Mundial de Clubes - Rexona 3x0 PSL Manila


O PSL está longe de ser o adversário mais forte no grupo do Rexona no Mundial de Clubes. Pelo contrário, é contra quem se tem que garantir os três pontos. Mas nem por isso o combinado filipino deixou de ser um desafio às cariocas.

É que, como normalmente acontece com os times orientais quando jogam em casa, a partida começou acelerada. Porém, o Rexona não se perdeu nesta toada. Acompanhou o ritmo, mantendo o placar equilibrado até que as coisas se assentassem e ele ditasse o ritmo da partida.

Muito desta conquista de comando da partida veio graças a forte atuação do bloqueio carioca, liderado pela Carol (10 pontos de bloqueio). Mais uma vez, repetindo a Supercopa, a central iniciou a partida colecionando pontos no fundamento, o que conteve o ímpeto – não lá muito qualificado, é verdade – do ataque do PSL. 


**************************

Foi difícil para o Rexona colocar a bola no chão no primeiro set devido ao bom volume de jogo do adversário. Mas o time carioca respondeu também com bom volume e aproveitando os contra-ataques com uma boa distribuição da Roberta.

O mesmo não aconteceu no terceiro set em que o Rexona se complicou. A virada de bola caiu, o time cometeu muitos erros e deixou de ser agressivo no saque. Acho que o Bernardinho demorou a pedir tempo e o time se perdeu nas suas dificuldades na recepção e, consequentemente, na virada.

O que salvou o set foi a recuperação da relação de saque e bloqueio, iniciada por um boa sequência de saques da Roberta. Ali, o PSL voltou a ser pressionado e a cometer falhas, recolocando o Rexona na partida. 

**************************

A Buijs sem dúvida é um alívio para o ataque do Rexona que precisa de bolas velozes para usar a Gabi e a Monique, mas é um ponto fraquíssimo na linha de passe. Ela comete erros grotescos, que impossibilitam até a continuação de uma jogada. Bernardinho terá trabalho para transformá-la numa passadora regular.

Enquanto isso, neste Mundial, o Rexona terá que lidar com esta fragilidade, além da questão da baixa estatura. Eu já estaria testando a Helô no lugar da Monique com mais frequência e por mais tempo nos sets, pois acredito que sua entrada será fazer necessária logo ali adiante no torneio. 

**************************

Amanhã o Rexona tem uma espécie de decisão contra o Casalmaggiore. Se vencer, se classifica. Se perder, terá que buscar uma vitória improvável contra o Eczacibasi para passar à semi. O Rexona e o Casalmaggiore são equipes semelhantes fisicamente e nos seus atributos. São times de volume de jogo, de jogadas velozes e que precisam de uma recepção estável para contar com as importantes jogadas com as centrais.

Mas o time brasileiro tem um trunfo individual, a Buijs. A responsável por pontuar no Rexona me parece bem mais confiável que a correspondente do time italiano, a croata Fabris, que teve uma atuação bem apagada na estreia, como comento a seguir. 

**************************

Eczacibasi 3x0 Pomì Casalmaggiore

O Casalmaggiore bem que tentou, mas não encontrou nenhuma brecha contra o Eczacibasi para, ao menos, equilibrar a partida. Errou muito saque na tentativa de desestabilizar o passe turco ao mesmo tempo que não manteve um passe de qualidade para que a Lloyd trabalhasse mais com as centrais.

Elas foram importantes saídas de ataque para o time no segundo set, mas a recepção não contribuiu para que a levantadora continuasse com esta distribuição. As baixinhas Tirozzi e Bosseti exploraram o bloqueio turco no início, mas, depois, foram engolidas pela marcação.

Estava difícil alguma bola passar sem tocar no bloqueio do Eczacibasi – que tem, numa das melhores formações da rede, Thaisa e Boskovic. E o time mostrou bom volume de jogo também, armando contra-ataques quase sempre decisivos com a Boskovic e a Kosheleva.

A Ognjenovic fez uma bela distribuição. Acho que ela tem ainda um pouco de insegurança para jogar com a Adams, que exige bolas um pouco mais velozes, mas parece bem entrosada com a Thaisa. Até na china ela chamou a jogadora brasileira, que não tem nesta jogada sua especialidade. 

**************************

Resultados Grupo B:

Vakifbank 3x1 Hisamitsu Springs

Volero Zurich 3x0 Bangkok Glass

- O Vakifbank fez 27 pontos de bloqueio contra o Hisamitsu. A diferença de estatura é grande, ainda assim o número impressiona. Só a Zhu fez nove pontos no fundamento, o que era um recorde na competição - isso até a Carol entrar em quadra e superar a chinesa por um ponto. Uh, é paredão.


Comentários

George disse…
Esse time do CasalMaggiore é o que precisou ir pro tie break agora contra o Club Italia. Ou seja, acho difícil o Rexona perder.
Quanto ao Eczacibasi, passa em primeiro.
No outro grupo passa Vakif em primeiro e Volero em segundo.
Duvido que Rexona saia com o terceiro lugar esse ano.
Lulu disse…
Juciele saiu do jogo quando o time perdia o terceiro set. O motivo foi contusão? Acho que a Helo poderia ter substituído a Munique para pegar ritmo pois nos próximos jogos a inversão será muito útil.
Lulu disse…
A juciele foi substituída no terceiro set quando o Rexona levava um sufoco. Será que foi por contusão? Achei que a Helo jogaria um pouco mais. Nas pedreiras que vêm por aí, a inversão será necessária.
Daniela Santos disse…
Acho que nao podemos julgar o time italiano por um jogo so.. sao habilidosas e se o jogo delas entram fica dificil... porem acho que o jogo esta aberto sao ti.es que se equivalem... bora torcer p rio ganhar e garantir a classificação... go
David Rodrigues disse…
Gente só eu que acho a Fabíola a melhor levantadora do Brasil? Está no seu quarto mundial, foi Ganhou um e foi vice em dois, ganhou 03 prêmios de melhor levantadora. Se não tivesse engravida nesse ciclo, e não tivessem preferencias na seleção, sempre vou apostar nela.
Daniela Santos disse…
Gente.. muito tensom. Aqui torço p osasco, mas sempre deixo o clubismo de lado quando tenho um time representando o brasil... o rio merecia ganhar... muito tenso este jogo... noentanto n acredito que o time italiano venca o mundial... torcer p rio ganhar do eczacibadi, muito dificil mesmo.. qem sabe uma zebra aconteça...prefiro n ficar enumerando erros nem procurando responsaveis pela derrota... vida que segue...
Gustavo disse…
David, no momento eu diria que é certamente a melhor opção junto com Naiane, não era nas Olimpíadas porque ela estava fora de forma voltando da gravidez (Londres era pra ser a Olimpíada dela, mas Zé Panela preferiu Fernandinha porque jogava no time dele e ela foi um desastre), agora já devidamente recuperada acho que merece chance de brigar pela titularidade.

Além disso, a cadeira cativa da Pani Lins na seleção precisa acabar, fora que Roberta é uma levantadora muito superestimada, hoje mesmo foi uma das que afundou o Rexona contra o Casalmaggiore, como confiar pra seleção em uma levantadora que conseguiu jogar menos que Camilla Adão?