Osasco em: O Retorno


Molico/Osasco 3x0 Sesi

“I’ll be back”. O Luizomar não falou isso, mas bem que poderia. E se tivesse dito isso um mês atrás, ninguém acreditaria – ou, pelo menos, colocaria bastante em dúvida a possibilidade do Molico voltar a disputar a final da Superliga.

Acontece que o Luizomar e o Osasco conseguiram, chegaram à final ressurgindo quase que das cinzas. Depois de uma série de atuações ruins, sem encontrar a melhor formação e com a confiança no chão, tiveram pela frente o pior adversário possível na semifinal: o carrasco Sesi.

E o Molico deu o troco – e muito bem dado, por sinal, nesta última partida. Quem acompanhou os últimos confrontos entre as duas equipes, deve ter percebido que houve uma troca de papeis na quadra. O Osasco desta vez é que anulou as jogadas do Sesi, que, aos poucos, foi perdendo a confiança até entregar pontos e pontos em erros ao adversário.

*****************************

O Sesi foi aniquilado no saque. Primeiro, sofreu com o saque do Osasco, que impediu que as levantadoras usassem a principal atacante do Sesi, a Fabiana. Segundo, o próprio saque do time da capital paulista foi uma arma não utilizada. A Dani Lins jogou o tempo inteiro com o passe na mão, tanto que quem brilhou no ataque foram Gabi e Ivna – uma mostra de que o caminho esteve livre para o Osasco na rede e de que não foi necessário acionar a desatadora de nós cubana, a Carcaces.

Assim, sem sacar bem, o Sesi não teve como se defender. Não teve bloqueio nem volume de jogo. E mesmo quando conseguia recuperar uma bola, desperdiçava o contra-ataque. O Sesi ficou preso num ciclo vicioso. O olhar perdido das jogadoras representou bem a situação do time na partida.

****************************

É uma pena que o Sesi saia da competição assim. Fez um campeonato mais equilibrado do que o da temporada passada. Mas, pelo jeito, quanto mais atribulada for a fase classificatória, mais chance o time tem de chegar bem aos playoffs. Foi assim com o Sesi na temporada passada, é assim com o Molico nesta SL, que chega à final em pé de igualdade com o Rexona.


A disputa está totalmente em aberto. Se no último post eu disse que o Rexona teve postura de campeão, o mesmo se pode dizer para o Molico nestas semifinais. Com as últimas atuações do Osasco, fica difícil apontar um favorito. Se a classificação do Osasco pra final significa voltarmos à rotina, ao menos isso pode compensar e dar sabor ao tradicional confronto.

Comentários

Welmer Sales disse…
Não assisti ao jogo inteiro e quando vi o placar me surpreendi. Apesar de achar que Osasco venceria, não achava que o time seria tão superior na partida. O time parece que se encontrou, depois de apostar em diferentes formações o time achou aquela que melhor se encaixou e justamente no momento mais importante da competição. O time chega bem a essa final e acho que chega em pé de igualdade com o time do Rexona. Não sei quanto essa pausa de duas semanas até a final prejudica as equipes, mas espero que as duas equipes cheguem bem e nos presenteiem com uma grande partida.

Pegando um gancho no post anterior referente à convocação das jogadoras, fiz duas listas de jogadoras que gostaria de ver jogando o Grand Prix e o Pan-Americano, já que serão competições disputadas simultaneamente.

GP: Dani, Macris, Rosa, Ivna, Jaque, Nati, Mari Paraíba, Thaisinha, Michelle, Adê, Bia, Mara, Brait e Tássia.

Pan: Fabiola, Naiane, Monique, Paula, Fê Garay, Gabi (Rio), Gabi (Osasco) ou Suelle, Ellen ou Pri Daroit, Carol, Angelica, L. Hage e Leia.

(A lista do GP tem 14 atletas pois o campeonato permite, a do Pan tem 12 pois não sei se a organização permitirá a inscrição de 14 atletas)

Isso se essas jogadoras que citei forem convocadas e estiverem dispostas a servir à seleção.
Paulo Roberto disse…
Foi um passeio do Molico. A transmissão da Rede Tv não foi aquele primor, mas pelo menos é uma lufada de esperança para um futuro melhor do vôlei na tv aberta.

Espero que o Molico mantenha a pegada pra nos proporcionar um bom jogo na final. Sempre torcir mais pelo Molico, mas dessa vez confesso que quero que a despedida da Fofão seja com mais um título.
Paulo Roberto disse…
Esqueci de comentar sobre a dica do árbitro que evidencia o nível das nossas arbitragens. No terceiro set se não me falha a memória Thaísa reclama de um lance, ele (não me lembro se estava certo ou não) vira pra jogadora e simplesmente diz: "Fica tranquila que seu time tá ganhando." Juro que na hora demorei pra processar, mas ficou nítido que estamos anos-luz de ter arbitragem decente no nosso voleibol.