Com o corpo aqui, mas o pensamento na Europa

Como se sabe, o Brasil está jogando o Sul-americano. Vi muita gente reclamando que o campeonato não tem transmissão pela TV. Desta vez, eu entendo perfeitamente a falta de interesse das emissoras e até agradeço que nenhuma tenha se empenhado nesta transmissão. Estão nos poupando de ver algo muito, mas muito amador.

O Sul-americano feminino é absurdamente fraco. Assisti às duas primeiras partidas do Brasil pelo site da Confederação e... que dó. É muito amadorismo.E, por mais que a seleção tente, não consegue manter um ritmo decente. Ou seja, é perda de tempo. 


*******************************

Enquanto o Brasil aqui só cumpre tabela e fica à espera de levantar a taça, do outro lado do oceano está acontecendo o Europeu - e é no que acontece por lá que a seleção brasileira tem que ficar de olho.


As semifinais são neste sábado (03):

Rússia x Sérvia

Holanda x Turquia 

*******************************

Como se vê, teremos um confronto bem interessante entre Rússia e Sérvia. Até o momento, a Sérvia tem feito bem o seu papel dentro do campeonato, sem tropeços e surpresas. Está sabendo fazer valer o seu favoritismo e o bom momento por qual passa.

A Rússia, por sua vez, e como sempre, é de lua. Perdeu de 3x0 pra Croácia na fase de grupos, provavelmente fazendo corpo mole para uma partida que não afetaria a sua classificação. Na quarta de final, acabou por enfrentar – e vencer – a Itália, que só cruzou o caminho russo porque perdeu para Holanda também na fase de grupo.

Vi a partida e a Rússia foi de altos e baixos, uma hora parecia sem saco para jogar, na outra tinha sangue nos olhos. Começou mal o primeiro set, mas se recuperou na marcação e levou a vitória ajudada por erros da arbitragem. No segundo, não apareceu em quadra. Melhorou na partida quando a marcação deu um basta na primeira bola italiana com a central Chirichella - uma das poucas boas opções do pobre repertório de ataque da Itália.

A Itália até que segurou bem o ataque russo, que estava com uma Goncharova pouco inspirada. A impressão que tenho é que a levantadora russa não aproveitou toda a altura da oposto como deveria, o que diminuiu o seu potencial. Assim Kosheleva carregou o piano quase que sozinha contra uma boa defesa e bloqueios italianos.

Mas a Itália sofre do mesmo mal que o Brasil quando está sem a Sheilla. Não tem oposto de definição. E ainda tem o agravante de ter ponteiras baixas, mais habilidosas do que de força. No fim, acho que fez um bom jogo e equilibrou a partida contra a Rússia que, esta sim, não jogou com todo o seu potencial.

Na semifinal entre Sérvia e Rússia, vai ser interessante ver duas versões da mesma escola de vôlei se enfrentando: de um lado um time novato e entusiasmado, mas inexperiente; de outro, uma equipe rodada, que conhece os atalhos, mas meio de saco cheio. 


*******************************

Já na outra semifinal temos a dona da casa Holanda como a “novidade” deste Europeu. É impressionante o efeito Guidetti. O treinador consegue aproveitar bem os recursos, por vezes limitados, das seleções e acrescenta uma dose extra de motivação e entusiasmo que fazem efeito. Claro que não o suficiente para operar milagres e colocá-las como forças além do continente, mas provoca transformações positivas.

Pena que a Alemanha não tenha uma nova geração que mantenha e desenvolva o trabalho iniciado pelo Guidetti e por Grun, Furst e Kozuch. Agora, a Holanda tem um grupo de jogadoras jovens, altas e, como vimos contra o Brasil, com potencial. Começa uma nova fase tendo um treinador competente no comando. Aposto nela para chegar a esta final, o que é um belo começo de uma trajetória promissora. 


Comentários

Nei disse…
Espero que a Sérvia não trema diante da Rússia como sempre faz. Se elas não ganharem agora, não ganham mais.Gosto do Guidette também, seria o substituto perfeito do Marcos Kiwiek na República Dominicana.
A lI disse…
LAURA e amigos, o grande culpado pela desclassificação precoce da ITÁLIA tem nome e sobrenome: o colecionador de ANÃS MARCO BONITTA.
Como MARCO BONITTA pode cortar sua melhor e mais alta ponteira-passadora CAROLINA COSTAGRANDE de 1,88m para apostar em nanicas LUCIA BOSETTI 1,75m, CATERINA BOSETTI 1,79m e DEL CORE 1,80m.
Que treinador cortaria uma jogadora como CAROLINA COSTAGRANDE???
Só para refrescar a memória vejam as conquistas de COSTAGRANDE:
2006- Supercoppa italiana: MVP
2009 - Supercoppa italiana: MVP
2011 - COPA DO MUNDO: MVP
2014 - Champions League: MELHOR PONTEIRA-PASSADORA jogando pelo VAKIFBANK.
Como você mesmo disse LAURA: A Itália não tem oposto de definição. E ainda tem o agravante de ter ponteiras baixas, mais habilidosas do que de força. COSTAGRANDE que seria a CRAQUE DO TIME e teria a responsabilidade de definidora com seus 1,88m foi cortada para ficar com as anãs?
Vejamos a ITÁLIA tem a melhor levantadora do mundo na atualidade LO BIANCO, tem excelentes líberos e centrais, mas peca nas ponteiras-passadoras pelo tamanho, com COSTAGRANDE a ITÁLIA é outra...
NEI, vale ressaltar que a SÉRVIA não tremeu para a RÚSSIA na COPA DO MUNDO, as sérvias só perderam para as campeãs chinesas, mas ganharam das russas, das americanas, das dominicanas, das japonesas e das coreanas com KIM e tudo.
Nei disse…
Hum, eu sei AII. Porém a Copa é por pontos corridos e até onde eu me lembro, sempre que o jogo é de playoff, a Sérvia não joga nada. Vamos ver dessa vez. Acho que o time está com mais personalidade agora. Vamos ver hoje.
Não sei falar nada do Bonitta, mas concordo que a Costagrande é uma ótima opção. Eu a levaria. Será que não está contundida? Já tem um tempo que a Itália não consegue renovar. Acho a Lo Bianco o máximo também. A dobradinha com Gioli era ótima. De oposta eu prefiro a Centoni. Acho a mais efetiva atualmente da Itália.
Cacciatori disse…
Quantas vagas para as Olimpíadas, esse Europeu assegura?
A lI disse…
Nei vc está coberto de razão!!! A Sérvia,apesar de ter um time melhor,TREMEU,AMARELOU,ACOVARDOU-SE perante a RÚSSIA!!!
Enquanto isso as gigantes da HOLANDA foram IMPLACÁVEIS contra a TURQUIA!!!
A final vai ser espetacular, dois times de girafas, com jogadoras gigantes, enquanto a ITÁLIA vai na contra-mão, corta sua ponteira mais alta, a COSTAGRANDE de 1,88m, para apostar em nanicas.
Dentre os treinadores italianos Giovani Guidetti da Holanda está dando de 10x0 no Marco Bonitta da Itália.
Nei disse…
É isso! Há um tempo percebo que a Sérvia tem esse problema psicológico com a Rússia; na hora de definir, não consegue, mesmo jogando melhor e estando com o time mais inteiros. Vai entender, é esse tipo de coisa que só no vôlei, como o Brasil tomar 3x0 dos EUA em final de Mundial sem fazer nada.
A Holanda tá me surpreendendo. Mas torcerei pela Rússia. Adoro a dupla Kosheleva e Goncharova.
A lI disse…
É Nei, percebi que és pé-quente de verdade. Disseste que torceria pela RÚSSIA e a as russas deram um baile nas holandeses dentro da própria Holanda!!! Também adoro KOSHELEVA e GONCHAROVA, elas tem cara de MALVADAS, parecem que querem destruir o adversário, chega a dar até medo delas. Acho que é esse o sentimento das adversárias quando olham para a cara delas, elas são muito MÁS jogando vôlei, fora que um coice delas na cara deve doer À BEÇA!!!
Laura e amigos, cheguei à seguinte conclusão:
-Não se pode deixar as russas chegarem à uma FINAL!!! Não sei o que acontece, mas as russas num FINAL se transformam, dão o sangue, lutam e MASSACRAM...
-Não sei qual o percentual de vitórias das russas em FINAIS, mas acho que supera os 90%.
-Olha que esse time russo ainda está sem as gigantes SOKOLOVA e GAMOVA, e as duas já afirmaram que querem muito ganhar o OURO OLÍMPICO no RIO-2016.
-É de dar medo pensar numa RÚSSIA com SOKOLOVA, KOSHELEVA e com GONCHAROVA e GAMOVA se revezando nas inversões do 5x1...
-O Brasil foi Bi-Campeão Olímpico em 2 finais contra os EUA, como seria uma final BRASIL X RÚSSIA em 2016, com todas essas MALVADAS em quadra, vocês conseguem imaginar???
Rafael Modesto disse…
Engraçado que Goncharova, Gamova e Sokolova (não me lembro se Kosheleva também) estavam em Londres 2012 e mesmo assim no momento de definirem o jogo pipocaram e perderam pra um Brasil que vinha quase morto para os playoffs daquela Olimpíada. No Campeonato Mundial de 2014, Gamova, Kosheleva e Goncharova estavam jogando e levaram 3x1 das "nanicas" italianas, com a "nanica" Del Core virando bola atrás de bola pra cima do bloqueio russo. As mesmas nanicas tombaram por 3x0 as campeãs americanas e fizeram a segunda melhor campanha do mundial, apenas atrás das também "problematicas" brasileiras, que levaram um Bronze dourado pra casa. Engraçado também que quando chegaram a duas finais olímpicas (2000 e 2004), as russas, com Gamova e Sokolova mais jovens jogando o fino do voleibol, perderam pra Cuba e China, respetivamente. Enfim, acho que é muita babação de ovo em cima das gigantes, monstras, "malvadas" russas quando elas também não foram tão bem assim nesse ano.