Hermanas asiáticas - Brasil 3x0 Argentina

 
Era Argentina ou Japão nesta partida?

A Argentina pode não ter sido um adversário capaz de ameaçar o Brasil no placar - muito por conta do seu fraco poder ofensivo -, mas desafiou a seleção brasileira com um enorme volume de jogo. Com isso, forçou o Brasil a responder também com volume defensivo e qualidade no contra-ataque. E o Brasil fez isso muito bem.

Para a bola cair na quadra argentina, o Brasil precisou de paciência e insistência. Gostei da variação da Dani Lins nestas situações, mexendo com todas as opções e mantendo uma boa aceleração. As bolas com a Jucy desta vez estiveram mais afinadas também.

Leia foi exigida na recepção e respondeu muitíssimo bem. Aliás, não sei por que a insistência do saque argentino na nossa líbero. Alguns saques executados pelo time realmente não permitem um direcionamento, mas em outros a opção das sacadoras foi de procurar a Leia mesmo. Melhor para gente.

Um dos pontos negativos da atuação brasileira ficou por conta do excessivo número de erros de saque. Este é um fundamento que também não foi dos melhores contra Camarões e que precisamos encontrar maior regularidade e agressividade.

O outro ponto foi o desempenho da Natália, que esteve abaixo das outras jogadoras. Como se comentou, todas as atacantes tiveram dificuldade em colocar a bola no chão. Natália tentou na força no primeiro set e, ao ver que não pontuava, foi caindo de rendimento e cometendo erros até chegar a um terceiro set bem fora da partida, errando saque e recepção.

Enfim, foi um bom teste para a seleção antes de enfrentar o Japão – apesar de que, em termos de volume de jogo, acho que a Argentina representou melhor a escola asiática do que as próprias japonesas. 
 
*********************************

EUA 3x2 Holanda (Grupo B)

Não imaginei que a Holanda teria realmente poder de bagunçar a casa todo do grupo B e ameaçar a superioridade de China e Estados Unidos. Achei que este papel caberia somente à Sérvia. Fico dividida. Ao mesmo tempo que me agrada ver a Holanda tirando pontos das favoritos, fico receosa de que forma isso pode afetar o Brasil mais adiante. De qualquer forma, esta postura agressiva e corajosa da Holanda tem gerado boas partidas. 
Mesmo com o exemplo do confronto contra a China, os EUA entraram numa rotação baixa em quadra. Com erros de saque, deixou a Holanda jogar muito pouco pressionada.

Os EUA é que penaram no passe, na virada de bola e nos contra-ataques. Somente no segundo set, quando começou a ter uma regularidade no saque e no passe é que os EUA conseguiram baixar o entusiasmo laranja entrando com um bloqueio mais eficiente e quebrando o já debilitado passe holandês comandado pela líbero Stam.

Quando o caldo engrossou somente Sloetjes e Robin, quando pôde ser acionada, é que decidiram pela Holanda. Buijs, pelo contrário, sentiu o peso da marcação. A costumeira entrada da Plak não surtiu efeito. Ela foi outra presa fácil para o bloqueio e defesa dos EUA.

Nos EUA, aconteceu o contrário. Hill puxou suas colegas de ataque a partir do segundo set e a Glass, aos poucos, começou a contar com opções mais seguras – com exceção da Larson. Murphy respondeu melhor pelo fundo meio tendo problemas nas bolas na rede. Quando o passe permitia, Glass acionou a sempre eficiente Akirandewo.

Apesar de ter virado a partida, os EUA demonstraram pouco poder de reação durante os sets. Como já comentamos aqui, é um time sem grande capacidade de reviravoltas e superações. Vive muito dos erros adversários, mas ele mesmo cometeu falhas demais para um time que tem esta estratégia.

A Holanda mesmo com muitas limitações está comprovando que EUA e China não estão com toda esta bola. 
 
**********************************

Rússia 3x1 Coreia (Grupo A)

A Coreia lutou, pegou no pé, mas não conseguiu derrubar as gigantes russas. Prevaleceram, acima de tudo, a vantagem física e a força de ataque da Rússia.

Muito desta força ofensiva foi beneficiada exatamente pela baixa estatura das coreanas. Mas é preciso dizer que Kosheleva esteve impecável nesta noite, não só pela eficiência no ataque como pelo comando do time que demonstrou ter. Entre tanta frieza e até desinteresse que por vezes o time russo demonstra, Kosheleva destoa por sua garra e energia. Deve ter um sangue latino correndo ali nas suas veias.

Voronkova entrou na mesma vibe no lugar da apagada Shcherban. Foi bem no ataque, mas teve altos e baixos na recepção. Já Goncharova cresceu ao longo da partida, mas esteve impaciente na definição das bolas e jogou abaixo da sua capacidade.

Por mais que a Rússia tenha sido muito superior no ataque, a Coreia conseguiu equilibrar a partida na deficiência da recepção russa. Por diversas vezes o passe travou a evolução da equipe no placar.

Para Coreia, o mesmo problema, mas com o agravante de não ter as mesmas opções de ataque para compensar a dificuldade da recepção. A oposto número 4, também chamada Kim, foi bastante limitada. Atacava pra baixo contra um bloqueio parado e gigante à frente. A número 7 Lee já demonstrou mais habilidade para explorar, mas caiu de rendimento e esteve longe de ter o mesmo poder de definição da Kim.

Sem velocidade, a Coreia teve que enfrentar o paredão russo. No fim, acabou por aproveitar melhor os contra-ataques construídos pela sua ótima defesa do que as viradas de bola. Mas tudo à base de muita insistência.Ou seja, o esforço coreano para pontuar foi sempre maior.

A seleção certamente precisaria de maior regularidade tanto no saque como no passe para alcançar um padrão de jogo de melhor nível e aproveitar melhor as brechas dadas pela Rússia. Porque na individualidade, a Coreia sempre sairá perdendo. 

**********************************
 
Demais resultados
 
Japão 3x0 Camarões (Grupo A)
 
China 3x0 Itália (Grupo B)
 
Sérvia 3x0 Porto Rico (Grupo B) 

Comentários

Vicente Maia disse…
O que gostei.
Ontem o Brasil jogou mais sério, talvez até por ser mais exigido por um adversário que sacou e defendeu muito bem.
Aliás, a Argentina, apesar da derrota aparentemente acachapante, fez uma ótima partida. Destaque no time do Brasil para Fê Garay, que passou e atacou bem, e Sheilla que voltou a derrubar bolas, atividade básica para uma oposta. A inversão, quando usada, funcionou muitíssimo bem com Gabi e Fabíola se entendendo muito melhor que outras combinações. É muito bom ver Fabíola entrando e jogando em alto nível. O José Roberto Guimarães deveria ter explorado mais a levantadora reserva.
Juciely fez o que se esperava dela, muito regular, atacou muito bem, 6 pontos, e bloqueou melhor que Fabiana mais uma vez, 3 pontos. É um alívio saber que temos uma reserva à altura no banco para ser usada quando precisarmos.
O que não gostei.
Dani Lins esteve irregular e é preocupante vê-la continuar errando bolas para jogadoras com quem deveria estar há muito entrosada.
Natália, apesar dos 10 pontos, estava apática e fez, do meu ponto de vista uma partida abaixo da crítica. Parecia pouco inspirada e ausente do jogo.
Léia começou insegura e errou algumas bolas que contra times mais fortes não poderá perder. Depois ela engrenou, defendeu e passou com perfeição.
Sheilla tem sorte de ter a conivência dos juízes de linha. Por algum motivo que desconheço, ela insiste em sacar pisando na linha SEMPRE!
Johnny disse…
Ontem gostei mais do jogo brasileiro e embora tenha sido 3x0, a Argentina não jogou mal, pelo contrário, elas defenderam demais, dando volume de jogo, mas o problema é que não tem jogadoras de definição.
Discordo um pouco falar que Natália não esteve bem, pois fez várias defesas importantes e também vários passes de contra ataque ela colocou na mão da levantadora. A Natália antigamente colocava o passe de contra ataque colado na rede ou afastado demais da rede, perdendo a velocidade da jogada. Mas ela melhorou muito nisso, espero que continue assim na olimpíada. No mais, acho melhor deixar outras jogadoras aparecerem do que sempre depender da Natália pontuando, ou seja, a Sheila tem que desencantar,né?!
Dani Lins errou algumas bolas com a Fabiana, mas em compensação acertou outras bolas com a Jaque, por exemplo, trazendo novidade nas jogadas, o que é importante.
Thaísa é uma incógnita, está machucada ou não? Vai jogar ou não? ninguém entende...
Léia jogou bem, defendendo e passando na mão, que é a função dela e está fazendo muito bem feito. Tomara que continue kkkk
Acho que podia ter colocado a Fabíola no terceiro set inteiro. Fabíola quando entrou jogou bem, mas acho que ela joga muito com as ponteiras e esquece um pouco do meio de rede, mesmo com passe A, na mão. Por isso eu acho que a Fabíola devia jogar pelo menos um set inteiro, para testar a distribuição dela. Contra o Japão não teria problema, caso esteja 2x0, ou mesmo jogar a partida toda, porque convenhamos que o Japão não vai ganhar do Brasil...
Torci muito para a Holanda ganhar dos EUA, mas não deu.
Quem passar em primeiro da chave dos EUA, com certeza está na semifinal, pois vai pegar nas quartas o Japão ou Coreia. Já na chave do Brasil, podemos pegar uma Holanda inspirada nas quartas de final.
A Rússia quase teve que jogar 5 sets contra a Coreia, nao fosse um toque no bloqueio no terceiro set. O 25x23 não veio por mérito russo e sim por erro coreano.
Falamos tanto da Tandara, mas que jogadora russa é aquela pesando uns 20 e poucos quilos acima do peso?
A Itália acho que não chega nas quartas
George disse…
Essas grandes atuações da Holanda estão me surpreendendo. Chego a falar que se tivesse uma outra ponteira mais completa teriam ganho dos EUA também. Dijkema melhorou bastante desde o pré-olimpico, verdade seja dita.
Quanto ao Brasil, achei um bom jogo, a Argentina se portou muito bem. Acho que pode fazer alguma frente ao Japão, se jogar com a mesma pegada.

Pontos positivos da rodada: Sheilla desencantando. Voronkova e Kosheleva jogando muito. Sloetjes novamente.
Negativos: Dani Lins e a precisão, várias bolas de contra-ataque vieram muito baixas. Oposta da Coreia levando vários tocos. Passe russo muito mal.
Edu disse…
A Holanda está mandando muito bem nesse inicio, duas pedreiras e levando todos para o tie break, inclusive vencendo a China, favorita.
Stojeles uma máquina, De Kruijf decisiva, a Dijkema sendo precisa, uma ponteira como a Meijners é o que falta para esse time se tornar um dos favoritos!
Edu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Edu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Eu também achei a Natália bem fraca a abaixo do que pode apresentar (muitas largadinhas e erros bobos), ainda bem que foi só um jogo fácil, teremos mais 3 pela frente e ela com certeza irá melhorar, assim espero e torço por ela.
Bruna Volochova disse…
Gente, me perdoem, mas a Natália não é muito mais do oque isso. Quando foi que vocês viram ela melhor que isso? Sempre com esses erros bizarros. Atacando no meio da rede, por baixo da rede, aviões do forró, passando para trás.
Ela já evoluiu 200% e que ótimo. É isso que ela tem para dar. Zé Roberto sabe disso. E mais um detalhe, ela sente a pressão.
Abraão disse…
Foi um dia ruim da Natália no ataque, mas ela compensou o mal momento de rede com um excelente trabalho defensivo. Essa sua postura de voltar-se pro coletivo e contribuir de outras formas para o crescimento do time merece destaque. Isso, contudo, não lhe exime da responsabilidade. Ela está na quadra para derrubar bolas. Por isso mesmo acho que a Dani "desistiu" dela muito prematuramente, era um jogo fácil, acredito que valeria a insistência para que a nossa ponteira possa chegar mais solta nos jogos mais difíceis, ela ja provou que vale o investimento, afinal de contas foi eleita a melhor jogadora do grand prix. E não foi por acaso!
Abraão, o problema é que se a Dani Lins ficasse insistindo demais na Natália, seria o pescoço da Dani (que estaria em jogo), iriam cair matando ela.

Detalhe: Sheilla, Garay, Gabi, Juciely e a própria Jaqueline, estavam bem, não tinha por que ficar perdendo tempo com a Natália.

Pelo que contei, foram vários erros da Natália, desde largadinha na rede, ataques pra fora, largadinhas sem pé nem cabeça, ataque na rede, erro de saque, enfim. Se somar todos os erros dela não compensa a defesa.

Mas enfim, confio muito no ZRG e acredito que a Natália seguirá como titular e vai se adaptar, até por que já sabemos que a Jaqueline está voando, está bem fisicamente e pode substituir a Natália de olhos fechados. Estou ansioso para o jogo contra a Korea e Russia, aí sim teremos uma base de comparação

Alysson Barros disse…
Pontos positivos: Garay, Jaqueline, Fabíola, Léia. Sheilla? Com ressalvas. Bom, se ela atuar assim contra Rússia...

Pontos negativos: Dani Lins, Natália, Fabiana.

É complicado, porque a Dani em uma jogada deixa as atacantes no simples e na seguinte faz as bizonhices de sempre. Como pode ser tão imprecisa? Não ter regularidade, sendo que ela tá há quanto tempo no time, oito anos? Fabíola entra e as ponteiras rodam bola lisa. Natãlia e Gabi, por exemplo. Será coincidência?

A Natália melhorou em todos os fundamentos e desaprendeu a atacar. Desde o GP que encano com isso. Ela não bota bola no chão sem explorar bloqueio ou tocar na defesa. Que acontece?

Fabiana tá com síndrome de Lucão. Aliás, como pode ela ser tão desengonçada pra fazer levantamento? Se ela vai fazer de toque, eu fecho os olhos, porque as chances de dar dois toques são altíssimas.

A Léia quinou, pelo que me lembro, dois passes, tomou um ace direto e bateu cabeça com uma ponteiras uma vez. Porém é impressionante a sua frieza. Ela erra e já na jogada seguinte passa com perfeição. Acho que ela está ganhando confiança, o que é muito bom, mas ainda é tímida. Tem que sair entrando na frente de todo mundo mesmo, quando ela adquirir isso, não vai ter pra ninguém. Estou torcendo muito por ela.

Qual o problema crônico da Sheilla com a linha de saque e de três metros?

Fernanda Garay melhorou e pra mim foi a melhor.

Gostei das reservas. Fabíola segue surpreendendo. Gabi está me conquistando aos poucos. Vamos ver como se porta contra a Rússia.
Ander disse…
Brasil fez o que se esperava dele, ganhar por 3 x 0 os dois primeiros jogos!! Agora vamos com tudo contra o Japão.Gostaria de saber de algumas pessoas que falaram que a Rússia perderia da Coréia pq a Kim iria Detonar, foi ao contrário Kim foi Detonada....
Isa Costa disse…
Tô começando a achar que a Sheilla está precisando usar óculos, sem brincadeira nenhuma, ela parece não estar enxergando as linhas da quadra muito bem e ataca pra fora direto. Ontem ela jogou bem, apesar de qualquer problema que esteja enfrentando.
Bruna Volochova disse…
Acabei de ver Polônia x Irã, no masculino: gente, o Maracanãzinho está vazio, mas de 50%. E o pessoal fica no escuro na parte de cima. As cadeiras estão vazias e viradas. Só está cheio na parte da frente que a tv orienta a encher de gente. Em cima, atrás da quadra e na parte atrás da câmera que gera a imagem que vemos, estão vazio. Absurdo isso.
Bruna Volochova disse…
Isa, isso da Sheilla é recorrente e para mim nunca vai mudar, ainda mais a esta altura da carreira. Ela até tentou no Grand Prix mudar a passada, mas descaracterizou seu movimento e seu saque perdeu eficiência. Ela tenta ir no limite para que a distância da bola à quadra adversária seja a menor possível e acelera bem o braço para que o saque seja bem rápido. Mas bastava ela dar um ou meio passo para trás para que não acontecesse o erro, mas ela parece não conseguir. Acho que a comissão nem fala mais.
Isa Costa disse…
Bruna, com relação a Sheilla, já não é de hoje que pisa na linha mesmo, também penso que ela mesma perceberia que não enxerga, se esse fosse o caso, e resolveria isso. Ela pegou mania mesmo, infelizmente.

Sabe que tem muita, mas muita gente comentando o público em baixa em várias partidas, não só do vôlei, os organizadores dizem que está tudo bem e que sobrar espaços vazios é nornal, não querem admitir essa vergonha que está acontecendo. O público que comparece ainda tem sido criticado com razão por vaiarem excessivamente e de forma desrespeitosa os atrletas de outros países quando enfrentam brasileiros. Acho que nem vamos conseguir chegar perto das 25 medalhas esperadas ao final dos jogos, não sei pra quê foram criar essa meta.
Bruna Volochova disse…
Ah, mas isso não é normal mesmo, num evento de 4 anos de planejamento, o maior evento esportivo do mundo. É feio, e muito! É vergonhoso daqui de casa, assistindo, ver aqueles lugares vazios, sabendo que os ingressos poderiam ter sido melhor divulgados, ou serem vendidos a preços mais populares pra que nosso povo pudesse frequentar os Jogos. Quando viram que iriam sobrar, que não viriam mais gringos para aqui, poderiam ter diminuído os preços para os brasileiros. Mas não, o país da exclusão faz isso. Não é nada normal. Mal planejamento, mal execução, etc.

E isso da vaia é bizarro. Não me lembro de ter visto isso, assim dessa forma. Existe a vaia, especialmente quando há muita rivalidade, mas não o desrespeito. E tem atletas de algumas modalidades reclamando pois para eles a vaia não cabe, pois desconcentra e eles não estão acostumados a jogar assim.

Isso poderia ter sidos explicado numa cartilha ou em campanhas na tv e internet, sei lá. E o melhor: não são os pobres que estão vaiando e sendo mal educados, pois eles não estão lá. São a nata da nata.
Isa Costa disse…
Exatamente, são pessoas mimadas e com dinheiro que vão para os jogos vaiar.

Vaias são normais quando feitas com moderação, digo, em momentos apropriados, o que estão fazendo é feio demais.

No jogo contra a Argentina mesmo, vaiaram as meninas quando entraram em quadra, foi desagradável, depois vaiaram quando iam sacar, tudo bem, é o momento certo e é normal. Agora, durante o jogo quando a bola estava do lado da Argentina as vaias começaram de novo, a bola estava em jogo e o povo sem noção vaiando.

Não existe rivalidade alguma com a Argentina no vôlei, existe com Peru e existiria com Cuba mesmo com times muito fracos, a história pesaria, agora a Argentina nem tradição tem, estão ganhando corpo agora, foi desnecessário.

Falta o Brasil entender sobre o esporte que está assistindo e avaliar se vale a pena ou não vaiar.
Bruna Volochova disse…
Isso mesmo!
A vaia contra o time da Argentina foi desnecessária. Tava uma festa tão bonita com os jogos de luz e tudo. As meninas coitadas já entraram acuadas por nunca terem participado de algo grande assim e ainda foram mal recebidas. Não cabia aquilo. Como você disse, não há rivalidade, não precisa.

O pessoal não sabe reconhecer o mérito do adversário, aplaudir uma defesa, etc, ir além de torcer e apreciar o espetáculo. Teve até murro e pontapé entre um argentino e um brasileiro num jogo de tênis.

Isso é comportamento típico de país subdesenvolvido, de povo que não está acostumado a receber grandes eventos, que acham que torcer e incentivar é vaiar o adversário. Muito desrespeitoso e logo nós, que somos geralmente muito bem recebidos e apoiados em todos os lugares do mundo. Creio que isso pode mudar.
Prezados, o baixo público já era esperado.

No volei de praia e de quadra, todos os ingressos para as semi-finais e finais foram vendidos/esgotados na primeira semana de venda. Os jogos classificatórios sobraram mesmo e isso é devido ao Turismo mal planejado do país da exclusão conforme citaram acima.

Gente a estadia nos hotéis, pousadas etc, está muito caro, são preços exorbitantes! Se eu fosse assistir a todos os jogos de vôlei durante as duas semanas iria gastar horrores com estadia (repito está muito caro).

Em relaçao aos turistas, nossa imagem negativa já foi vendida durante os últimos 4 anos ao exterior, os poucos que vieram ao Brasil (igual na copa do mundo de futebol) são Paraguaios, Argentinos e farofeiros da Europa e EUA, quem mais perde mesmo são os comerciantes rs. Com esse escândalo do ZIKA, da corrupção e da criminalidade e falta de segurança do RIO pesaram mesmo.

Enfim, triste ver um evento desta grandeza com baixo público. Enquanto ao desrespeito da torcida, sem comentários, mal de brasileiro, totalmente desnecessário a baixaria, gritaria e principalmente faltar com respeito com os atletas que são seres humanos e não máquinas.
Claudia Abreu disse…
Resumo do enredo Dani Lins péssima levantadora, na visão dos leitores desse blog não sei o que está fazendo na seleção, deveria de tomar vergonha e pedir pra sair da seleção. A única que serve e a Fabíola. Mas na como fã de vôlei torço sempre para as duas levantadoras, por ser fã de uma não precisa desmerecer a outra.
Yana Souza disse…
Yana, a gata. Tenho certeza que os mesmos que criticam as jogadoras da seleção brasileira e demais, não sabem nem dar um toque, que dirá uma manchete... Enfim, euzinha fui seleção Goiana por muitos e muitos anos. Por isso, sei como é defender uma equipe... Logo, se não podem ajudar, pelo menos guardem suas energias negativas para vocês mesmas.. Hummf.
Claudia Abreu disse…
Concordo plenamente.
Claudia Abreu disse…
Concordo plenamente.
Este comentário foi removido pelo autor.
Edu disse…
No Brasil, a Dani Lins está muito imprecisa uma hora ela levanta bolas perfeitas na outra ela comete erros, eu acho que o problema da Dani é o alcance, ela não sabe trabalhar com bolas altas, acho que isso desfavorece o jogo da Natália por exemplo.
A Natália eu não sei espero que ela cresça absurdamente, porque ela está um pouco abaixo, ela sabe atacar alto e ela tem força, não sei o que falta mais, ela cresceu em outros fundamentos, mas regrediu no seu principal.
A Sheilla, apesar dos pesares, é louvavél, que em mais de 10 anos nenhuma outra oposta brasileira fez sombra á ela, mesmo na situação ela está, ela vai aparecer na hora certa.
Nossa fiquei impressionado com a altura que a Fe Garay tá pegando a bola, muito alta, pra mim ela é a melhor jogadora do Brasil no momento. Sempre regular. Ela sabe jogar contra qualquer time.
A Fabiana está sendo decisiva apesar das levantadas não estarem tão boas, temos o melhor duo de centrais do mundo, elas serão fundamentais pra conquista.
A Léia está regular e eficiente, tem que manter o nivel principalmente contra as pedreiras. Ela evoluiu bruscamente de um ano pra cá. Ela está jogando muito.
A Thaisa, vamos aguardar, mas eu confio nela que pra mim é a melhor central do mundo atualmente!
A Jaque está no auge e mesmo assim está na reserva, nossa que engraçado, ela é a melhor ponteira de preparação do mundo, ela só não está na quadra, porque o time precisa de mais poder de ataque.
Itália vs Holanda...
Dois detalhes:
Uma pena a desmotivação do time italiano,será a pior campanha pelo que se desenha, sinto muito pela grandiosa Deocore e Lobianco, que não é titular pq volta de lesão, pelo menos foi o que se noticiou. Pela Holanda, além da questão financeira, nota-se o pq da plaque não querer vir jogar com Bernardo, ela é a versão da Tandarao, forrrte demais, sem hipocrisia, para um atleta,ela é gorda, totalmente fora de forma.Espero, preciso acreditar que seja um problema hormonal, mas ela tem uma cara de preguicosona... a perna da mulher é meu troco, muito pesada,tem cara de acomodada, e por isso que nao aquenta uma partida inteira...com o Bernado ela iria penar e muito... enfim pena, quem perde sera ela.PS, Em relação a Dani, infelizmente, é isso, jogadora instável, nunca aprendeu a levantar pra sheila de fato, colocou a Fabiana numa pior, nunca vi a versão do lucao ser tão bloqueada, so bola baixa e colada, com a Natália sem comentário, enfim, não tenho nada contra ela mas ela não tem tecnica e tampouco nivel pra seleção, um dia o Bernado disse que ela era a melhor do Bradil e todo mundo comprou a idéia, caiu no inconciente popular pq o Bernado é sem duvida um gênio mas, nem tudo que fala se deve escrever, enfim o discurso já é conhecido, não vou entrar nessa pq os fãs da Nestlé (sempre eles, os fãs ) vão cair de pau... acho que temos que gostar mas sabendo separar o afeto da parte técnica, com racionalidade... enfim chega pq senão me excedo pq uma coisa puxa outra e já me dá um faniquito ao lembrar do lenga lenga do povo imaturo e mau acessorado que foram cortados. sorte para o Brasil e preparar o coração pq com da Dani na seleção é só "emoção " é ter quer rezar, orar, bater um tambor, pedir aos santos e entidades por um dia bom dela... mas o zé supersticioso que é adora esse lance né de fé, talismã, sas coisas..

Não vou criticar tanto, acho que estamos dentro do esperado com ressalvas para Dani Lins e Natalia que precisam melhorar a precisão de suas técnicas, acredito que logo estarão engajadas ao time.

Em relação ao Zé, desde que eu era pré adolescente sempre soube que ele é supersticioso, para ele fale mandinga, macumba, despacho, reza, sonho, crendice, amuleto, talismã, Cd da aline barros, oração e tudo que for possível... Aí um dos grandes motivos dele ter levado a Adenízia(que tem papel fundamental como Shaman do grupo).
Este comentário foi removido pelo autor.
Este comentário foi removido pelo autor.
Enfim, criticamos pq faz parte, somo torcedores "entededores"
Só no volei que tem esse mimimi, niguem pode criticar.Para estar na seleção tem que ter algo a MAIS e saber levantar pro grupo TODO, parece ate uma injustiça, mas é a realidade, não adianta saber jogar só com uma jogadora. Deve fazer tempo mesmo que ele é superticioso...preguiçoso do jeito que é pra trabalhar no que tange ao desenvolvimento das jogadoras só pode apelar pro sobrenatural mesmo. Quem não quer criticar se abstém. Simples.
Seleção é pros melhores e não pra apadribhados.
E esqueça o dia em que ela irá jogar com Natalia, sheila e Julce... essas são as que mais sofrem nas mãos da gata, fora a Mari que não mais faz parte deste grupo.
pessoal criei um grupo de volei rio 2016 no whatsapp, deixem seus numeros ou me enviem mensagem 41 9506-6531 quem quiser participar
Jonas M.B disse…
Bora entrar no grupo, mandei msg
Te coloquei no grupo