quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Quartas sem surpresas



Quartas de final Copa Banco do Brasil 

 
Rexona-Sesc 3x0 Fluminense

Terracap/Brasília 0x3 Camponesa/Minas

Vôlei Nestlé 3x2 Pinheiros

Genter Bauru 0x3 Dentil/Praia Clube


**********************************

Os confrontos de quartas de final da Copa Banco do Brasil nada mais são do que um retrato da colocação final do primeiro turno da Superliga. Só que a primeira fase do campeonato ficou lá no ano passado. Ainda que 2016 tenha terminado um pouco mais de 15 dias atrás, muita coisa mudou desde então. No fim, os resultados que saíram dos encontros da Copa Brasil
acabaram por ser mais fieis ao (pouco) do que se viu do segundo turno da SL em 2017.

Assim, duelos que poderiam ser mais equilibrados, como os casos de Minas vs Brasília e Bauru vs Praia Clube, acabaram em vitória simples dos times mineiros.

A boa fase do Brasília foi coisa do primeiro turno, assim como a indefinição do Minas. Agora, o time do Paulo Coco está em ascensão enquanto o Brasília sofre para manter a competitividade.

Depois de um final de turno ruim, o Praia se aprumou com a volta da Álix e não se assustou com o esforçado, porém limitado, Bauru, time que o havia superado na classificação do primeiro turno. 

**********************************

Em compensação, o Osasco que tão bem tinha terminado o primeiro turno da SL sofreu para passar pelo Pinheiros, em mais uma partida que acabou no tie-break.

É ótimo ver que o Pinheiros está crescendo e sendo aquele time coadjuvante que enriquece a competição, como de costume. Mas sabemos bem que este equilíbrio nos dois confrontos não aconteceu somente pela melhora da equipe da capital.

O Osasco tem uma contribuição importante ao não conseguir manter um bom nível de jogo durante as partidas. Mais uma vez deixou a recepção cair e recuou no saque, permitindo que o Pinheiros, sempre traiçoeiro, empatasse a partida em 2x2.

É irritante constatar que o Osasco continua inconfiável e desperdiçando seu potencial e investimento. Como esperança ao torcedor, ao menos é bom saber que, contra o Pinheiros, a Paula voltou a se destacar. A oposto foi a maior pontuadora da partida, relembrando à Dani Lins e ao Luizomar de que o Osasco pode ter outras saídas de ataque além da Tandara. 


**********************************
 
Sem surpresas na Copa Brasil, as coisas começaram a se ajeitar de acordo com aquilo que estamos acostumados a ver: Rexona hegemônico, Minas e Praia retomando seus lugares de favoritos e despachando as "surpresas", e o Osasco...  sendo Osasco.

**********************************

As semifinais: 

27/01 - Rexona-Sesc x Dentil/Praia Clube, às 19h30

27/01 - Vôlei Nestlé x Camponesa/Minas, às 22h


Será que é desta que o Praia vence o Rexona? O time do Rio é sempre muito impositivo contra o Praia, que, por sua vez, costuma afinar neste duelo. É uma boa oportunidade para as meninas de Uberlândia quebrarem esta freguesia já que tudo se resolve numa partida só. Mas do jeito que é frágil a recepção do Praia, o Rexona pode tomar conta do jogo somente usando o seu melhor fundamento, o saque.

Na segunda semifinal, impossível prever o resultado. Duas equipes de ataque e bloqueio fortes, mas, cada qual por uma razão, inconstantes. O Minas, por ainda estar consolidando a sua nova formação titular, e o Osasco por... ser Osasco. É da natureza do time do Luizomar estes altos e baixos à mistura. 


14 comentários:

Joffre Neves disse...

No confronto entre Rexona-SESC Rj x Dentil-praia clube é muito provável que o rexona leve o embate porque o praia não tem competência para vencer e sempre que tem 4 ou 5 pontos a frente o mesmo deixa o Rio crescer até vencer o jogo.Rio não passa se errar além da conta porque tem no mínimo 90% de vencer o jogo.

Entre Camponesa-Minas x Nestlé-Osasco é muito provável que o time paulista leve o embate porque embora tenha resultados e oscilações marcantes,o time é forte e se o passe vier mais ou menos já ajuda a vencer com mais facilidade.Espero que a gabiru n tome o lugar da malesevic por tanto tempo:ela só lasca mais o time e nem passe bom tem.Ao minas é passe na mão e torcer pra o time de osasco desestabilizar a ponto de ataques irem só pra diagonal e a mara(se tiver num bom dia) e carol pegarem no block.Se for só bola pra rosa e hooker a chance do nestlé de ir a final é muito alta.

Mari fez quase 20 pontos em 3 sets,seria um retorno ?????

L. Mesquita disse...

Se o PRAIA quiser acabar com a FREGUESIA para o REXONA,esse é o momento!!!Por quê?Pelo fato de o PRAIA,pela primeira vez nessa temporada poder enfrentar o REXONA com o time completo!Desta vez FABIANA,ALIX e RAMIREZ poderão atuar juntas,já que em 2016 todas elas estiveram afastados por contusão em algum momento.O investimento do PRAIA é maior e o elenco é mais forte,"no papel",veremos agora,se com o time completo o PRAIA faz valer o seu maior investimento no elenco.Se bem que o maior investimento do REXONA é ter o BERNARDINHO como técnico.E técnico ganha jogo sim!
Na outra SEMIFINAL,no papel,o NESTLÉ tem maior investimento e um time mais forte que o MINAS.Mas o NESTLÉ parece uma FERRARI nas mãos de uma criança.O que o REXONA tem de técnico, o NESTLÉ tem de elenco,mas só que INFELIZMENTE o LUIZOMAR tem grandes dificuldades de usar o que tem nas mãos,um time que tem 2 SÉRVIAS craques de bola e o LUIZOMAR teima em deixá-las a maior parte do tempo no banco...

Yano o Chato disse...

Esses jogos estão sendo transmitidos? Onde? Não tô vendo nada.

Laura disse...

As quartas nao tiveram transmissão. Tive informações da partida do Osasco pela assessoria. As semifinais terão transmissão do SporTV e TV Brasil.

Leonardo Lucas disse...

Mas Na supercopa o Praia foi completo contra o Rio

L. Mesquita disse...

LEONARDO LUCAS, não dá pra comparar a época da SUPERCOPA com agora. Na SUPERCOPA, o REXONA vinha de uma preparação para o CAMPEONATO MUNDIAL e o PRAIA de uma PRÉ-TEMPORADA. AGORA, na COPA BRASIL, os times estã em estágios parecidos de preparação, por isso digo que agora,com time completo, é chance de o PRAIA tentar deixar a freguesia...

Rafael Modesto disse...

Fui ver a partida do Osasco in loco. O primeiro set foi bem equilibrado porque as duas equipes estavam com uma boa recepção e virando bem as bolas no ataque. No segundo set, o Osasco se impôs no saque, o que teve resultados no bloqueio. Paula segurou o ataque e pontuou tanto na entrada quanto na saída de rede. O terceiro set foi bem apático do lado do time da Nestlé, e as pinheirenses fizeram bem o papel delas, anulando as jogadas de meio através do bloqueio da Milka e da Lays, e defendendo bem, principalmente os ataques da Tandara, que teve dificuldade de pontuar em vários momentos ao logo do jogo. O quarto set foi muito ruim pro Osasco na recepção. A rede de 2 encalhou em uma passagem com a Nati Martins e a Paula e a Malesevic levou um ace e quebrou 3 passes nesse mesmo momento. O quinto set começou equilibrado mas logo a Bia encaixou uma sequência de saques que deu uma boa vantagem ao Osasco, que conseguiu fechar em 15-10.

O que chama atenção no Pinheiros é o seu sistema de saque-bloqueio-defesa. Elas também têm uma linha de recepção bem estável com as ponteiras Vanessa e Maira. E a Barbara compensa a falta de potência no ataque das ponteiras com uma alta efetividade no ataque e fazendo bem o papel de oposto que é virar as "bolas pepino".

Não me surpreendem esses dois tie-breaks disputados entre Osasco e Pinheiros. O Pinheiros vem fazendo uma temporada boa desde o Campeonato Paulista. Elas venceram uma das partidas da final, fazendo com que o Osasco só fosse campeão no golden set. O time teve dificuldades de se acertar durante o turno, mas, agora que acharam um ponto de equilíbrio, elas estão fazendo um returno de qualidade e a tendência é se manter assim.

Sergio disse...

L. Mesquita, qual a preparação que o Rexona vinha tendo para o campeonato mundial? ele fez algum amistoso? jogou algum torneio? fez alguma outra preparação diferente da que o Praia fez? Acho que não.
O Praia jogou 3 jogos com o Brasilia.
O Rio jogou 3 jogos com o Fluminense.
Depois foi jogar com o Praia para jogar a Super Copa.
Então dá para comparar, sim.

L. Mesquita disse...

Sérgio, boa tarde, o treinamento para uma competição de tiro curto é diferente d o e um treinamento para um CAMPEONATO LONGO como a SUPERLIGA no qual o ápice da performance deve ser mais próximo das finais... O REXONA estava sendo treinado para atingir o ápice da performance em OUTUBRO no CAMPEONATO MUNDIAL, já o PRAIA não, o Praia estava treinando para a estreia na Superliga. O REXONA estava em fase de POLIMENTO... Os amistosos servem só para fazer testes, não são o foco do treinamento. Deixa pra lá, não quero entrar em discussões que não chegam a lugar nenhum, melhor concordar com você, porque defender minha análise depende de outros detalhes que demandam maiores explicações que são mais nalíticas e não imediatistas...

Mantronix Inc disse...

Um técnico q depois do estrago da última partida ainda insiste com a Dayse, é pq não tem a menor noção das nossas jogadoras. Péssimo.

Rodrigo André disse...

Minas está em ascensão e o Osasco oscila muito, portanto não dá pra cravar nada. Se de um lado temos uma levantadora que treme e é inexperiente, do outro temos a Pani que é boa mas as vezes apaga. Praia está completo, mas falta uma melhor linha de passe e um técnico que passe melhores orientações. O Rexona tem o melhor técnico e um conjunto acostumado a ganhar, mesmo sem grandes destaques individuais. Torço pra essa hegemonia acabar, já tá ficando chato, mas é complicado bater o Bernardo. Entao, no papel tudo é possível, vamos ver na prática...

L. Mesquita disse...

Se o NESTLE jogar começar com o seguinte time TITULAR: MALESEVIC E TANDARA,BIA E NATALIA,BJELICA E CAROL ALBUQUERQUE,BRAIT, é favoritissimo contra o MINAS, mas se o LUIZOMAR ficar bancando as panes da Dani Lins, deixar as SERVIAS mais tempo no banco que em quadra e,principalmente,insistir em GABIRU, o MINAS pode ganhar do NESTLE!

Mantronix Inc disse...

Sinceramente, eu acho um tanto inapropriado essa Copa do Brasil no meio da SL em vários sentidos.

Yano o Chato disse...

Lauro, muito obrigado pelas informações. Acho bizarro os jogos não serem transmitidos. CBV incompetente na promoção de seus campeonatos.