimpíadas. Os ganhadores são sempre os mesmos: Brasil, China, Cuba, e poucos outros, o clube olímpico.

Ao Minas, cabe marcar a Gabi e a Monique, que tudo ficará mais fácil. Mas creio que nesse jogo, se as coisas complicarem, a Helô e a Camila Adão virão para o jogo.
Sergio disse…
Yano, bom dia!

Não concordo com você sobre está em período de adaptação, passar uma superliga inteira e fazer dois ou três jogos razoáveis, isso sinceramente não me convence. Quando as jogadoras brasileiras vão para fora é para ser titular e decidir, aqui deveria ser da mesma forma, não sei o valor de contrato de Anne, mas deve ser bem generoso sendo assim deveria ter mais poder de concluir uma jogada. Ela recebeu aproximadamente 30 bolas virou 10. Nenhum bloqueio. Isso não existe. Estava totalmente perdida. Jogadora que vem de fora é para resolver. Aceito dizer que estava se adaptando no primeiro turno, segundo não. Veja a Natalia na Turquia, passou a primeira fase virando poucas bolas, agora ela está dividindo a responsabilidade de derrubar as bolas com Kin.
Yano o Chato disse…
Sérgio, bom dia também,

Acho que nunca concordaremos. Essa será nossa tônica aqui no blog, mas sem problemas.

Você já tentou parar e se perguntar o que mudou pra ela ter um desempenho tão ruim aqui sendo que ela é titular na seleção holandesa e decisiva, viradora de bolas? Veja Sanja Malagursky, Caterina Bozzeti, Carcáces, etc. Jogaroas com desempenho bem menor aqui do que em seus países. As próprias Malesevic e Bijelica. Todas jogam melhor lá fora.

Pra mim está claro que a adaptação é determinante sim. Não vejo outra explicação. Aqui se treina muito mais, se tem uma visão de conjunto muito maior, onde a jogadora joga para o time. Lá fora há a filosofia das Gamovas, Kims, etc. Jogadoras que decidem. Aqui não, ainda mais no time de Bernardinho.

Eu acho a Anna hoje mais completa sim. Melhor na recepção, melhor no fundo quadra também. E no ataque não só joga potência. É claro que é caçada no passe, coisa que não acontece no exterior. Mas creio que se ficar aqui mais uma temporada vai mostrar o que aprendeu. Talvez nessa reta final o Bernardinho entre com a Regis, ou Drussyla, que são mais jogueiras e conhecem o jogo daqui da superliga e ele quer ganhar.

Acredito que numa outra temporada a Anne jogue melhor aqui.
Sergio disse…
Realmente Yano, estaremos sempre discordando, mas com respeito mutuo, que deve sempre prevalecer, valeu pela resposta, mas acho que o Bernardo não renovará com ela. Como você sabe ela era a segunda opção, a primeira era holandesa mas não ela. Contudo concordo que ela melhorou em alguns aspectos, mas não como gostaríamos que fosse. Acho que você deve concordar comigo, você passar 4 sets, e não fazer um bloqueio com a altura que ela tem, sinceramente. Outra coisa, a Carcaceres ora é banco ora titular, a Caterine, sempre foi aquilo que vimos no Osasco, a Sanja nesta no Montichiari que esta ocupando a vice-lanterna na serie A1 do campeonato italiano, se não me engano. Sei que não concordamos, mas respeito sua colocação e opinião.
Anônimo disse…
BRUNO BH
Foi realmente uma brilhante vitória e diferentemente do que vimos em BH, o Rexona não perdeu porque jogou muito abaixo o Minas é que fez o adversário sentir o jogo. Tinha comentado aqui no seu blog, quando se definiu a chave da semifinal, que o Minas pra vencer precisaria de cabeça:

‘contra o Rexona é preciso que as ponteiras ajudem na virada de bola, além da central Mara - grande no bloqueio, deixando a desejar no ataque. E Naiane e Gattaz um pouco mais de precisão. Contra o uno decacampeão (que nos últimos anos tem feito feito menor investimento que os concorrentes) é preciso frieza e não temer os próprios limites, autoexigência sem autopunição. Camisa e história o Minas tem para isso, falta à boa comissão técnica nível de cobrança na medida. Espero que Rosamaria se recupere e volte a virar bolas - antes mesmo de sua lesão, ao ver a Hooker (motivadíssima nos playoffs) sobrecarregada (...)’

Na segunda foi assim, as ponteiras e centrais viraram bola e assim Naiane que sempre começa bem continuou bem, uma vez que todas estavam virando. Aquele troca-troca de levantadora até com certa impaciência da torcida mineira não vinha sendo justa com a Naiane. Poderia ter sido 3x0 se o time não ficasse nervoso em algumas bolas polêmicas da arbitragem – quase todas corretas. Mesmo torcendo por Minas, continuo achando o Rexona favorito, mas, é inegável que o Minas pode surpreender. E se chegar à final, não sei não para o Nestlé.