È finito. Ciao, Mondiale

3º lugar:
Brasil 3x2 Itália

Ah, se o Brasil tivesse jogado contra os EUA o que jogou contra a Itália... Mas como o “se” não entra em quadra, ao menos a seleção se despediu do Mundial com uma medalha e apresentando um bom voleibol.

Primeiro, fiquei feliz em ver o time recuperado da derrota do dia anterior e muito focado na busca pela medalha. O grito de todo um ginásio contra não afetou em nada a equipe.

No mais, o que vimos foi uma Itália atordoada no primeiro set, insegura na recepção e impaciente com o volume de jogo brasileiro. A partir do terceiro set, a Itália começou a marcar melhor nossas jogadas e a entrada da Diouf fez a diferença para melhorar o ataque italiano.

O Brasil mais uma vez desperdiçou contra-ataques importantes, sobretudo no quarto set. Felizmente, o tie-break foi novamente de superioridade brasileira, com um bloqueio agressivo, e de falta de continuidade italiana, cometendo falhas no saque.

O ataque, por sua vez, resolveu se despedir de forma positiva depois de um campeonato irregular. Nosso trio das pontas teve bom aproveitamento, principalmente a Sheilla, que fez grande partida – talvez a sua última num Mundial. 
 
******************************

Final
EUA 3x1 China

E os EUA deixaram de ser vice. Finalmente a equipe norte-americana conseguiu um título importante. O curioso é que não é o grupo mais talentoso dos últimos anos. Mas, nesta final,  mais um vez
apresentaram um jogo de disciplina tática e boa marcação.

Quase que os erros em momentos decisivos comprometeram a conquista. O primeiro set foi perdido assim e, por pouco, o quarto também não saiu das mãos. Sorte é que, do outro lado, também estava um time inexperiente, que, depois de conseguir um extraordinária virada, deixou escapar o set em erros de recepção.

Este foi o maior problema chinês, além de não conseguir parar no bloqueio o ataque dos EUA, principalmente a Hill, que teve uma noite maravilhosa.

******************************

Temos aí duas seleções relativamente jovens já com uma final de Mundial na bagagem e com atacantes poderosas. O Brasil vai no sentido contrário. Os novos nomes não se mostram à altura das veteranas e nosso poder de fogo está mais fraco. É para se ficar de olho nestas duas seleções para que não percamos o passo e fiquemos sem condições de disputar em igualdade com elas mais adiante.

Uma observação: a renovação dos EUA é incrível. Sem Hooker e Hodges, duas grandes jogadoras, a seleção ainda tem talentos para as substituírem. Hill e Murphy mas mantiveram o time competitivo e forte. 

******************************


Seleção do mundial

MVP: Hill (Estados Unidos)
Melhor levantadora: Alisha Glass (Estados Unidos)
Melhores ponteiras: Hill (Estados Unidos) e Zhu (China)
Melhores centrais: Thaísa (Brasil) e Yang (China)
Melhor oposta: Sheilla (Brasil)
Melhor líbero: De Gennaro (Itália)

Não entendi esta escolha das melhores. Pensei que fosse baseada nas estatísticas, nas quais muitas delas não estiveram na liderança. De qualquer forma, acho que, em geral, se fez justiça com o que foi apresentado nesta fase final.

De Gennaro e Alisha Glass foram, para mim, as melhores líbero e levantadora, sem dúvida. Colocaria a Kosheleva nesta premiação se levassem em conta também Rússia e Rep. Dominicana. Sem ela, Hill e Zhu são as melhores escolhas.

As centrais, para mim, seriam as duas brasileiras – mais completas, não houve em outra seleção. E oposto... acho que a Sheilla teve boa participação nestas duas últimas partidas. Acho que ontem, aliás, ela foi pouco aproveitada. Com tanta dificuldade em pontuar, a Dani deveria tê-la acionado mais porque estava bem. Mas, escolheria como melhor oposto a Murphy, entre as quatro seleções semifinalistas.

Nota: muito engraçado – e constrangedor – o Zé Roberto recebendo o prêmio Fair Play da competição. Os italianos deram ao treinador uma sonora vaia e um coro de xingamentos. Ficou chato, muito chato... As reclamações do Zé com a arbitragem não pegaram nada bem com os italianos que, além da seleção da casa, torciam também pelos EUA. 

******************************

Balanço mundial

Já havia comentado aqui rapidamente, mas repito. Esperava muito mais deste Mundial. Tivemos seleções muito irregulares e partidas pouco equilibradas. Assim como na Superliga, os problemas na recepção foram a tônica da competição e comprometeram a qualidade dos jogos.

O ponto positivo deste Mundial foi ter trazido a Itália de volta a um nível mais competitivo e ter confirmado o potencial do jovem time chinês. Talvez tenhamos a partir de agora mais seleções a se juntar à Rússia, Brasil e EUA em uma disputa mais nivelada. Vamos ver como serão as cenas dos próximos capítulos.

Comentários

Welmer Sales disse…
Eu esperei pelo título mundial por quatro anos e estava muito confiante com o time que temos. Mas assistir à derrota brasileira ontem foi extremamente doloroso pra mim. Não consegui acreditar, toda vez que lembrava do acontecido me vinha um abatimento, uma tristeza que nem lembro se já senti algo parecido antes. Foi difícil ver o sonho do título mundial se acabar com a disputa do terceiro lugar. Eu sonhava com a seleção campeã, com a matéria que passaria no Fantástico, com muitas tags nos trending topics do Twitter, com o vôlei ganhando um pouco mais de espaço na mídia, mas nada disso aconteceu, ou vai acontecer, talvez daqui a dois anos nas Olimpíadas, mas mais uma vez o vôlei vai ficar longe dos holofotes.

Falando do jogo do Brasil, eu cheguei a falar aqui que preferia que o Brasil pegasse a Itália na semifinal, pois não via no time italiano bola pra fazer frente a seleção brasileira e acho que isso confirmou na partida. As meninas simplesmente atropelaram as italianas nos dois primeiros sets e só não finalizou a partida no terceiro set pois se desconcentraram e baixaram a guarda, o que possibilitou que a torcida italiana entrasse no jogo e ajudasse as jogadoras a levarem a partida pro tie-break, mas no tie as meninas voltaram a se impôr e saíram com o bronze. Foi emocionante pra mim ver as jogadoras chorando após a vitória, não era a cor de medalha que elas queriam, mas em momento algum deixaram de lutar ou baixaram a cabeça.

Quanto à outra partida, venceu o time mais equilibrado. As americanas sacaram e bloquearam melhor e por isso venceram.

Esse mundial foi abaixo das minhas expectativas, muitos times não jogaram o que podiam e o melhor time não venceu. Sim, o terceiro lugar do mundial é melhor que os dois primeiros e não estou sendo ufanista. Infelizmente, não é sempre que o melhor ganha, mas foi triste ver China e EUA na final, times que em momento algum do campeonato empolgaram com o voleibol jogado na quadra. Brasil mesmo jogando muitas das vezes abaixo do que podia foi melhor, mas errou quando não se permitia errar e pagou caro por isso. Fica o aprendizado.

Pra finalizar quero declarar todo meu orgulho e carinho por essa seleção. Imagino o quanto deve ter sido difícil digerir a derrota de ontem, mas não foi por isso que abaixaram a cabeça e deixariam de lutar. Entraram em quadra hoje e foram em busca desse bronze. Estarei sempre na torcida por cada uma delas e espero que daqui a quatro estejamos todos comemorando o nosso primeiro título mundial.

<3

P.S.: Uma pena que talvez Sheilla e Jaque, símbolos da geração mais vitoriosa do vôlei feminino brasileiro, se aposentem sem um título mundial. Gostaria muito de vê-las em 2018, mesmo que no banco, buscando esse título.
O q significa prêmio fair play?
Paulo Roberto disse…
Ainda estou triste. Mas tomara que essa derrota sirva para o comando da SFV repensar métodos e estratégias.
Zé Henrique disse…
Chega de tristeza galera.
A vida sabe o que faz - é chato ganhar tudo.
Além do que os EUA mereceram.
Serve de aprendizado para o tri olimpico - como foi bem dito pelas meninas.

PS: Torcendo para Jackie e Sheila (principalmente) chegarem bem na Rio 2016. Para o mundial de 2018 sem chance alguma. Nem para o banco.
Lívia Sydrião disse…
Alguém me explica como eu consegui ficar mais triste com essa derrota do que com a de Atenas 2004?! Nossa, só de lembrar, bate uma tristeza:(( Além de ter que aguentar meu pai chamando elas de amarelonas de novo afff
Só de pensar que esse foi provavelmente o último mundial da Jaque, Sheilla...tomara que em 2018 elas possam estar na seleção tipo a Piccinini. Acho que elas queriam esse mundial até mais do que as Olimpíadas do Rio. Enfim, que baita tapa na cara:/
Eduardo Araujo disse…
Olá, é o mundial acabou e ficamos com o bronze, acho ate justo essa medalha, eu criticava o Brasil já no GP e avisando gente estamos pegando somente times reservas tem que ter calma com as coisas.

Veio o mundial, não sei quantos jogos o Brasil fez, mas da para contar nos dedos quais jogamos bem, grande parte do torneio o Brasil teve na virada de bola um problema, ganhávamos os jogos graças ao saque e bloqueio, mas perdíamos em ataque.

A minha preocupação era e se o bloqueio não fosse efetivo na hora H, e foi isso que aconteceu, a Dani Lins foi muito ruim e instável em 98% dos jogos, quando tinha a rede de 2 então.

O passe do Brasil também muito instável e isso cai em alguns comentários a um tempo atrás em relação a nathalia, por ela estar no grupo, alguns aqui falaram da panelinha do ZR que ela não tinha condição física para o torneio, eu ate comentei que não levaria ela que é uma atacante de força, mas levaria um ponteira que tivesse um passe melhor caso fosse necessário para o Brasil.

E é fato que quando precisamos de uma passadora melhor não tínhamos.

E por fim o ZR errou algumas vezes, essa mania de não tirar a Dani Lins em alguns momentos do jogo é irritante.

No jogo contra os EUA por exemplo Brasil ganhando o 2 set, acho que tava 10 X 2, entrou a rede de 2 atacantes, agente não rodava mais, pq não fazer a inversão? colocar 3 atacantes na rede, o jogo foi para 10 X 8, olha a quantidade de pontos que agente perdeu por causa da rede ele não fez nada, contra russia foi a mesma coisa no 3 set, so viramos quando ele mudou para o 5 x 1 e colocou a gabi no saque, mas ate ele fazer isso tomamos pontos pra caramba.

O pessoal fala de erros da arbitragem eu vi erros dos 2 lados.

Mas mudando de assunto, a superliga esta chegando e eu estou muito curioso para ver alguns times, como por exemplo o Osasco e o Praia.

Pena que a Jaque não vai estar nessa SL.
Eduardo Araujo disse…
Marcelo Fernandes

fair play significa jogo limpo, agora pq o ZR foi vaiado quando recebeu o mesmo, deixo a conclusão para vc.
Entao foi por ironia q deram esse prêmio p/ele. Fair play pra mim é quem se acusa quando a bola toca no bloqueio.

E pra mim a melhor líbero continua sendo a Brenda del Castilho da Rep.Dominicana.

E concordo com a Laura, daria o prêmio de melhor oposto p/ Murphy.
Zé Henrique disse…
Não sei se estou enxergando chifre em cabeça de cavalo. Mas o fato é que já notei que em competições que a Fabiola participa a Dani Lins vai mal.
Talvez fique insegura e erre mais.
Já notaram isso?
Eduardo Araujo disse…
Estão assistindo o Paulista de vôlei? Os meus medos estão se concretizando, o Time do Osasco não tem passe.

Não somos profissionais, mas muitos aqui falaram a mesma coisa, o time do Osasco pelas contratações que fez não teria passe!

Lembro quando eu gritava saca na Mari, hoje eu vejo o adversário gritar.

Tudo bem, esta começando o ano para os clubes, mas o Osasco já tem um certo entrosamento, afinal boa parte joga junto na seleção e a Mari jogou muitos anos com essas turma.

Como esse time esta, chego ate duvidar que o Luziomar tenha escolhido as jogadoras.

Tudo bem o time Russo veio e ofereceu um caminhão de dinheiro para a Fabíola, mas contratar a Dani Lins que possui 7 pontos, sabendo que somente 2 jogadoras por clube podem ter 7 pontos e deixar a Jaqueline de fora, ela é muito importante na seleção imagina no Osasco, sendo que a mesma já conhece toda a estrutura do clube e pior tinha a Claudinha com 5 pontos para contratar.

Outra coisa que eu acho estranho, nos últimos anos o Osasco sempre apresentou o time com a imprensa, todas as jogadoras tirando fotos e o Luziomar, explicando pq de cada contratação.

Da Dani Lins por exemplo o Luziomar não falou nada, oq eu achei foi uma entrevista da mesma falando da contratação dela, a mesma coisa nos casos da Mari e da Cubana.

Pode ate ser que por causa do fracasso do ano passado aonde o Osasco disputou 6 torneios e ganhou 3 deles, a Nestle que é a dona do time, tenha interferido e escolhido algumas jogadoras.

Prevejo os jogos do Osasco no mesmo estilo do jogo de ontem, troca de levantador, ponteiras para tentar dar um jeito na coisa.

A quantidade de vezes que a Gabi e a Samara vão entrar em quadra para tentar arrumar a casa vocês não tem ideia, são boas jogadoras, mas falta altura para elas.

Acredito que o Osasco chegue na fase de classificação da SL, já que muitos dos times não conseguem nem devolver a bola, o problema é um praia, um sesi e o rio de janeiro... que devolvem a bola só que ela vem pesada e quente.