O placar final não engana


Quem olhar os placares dos sets de Rexona x Sesi (27x25; 26x24; 27x25), pode achar que o 3x0 não foi um resultado justo ou que, ao menos, não traduziu a realidade da partida. Mas devo dizer que, apesar de cada set ter sido disputado até seus pontos finais, o resultado foi aquilo que se viu em quadra: o Rexona muito irregular, mas comandando a partida mesmo quando o Sesi dominava o placar.

Explico. Acho que o Sesi teve bons momentos, com saques agressivos e volume de jogo. Mas não dá para esconder o fato que boa parte de seus melhores momentos na partida foram disponibilizados pelo Rexona, e não conquistados com mérito próprios. 

O Rexona errou demais na recepção por conta do bom saque do Sesi, é verdade. Mas também deu umas bobeadas sem ter sido pressionado, como nos constantes erros de saque. E era nesses momentos que o time do Talmo crescia. Mas era só as cariocas se acertarem minimamente para que recuperassem a liderança no placar.

O jogo esteve o tempo todo nas mãos do Rexona, a verdade é essa. E, assim como aconteceu contra o Minas, as jogadoras do time carioca foram muito mais decisivas do que as adversárias. Nos momentos de definição, tanto o ataque como o bloqueio entraram para fazer a diferença e levar a equipe à vitória.


******************************

Enquanto isso, do outro lado da quadra, as opções de virada de bola ficaram concentradas somente na Jaqueline. A Fabiana foi pouco acionada – muito por conta da má recepção - e, quando o foi, esteve sem confiança, além de ter sido bem marcada. A Ellen até que vinha apresentando um bom desempenho no ataque, mas os erros na recepção no terceiro set acabaram forçando o Talmo a retirá-la e colocar a Dayse.

Teve uma imagem da Jaque que resumiu bem o ataque do Sesi. Depois de fazer um ponto bastante disputado, ela deu um suspiro que foi um misto de alívio, desabafo e cansaço. Algo do tipo “só eu que viro neste time”. 

Mas é claro que a Jaque tem limitações nesta função, ela não é carregadora de piano. Aí o bloqueio e a defesa carioca acertaram o tempo dela e o Sesi foi perdendo esta força. Aliás, a Jucy, para sermos mais corretos, desde o início da partida já tava no encalço da Jaque, bloqueando-a. A composição da Carol com a Monique é que demorou a pegá-la. 

****************************** 

Enfim, os problemas do Sesi continuam os mesmos. Nesta partida, o ataque, mesmo concentrado na Jaque, até que rodou bem, mas falhou nos momentos decisivos. Ainda que a defesa tenha ido bem, os contra-ataques não foram bem aproveitados. Acho que, novamente, o Rexona levou vantagem neste quesito. O time carioca consegue trabalhar com velocidade os contra-ataques. Se repararmos, quase todas as atacantes são opções neste momento, o que dificulta a marcação adversária.

Só um aparte: há um tempo queria comentar sobre a Natália. Tecnicamente e fisicamente ela está muito bem. Está, assim como a Gabi, voando e sensivelmente melhor do que na seleção. Aliás, ontem, na comparação direta com o Sesi, notou-se bem como a preparação física faz a diferença. As meninas do Rexona eram mais ágeis e “explosivas”, com mais força, velocidade e alcance de ataque. 


****************************** 

Resultados da 10ª rodada:
 
Rexona/Ades 3x0 Sesi-SP

Renata Valinhos/Country 0x3 Vôlei Nestlé/Osasco

São Bernardo 0x3 Dentil/Praia Clube

São Cristóvão/São Caetano 1x3 Terracap/Brasília

Rio do Sul/Equibrasil 3x0 Pinheiros/Klar

Concilig/Bauru 0x3 Camponesa/Minas

Comentários

Olha, eu nunca fui muito animado com a ideia de deslocar a Natália de volta pra saída não, mas do jeito que está com Sheilla sem jogar lá no Vakif, Tandara sem jogar aqui e com as opções de Joycinha e Monique, agora estou achando que poderia ser uma opção pra seleção colocar a Natália pra jogar de oposto. Livre de passar, se concentrando apenas no ataque. Ela está bem nessa temporada, espero que leve isso pra seleção também.
Nei disse…
Realmente o Rio tá voando. Elas estão inteiríssimas, sim, e isso está se refletindo nos jogos. Porém o Sesi e os outros times deixam muito a desejar. Se acovardam diante do campeão e sofrem psicologicamente, refletindo no jogo. O Sesi já tem todos os problemas que sempre comentamos, mas notei que até que ele tentou manter uma formação, mas não dava. Só Jaque atacando e como colocado pela Laura, sabemos que ela não é jogadora de levar o time nas costas. Andreia continua naquela china infuncional, a recepção não permite o jogo pelo meio. Quando acontece, além da insegurança da Fabi, em muitos momentos não há entrosamento satisfatório ou a bola vem ruim mesmo.
Não sei o que se passa com a Ellen. Eu a acho fera no ataque, mas seu jogo não saí ainda. Nem sei explicar. Acho que ela deveria ficar vários jogos sem sair pra ver se engrenava. Tem bola para isso. Deixa ela errar e se recuperar no jogo mesmo e treina o passe dela. Às vezes me parece que ninguém treina além do Bernardinho. Sei que treinam, mas não parece. Os outros que treinam sofrem com o psicológico das atletas que tremem diante do Rio e Osasco, e Osasco sempre treme diante do Rio. Como alguém falou no post anterior, chama uma psicóloga para o time.

Um adendo: o mais engraçado é a Deyse emulando a Jaque. Até o narrador se confunde anuncia o ponto dela como o da Jaque. Tá imitando direitinho na roupa, cabelo, atitude e até o estilo de ataque. Essa Deyse....
Nei disse…
Ah, esqueci de falar. Novamente na maior parte do jogo e a maior parte das jogadoras do Sesi sacando na Fabi. Até a Jaque sacando aquele saque horrível dela na Fabi. Quero ver quando alguém vai me ouvir. Pedem para perder do Rio, facilitando as coisas.
Luis Carlos disse…
Acho que o Rio tornou o jogo difícil, mas novamente na hora de resolver o time mostrou que tem força. Gabi, Natália e Jucy realmente querem estar nas olimpíadas, estão literalmente voando.
A lI disse…
Nei,concordo contigo,contra o Rexona deve-se sacar na ponteira que estiver na rede,seja Natália ou Gabi,mas JAMAIS na LÍBERO FABI,isso é burrice mesmo!!!
Quanto à Dayse,ela está parecendo mesmo um COVER da Jac...
Andreia Laurence,na verdade NÃO ESTÁ JOGANDO como OPOSTO,e,sim,como uma TERCEIRA MEIO-DE-REDE.Acho a Sabrina uma OPOSTA AO PÉ-DA-LETRA.Mas é uma OPÇÃO TÁTICA do TALMO abrir mão de jogar com uma OPOSTA,para jogar com 3 centrais,porém,para essa tática funcionar é necessário PASSE-NA-MÃO das levantadoras.
Acho que há muito desrespeito e perseguição ao Talmo por parte do Voloch,afinal de contas,o Talmo foi o único técnico no Brasil que conseguiu quebrar a sequência de finais RexonaxNestlé,além disso,em pouco tempo de existência o SESI que participou de sua primeira Superliga em 2011/2012,já conseguiu ser PRATA na Superliga-2014,CAMPEÃO SUL-AMERICANO-2014 e BRONZE no CAMPEONATO MUNDIAL-2014.
A filosofia de trabalho do Talmo é essa mesmo,revezar jogadoras,não formar panela,não trabalhar só com um time titular,mas dar oportunidades e ritmo de jogo também às reservas dele.Trabalhando desse jeito,Talmo foi o único técnico diferente de Bernardinho e Luizomar que conseguiu disputar uma FINAL DE SUPERLIGA nos últimos anos.Talmo usa a fase de classificação para ajustar o time e dar ritmo às reservas para,na fase mata-mata vir com tudo.Para Talmo,o importante é estar entre os 8 classificados para as quartas-de-final,e,não,ficar em PRIMEIRO LUGAR NA FASE DE CLASSIFICAÇÃO.Enfim,cada técnico tem sua filosofia de trabalho e tem que ser respeitadas,o Spencer trabalho de um jeito,Bernardiho de outro e o Talmo de outro,mas considero que esses três,cada um a seu jeito,tem seu valor.
A lI disse…
O CAMPEÃO OLÍMPICO em Barcelona/1992,Talmo de Oliveira,técnico do Sesi,conversou com Adriano Barbosa,repórter do Site Melhor do Vôlei e disse:
“Foi muito parelho,apesar de as duas equipes(SESI e REXONA)terem se alternado em bons e maus momentos,sobretudo no passe.Mas,do nosso lado,já estamos enxergando uma evolução e um entrosamento que estamos trabalhando diariamente e arduamente para implantar.Não é fácil,mas as meninas da nossa equipe estão empenhadas ao máximo a jogar mais coletivamente e pacientemente como deve ser.Não tenho dúvidas de que o nosso trabalho nos dará melhores resultados a cada partida disputada”.
“Quando a temporada passada ainda estava para finalizar,a situação política e,consequentemente,a economia do país já sinalizava para uma diminuição no orçamento de alguns investimentos.O esporte como um todo sofreu com isto.Lógico que seria ideal termos uma mescla de levantadoras mais experientes com estas duas mais jovens,porém não foi possível.Para se ter uma ideia,quando finalmente conseguimos manter a Fabiana e trazer a Jac,muitos de nossos planos não puderam mais ser consolidados.E foi então que nós e nossos dirigentes optamos por uma equipe mais jovem que pudesse crescer no decorrer da competição.No entanto,dá gosto de ver,como no dia a dia estas duas meninas se dedicam e valorizam a responsabilidade de atuar como levantadoras por uma equipe como o Sesi,que acredita na juventude,que apoia e cobra por resultados como naturalmente deve ser.Mas que também se alegra muito em incentivar e educar através de boas ações e de investimento pessoal.Temos sido uma verdadeira família,e as atletas mais experientes tem tido um papel fundamental na evolução das mais jovens.Jac,Fabiana,Dayse,Angélica,Suelen,enfim,são referências para as mais novas e esta mescla é o material muito rico que nos motiva a trabalhar”.
Cutucada que o Talmo deu no PSEUDO-JORNALISTA e FOFOQUEIRO ARDILOS DE CARTEIRINHA VOLOCH:“Sobre o que veicula-se de picuinhas pontualmente e repetidamente em “achismos”,que não sabemos de onde se consegue tirar tantas “invencionices”,nós estamos tranquilos.Falamos sempre que uma coisa é noticiar e criticar.Sempre que for assim,iremos respeitar e ficar atentos.Porém,quando se usa de um embasamento inexistente para atacar,sabe-se lá por quais motivações pessoais,a fulana,ou o beltrano ou a ciclana e sempre de maneira pontual e má intencionada,ainda que algo do gênero chegue aos nossos ouvidos,iremos sempre ignorar e continuar treinando e lutando dentro de quadra.Afinal,fora dela qualquer um pode falar,montar time no papel,criar invencionices,ou seja lá o que for,mas estará sempre de fora”.
“Não iremos parar de trabalhar um instante sequer.Nosso torcedor e as pessoas que acreditam em nós podem estar certos que mais na frente iremos estar mais preparados para apresentar melhores resultados.Não temos a menor dúvida disto.Nesta equipe,nunca iremos passar por cima de ninguém,seja de uma atleta,de um torcedor,de um jornalista,pois todos têm vez,e isto,talvez,seja a nossa maneira de dizer que acreditando no coletivo,seremos sempre muito bem recompensados”.
Nei disse…
A II, gostei do discurso dele. A característica que mais gosto do Talmo é a de tratar bem e respeitar as jogadoras. Para mim isso é fundamental. Foi bom vc colocar que ele foi o único que quebrou a final marcada. Vamos ver o que acontece. Mas eu queria ver a Andreia como oposta mesmo, clássica. Se ela engrenasse ajudaria muito o jogo, porque teríamos a outra ponta virando bola.