Mundial: Brasil 0x3 EUA

Brasil 0x3 EUA

É difícil, mas temos que admitir que os EUA mereceram a vaga na final. Dói não ver a seleção novamente na decisão do Mundial e ter a chance de, ao menos, tentar o único título que lhe falta. Mas, nesta semifinal, o Brasil não fez por merecer.

O que o Brasil fez de errado? Tudo. Assim como os EUA fizeram tudo certo.

O Brasil, além de apresentar os mesmos problemas de todo campeonato na recepção e no ataque, teve ainda que enfrentar uma defesa primorosa dos EUA. Elas chegavam em todas as bolas e, mais, as tornavam aproveitáveis para o contra-ataque.

Exatamente o que o Brasil não conseguiu fazer. Defensivamente, a seleção foi muito fraca, espirrando a maioria das bolas. E, as poucas em condições de serem aproveitadas, eram desperdiçadas em erros do ataque ou mal armadas. 
 
******************************

O bloqueio apareceu somente nos contra-ataques, quando as jogadas da Glass eram mais previsíveis. Na virada de bola, no entanto, o bloqueio passou em branco praticamente. No primeiro set, foi possível contar nas mãos as bolas nas quais o bloqueio conseguiu chegar com duas jogadoras. Na maioria das vezes, as atacantes dos EUA enfrentam um bloqueio solo ou quebrado.

Isso porque nosso saque foi, com o perdão da palavra, muito bundão. Fora a Thaisa e a Gabi, as jogadoras não conseguiram manter um padrão mais ofensivo. Larson e Hill estiveram seguras – até porque os saques chegavam fáceis em suas mãos. Não houve variação de distância ou de posição. 

******************************
 
Enfim, acho que neste fundamento o Brasil perdeu a oportunidade de colocar os EUA sob pressão. A vantagem conquistada (e depois colocada fora através de tantos erros) no segundo set foi baseada no saque da Thaisa. No mais, os EUA jogaram à vontade e foram maduros ao gerir suas vantagens e seu jogo - coisa que o Brasil não soube fazer, infelizmente.

Agora só resta nos acostumar com uma situação bastante rara nos últimos anos: disputar o terceiro lugar. Depois de tantas decisões, vencendo inclusive os EUA, temos que aprender a digerir o mais rápido possível a derrota para nos preparar para vencer o bronze.

******************************
 
China 3x1 Itália
 
Ao contrário de Brasil e EUA, Itália e China fizeram uma partida com cara de semifinal: competitiva, emocionante e de qualidade.

O quarto set foi simplesmente incrível, com a Itália salvando bolas impossíveis e lutando até o final para evitar a vitória chinesa. Acho que este set foi bem o resumo da partida de um lado uma equipe precisa e disciplinada; do outro, um time muito esforçado e dedicado.

É curioso que as duas seleções que perigavam ficar de fora da semifinal e que tenham iniciado a terceira fase com derrotas acachapantes para Itália e Brasil, são as que conseguiram alcançar a final.

E ambas apresentaram um nível de defesa absurdo. A China, assim como os EUA, esteve sempre muito bem posicionada para pegar os ataques italianos. Mas a Itália conseguiu fazer frente à China com um bom saque e com uma noite bastante inspirada da Del Core.

Não foi o suficiente para parar a parceria Wei e Zhu, que passou por cima do bloqueio em quase todas as bolas. Todo o ataque chinês, no geral, também esteve especialmente preciso. 

******************************
 
Final: China x EUA
Terceiro lugar: Brasil x Itália 
 
Todo mundo esperava uma final entre Brasil e Itália, que, no fim, se encontram na disputa do terceiro lugar.

Se as seleções conseguirem recuperar o ânimo, teremos uma partida equilibrada. O Brasil provavelmente vai encontrar uma defesa bem postada, vai ser difícil colocar a bola no chão. Precisa, portanto, responder na mesma moeda ou na defesa ou no bloqueio para ter chance da vitória.

Na final, quem diria, EUA e China. Duas seleções com um campeonato irregular, mas que fizeram suas melhores prestações no momento certo. Acho que a China, com a gigante Zhu, tem mais recursos quando o passe não sai na mão. Em compensação, os EUA possuem um repertório maior de jogadas. O certo é que, com o volume de jogo demonstrado por estas duas equipes, tem tudo para ser uma grande final, compensando o baixo nível da competição.

Comentários

Welmer Sales disse…
Estou muito frustrado. Não esperava uma partida tão abaixo das brasileiras. Não consigo falar o quer fizeram de errado, mas a derrota no segundo set foi importante pro rumo da partida. O Brasil tinha uma boa vantagem que foi caindo e num ataque da Jaque, que tocou no bloqueio americano, mas arbitragem não deu, as coisas começaram a desandar e tudo que vinha dando certo até aquele ponto do set começou a dar errado. Se o Brasil tivesse vencido esse set acho que a história seria outra. Com o 2x0 no placar as americanas jogaram soltas e sem pressão. Com 1x1 no placar os times estariam em pé de igualdade e acho que isso poderia ajudar o Brasil. Acho que o grande problema das meninas era extra-quadra a arbitragem errou contra os dois lados, mas os momentos dos erros contra o Brasil eram mais críticos e o Zé não estava se controlando nas reclamações e acho que isso atrapalhou as jogadoras dentro de quadra. Infelizmente, não estamos na final, mas bola pra frente e focar nas Olimpíadas daqui a dois anos.

P.S.: Ganhar o bronze em cima das italianas terá um gostinho muito especial, embora não tanto quanto o título. Vou ficar feliz com uma vitória sobre as italianas. Ah, amanhã sou China desde criancinha.
MArcos Pontes disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
MArcos Pontes disse…
Analisar resultado é fácil difícil é fazer na hora, mas vamos lá. Achei que o Zé Roberto pecou no jogo. Primeiro, a Jaque estava mal no passe, ele poderia ter colocado a Gabi que se não é um primor, tem um bom passe, e depois voltado com a Jaque. Quando ele tirou a Garay, ela era a maior pontuadora e um side out antes havia pontuado. Natalia entrou e não vingou. Queimou as duas. A maior dificuldade era das centrais chegarem nas pontas, Carol é mais veloz e podia da mesma forma ter entrado no lugar de qualquer uma das centrais, e depois vendo de fora Thaisa ou Fabi voltarem e retomarem o jogo. Agora a Inez é morta, mas faltou leitura para o time e principalmente para o Zé Roberto. Bola pra frente, criticar é fácil, mas o Brasil fez um bom mundial e merece pelo menos o bronze!
Zé Henrique disse…
É uma grande frustração, mas os EUA mereceram demais.
O Brasil errou tudo e elas acertaram tudo.
Acontece, mas que uma grande pena é.
Essa geração tinha tudo para conquistar o Mundial.
Bola pra frente.
Cacciatori disse…
Excesso de confiança, entraram de salto alto, mentalmente relaxadas, reflexo disso foi o saque inofensivo, o bloqueio ineficiente e principalmente a falta de garra dentro da quadra.

As Italianas o mesmo, excesso de confiança, quando fora reagir já era tarde de mais.

Crowley.
Nei disse…
Que tristeza! Quase morro. Mas a forma como começaram e terminaram o primeiro set me alertou para esse resultado. O time estava muito tenso e ansioso e também entrou um pouco de salto alto. Estavam muito displicentes no saque. Não acho que os EUA jogou tudo isso. O jogo saiu porque o Brasil não jogou nada. Dani errou muito, não fez as melhores escolhas e atacantes também falharam muito. O comando também foi ruim. De que adianta ter reservas, se elas não entram? Era jogo para Gabi, para Carol. Tentava Natália na saída e Tandara na ponta. Qualquer coisa. Zé deixou o navio naufragar sem fazer nada. Só aquela inversão, que dessa vez não funcionou. Natália na entrada de rede é ruim para a seleção. Ela não tem nível de passadora internacional. Aliás, ela não deveria estar na seleção. Gostei do técnico italiano, que fez tudo o que pode pra tentar reverter o placar. O Zé fez como o Spencer Lee na Superliga, que viu a Juliana Carrijo afundar o time e não fez nada. (supernei)
Paulo Roberto disse…
Não vi o jogo porque estava na estrada, quando o sinal do celular resolver pegar entro no face e fiquei meio chocado.
Não fico tão triste assim com a SFV desde Atenas 2004. Agora é fato que a SFV nunca soube lidar com a pressão de ser a principal (ou única) grande favorita. Foi assim em Atenas e o filme se repete aqui. Nos mundiais de 2006 e 2010 dividiu o amplo favoritismo com a Rússia e em Londres foi como incógnita. O único grande título em que o Brasil confirmou o favoritismo dentro de quadra foi em Pequim.
Zé Henrique disse…
Só não é legal agora com a derrota achar que nada presta.
Um mal dia, acontece.
Cabe a quem está no comando saber o porquê.
Continuam todas grandes jogadoras e campeãs.
Zé Henrique disse…
Não vi a disputa do bronze, mas lendo as notícias vi que houve choro/emoção.
É isso aí.
É uma pena enorme não terem conseguido - chance igual sabe-se lá quando aparecerá novamente.
Enfim, as derrotas também fazem parte dos campeões.
Só gostar na vitória é fácil.