Esquenta!


Brasil, China, Estados Unidos, Rússia e Sérvia. Todas as principais seleções já estão na Vila Olímpica. É, meu caros leitores, está chegando a hora.

E, para se prepararem para o tão esperado momento, as seleções estão fazendo uma série de amistosos. A gente tenta não dar muita bola para os resultados - sabe que os jogos servem mais para dar uma mexida nas jogadoras após tanto tempo de treinamento -, mas fica difícil não se surpreender com alguns deles.

Como o 3x2 da China contra o Pinheiros. Jogo apertadíssimo mesmo com as paulistas cometendo muitos erros. Em depoimento ao Bruno Voloch, a ponteira Suelle confirmou aquilo que vínhamos observando sobre a equipe chinesa. É um time de muita velocidade de ataque, mas frágil na recepção. E quando não recepciona bem, concentra todo o seu jogo na Zhu.

A Rússia, por sua vez, perdeu novamente para a Holanda, também por 3x2. Se mesmo em jogos de competição a Rússia nem sempre é dos times mais empenhados, que dirá num amistoso. Mas, como falei sobre a decisão do terceiro lugar do Grand Prix, a Rússia está dando espaço para a Holanda perder o respeito e encontrar os caminhos para as vitórias.

Pelo que temos visto ultimamente, das cinco seleções listadas como candidatas ao ouro a Rússia é a que chega mais enfraquecida e distante desta briga. Ainda assim, tem recursos individuais que, se inspirados, colocam o time na briga por medalha.

China e EUA, juntamente com o Brasil, são as seleções mais maduras, mas estão num grupo que pode comprometer o caminho para chegar numa disputa de medalha. A Sérvia deu um sprint no momento certo e entra com força para atrapalhar as seleções principais, mas precisa lidar com sua instabilidade e inexperiência. E ainda tem a Coreia que pode se intrometer e desencaminhar todas as probabilidades.

Falando em Coreia, ela venceu a Itália por 3x1. Um resultado dentro da normalidade. 
 
******************************

E o Brasil fez dois amistosos contra a Sérvia em Saquarema, com uma vitória para cada seleção por 4x1.

Sérvia pouco mudou, o Brasil é que fez mais trocas, mas todas elas dentro do script. Adenízia entrou ao final das partidas como central. Ela e Jucy, pelas estatísticas, foram bem, principalmente no bloqueio.
A Gabi é que fez as vezes de oposto reserva.
 
Jaque e Natália, a combinação que tanto queríamos ver pelas pontas, começaram a segunda partida. Curiosamente, o time teve mais problemas de recepção neste jogo. A Sérvia, assim como no GP, nos pressionou bastante no saque.

A Sheilla, na segunda partida, fez somente 3 pontos em 21 tentativas. Podemos minimizar dizendo que era somente um amistoso, mas isso pode acontecer nos jogos para valer. Por mais que saibamos do talento e da capacidade de decisão da jogadora, ela não é mais a mesma atacante de oito anos atrás. Além disso, pode ter um dia ruim.

 
E, no fim, a Fabíola, quem mais poderia se beneficiar com os amistosos, jogou muito pouco. O Zé Roberto colocou-a somente em quatros sets, sendo dois deles tie-break. Não sei se isso foi um sinal de que ela ainda não está na sua melhor condição física ou se foi simplesmente uma opção do Zé. 
 
Só sei é que, se quisermos manter em alta nossa expectativa pelo ouro, o melhor é não olharmos muito para o banco de reservas.
 
******************************

Vocês sabem que o Papo de Vôlei é pé quente. Nasceu em 2008, um mês antes dos Jogos. Mas a blogueira aqui, sem entregar a idade, acompanha o vôlei feminino desde 94. Ou seja, vi a épica briga entre brasileiras e cubanas em 1996; o time guerreiro de 2000; a tragédia do 24x19 em 2004; o show de bola de 2008 que garantiu o primeiro ouro; e aquela montanha-russa de emoções que foi 2012.

O Brasil já viveu de tudo em Olimpíadas.

E nós, aqui de fora, já vimos de tudo. Sabemos que nem sempre o mais provável acontece. Por isso numa espera por Olimpíada as doses de entusiasmo e medo vêm na mesma proporção. O sucesso e o fracasso andam muito perto um do outro. Em Atenas, um ponto separou o maior vexame do vôlei feminino brasileiro de sua primeira final olímpica. Oito anos depois, o que tinha tudo para ser a pior campanha da história transformou-se na mais emblemática participação olímpica.

No caminho brasileiro destes Jogos nada indica que teremos problemas para chegar, ao menos, na semifinal. O time não é dos mais fortes, mas tem o conjunto e a experiência a seu favor. Construiu um bom momento durante o GP e pega uma tabela favorável. Mas adivinhação não é palavra que combina com Olimpíada.

Muito menos com esta edição que promete ser muito equilibrada. Nenhuma seleção entra como favorita e a diferença entre as cinco candidatas ao ouro é pequena.

Toda esta enrolação é só para dizer que conto com vocês para dividirmos nossas ansiedade, surpresas, celebrações e decepções (espero que não relacionadas ao Brasil) em mais uma Olimpíada. Agora, a Rio 2016!

Comentários

L. Mesquita disse…
É realmente impressionante a potência de saque e ataque da Brankica Mihajlovic.Ela está com uma pedrada na mão que destrói o passe adversário.Mihajlovic sempre foi corpulenta,grandalhona e associada a um trabalho bem feito de musculação feito pela comissão técnica sérvia,ela está jogando que nem homem.Mihajlovic tem força e potencial pra jogar num time masculino da Superliga.Tanto no Grand Prix,como nestes amistosos,está sendo muito difícil segurá-la.Não bastasse isso,a Sérvia tem um estoque de opostas espetaculares,Boskovic e Brakocevic,que estão na Olimpíada e ainda a Bjelica do Osasco.São todas opostas muito altas e fortes.É um time com poder de fogo muito grande e candidato ao pódium olímpico.Quanto à Fabíola,ela está jogando normalmente,sem nenhum problema físico,foi opção tática do Zé a hora de colocá-la ou tirá-la de quadra.
L. Mesquita disse…
Laura,com esses desfalques e escândalos de doping,a Rússia está fora do rol de candidatas ao Ouro no Vôlei,e ainda duvido que a Rússia vença da Korea e do Japão na chave.Acho que as russas não chegam à semifinal.Se em Londres dopadas e completíssimas elas caíram nas quartas-de-final perante às brasileiras,não vai ser agora que desfalcadas elas conseguiriam um milagre.
Alberto Correia disse…
Laura, tenho acompanhado os seus posts e eles sao sempre muito sensatos!! Entro todos os dias para ler!! Tambem acompanhei as mesmas geracoes do volei feminino e vc esta certa. Mas, acredito que a nossa selecao tem um algo mais que nenhuma das outras possui. Sinceramente, me preocupo muito mais com a proxima olimpiada, por nao ver uma renovacao a altura do que tivemos, principalmente, em 2008. Ainda assim, temos as melhores centrais do mundo. Quem crava bolas como elas? Nenhuma central faz isso. Quais das outras centrais dominam o bloqueio em horas decisivas? Temos uma linha de passe vascilante atualmente, mas quem tem uma jogadora como a Jaque na defesa e recepcao? O nosso time tem uma forca incrivel! Sabemos ganhar, mas sabemos perder e retomar o caminho. Basta lembrarmos da final de 2012...os EUA dominando o torneio e diante de um set perdido, paralizaram! Nao vejo essa mesma maturidade na Russia, China, Servia...Acrescentando a tudo isso, temos nos apaixonados pelo volei brasileiro! A noss energia chegara ate as nossas meninas tao queridas! Obrigado pelos posts, pelas analises! Vamos Brasil!
Welmer Sales disse…
Não sei se é otimismo da minha parte, mas estou tranquilo para esse torneio, não que eu tenha certeza que a seleção vá vencer todos os seus jogos com facilidade e conquistar o tri, porém esse me parece bem preparado. Em Londres, o time chegou sob desconfiança, o time vinha de um biênio 2011/2012 fracos e o retrospecto contra a principal seleção naquele momento, os EUA, não era favorável e todo esse inferno astral da seleção se refletiu na campanha desastrosa na primeira fase. A vitória contra a Rússia, o maior carrasco dessa geração do vôlei brasileiro, serviu para exorcizar todos os demônios que rondavam aquele time, para mostrar do que elas eram capazes e por fim para dar confiança para enfrentar qualquer adversidade que aparecesse a partir dali. Esse time de 2016 parece ter aprendido com tudo o que passaram durante esses anos, parece calejado e acho que, diferente dos principais adversários, parece conhecer o caminho da vitória e todos os seus percalços. Acho que essa última vitória contra os EUA foi fundamental para o astral do time, se o tivessem perdido a final poderiam criar um problema, criar um monstro em torno do time dos EUA, mas com essa conquista o time chega ciente de que é capaz de jogar de igual para igual e bater qualquer time. Acho que o time tá bem preparado e acredito que a torcida vai dar um ânimo ainda maior para esse time.
Paulo Roberto disse…
Acho que tudo vai depender do psicológico das meninas. Parece que na parte física o trabalho foi bem feito, resta saber como a cabeça das meninas vai se comportar na competição. Estou ansioso. Acredito em medalha, mas dessa vez não consigo cravar a cor, mas por tudo o que aconteceu neste ciclo e pelo equilíbrio no cenário das seleções, acho que a medalha tem que ser o objetivo máximo independente da posição.
Vamos torcer!
Laura disse…
Alberto, obrigada! Acredito nesta força de recuperação e superação que vc citou, e q tb não vejo nas demais. Pode ser nosso diferencial.

Welmer, depois do GP, estou mais tranquila e confiante no time. Tanto tecnicamente como psicologicamente. Realmente é uma seleção mais calejada por tudo que viveu. Ainda assim, sempre fico com receio de alguma reviravolta. Acho que eu é que não superei o trauma de 2004! hahaha

Paulo Roberto, me parece que as meninas tão bem preparadas psicologicamente. Meu medo era que, por ser aqui no Brasil, elas teriam muitas distrações. Mas algumas delas já avisaram que vão ficar fora de redes sociais, a Jaque falou que não quer nem a família por perto para se concentrar e etc. Acho que elas estão focadas.

Mesquita, acho difícil a Rússia ganhar o ouro por tudo isso que vc citou. Acho que ela pode se complicar com as asiáticas na classificação tb. Mas não a descarto com tanta facilidade... Sei lá, Rússia é meio traiçoeira. Prefiro me vacinar!


Renato Santos disse…
O Brasil esta muito bem fisicamente e mentalmente. Nenhuma outra seleção tem o controle mental e a frieza que nossa seleção tem. A Russia tinha com a Gamova e Sokolova, mas após a aposentadoria delas o time perdeu esse ponto forte.
Nossa seleção tem pontos fracos e limitações, quando nosso passe não funciona, nossas centrais não jogam e nossas atacantes não conseguem se virar com bola alta na ponta e nem atacar com bloqueio triplo na frente. Esse é o meu medo, pois somos uma seleção muito dependente de passe A para virar bola.
As demais seleções favoritas conseguem se virar com bola alta na ponta quando o passe não é bom, já o Brasil não.
A seleção que mais tenho medo é a Americana, é o melhor time do mundo, elas perderam o GP, mas isso não quer dizer nada. O diferencial da seleção Americana é o técnico e a comissão técnica que são os melhores em estudar os adversários e isso me preocupa.
Vamos torcer para a seleção, mas eu ainda acho que o ZR deveria ter renovado um pouco melhor em algumas posições, pois não temos banco de reservas. Na minha opinião falta uma oposta reserva nata, levar 4 centrais é desnecessário e a Gabi não é jogadora de seleção, ela compromete muito devido a baixa estatura.

Eduardo Almeida disse…
Sem querer ser saudosista demais, o Zé poderia ter pelo menos dado a oportunidade de recuperar a Mari para a reserva da Sheila. Ninguém se firmou, a Mari tem a frieza necessária para as inversões.

No mais, aguardo o melhor. Tomara que a Gabi e Ade consigam se virar em cada situação.

Isa Costa disse…
Finalmente está chegando!! Estou muito ansiosa e curiosa para ver como Fabíola, Léia, Jucy e Adenízia vão se comportar. É fato que não temos reservas, mas estou confiante, só me preocupo com os EUA.

Vocês viram que Thaísa se machucou levemente e o ZR já quer colocar ela no jogo contra Camarões? Acredito ser melhor colocá-la só contra a Argentina, time fraco que serviria pra ela perder o nervosismo de estreia
Alysson Barros disse…
Realmente, o banco tá de lascar: Adenízia, Gabi, Jucyele e Fabíola fora de forma e amamentando ainda.

Me pergunto como ficará a cabeça dela durante uma partida que durar cinco sets. Total falta de senso de todos os envolvidos. Essa convocação foi a pior de todas. Eu gostava da Fabíola, ela me conquistou junto com a Garay quando bateram no Osasco naquela final do Paulista e desde então torci por ela. Porém essa situação é esdrúxula demais. Depois do corte desastroso e atrapalhado de 2012 ela tinha que ter criado vergonha na cara e ter ela própria dito não ao inescrupuloso ZR. Agora, de repente, ela é imprescindível para a seleção feminina? Após aquele mico ao qual foi sujeitada? Mais uma incoerência pra lista já grande do técnico.

Penso que uma levantdora jovem deveria estar sendo preparada já para assumir a posição quando a Dani sair, a Naiane ou mesmo a própria Roberta, por que não? Sentir esse clima olímpico e adquirir experiência no torneio mais importante.

A única reserva que terá de fato utilidade é a Jaqueline - que ao meu ver nem seria reserva, as extremidades poderiam ficar com Jaque, Garay e Natália. Se a Sheilla continuar instável do jeito que tá... Foi super mal no amistoso. Se a Sheilla fica nessa situação, como vai ser resolvida a questão? Vai entrar Adenízia ou Gabi pra ficar de oposta titular? Piada.

Bom, resta agora torcer para dar tudo certo... De novo.
Unknown disse…
Concordo que por experiência a SFV tem mais histórico de se superar nas adversidades. Mas alerto que os jogos são aqui no BR, algo que nunca foi experimentado pelas jogadoras. Jogar em casa pode parecer vantagem, mas também pode ser ruim.
E experiência pode ser anulada por um adversario disciplinado e treinado. Sem contar que sucesso no passadi nao garante sucesso no futuro.
Quanto a ficarem focadas, uma coisa é dizer que vai se afastar das redes sociais, outra é ficar de fato fora das redes, sequer logadas em suas contas.
E os jogos só vão começar mesmo quando um time apertar o BR ao ponto de ter um set ameaçado. E depois quando o set seguinte tambem for pela mesma rota.
Sou torcedor do BR, mas reconheço que existe chance da maionese desandar, e isso especialmente porque nosso maior adversário são as próprias limitações.
Vai Brasil! Mas cuidado, não deixem nosso pior adversário nos dominar porque nós mesmos não nos dominamos.
Johnny disse…
Quando fiz um comentário aqui no blog, pouco tempo atrás, falando que achava muito estranho levar uma única oposta para a olimpíada, uma das seguidoras (muito sem educação, por sinal!) quase surtou, falando que Zé Roberto já foi campeão olímpico em 2008 levando só a Sheila como oposta. Pois é. Mas de 2008 para cá, quantos anos se passaram? É muito evidente que Sheila hoje em dia não joga mais o que já jogou. Será que só eu acho estranho uma oposta fazer 3 pontos no jogo?
Já Adenízia, eu nem comento que é para não piorar minha cefaleia... Mas eu entendo pq ela vai para a olimpíada, afinal, alguém tem que levar o CD da Aline Barros...
A Fabíola qualquer coisa que fale a respeito dela, vem os defensores atirando 200 pedras, dizendo que ela está perfeitamente bem fisicamente, extremamente rápida, super em forma, e que a gravidez não atrapalhou em nada. Engraçado, então pq Zé Roberto não colocou ela em todos os sets nos dois jogos contra a Sérvia? Não era treino? Se era treino o resultado não importa!
Gabi é aquela coisa, joga muito na Superliga, mas não é jogadora de seleção. Mas, fazer o que, depois de amanhã ela estará lá, competindo...
Gente, o negócio é o seguinte, tivemos 4 anos e não 4 dias, para montar um time, se não tivemos competência para isso, não é agora faltando 48 horas que o milagre vai surgir - apesar de que sempre tem o CD básico kkkkkk
Minha torcida é que o Brasil saia em primeiro no grupo, pegue o mais fraco do outro grupo, e que EUA caia logo nas quartas de final ou na semi final, vamos rezar para isso kkkk
Acho que eu torço mais para que EUA caia antes de chegar na final do que qq outra coisa kkk
Luis Carlos disse…
Quanto pessimismo gente, o banco do Brasil é muito melhor do que o de Pequim. Caso nossas torres não estejam em um dia bom, Jucy pode entrar e resolver sim, Jaque é outra ótima reserva, pode ajudar muito, Gabi vai ganhar experiência, é a próxima ponteira de titular do Brasil.
Unknown disse…
A CT atual desenvolveu o ciclo da Rio 2016 com a visão de fechamento do ciclo iniciado em 2004.
Esse é meu pensamento. O BR é favorito sim, apesar de o próprio ZRG afirmar que EUA esteja melhor. Ele preparou-se para o BR ganhar na Rio 2016. Apostou na experiência e no momento técnico das jogadoras, testou pouco as jogadoras que seriam potenciais para 2020, porque para ele interessa a Rio 2016, agora.
Queiramos ou não, ele tem uma filosofia específica para cada Olimpíada, e a segue com grande foco. E é isso que me faz pensar que talvez depois da Rio 2016 ele parta para outros projetos.
Mudando de assunto, contra Camarões seria legal não correr riscos, então possivelmente a escalaçao seja de alguma surpresa.
Boa tarde galera... Só não concordo com uma coisa Laurita:
O que vc disse sobre 2008 ser o ano que teóricamente seria a pior campanha. Não tem nem base isso, muito pelo contrário... o ano foi de renovação, de safra nova, de jogadoras com biotipo diferente, fortes, nosso volei com características diferentes, mesclando agilidade e destreza pra jogar com bola lentas nas pontas,quando passe não saia. amadurecimento de nossas centrais, que são as melhores da história, nunca tivemos meios tão fortes e decisivas, seleção que tinha quem virasse bola alta na ponta, coisa que eu era pivete e me perguntava nas transmissões, o pq nossa seleção não atacava aquelas bolas altas e lenta nas pontas como as europeias... Além de otimas passadoras na reserva, a Jack e a sassa...(que quase foram campeãs do mundo em 2006 como titulares me corrijam se tiver equivocado) enfim, a questão de uma única oposta naquele ano, como um colega mencionou, por favor, todo mundo sabe que mari também joga de oposto, era uma seleção versátil, ainda tinha o coriga, a valeskinha, que além de ser uma excelente meio, ainda passava igual a wall, e sem contar no EXORCISMO do fantasma insistente da levantadora que nos deu dois terceiros lugar, e a retomada de frente,da já consagrada e respeitada no mundo, Fofão, enfim, poderia predicar e muito sobre aquele ciclo renovado, mas não há nada do que os meu co religionarios não saibam. Laura, você tem algo contra a renovações? você acha sinceramente que essa historia da rodagem internacional conta? E quando deve acontecer esse ganho de experiência internacional? ele se ganha na seleção somente? ou vc acha que a migração pra outras ligas contribuem para esse amadurecimento,e o que dizer das seleções que mais renovaram no mundo, as finalistas do último mundial, uma cambada de meninas que conseguiram o feito que segundo a maioria, a geração que as antecederam eram melhores, principalmente no caso das americanas, mas que não chegaram ao lugar mais alto do pódio? Enfim, sem mais.
PS: Johnny, é pecado mesmo para alguns criticar o todo poderoso, coerente, formador de base,o cara ético dentro do grupo, o técnico da seleção, ele é o cara, tira leite de pedra, só pega sucata e transforma em 0 KL, ele é multi paciente com o plantel que gere, sempre respeita todo mundo, e botou ordem no grupo em londres. Hahahah quem conhece a peça sabe qie o buraco é mais em baixo. Sei como é caro companheiro, angalera cae em cima mesmo.
Laura disse…
Beto, acho que vc se confundiu. Não falei disso sobre 2008. O que comentei foi sobre 2012 e nem foi neste sentido a que vc se referiu. Disse que, do jeito que começamos os Jogos em Londres, tudo se encaminhava para a pior campanha da história. Ou seja, o Brasil não se classificar sequer para as quartas. Mencionei isso só para exemplificar como nossas expectativas podem ser mudadas rapidamente e como o Brasil já viveu de tudo em Olimpíadas.
Renato Santos disse…
Não tem comparação, o banco do Brasil agora com o banco da seleção de Pequim. Em 2008, tinha a Thaísa como terceira central e a Jaque e a Sassá como ponteiras reservas, elas eram especialistas na recepção e passavam na mão. Agora tem a Jucy e a Adenizia que juntas não dão uma Fabiana, a Jaque que é a melhor ponteira de preparação do mundo e a Gabi que é muito baixa e não domina nenhum fundamento. A seleção não poderá contar com o banco de reservas, exceto a Jaque, porque a distância entre as titulares para as reservas é enorme.
Vamos aguardar essa olimpiada, mas eu não to tão confiante como uma galera por ai não. China e EUA tem seleções melhores que a nossa e tem mais potencial para chegar a final.
Mantronix Inc disse…
Renato Santos seus comentários são muito bons e pertinentes.
Aí Laura, bom dia,..
Li nas pressas aqui no trabalho, entendi.
Luis carlos,
Como assim esse banco é melhor donque o de pequim, vc realmente perdeu muoto daquele ano.
Alem do que eu e outr amigo citou sobre, veja por exemplo a Thaisa foi a melhor central daquele ano, se não me engano ela jogou o grand pix de titular. Só um exemplo a mais....
Melhor banco que pequim??? Alô ?

Em Pequim tínhamos a Jaque e Thaisa no banco, satisfeitos? Não vejo a Adenízia fazendo nada além da animação espiritual e carregadeira de toalhas e gatorade. A Gabi que foi levada pra ser figurante e ganhar digamos "experiência" para 2020, menti?

Do banco só podemos aproveitar Jaque e olhe lá a Juciely... a Fabíola é uma incógnita.
Alysson Barros disse…
Também me causa estranheza ler que o banco de hoje é melhor que o de 2008. Naquele ano tínhamos apenas Thaísa e Jaqueline. Fora Sassá que, sempre que entrava pra sacar, causava estrago. Além da Valesquinha, que já tinha experiência como titular da olimpíada passada. Carol Albuquerque completava o banco, levantadora que não comprometia.


Hoje só temos figurantes e a palhaça de circo oficial. E uma atleta que acabou de ter um filho.


Torcer para tudo dar certo mais uma vez...
Bruna Volochova disse…
Olá, Johnny, paz e luz para você. A tal seguidora, muito sem educação, segundo você, sou eu. Não sou mal educada, sou objetiva e direta. Tão pouco surtei quando disse que o Zé já havia ganhado com 1 oposta. E ele ganhou mesmo, tinha a Mari, mas o time ficava mais forte com ela na ponta e a Sheila na saída. E é claro que em falta da Sheila ela assumiria, como atualmente qualquer outra atacante entrará no lugar dela se ela não puder jogar ou estiver prejudicando o jogo da seleção. Não é estranho uma oposta fazer 3 pontos, desde que isso esteja no planejamento. O time sabe que a Sheila não é mais a mesma e que não rende mais como antes, por isso mesmo ela já não é o foco do nosso jogo, como foi em outras oportunidades. Nem por isso deixamos de ganhar alguma coisa por causa dela. O foco agora é nas centrais e nas bolas chutadas com as pontas e com a Sheila, jogo coletivo. Não temos uma Boskovic ou uma Goncharova, mas isso não precisa ser um problema, pois está no planejamento.
E outra, a Sheila continua plena e graciosa porque nenhuma colega de posição foi o suficiente competente e profissional para tomar o lugar dela. De Joycinha a Tandara, passando por Monique e todas as possíveis improvisações que têm sido feitas, a Sheila, mesmo quebrada, sobra. Podem falar da Paula ou da Helô, mas dificilmente um técnico brasileiro faria as levaria, não é o estilo deles. As jovens sempre são preservadas, para o bem ou para o mal.
O Zé também ganhou o ouro de Barcelona, com muitos revesamentos de posição com ponteiro bloqueando no meio e central e ponteiro atacando na saída também. Acho que isso vai acontecer de novo agora. Ele vai entrar com o time titular, mas estará mais abertos para mudar rapidamente, daí a convocação como foi.
Já falei da importância da Adenízia dentro de quadra e nos bastidores. Não me levam a sério.
Mas vamos ver. E se os EUA caírem antes da final, não será surpresa, pois elas não são nem nunca foram essa coca cola toda.
Beijos e que a paz do espírito olímpico esteja convosco!
Mantronix Inc disse…
Laura vc podia falar um pouco Da debandada de atletas q vai ser da Seleção, independentemente se levar o ouro ou não, e prováveis novas convocadas, nomes como Helô, Paula Borgo, entre outras podem vir a surgir no cenário da SVF. E as poucas q ficarão.
Mantronix Inc disse…
e se não for pedir muito a tabela dos jogos do feminino q não são com o Brasil.
Obrigado.
Japao x koreia.....
Bora meninos comentando.....
Bruna Volochova disse…
Olha a tabela
http://rio2016.fivb.com/en/volleyball/schedule#/d20160806
Enfim Johnny...
No coments....
Gabriel disse…
A toda poderosa China, que escondeu tanto seu jogo, já começou perdendo para a Holanda... Soltaram a zebra rsrsrs
L. Mesquita disse…
Não soltaram zebra nenhuma,desde quando a Holanda,Vice-Campeã Europeia é zebra?Desde a formação da chave esse não era o famigerado "Grupo da Morte"?Qualquer resultado entre Sérvia,China,Holanda e EUA pode acontecer.Zebra seria a fraca Porto Rico ganhar de uma dessas seleções.
Gabriel disse…
Eu sei que é o grupo da morte e não deveria ser surpresa mesmo, mas fato é que a Holanda estava cotada pela grande maioria para disputar o quarto lugar com a Itália, estou equivocado??! Por isso, considero sim surpresa, pq muitos colocam a China como grande favorita ao lado dos EUA e um resultado como esse é surpreendente e pode mudar todo o panorama desenhado por nós
Verdade Gabriel...
Na boca do povo a china é quase imbatível mesmo. Mas só foi a Holanda precionar, e trabalhar o volume de jogo que elas sentiram... aí o caminho, não baixar a cabeça.
Bruna Volochova disse…
O pessoal do blog anda meio nervoso.