quinta-feira, 30 de março de 2017

Fala, Marichev!



Yuri Marichev, ex-treinador da Rússia, deu uma entrevista ao site russo Sport Express no final de semana passado. Além de questões sobre o time que treina atualmente, a equipe masculina do Dinamo Moscow, Marichev deu algumas declarações sobre a seleção russa e o vôlei feminino que chamaram atenção.

Estes trechos da entrevista foram destacados pelo site World of Volley (leia aqui) e os reproduzo a seguir.

Claro que, com as traduções, sempre há o risco de algo ficar distorcido ou não muito claro, mas acho que, pelo que conhecemos do Marichev, o Google Tradutor chegou bem perto das palavras originais. 


Sobre trocar o vôlei feminino pelo masculino

“Infelizmente, algumas razões nos levaram a fracassar na Olimpíada. Mas conseguimos implementar algumas coisas: um jogo rápido, muitas ‘pipes’, um bom bloqueio triplo. Estes elementos são do vôlei masculino. (...) O vôlei masculino é mais dinâmico, mais excitante. O campeonato de clubes masculino é muito mais interessante do que o feminino. Existem muitos times em pé de igualdade, os resultados costumam ser imprevisíveis”.

Comentário: estou procurando até agora o jogo rápido da Rússia na Rio 2016. E desde quando jogadas rápidas são do vôlei masculino? 


Sobre o desempenho na Olimpíada do Rio de Janeiro

“Eu ouvi um monte de críticas, e 99% estão corretas. A Federação fez uma avaliação negativa da seleção feminina. Eles esperavam mais de nós, acreditavam que poderíamos ter um melhor desempenho. Não tivemos sorte com o cruzamento: poderíamos ter pego a Holanda, com quem tínhamos jogado muitas vezes antes e quase nunca perdido. Nós ‘desabamos’ no jogo contra a Sérvia”.

“(...) Existem jogos em que nada dá certo, em que você não consegue achar uma saída. Um deles foi contra a Sérvia [na Rio 2016]. Em um jogo-treino [antes da Olimpíada], nós as vencemos com facilidade. Talvez isso tenha tido um efeito negativo”.

Comentário: quem teve azar mesmo com o cruzamento foi o Brasil, né Marichev? E, com a temporada que vinha fazendo, a Rússia provavelmente não passava pela Holanda. 


Sobre a possibilidade de voltar a treinar um time feminino

“Teoricamente não. Você sabe qual a diferença entre o vôlei feminino e masculino? Agora eu chego no time e posso introduzir elementos como um bloqueio triplo, um jogo muito rápido. O jogo masculino está mais preparado para essas coisas, os jogadores não precisam ser ensinados enquanto no feminino você precisa ensinar como posicionar as pernas no passe, como posicionar as mãos no bloqueio, em que situação se deve fazer um bloqueio triplo...”

“Quando eu assistia jogos femininos como espectador, sempre me pareceu que as mulheres tinham muito mais técnica. (...) Quando eu me deparei com a realidade no meu trabalho, me desesperei. Temos muitos elementos técnicos e tudo deve ser bem feitos. Frequentemente acontece de que as mulheres não conseguem lidar com alguns destes elementos, um ou dois são bons e três... Eu queria melhorar tudo, mas o time não teve tempo para isso”.

Comentário: 😒

9 comentários:

L. Mesquita disse...

Nossa,que entrevista ridícula! Essa entrevista só serviu para dar um DIPLOMA DE TROGLODITA ULTRAPASSADO a esse ridículo do MARICHEV, será que ele nunca viu um vídeo do REXONA jogando? Ele devia assistir a umas palestras do Bernardinho para saber o que é treinar um time feminino! E quer saber a RÚSSIA não deveria nem ter participado da OLIMPÍADA por causa do escândalo do DOPING! A RÚSSIA desfalcada das DOPADAS não passaria por nenhuma das equipes SEMIFINALISTAS: HOLANDA,CHINA,SÉRVIA ou EUA!!! A RÚSSIA veio desfalcada ao RIO 2016 de Lioubov Sokolova,Yekaterina Gamova,Yevgeniya Startseva e Maria Perepelkina, todas essas jogadoras não escondiam o desejo de participar da Rio-2016 e estranhamente foram mudando o discurso e não estavam no elenco russo das olimpíadas, muito estranho o motivo, ainda mais sendo a Rússia pressionada pelo escândalo de doping.

PerepelkinaSokolovaGamovaStartseva

Anônimo disse...

Legal ele ter colocado a culpa nas meninas!

Lip disse...

Seu último comentário resume a entrevista inteira , esse aí já tá gagá

Yano o Chato disse...

Já o achava nojento, ainda mais agora. O técnico mais pateta que já vi (des)orientar uma seleção. Ele que é péssimo, com um material humano de alto nível daqueles fazer uma merda daquelas. Machista, antiquado, mal educado e covarde. Muito fácil colocar a culpa nas meninas.
Me poupe.

Mantronix Inc disse...

Marichev eh uma comédia. Vai ser lembrado, entre outras trapalhadas, como o campeão de erros nos pedidos de desafio.

Jess disse...

Cala a boca energúmeno..

Eduardo disse...

"Mas conseguimos implementar algumas coisas: um jogo rápido, muitas ‘pipes’, um bom bloqueio triplo. Estes elementos são do vôlei masculino"

My Gosh!!!

Camilla Paiva disse...

Sabe nem pedir desafio corretamente, avalie treinar um time. É um idiota.

Alex Nunes de Almeida disse...

Esse senhor foi o pior técnico que ja vi em ação.