GP - Brasil 3x0 Bélgica

O Brasil iniciou a segunda fase do GP atropelando a Bélgica. Fica difícil avaliar a atuação brasileira quando a resistência do outro ladro da quadra é muito baixa.

É possível, no entanto, comparar o Brasil com o próprio Brasil. Neste sentido, a seleção não evoluiu muito da primeira rodada para cá. O repertório de jogadas é o mesmo e aquelas que realmente funcionam também. Ou seja, continuam sendo as bolas rápidas com as centrais e com a Gabi que têm melhor vazão e chance de pontuar.

Garay, Joyce e Natália ainda devem muito. À Garay e Natália talvez falte uma sequência para ter ritmo e encaixar com a Dani. Ainda assim, nota-se que falta explosão e uma mão mais calibrada para as duas.

No caso da Joyce, ainda estou à espera que ela dê ao menos um sinal de que há ali alguma esperança, um potencial a ser aproveitado. Até agora nada. E não sei se veremos alguma resposta no Pan também, principalmente porque ela vai jogar com outra levantadora... 


**********************************

Vejamos a lista oficial das convocadas para o Pan-Americano de Toronto:

Adenízia da Silva - Central
Ana Tiemi - Levantadora
Angélica Maliverno - Central
Bábara Brunch - Central
Camila Brait - Líbero
Fernanda Garay - Ponteira
Jaqueline de Carvalho Endres - Ponteira
Joyce Gomes da Silva - Oposto
Macris Silva Carneiro - Levantadora
Mariana Costa - Ponteira
Michelle Pavão - Ponteira
Rosamaria Montibeller - Oposto

Não há nenhuma novidade em relação ao que já havia vazado antes a não ser a ida da Camila Brait no lugar da Leia, que está com um estiramento na perna. Com a Sassá como líbero nas próximas fases do GP, a participação do Brasil ganha ainda mais ares experimentais.

Mas voltando ao Pan: se considerarmos as ausências da temporada (Thaísa, Sheilla e Fabiana), podemos dizer que o Brasil reservou praticamente a força máxima do time titular para a competição. A única ausência realmente de peso será a Dani Lins.

E isso é que pode gerar alguma dor de cabeça à seleção na competição. Dani Lins é que tem jogado desde os amistosos contra o Japão. Se não me engano, Macris e Ana Tiemi tiveram uma oportunidade cada de começar uma partida nesta temporada.

Ainda bem que o começo do Pan é bastante tranquilo para o Brasil e os adversários mais chatos (que não são muitos, realmente) vão vir depois, quando o entrosamento, espero, esteja mais afinado.

Comentários

Welmer Sales disse…
Nesse Pan, gostaria muito de ver Macris e Rosamaria como titulares. Acho que a primeira tem mais chances de ser titular, quanto a Rosa, acho que ela tem potencial e, mesmo não estando em ritmo de jogo adequado, acredito que ela renderia mais que a Joyce e ela ganharia experiência para o futuro da seleção. Joycinha jogou todos os últimos jogos da seleção como titular, mas em nenhum ela rendeu o esperado e/ou mostrou que pode fazer a diferença. Se é para dar chances às jogadoras, que essas experiências sejam feitas com jogadoras visando o futuro em médio/longo prazo da seleção. Por isso, acredito que o entrosamento entre a Rosamaria e a Macris poderia/deveria ser testado na seleção. Joycinha e Ana Tieme já mostraram no passado que não deveriam estar onde estão.