sábado, 8 de abril de 2017

Demorou, mas abalou

Semifinal - 3º jogo 
Rexona-Sesc 2x3 Camponesa/Minas
(21-25; 25-13; 25-21; 23-25; 8-15)


 Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto

Demorou, mas o Minas chegou à Superliga. E chegou pronto para bagunçar previsões, abalar favorito e esquentar a competição.

O time precisou levar uma ducha de água fria na primeira partida da semifinal para finalmente se encontrar. Já tinha mostrado maior maturidade no segundo jogo da semifinal e na partida de hoje tivemos a confirmação de que, independentemente do resultado final, a equipe está pronta para enfrentar o Rexona. 


*********************************

O terceiro encontro entre Rexona e Minas foi o mais equilibrado, mas não exatamente o mais qualificado. Tivemos momentos, principalmente nos dois primeiros sets, em que parecia Osasco vs Praia tamanha quantidade de falhas na recepção, protagonizadas inclusive pelas líberos.

Mas tanto Rexona como Minas compensaram com um volume de jogo extraordinário e uma disputa páreo a páreo e de muita emoção em boa parte da partida.

As duas equipes trabalharam melhor defensivamente, com a relação saque-bloqueio-defesa, do que ofensivamente.

Na maior parte da partida, o Rexona esteve levemente superior no volume de jogo e no aproveitamento dos contra-ataques. O Minas estava com dificuldade em dar continuidade na sua pressão pelos erros de saque e ataque em momentos inadequados. Quase deixou escapar o quarto set por isso.

Mas, no tie-break, o Minas beirou a perfeição tanto na defesa como no ataque. Cresceu para cima do Rexona com um bom saque e não deixou cair nada na sua quadra. E, como qualquer bom vencedor, contou ainda com a sorte e com umas bobeadas da equipe carioca quando o seu passe comprometeu. 

*********************************

A verdade é que o Rexona está sentindo a pressão, e não é qualquer um que consegue fazer isso acontecer.

E mais: a Roberta está sentindo a pressão. O começo de tie-break dela foi horroroso, o time teve uma dificuldade imensa para virar numa rede de três por suas escolhas e levantamentos equivocados. (um aparte: vocês já viram como ela não consegue colocar as duas centrais para jogar na mesma partida? Se ela acerta a bola da Carol, perde a mão na da Jucy; e vice-versa).

No duelo particular das jovens levantadoras, Naiane se saiu melhor. Mesmo pagando o pato sem razão nos primeiros sets, voltou segura e com uma estratégia de distribuição correta.

*********************************
O Minas conseguiu colocar o Rexona numa situação, senão inédita, raríssima. Não recordo, nas últimas edição, o time carioca estar tão ameaçado em não chegar à final da SL.

Isso, por si só, já era difícil de alcançar. Mas o mais difícil estar por vir. O golpe final é sempre o mais complicado, e o Minas terá que saber lidar com uma série de aspectos para realizá-lo.

Um deles, obviamente, é o matreiro e experiente adversário.

Outro desafio - o mais complicado, acredito - é conter a ansiedade e a expectativa pelo resultado, intensificados pelo fato de jogar em casa.

Todo mundo passou boa parte da Superliga esperando que o Minas aparecesse forte e competitivo como nestas duas últimas partidas. O próprio time também aparentava impaciência por não alcançar o nível e a estabilidade desejados até então.

Acho que quando a equipe desencanou desta expectativa, desencantou. O desafio é manter este espírito exatamente quando o time tem em mãos a grande chance de quebrar a hegemonia carioca.

39 comentários:

Camilla Paiva disse...

Um dos melhores jogos da superliga em muitos aspectos, mas principalmente por mostrar que existe um time com possibilidade de quebrar a hegemonia do Rexona. Estava muito cansativo sempre os mesmos resultados. Quanto ao comentário que você fez sobre a Roberta, concordo demais. É perceptível que ela joga tensa, mas também não entendo porque ela não é substituída logo pela Camilla Adão. Se nada estava dando certo, porque não tentar? Bernardo tirou a Anne rapidamente, porque não mexeu na Roberta, vai que mudava algo. Gostei da entrada da Drussila e acho que ela devia ficar como titular, pois a Anne é só a misericória jogando. É um jogo bom pra dez ruins que ela faz.

Deivid disse...

O Minas foi desmerecido por muitos torcedores, eu sempre acreditei no time e mais Paulo Coco é um excelente profissional, ele conseguiu extrair um bom controle mental e físico do time, no tiebreak achei que o preparo físico do Rexona pior que o do Minas isso fez uma diferença também, a levantadora Naiane é muito mais objetiva que Roberta, como o saque do Minas e seu sistema defensivo melhoraram isso deve-se com certeza aos treinamentos e um outro detalhe Roberta tem seu jogo focado nas extremidades, mas contra o Minas o bloqueio marca muito bem essas bolas e ela se perde na distribuição e tem um problema com as bolas das centrais que ela sempre erra na precisão, enfim parabéns ao Minas que está merecendo um vaga na final e todo mundo sabe quem ganhar vai ser campeão.

Jess disse...

Minas tem que trabalhar agora o psicológico.. pq a pressão mudou de lado..

Acho q esse jogo deveria ser 3x1 pro Minas.. deram uma vacilada no 3* set, mas estão muito perto da final.. só é trabalhar a mente e continuar estudadando o time do Rio.. que a vaga vem

Parabéns Minas calando a boca de vários.. inclusive a minha

Evandro Mallon disse...

Laura, a última vez que lembro que p Rexona ficou pressionado para jogar a final foi na temporada 2008 - 2009, ganhou o primeiro jogo, perdeu o segundo, e no terceiro jogo estava perdendo dois set's já para o time de Brusque SC, que contava com jogadoras como Elisângela e Fabíola.

Nessa ultima partida, a Regiane ainda era uma jogadora de alto nível e titular, tinha Fabizona e Érica. No quinto set tava tão comovente a sofrida vitoria, que quando o Rexona foi fazer uma substituição, as jogadoras foram com as placas de números erradas .

Alysson Barros disse...

Naiane mostrou no final por que deve ser mantida em quadra.

Karine foi colocada em quadra apenas para fazer suas costumeiras presepadas. Ainda bem que a perda do segundo set foi com ela. Levantadorzinha abaixo do medíocre. Devia ter ficado na Suiça. Ou podia se juntar à Andréia e formar o time das âncoras. Não aguento as duas estragando bons times. Pobre Brasília, poderia ter aspirado maiores intenções se tivesse uma oposta de verdade.

Agora temos que aguentar isso no Minas... Até quando?

Força, mineiras! A torcida é grande para que vocês cheguem à final!

Joffre Neves disse...

Até esse momento só os visitantes venceram e talvez isso não tenha tanta força assim,porém mostra ainda que não se pode ter total segurança de uma vitória para o visitante.Tenho como afirmar que se a Léia melhorar no passe há uma chance enorme do Minas ir pra a final.Infelizmene a mesma não foi tão bem e teve cada lance de vista errado no jogo,jaque foi bem e ajudou no ataque,Rosa cresceu na hora que mais necessitavam dela : bloqueios bem feitos no quarto set,ataque na paralela no tie break,terminou o jogo com 15 pontos.Gattaz sempre regular e fez um tie muito bom.



Caso o treino com passe,ataque da mara e concentração da nayane estejam adequados há uma chance gigante do minas ir a uma final depois de muito tempo,acho que o vencedor da superliga saí dessa chave.A responsa agora é lá em minas gerais,o minas venceu dois jogos seguidos na casa do rio porém o rio é que tem a obrigação de ir a final,quem foi o lider da superliga do inicio ao returno ? Responsabilidade toda pra o rexona,elas que se virem .Se o minas ainda continuar com esse crescimento mental e humilde a vaga é dele.


Rexona : Anne fez uma péssima partida,drussyla foi bem no que pode fazer,roberta errando bastante,gabi apagada.Hora de se reerguer !A roberta pode não ser a coca cola toda mas olha : não tem muito o que fazer se o passe não vem e não há desculpas em emperrar uma rede de três com passe aceitável.Se o bernardo for esperto é mais jogo dar a titularidade a drussyla e a anne entrar uma vez ou outra,anda não compensando suas sifras.O que houve com a carol ??

Laura disse...

Obrigada, Evandro!

Anônimo disse...

Pra chegar à final o Minas só precisa colocar a Leia treinando passe a partir de hoje, 24h por dia, pra ela parar de comprometer o rendimento do time. Foi nítido no 2* e 3* set o desânimo da equipe com ela errando passes e levando aces. Não dá pra líbero ser tão vulnerável assim na recepção. Merece destaque a intervenção do Paulo Cocco no 3* para todo o time: "só sabemos jogar com o passe na mão? Se há dificuldade na recepção, temos que compensar com outros fundamentos..." Na minha opinião foi ali que o Minas virou o jogo. Mesmo perdendo o 3* set, as jogadoras mudaram a postura em quadra e reequilibraram a partida. Se a Leia não cometer pelo menos a metade dos erros que teve nessa partida e a Rosamaria entrar com mais confiança desde o início do jogo, o Minas ganha fácil...

HAROLDO CALDAS disse...

Antes de mais nada limitar o resultado da partida a eventual mau desempenho do Rexona é desmerecer o excelente trabalho realizado no Minas. O time demorou a engrenar em razão das contratações tardias de parte do seu elenco mas hoje mostra-se extremamente competitivo. Quanto ao Rio, embora a atuação da Roberta tenha sido muito ruim, creio que o maior problema do time reside em outro aspecto. O time é certinho, ajustado, tem volume de jogo, defende e saca bem. Contudo, quando por algum motivo a situação se torna difícil (sobretudo no passe) o Rexona NÃO TEM UMA JOGADORA DE DEFINIÇÃO, aquela famosa "mão pesada" para a qual a levantadora empina a bola e diz "se vira". O Osasco tem esta jogadora na ponta Tandara e o Minas na sempre eficiente Hooker (para mim a melhor oposto americana). Nas últimas edições a Natália, com auxílio da Sarah e depois da Brankika assumiu na maioria das vezes este papel. Hoje não tem esta jogadora. É claro que o conjunto Carioca poderá virar a série a até ser campeã. Pessoalmente creio que independentemente do resultado o Rexona para a próxima temporada deve pensar em ter uma jogadora assim.

André Sena Mariano disse...

Eu gostei do jogo. Acho que, inclusive para o bem do voleibol brasileiro, é interessante esse rodízio de times das finais. A gente vivia reclamando da monotonia e o time do Minas (e de certa forma, o Praia Clube no ano passado) está fazendo isso.
Certo era que o Minas, depois da entrada de Hooker e Jaqueline, para mim se tornou o time mais forte no conjunto. Quanto ao Rexona, não saberia dizer se o time jogou abaixo do esperado ou se encontrou pela frente um time bem preparado. É mais mérito do Minas que demérito do Rexona.
Pelo Minas, acho que Hooker não surpreende: ela é fisicamente diferenciada e muuuuuuuuuito. Jaqueline voltando a atacar com força, Carol Gattaz (mesmo com 35 anos) está esbanjando técnica e físico; Naiane jogou muito bem também (acho uma levantadora promissora junto com a Juma).
Já pelo Rexona: acho que Carol caiu muito de nível nessa temporada; Roberta é boa, mas está longe de ser espetacular (e, às vezes, acho que ela tem um toque estranho e faz a bola girar com muita frequência); normalmente, não gosto da Drussyla, mas me rendo, ela jogou muita bola (assim como Monique, Jucy e mesmo a Fabizinha, com defesas espetaculares). Achei que Gabi jogou abaixo do que sabe (levou muitos bloqueios e foram poucos os ataques que passaram limpo). Enfim, um time caracterizado por errar pouco, acabou errando demais. Mas, esses erros foram forçados pelo time do Minas, muito mais bem armado.
Acho que o Minas leva a série.

Laura disse...

Devido a esta lacuna, Haroldo, é q o desempenho da Roberta - e do passe tb - é tão crucial para o Rexona. O time tem q ser mto estratégico e preciso na virada e contra-ataque. O Minas e o Osasco realmente tem esta importante válvula de escape q o Rexona nao tem.

Ontem, depois de um inicio ruim, achei q a Carol fez uma boa partida. Amorteceu mtos ataques da Hooker e seu saque voltou a funcionar em alguns momentos. Mas, claro, está longe da temporada passada. Nao sei as questões pessoais, mas acho q os problemas de saúde e físicos impediram q ela engrenasse.

Sergio disse...

Laura, como disse, e volto a dizer, Rexona tinha 55% de chance de ir para a final, mas infelizmente esse percentual caiu para menos de 20%, vejo o Minas muito equilibrado, entendendo a filosofia do jogo, tem jogadora que na hora do aperto derruba as bolas. Creio que o Bernardo está se culpando até agora pelas escolhas que fez na montagem do time, pegou como segunda levantadora Camila Adão,que não faz sombra a Roberta, contratou a holandesa que não passa nem derruba bolas, a única que está se salvando é a Monique. Certo mesmo é, se o SESC não fizer investimento, infelizmente o Rexona vai padecer durante alguns anos, fora da final. Sou torcedor do Rexona, mas parece que nosso time está indo para um caminho de fechar as portas ou ter um time de baixo poder financeiro.

jompas disse...

Boa tarde, algo que eu já havia comentado antes por aqui e ontem comprovei... Carol -REX não vive uma boa fase, muita hesitação no ataque, bloqueio inseguro e algo provocativo com as oponentes. Acho que Mayhara poderia ter sido testada. Roberta no inicio do 5 set insistiu na Gabi tendo a Monique na outra ponta, acho que o Bernardo a cobrou muito (mais que o comum) e isso pode realmente ser um motivador ou um elemento de instabilidade. Minas jogou muito bem, mas a Léia está cometendo erros bobos, talvez por que tenha que dar conta do seu espaço e o da Rosamaria, que resolveu jogar algo a partir do 4o set. Acredito que irá para um 5o jogo, mas totalmente em aberto

Anônimo disse...

Acho que não tem nada definido. O que falta ao Rexona, conforme o amigo mencionou, é uma definidora. A holandesa não deu certo, e o Rio ta penando. Acho a Camila mais preparada que a Roberta, mas creio que no bloqueio não compense muito. Torço para o Rexona, o time de melhor campanha não merece parar nas semis. Enquanto a arbitragem, creio que deixou passar muitos lances bizarros. Enfim, foi um ótimo duelo, e espero que tenhamos mais dois.

Anônimo disse...

Bruno BH

Concordo com vocês o Minas conseguiu se reerguer mentalmente para jogar de igual pra igual com o Rexona, inclusive comentei aqui quando conquistou a classificação para a semi.

O Bernardinho sempre achando uma jovem no banco, como entrou bem a Drussyla, só que desta vez não conseguiram vencer. Pensei que ela resolveria como a Roberta resolveu nas finais passada em lugar da Thompson. Sempre ele conseguiu achar alguém no banco pra virar um jogo. Lembro de uma final, acho que contra o Nestlé, que a Raquel entrou e ganhou a partida.

Já havia comentando em seu blog que Naiane estava sendo injustiçada. ela cai de produção quando suas colegas não passam segurança no ataque. Lembrando que o Camponesa Minas contra o Genter Bauru, no ataque, contou apenas com a Hooker. E todas as vezes que isso aconteceu a Naiane caiu de produção, pois, quando colocava as outras pra jogar elas não rodavam. Ontem o problema da queda de produção não foi isso e sim a insegurança no passe.

Não precisamos mais debater se o Minas pode vencer o Rio. Ambos tem chances de serem finalistas pela capacidade que tem - um vive isso há quase duas décadas e o outro com histórico isolado e também vencedor, cujo momento isolado ressurgiu nestas semi quase desacreditada por todos.

Estive no 1º jogo e estarei no 4º. Naquela ocasião esperava um time que jogasse ainda que perdesse, e como se deu o resultado, disse que seria muito difícil vermos outro jogo em BH. Elas fizeram acontecer e agora espero um time que jogue pra ganhar e voltar à final contra o Nestlé. Com humildade buscar o seu 2º título de Superliga e o 4º título nacional na história. Mas ainda temos muita coisa pela frente.

Uma observação: como é bom finais disputadas em 3 ou 5 jogos. Jogo único é ruim para as torcidas e quem gosta da modalidade. Nem sempre temos um bom jogo devido ao nervosismo de uma decisão. Imagina se Minas e Rexona tivessem feito uma semi em jogo único - considerando o primeiro jogo o Minas teria saído de maneira vergonhosa e até com classificação pejorativa de amarelonas, por exemplo.

Joffre Neves disse...

Se o Rexona modificar o time - Camila Adão (Roberta),Mayhara (Carol) e Drussyla (Anne) é mais provável que dê mais trabalho desde já como promovidas como titulares acho bem válido para tentar uma vitória lá em Minas Gerais.Aceito postagens sobre o mercado do vôlei nacional e internacional.

Se a brait e a Dani engravidarem,quem vem ?Fabíola e léia ?

Ander disse...

Parabéns Minas!! Adorei que venceram duas vezes as Imbatíveis do Rio kkkk Hooker está detonando...Naiane está bem e Jaque melhorou muito...No Rio percebi elas um pouco apavorada e a Carol sempre provocou suas oponentes e nunca gostei dela se acha demais... Não merece seleção...O Rio pode até chegar na final e ser campeão pois tem time e técnico para isso...Mas pelo menos não será mais considerado imbatível... Força Minas...Alguns torcedores fanáticos do Rio sumiram do blog depois das derrotas...Kkk pq qdo o Rio detonou o Minas em BH estavam aqui falando que o Rio iria fechar fácil em três jogos...kkkk

Paulo Roberto disse...

Finalmente uma surpresa na SL feminina. Mesmo com o melhor plantel, nunca apostei muito no time do Minas: não botava muita fé no PC, Rosamaria pipocava nos momentos decisivos, Jaque ainda não estava (e não está) 100% em forma, e a montagem tardia do elenco me levavam a pensar que era um projeto que deveria ser encarado mais como uma semente para a próxima temporada. Mas que bom que elas conseguiram se ajustar e estão mostrando o que todos esperavam.

De mais positivo destaco a mudança na postura da Gattaz e da Jaque, especialmente esta última porque a vejo como fundamental para ajudar no processo de renovação da seleção. A Rosamaria finalmente crescendo nos momentos decisivos e a Naiane mais segura, conseguindo equilibrar a distribuição. De positivo também destaco a atuação da Drussyla pelo Rexona.

De negativo tem a Roberta que claramente está sentindo a pressão e me parece que o Bernardo não está conseguindo tranquilizá-la. A temporada abaixo do esperado da Carol do Rio. A queda de rendimento da Gabi nestes dois últimos jogos. E a falta de regularidade da Leia, principalmente no passe.

Não cravo a vitória do Minas no próximo jogo por dois motivos: o psicológico das jogadoras e do outro lado temos o Bernardinho, que costuma aprontar alguns milagres aqui e ali. É fato porém, que o moral das mineiras está mais elevado e pelo que se mostrou no tie, as cariocas sentiram a derrota de um jogo que acreditaram que estava ganho principalmente após aquele segundo set.

Chandler Bing disse...

Óbvio que o Minas tem mérito, principalmente por ter sacado bem, isso ninguém tira.
Mas fica nítido também que no time do Rio algumas estão abaixo, como por exemplo, a própria Gabi... meu Deus, ela ficou fubá de uma hora pra outra, enfrentando bloqueio. Roberta errando as bolas das centrais, insistindo em jogadas manjadas, como bem disseram ali, no tie ela com a Monique jogando bem, e insistindo com a Gabi.

E agora, quem salvará o Rio da eliminação.
Lembrando que Regiane já salvou. Luana (antiga central) já salvou. Fernanda Isis (na semifinal 2008-09) entrou no lugar da Gattaz e salvou o time. A própria Roberta na última temporada no lugar da Thompson.

Enfim. O Bernardo tem banco pra isso, mas ele tá deixando o time se enforcar duma forma estranha. Da pra ver que ele acredita demais nas titulares.


P.S - As pessoas falam tanto de afronte, das jogadoras do Rio serem soberbas e afins (assunto que me dá sono, confesso), mas ninguém comenta quando é o adversário. Rosamaria, marrenta que só ela mesmo, afrontando... KKKKKKKKK
Gosto de afronte, acho que faz parte, mas não gosto de hipocrisia. O vento que venta aqui tem que ser o mesmo que venta lá. Vamos ser mais imparciais, independente de pra quem torcem.

Yano o Chato disse...

Gente, a Gabi não caiu de rendimento. Ela está jogando marcada o tempo todo com bloqueio duplo. Com a irregularidade do passe a Roberta tá tendo que colocar bolas não tão rápidas para ela o que está deformando seu gesto que é rápido e com velocidade. Além disso o bloqueio do Minas tá partindo dela para as outras. É um bloquei forte com Mara, Gattaz e Hooker. A única vez que fica fácil para ela é quando Naiane está na rede. E mais, ela está sobrecarregada no passe. Estão cansando-a. Fica difícil pra qualquer jogadora.

Eu achei que a Roberta poderia ter usado mais a Monique e forçado com a Juciyele mesmo com o passe B pois ela se vira bem. Também acho que tá muita pressão com a Roberta. É quase um assédio moral todos aqueles homens gritando e falando ao mesmo tempo. Acho que a mensagem poderia ser dada de uma forma mais calma, orientando-a, não desnorteando-a.

Pra mim tá em aberto ainda, com uma leve vantagem para o Minas. O Minas deu umas bobeadas que poderiam ter colocado tudo a perder. A Leia foi um terror. Naiane tem que jogar bastante com os meios, o caminho é esse.

HAROLDO CALDAS disse...

Há uma grande tendência nossa de talharmos de soberbos determinadas pessoas ou grupos quando estão em uma fase de proeminência em suas áreas, ainda que os fatos não correspondam à realidade. Que bom que mais times venham a ter papel de protagonismo no volei feminino. Isto desperta mais interesse e paixão. Não compreendo, contudo, o regojizo que vejo em alguns blogs, transformados em afirmações de que as jogadoras do Rexona "caíram do salto alto". Vejo, ao contrário, que a equipe do Rio é uma das mais comedidas em suas comemorações. Não me lembro de gritos histéricos, batidas efusivas no peito, caras e bocas, encaradas ao outro time ou coisas do gênero. Aliás, sempre considerei o time muito frio após os pontos, pouco vibrante mesmo. Podemos criticar as jogadoras no aspecto técnico, dizer que jogaram mal, que não são grandes jogadoras, etc. Mas atribuir-lhes a condição de soberbas não me parece correto.

Anônimo disse...

Ótima analise, Haroldo. Não sei de onde estão tirando que as jogadoras do Rio são soberbas ou jogam de salto alto. Para mim, dos grandes é o mais contido. O que falar da comemoração de outros times? O Rexona é calmo e coeso. Ganhando ou perdendo é sempre daquela forma. Creio que para o Rexona conseguir virar a série deva tirar a Hooker do jogo. O Minas gira em torno da Hooker, ela é quem faz o time crescer. Caso esta caia de rendimento já é meio caminho andado para o Rio. PS: Rio e Minas já é a final antecipada, independentemente de qual vá para a final.

Mantronix Inc disse...

Jaqueline fez defesas espetaculares no estilo Londres 2012 Brasil x Russia. E cobre 1/2do fundo de quadra junto com a Léia, deixando Rosamaria livre p/ atacar.

Anônimo disse...

Osasco sempre foi o time mais "soberbo" daí surgiu a antipatia que muitos têm pelo time, mas esta temporada, entre os quatro grandes, é o que menos "afronta", mas vez ou outras temos algumas encardas. No Praia, Ramirez e Wal, cada uma no seu estilo, estão sempre desafiando as adversárias, apesar de ser um time bem tranquilo no geral. O Minas esta temporada com certeza é o time que mais provoca o time adversário, se a Rosamaria jogasse metade do que acha que joga teríamos uma kim brasileira, e mais, mesmo que jogasse não justifica sua arrogância. Mara precisa do afronte p entrar no jogo, ela sempre tá trocando encaradas com as outras centrais, Jaque e Gataz são mais discretas mas seguem a linha da Wal de não deixar transparecer muito. Por fim, o Rio de Janeiro tem a Carol e a Drussyla, a primeira, assim como a Mara, usa o desafio contra a outra central como forma de incentivo p jogar melhor, e a ponteira reserva segue os passos da Rosamaria, falta um pouco de humildade, as demais são exemplo de conduta, Monique e Gabi principalmente tem um farplay acima da média.

CARLOS ALBERTO Rodrigues disse...

O maior culpado dessa semi final chama se bernardo rezende, sempre gostou de ter time meia boca, pois e dono do projeto e tecnico ao mesmo tempo, tem preferencia por maximizar seu lucro, apostou sempre na pressao na arbitragem ensinou seu time a confiar na arbitragem amiga e medrosa o rexona sempre reclama demais da arbitragem mais que o normal se fosse outro time os arbitros arbitros tinham amarelado todas as jogadoras. Outra coisa e colocar pressao no time adversario e com isto os mesmos errarem mais, abusava das deixadinhas contando com o erro, bastou um time segurar a pressao para derrotar este timeco

André Sena Mariano disse...

Concordo com vocês Haroldo e Anônimo. O que eu noto, já há algumas temporadas, é que o time que mais faz caras e bocas na comemoração de seus pontos é o Osasco. Quando tinha as estrelas, eu acho que era pior ainda, mas o time continua sendo aquele que mais ironiza o adversário. E alguém citou a postura da Rosamaria: de fato, ela provoca e inclusive xinga o tempo inteiro. Não nos esqueçamos, também, de que a Mara, no jogo contra o Bauru, chegou a sambar na rede enquanto bloqueava.
Acho que tem uma dimensão legal do afronte, mas não acho que o Rexona seja um time que faça muito isso. O Osasco pra mim é o campeão do desrespeito. Assim como o Sesi no masculino (que quer ganhar jogo no grito, especialmente, com as caras e bocas do Murilo).

Yano o Chato disse...

CARLOS ALBERTO Rodrigues, concordo com você em número, gênero e grau. O time do rio sempre fez um antijogo com a arbitragem. Mas dessa vez parece que está sofrendo do mesmo veneno. Tô gostando de ver isso.

Mas realmente acho que esse grupo atual é o mais fraco, sinônimo de mais barato. Ele arriscou demais com esse elenco. Talvez seja muita autoconfiança também. Também acho que a Roberta não estava preparada para tanta responsabilidade.

Vamos ver no que vai dar.

A sambadinha da Mara foi o melhor. Quase me mijei no dia.

#marapassista

Anônimo disse...

Também percebi isso Carlos Alberto. O time, nessa temporada - na minha opinião - é apenas o melhor quarto elenco, perdendo para Minas, Osasco e Praia. Gosto do Rexona, assim como admiro muito o Bernardinho, mas nessa temporada o time não esta sendo temido. Quando vi a contratação da Helo, cheguei a me animar achando que ela seria um reforço e ate mesmo que iria crescer de rendimento. Mas me enganei, a jogadora que arrebentou no Rio do Sul, não vingou no Rio de Janeiro. Talvez seja apenas impressão minha, mas acho que ela teve pouquíssimas oportunidades e acabou por perder a confiança. Rexona tem um banco que não usa, e caso precise usar nessa fase final, acho difícil que atenda as expectativas. Acredito que com a Natália nesse time não teria pra ninguém. Se esta estive em boa fase, é claro! Sobre as soberbas, o time do Osasco melhorou muito, e nessa temporada quem domina esse quesito é o Minas. Salvo, algumas jogadoras. Finalizando, adoro ver a Hooker jogar, como ela é guerreira. Uma jogadora com tanta magnitude e tão humilde. Algumas jogadoras, que acham que jogam alguma coisa, deveriam aprender com essa americana.

Fernanda disse...

Aguardo ansiosamente para o próximo e, tomara, o último jogo dessa série. Sempre torci pelo Rexona, principalmente pq sou fã do trabalho de Bernardinho e dos times fantásticos que ele consegue montar. Anne não é Mihajlovic. Essa sérvia precisa voltar para esse time! Por vezes, Anne faz o papel tático de Gabi, e muito mais recepciona e defende do que ataca. Ela foi contratada para ser a ponteira definidora, como Tandara é para Osasco, como Rosamaria é para o Minas (pelo menos até o meio do campeonato, pq acho que ela não segurou a barra e caiu de rendimento). Ainda assim, o time do Rio já mostrou em outras temporadas que têm total capacidade e frieza para ser campeão quando não tem o melhor elenco e nem o melhor desempenho individual. Torço para que o Minas administre o psicológico e deixe fluir o jogo. Quero ver o reencontro de Hooker e Jaque com o ex time!
Laura, parabéns por seu trabalho!

Sergio disse...

Amigos, bom dia!

Infelizmente esse ano vai ser difícil o Rexona ir a final, contudo, estou orgulhoso de torcer para um time que trás tantas alegrias a sua torcida, um time 11 vezes campeão da Superliga, 3 vezes da copa do Brasil, 3 vezes e tantos outros título. Aqueles que torcem contra o Rexona, sabe o que estou falando, nossa torcida, é diferente, não fica lamentando ERROS DE ARBITRAGEM, nem colando na mídia situações para constrangê-los, nossa torcida é ÚNICA, por isso que aqueles que NÃO torcem, sentem esse rancor e acham bom quando acontece erros na arbitragem contra o Rexona. Nosso time jamais baixará a cabeça, sempre se erguerá e sempre será forte, esse ano, por escolhas equivocadas, não vai rolar (acho difícil, com esse time ganhar do Minas embalado), mas sempre terá o ano seguinte e creio que o Bernardo não irá repetir o mesmo erro deste ano. Como já havia dito antes, a Anne foi uma aposta que não deu certo, a Camila foi um erro de Bernardo, deixando a Roberto sem se incomodar com a reserva. Nossa oposta reserva não derruba a bola, e nossa joia a Gabi, juntamente com a Monique e Juci estão sozinha tentando o impossível para resolver os problemas. Segue comentários de cada jogadora:
Tecnico: Contratou mau, Anne foi uma escolha errada;
Roberta: é boa mas precisava de uma sombra para poder estar sempre correndo atrás;
Carol: Esse ano foi uma péssimo ano para ela, contusões, a fizeram perder seu principal potencial saque e bloqueio;
Juci: Tem feito o possível, mas infelizmente nossa levantadora não ajuda tanto;
Gabi: Bem marcada e sem bola rápida fica dificil, apesar de está comprometendo no passe, também;
Monique: Tá jogando muito, mas fica difícil se outras não a ajudam;
Anne: Não disse para que veio, não bloqueia, não defende, não ataca e não passa, infelizmente foi uma decepção;
Drussyla: é boa, mas muito nova para encarar uma pedreira que está passando;
Adão: Sinceramente, não entendi até agora da contratação dessa jogadora;
Mayhara: Ainda não entendi o motivo dela não entrar no jogo anterior no lugar da Carol.
Fabi: está inconstante, defende muito, mas não está passando como antes, infelizmente, Mas ela é uma guerreira e temos total confiança nela.

Sergio disse...

Carlos, seu comentário é um pouco desproporcional e parece não entender das regras do volei, não se amarela todas as jogadoras, há um amarelo, o próximo é vermelho e ponto para o adversário, creio que se você ver melhor quem mais reclama é Osasco e Minas. Esse ano o Rexona tem sido garfado em vários momentos e a torcida não fica lastimando o problema. Errou segue para o próximo.

George disse...

Uma partida bem interessante de assistir, uma das melhores da temporada. O time do Minas pareceu bem coeso e a Naiane jogando bem mais solta de pressão, vejo o Paulo sabendo lidar melhor com ela do que a comissão carioca com a Roberta. A levantadora na última temporada teve ótimas atuações porque brigava por posição e precisava mostrar algo a mais, mas nessa não vê nem a sombra da Camilla, o que prejudica um pouco a atuação.
Acho que a Drussyla tem de começar de titular, é bem mais decisiva e importante para a equipe do que a Anne. A Roberta praticamente não conseguiu acertar a bola da Carol e, nesse próximo jogo, caso aconteça a mesma coisa, acho que a Mayhara deve ser acionada. A Monique é ótima jogadora de conjunto, quando não recebe tantas bolas assim, mas agora nesse último jogo levou vários tocos quando tinha uma bola um pouco mais marcada. A Gabi é jogadora base do time e acho que ela foi bem no jogo.
O Minas quando mais precisou de jogadoras de desafogo, teve elas. Rosamaria reapareceu no fim e foi peça importante, deve começar com a mesma pegada, acho que ela se desestabiliza muito tendo que recepcionar, tem de saber lidar com a pressão do passe também. Jaque teve seu jogo mais seguro, foi quem manteve a qualidade da recepção, pq a Léia tá deixando muito a desejar. O diferencial dos jogos que o Minas ganhou do Rexona foi o jogo das centrais, imprescindíveis para o time, pois depois que elas entram no jogo, começam a bloquear demais.

Sergio disse...

Concordo com você George. Parabéns pela análise.

Laura disse...

Discordo com os comentários de que o fato de a Roberta não ter uma reserva que a desafie prejudique a sua atuação. Acho q isso pesaria se ela fosse uma levantadora já consolidada, como uma Dani Lins, q se acomodou na seleção mto por não ter concorrência. No caso da Roberta, acho q o desempenho irregular é uma questão de limitação mesmo e da falta de experiência. Até pq ela nem precisa da sombra de uma levantadora reserva, basta a do Bernardinho pressionando o tempo todo. É uma pressão grande com a qual ela está aprendendo a lidar, às vezes responde bem, outras não.

Mas concordo q o fato da reserva não ser tão qualificada foi um risco na montagem do time visto que a Roberta teria seu primeiro ano como titular e uma grande responsabilidade.

Chandler Bing disse...

Acho que o que faltou para Roberta foi o que a Carol, por exemplo, fez...
Carol foi contratada pra ser reserva da Valeskinha, saiu do Rio, foi ser titular no Pinheiros, se destacou a bessa, principalmente no bloqueio, daí voltou pro Rio pra ser titular.
Roberta teve grande aprendizado ao longo de sua carreira. Foi reserva da Fabíola, Dani, Venturini e Fofão... mas acho que faltou uma experiência em um time de menor prestígio, isso é bom pro atleta se soltar mais. Vejam o exemplo da Giovanna, antiga terceira levantadora do Rio, na temporada 2015-16 se destacou muito no time do Rio do Sul.
Essa experiência além de válida, é também necessária para o desenvolvimento do atleta, ainda mais em se tratando da posição de levantador.

Laura disse...

Tb acho, Chandler. Foi mais ou menos por isso q critiquei tanto a Ana Tiemi na época em q ela ficou bancando no Osasco, depois de ter sido titular no Minas qd era um grupo de jovens. Demorou mto pra voltar a ser titular. Acho q perdeu esta vivência q vc comentou.

Anônimo disse...

Concordo em gênero número e grau

Chandler Bing disse...

Laura, logo a Ana Tiemi, que era quase uma unanimidade como a nova sucessora da Fofão. Lembro que na época muito se comentava sobre ela, mas como você bem disse, ficou bastante tempo no banco de reservas. Mas como ela mesmo disse, ela tinha motivos pessoais para isso. Beleza, nós criticamos a atitude pelo fato dela ser uma das mais promissoras da época, e qualquer pessoa que acompanhava vôlei notava isso.

Existe uma diferença muito grande entre você ser titular em um time "grande" e em um time "pequeno". A cobrança/exigência é a mesma, mas a pressão de jogar em um time grande é bem maior. Cobrança e pressão não são a mesma coisa.

Jess disse...

Tem muita jogadora acomodada.. mas tem umas que são limitadas mesmo..