Final com cara nova

Antes de mais nada, queria dizer que adorei a composição desta final da Copa Brasil: Sesi vs Pinheiros. Uma disputa inédita de um título nacional que dá uma arejada no vôlei feminino. Super saudável para que a competitividade e a graça não desapareçam dos torneiros brasileiros.

************************
As duas partidas da semifinal da Copa Brasil foram muito parecidas. Saíram vencedoras as equipes que mostraram maior regularidade e aplicação tática. Tanto Sesi quanto Pinheiros cometeram muito poucos erros e bateram um Rexona e Molico bastante inconstantes no passe e no ataque.

Vamos ter uma final equilibradíssima. As duas equipes são similares, se valem mais da organização coletiva do que das individualidades. Ainda assim, vejo o Sesi superior, pois tem um grupo mais forte. O Talmo tem opções de troca mais interessantes que o Wagão, além de um time mais experiente e com alguns nomes que podem fazer a diferença.

Mas vamos comentar o que trouxe estas duas equipes até a final. 


*************************

Pinheiros 3x1 Rexona

O tão elogiado e invencível Rexona se desestruturou legal diante do Pinheiros na semifinal da Copa Brasil.

Exatamente o que vinha sendo o ponto forte da equipe carioca na Superliga - e que destacávamos constantemente aqui no blog – não funcionou nesta partida: o ataque.

Acontece que a linha de passe do Rexona, principalmente com a Natália, não conseguiu dar o mínimo de estabilidade para a Fofão. Depois, as próprias atacantes estiveram muito afobadas e cometeram muitos erros.

Os desperdícios de contra-ataques foram muitos e impediram por diversas vezes que o Rexona se recuperasse na partida e pressionasse o outro lado. Até mesmo a Fofão não me pareceu nos seus melhores dias. Vi algumas bolas mal levantadas, baixas, que comprometeram o aproveitamento nos contra-ataques. 

************************

Do outro lado, o Pinheiros manteve um ritmo quase que constante no saque e muita regularidade no ataque. A ausência da Rosamaria só foi sentida no terceiro set, quando o time em geral teve dificuldades na virada de bola.

Defensivamente o Pinheiros também foi muito bem, tanto no fundo de quadra quanto no bloqueio. Parte da impaciência das atacantes do Rexona foi provocada pela boa marcação paulista.

O Pinheiros exige dos seus adversários a mesma regularidade que apresenta. E regularidade definitivamente não foi uma palavra que constou no dicionário do Rexona nesta partida. O time carioca abusou dos erros. Tendo do outro lado da quadra um Pinheiros concentrado e disciplinado, que manteve praticamente durante todo tempo o mesmo nível de jogo, já seria muito difícil vencer. Sem as individualidades brilhando, então, ficou impossível.


 ************************

Sesi 3x0 Molico/Osasco

Devo dizer que, pelas últimas atuações, esperava um Molico bem mais atrapalhado. O Luizomar nos poupou das suas inúmeras trocas, o que deu uma aparência de mais organização ao time.

Só que os problemas do Molico, ainda sem Dani Lins e Thaísa, continuam os mesmos. A recepção ruim, com até Camila Brait errando, e um ataque com baixo aproveitamento.

Devo admitir que neste momento de aperto, a Ivna tem segurado bem a barra do ataque de Osasco. Mas é muito piano para ela carregar. A Carcaces voltou, mas foi pouco acionada pela Diana nesta partida. Também acho que faltou uma melhor sintonia entre as duas. 

************************

O Osasco fez o que pôde. Esbarrou numa equipe quase perfeita. Dá gosto de ver jogar o Sesi, um time extremamente organizado e que comete muito poucos erros. Assim como o Pinheiros, para batê-lo, é preciso o mínimo de desperdício – o que o Molico não está conseguindo no momento.

No mais, o Sesi só mostrou dificuldades no início do jogo no passe. Quando se estabilizou, o time entrou nos eixos e a Carol brilhou. A levantadora está em ótima fase e, o melhor, está sabendo aproveitar com habilidade os contra-ataques que a ótima defesa do Sesi proporciona.

É engraçado que um time com Mari Casemiro e a improvisada Bárbara tenha tão bom aproveitamento no ataque. Não são nomes extraordinários, mas a organização tem sustentado o bom desempenho das duas. Eu não acreditava que a Bárbara poderia segurar a posição de oposto e ela tem feito isso muito bem. Valeu a aposta do Talmo. Para mim, ela foi a melhor jogadora nesta semifinal. 


Comentários