Lar, (nada) doce lar


Foto: Felipe Costa/Ponto MKT Esportivo


Quando o Brasília conseguiu a sequência de vitórias no primeiro turno que o colocou entre os três primeiros colocados da SL 16/17, observamos o fato de que o time estava conseguindo bons resultados jogando fora de casa. Teoricamente, ao chegar ao segundo turno e ter mais partidas no seu ginásio, o time teria  maiores chances de repetir os bons resultados e se destacar ainda mais na pontuação.

Mas logo no final do primeiro turno o Brasília sucumbiu e nem folga de final de ano foi suficiente para fazer com que o time retomasse sua competitividade. No fim, a equipe não está conseguindo superar suas limitações e fazer valer a vantagem de jogar em casa neste returno. 


Na primeira rodada, perdeu para o Pinheiros (3x2). Depois sofreu para vencer o Rio do Sul na terceira rodada (3x2), e, num jogo válido pela 7ª rodada nesta terça-feira, não conseguiu repetir o resultado de Uberlândia e perdeu para o Praia Clube. 

************************************
Pelo menos, pelas informações que se tem, o Brasília conseguiu manter a disputa equilibrada em boa parte da partida. As centrais continuam - num trocadilho infame - segurando as pontas no ataque, mas a Andreia teve pontuações um pouco mais expressivas nas duas últimas partidas. Conseguiu, inclusive, superar a Roberta em número de pontos contra o Praia (15 a 14).

Não me dei ao trabalho de verificar planinha por planinha de cada jogo do Brasília, mas arrisco a dizer que esta deve ter sido a primeira vez que a oposto conseguiu superar a pontuação de uma meio de rede nesta SL. Tá certo que um terço dos pontos foi de bloqueio, mas para quem mal saía dos cinco pontos por partida já é uma evolução. A presença de Andreia está se fazendo sentir.

Contudo, não acredito que o Brasília conseguirá se superar a ponto de bater os grandes que ainda falta enfrentar em casa (Minas e Rexona). Os feitos do primeiro turno ficaram mesmo por lá. A realidade do Brasília é outra e, pelo jeito que andam as coisas agora, o time vai ter é que se esforçar para fazer valer o seu ginásio contra os médios Fluminense e Bauru.

************************************

O ótimo desempenho no bloqueio do Brasília (21 pontos) não foi suficiente para compensar o número de erros dados ao adversário: 25 pontos. Em contrapartida, o Praia foi bastante comedido (14 pontos), o que não é muito do seu feitio. Será que o Brasília exigiu muito pouco ou o Praia está finalmente conseguindo aprender com seus tropeços na competição? Talvez a semifinal da Copa Brasil na próxima sexta, contra o Rexona, nos traga alguma resposta.

Comentários

L. Mesquita disse…
Infelizmente o fator casa não está sendo favorável ao BRASÍLIA que teve seus melhores resultados jogando como visitante.Porém,apesar de ter perdido,o jogo foi MUITO LONGO E DISPUTADO.O jogo começou às 20h e terminou só após as 22h,dando mais de 2h de um jogo bem disputado,a diferença foi que o PRAIA CLUB teve maior competência para fechar os sets,nesse quesito o BRASÍLIA sentiu muito falta da MVP OLÍMPICA PAULA e sua experiência para fechar os sets,ao passo que a volta de DAYMI RAMIREZ,com seus 25 pontos fez a função que PAULA não pode fazer no BRASÍLIA.
A cada notícia do COMITÊ OLÍMPICO internacional-COI,vejo o OURO OLÍMPICO DO VÔLEI MASCULINO na Olimpíada de LONDRES-2012 cada vez mais perto!!!
O COI soltou a seguinte nota: A protecção dos atletas limpos e a luta contra a dopagem são as principais prioridades do Comité Olímpico Internacional(COI),tal como descrito na Agenda Olímpica 2020,o roteiro estratégico do COI para o futuro do Movimento Olímpico.Para proporcionar condições de igualdade para todos os atletas limpos nos Jogos Olímpicos Rio 2016, o COI colocou em prática medidas especiais,incluindo pré-testes específicos e a re-análise de amostras armazenadas dos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 e Londres-2012,processo de coleta de informações iniciado em agosto de 2015.
Hoje foi a vez de a EQUIPE DA JAMAICA DE REVEZAMENTO 4X100m,CAMPEÃ OLÍMPICA em PEQUIM-2008,ser desclassificada por DOPING.O atleta dopado foi Nesta Carter cuja RE-ANÁLISE de amostras COLETADAS em Pequim 2008 deu positivo para a substância proibida methylhexaneamine.Com isso a VERDADEIRA EQUIPE CAMPEÃ OLÍMPICA passa ser a de Trinidad and Tobago,a PRATA vai para o JAPÃO e o BRONZE para o BRASIL.Antes de desclassificar a EQUIPE MASCULINA DA JAMAICA,o COI já havia desclassificado a equipe de revezamento 4x100m RUSSA,MEDALHA DE OURO EM PEQUIM-2008,em 16 de agosto de 2016,após revelar o reteste por doping da velocista Yuliya Chermoshanskaya,com a equipe da Bélgica sendo a verdadeira Campeã Olímpica,a NIGÉRIA a PRATA e a EQUIPE BRASILEIRA o BRONZE.
Se apenas um atleta dopado foi suficiente para desclassificar a equipe feminina da RÚSSIA e a equipe mascuilna da JAMAICA nos REVEZAMENTOS 4X100m,o que dizer de SETE ATLETAS DOPADOS???Pois a suspeita é de que PELO MENOS 7 atletas da EQUIPE RUSSA CAMPEÃ OLÍMPICA DE VÔLEI EM LONDRES-2012 estavam dopadas!!!Mesmo que fosse APENAS UM DOPADO,já era suficiente para desclassificação,mas SETE é muito mais que suficiente!!! Entre os suspeitos de estarem dopados estão os nomes de: Dmitriy Muserskiy, Nikolay Apalikov, Taras Khtey, Aleksandr Sokolov, Yury Berezhko, Aleksandr Butko, Dmitriy Ilinikh, Aleksey Obmochaev.
O cerco está se fechando e,por enquanto,o COI desclassficou 2 equipes de 2008,mas a hora de 2012 vai chegar,e tenho fé que JUSTIÇA SERÁ FEITA!!!Os russos só ganharam aquele jogo SUADO no tie break pois estavam DOPADOS,pois sem os ATLETAS DOPADOS as equipes FEMINNA e MASCULINA sequer subiram no podium no RIO-2016!!!
Levanta-se,então,a suspeita:será que as RUSSAS ganharam o MUNDIAL-2010 dopadas???Estranhamente as equipes russas de vôlei vieram desfalcadas para o Rio-2016.Na feminina GAMOVA e SOKOLOVA que antes sonhavam em ganhar o OURO OLÍMPICO dentro do BRASIL, começaram a desconversar sobre a sua convocação. Maria Perepelkina e Startseva foram outras que também foram postas na GELADEIRA e sumiram das CONVOCAÇÕES, inclusive houve um caso de alegarem gripe para não comparecer às finais da CHAMPIONS League e fugirem do ANTI-DOPING.