sábado, 15 de março de 2014

#PartiuFaseFinal


Posso estar errada, mas fazia tempo que o último confronto entre Molico/Osasco e Unilever na fase classificatória valia tão pouco. Nesta edição, somente a invencibilidade do time do Luizomar estava em jogo. Ainda assim, até que pudemos ver um clássico, aquele clima de decisão que costuma acontecer, em dois dos três sets da partida.

O resultado foi o esperado, 3x0 para o Molico. A não ser que o Osasco bobeasse muito o Unilever teria alguma chance. As paulistas quase fizeram isso. Erraram demais e colocaram as cariocas em jogo. Mas, por ser um time mais organizado, teve maior controle na hora da definição e, fora o primeiro set, fechou as parciais com tranquilidade.

No Unilever, sem Fabi, a recepção ficou ainda mais vulnerável. O time tem um repertório muito bom de atacantes, mas não aproveita 1/3 do que tem à disposição. É um desperdício total, por exemplo, não poder contar com o ataque veloz (e quase único entre os clubes brasileiro) da Jucy.

************************



Agora começa a fase decisiva e vamos ter confrontos interessantes por aí. Inclusive, e principalmente, o do Unilever com o Pinheiros. A equipe de São Paulo caiu de rendimento neste segundo turno e a Ellen não é a mesma companheira no ataque para a Andreia como foi na temporada passada. Mas é um time organizado e contra o qual o Unilever teve dificuldades de jogar nos dois turnos. Bernardinho & cia vão ter trabalho. Acho que vai ser um confronto tão interessante quanto o Sesi x Praia Clube.

Confira os confrontos de quartas e as datas dos primeiros jogos (todos com transmissão do SporTV):

- Molico/Nestlé x Brasília Vôlei - 20/03, às 19h

– Pinheiros x Unilever - 21/03, às 19h

- Vôlei Amil x São Cristóvão Saúde/São Caetano - 21/03, às 21h30

– Sesi-SP x Banana Boat/Praia Clube - 23/03, às 11h


11 comentários:

Wilson Quatrochi Junior disse...

Laura, por causa do choro da Juciely o ataque pelo fundo da Thaisa nos últimos pontos e que foi tão bonito passou em branco!!! Gosto demais dessa jogadora!!!

Welmer disse...

Acho que o jogo entre Pinheiros e Unilever vai ser o jogo mais equilibrado dessas quartas, o time carioca não tá fazendo uma boa Superliga e o time do Pinheiros pode surpreender se jogar de forma consciente e se procurar errar o mínimo possível. O jogo entre Praia e SESI também pode ser bem parelho, mas o Praia não mostrou todo seu potencial nessa Superliga e o time paulistano vem numa fase muito boa, então acho que essa série tá mais para o SESI levar, embora eu vá torcer muito para que o time do Praia derrube o time da capital paulista.

Anônimo disse...

Acho q o Spencer Lee poderia investir em um novo sistema tatico! Colocar a Mari de oposto toda a partida, colocar a Leticia Hage e a Aline no jogo, Kim glass e Isabela Paquiardi nas pontas, Camila Torquete levantadora e Tassia no fundo de quadra.
Gosto mto do praia e espero q na proxima SL tenha um elenco melhor.
Na minha opniao pra poxima temporada.
Praia Club: Levantadoras; Fernandinha e Ju Carijo
Centrais; Natalia, Leticia Hage, Vivi Goes e Roberta
Ponteiras: Kim Glass, Rosamaria, Natiele e Thaisinha
Opostos: Mari e Ju Nogueira
Liberos; Michele Delogu e Killara

Aline disse...

Amil sem Tandara nao vai a lugar nenhum! Se a contusao de Tandara for realmente grave e provocar seu afastamento da equipe, ja era pro Amil!
E uma pena o classico SadaCruzeiro x VivoMinas ser na SEMIFINAL, pela grande rivalidade entre essas 2 grandes equipes, o confroto sera uma verdadeira final antecipada... Enfim, estou um pouco decepcionada pois queria ver esse classico na garande final!!!

Foi um SUICIDIO a Unilever enfrentar o Molico sem a libero Fabi. A central Valeskinha,improvisada, ate q se esforcou bastante,porem esta longe de ter o grande potencial defensivo e a seguranca no passe da Fabi. Alem disso, Mihaijlovic foi mais cacada do q nunca pelo saque do Molico, dificultando muito o levantamento.
Juciely chorou ao final da partida, mas claro pois o passe da Unilever foi mesmo de chorar, com isso Juciely foi subutilizada. A Unilever nao pode jogar sem Juciely no ataque, e para isso e imprecindivel q Fabi esteja em quadra.
Herrera ja esta com artroscopia marcada e nao joga mais nessa Superliga e provavelmente o Praia nao renove seu contrato. Herrera se contundiu em 2012 e o Praia, mesmo assim renovou c/ela e bancou toda sua recuperacao, contudo Herrera pouco pode contribuir p/o time. Por sinal, essa posicao de ponteira-passadora estaa muito problematica para o Prai, ja que 3 jogadoras da mesma funcao passaram por graves contusoes seguidas de longos afastamentos: Mari, Kim Glass e Herrera.
Mari vem aos poucos melhorando e mostrando evolucao e assumiu a posicao de titular que no inicio da Superliga foi de Kim Glass e depois de Herrera...
Parece q agora, no final da fase de classificacao, o Praia, enfim, tem um time titular definido com Monique, Ju Carrijo, Michele, Mari, Mayhara, Natalia e Tassia.
O Praia investiu pesado nas contratacoes, a central Natalia e a libero justificaram muito o investimento e vem rendendo bastante, e Mari esta melhor a cada partida. Creio q nas quartas-de-final o time vai estar melhor q na fase de classificacao e fara um belo confronto com o Sesi.

Aline disse...

MORTE AO RANKING!!
O ranking e inconstitucional, pois cerceia o direito de IR E VIR dos jogadores!!!
Fernanda Garay foi praticamente EXPULSA do MolicoNesrleOsassco e literalmente EXTRADITADA do volei Brasileiro por causa desse ranking!
Esse ranking e TOTALMENTE DISCRIMINATORIO E DITATORIAL, os atletas na deveriam se submeter a ele.
Os jogadores deveriam entrar na JUSTICA DO TRABALHO contra o RANKING!
Deveriam impetrar uma ACAO DE INCONSTITUCIONALIDADE!!!
Cade a Princesa Isabel do volei para acabar com essa escravidao do renking?
Liberdade e um direito fundamental garantido pela constituicao!!!
Liberdade ainda q tardia!
Liberdade, liberdade abre as asas sobre nos, e q a voz da igualdade seja sedmpre uma so voz!
Vamos propiciar a QUEDA DA BASTILHA do Volei, a nossa Revolucao Francesa: LIBERTE, IGUALITE ET FRATERNITE!!
Mandem esae ranking pra GUILHOTINA URGENTE!!!

Eduardo Araujo disse...

Oi gente faz tempo que eu não escrevo, mas sempre estou lendo, viram oq os clubes fizeram?

Como todo mundo sabe a Nestle é dona do Molico e geralmente investe pesado no clube, falam que em media o investimento chega a 20 milhões.

A empresa tem, pode e quer investir essa quantia, nos 3 últimos anos ela montou super times pode ate não ganhar mas no papel é!!!

Tem um grupo de jogadoras muito bom que se da bem e um técnico que é parceiro como diz o murici das jogadoras.

A estrutura do time é boa, paga bons salários e em dia, todos esses fatores fazem com que as jogadoras queiram jogar no Osasco.

Se você pegar a pontuação e as regras que foram alteradas o ano passado vai achar muita coisa estranha.

Enfim a pontuação do ano passado, tentava acabar com o super time do Osasco, mas como a Nestle tem grana foi buscar jogadoras de nível alto lá fora.

Na regra dessa SL fala que jogadoras estrangeiras vem com a pontuação 0, com isso o Osasco e ainda tem espaço na pontuação para ficar com a Jaqueline pq a regra permite ate 3 jogadoras de pontuação 7.

Como o Gustavo disse "o dinheiro forma super times estão tentando a 2 anos acabar com os super times do Osasco e não conseguem".

A CBV seguiu a recomendação dos jogadores e propôs o fim da pontuação, mas a Amil e o Unilever recusaram sabendo que não podem investir a mesma quantidade que a Nestle investe.

De acordo com o Gustavo e o Murilo, nas reuniões do clubes para decidir a pontuação dos jogadores é ate piada.

Olha o exemplo que eles falaram, se um clube quer um determinado jogador(a) o clube vota em abaixar a pontuação desse atleta, mas se o clube não quer que um determinado jogador(a) vá para um determinado clube o mesmo vota em aumentar a pontuação desse jogador(a).

Ou seja é um sistema que não funciona pq não tem critério.

Agora a nova regra é mais uma tentativa para acabar com os super times da Nestle.

Jogadoras de base vai ter pontuação, somente 2 atletas de 7 pontos vão ser permitidos em cada clube e atletas estrangeiras já chegam valendo 5 pontos.

Oq teremos que ver é quantos atletas de 7 pontos a SL tem? tem time suficiente para bancar esses atletas? os atletas vão ficar sujeitos a salários menores por não ter mais clubes para jogar?

Como a Jaque disse na SL ser bom é crime...

Eduardo Araujo disse...

Gente me ajudem aqui, estou olhando a pontuação das jogadores.

O SESI tem 2 atletas de 7 pontos.
O Amil tem 2 atletas de 7 pontos.
O Molico tem 2 atletas de 7 pontos.

Vendo os times o único time que não possui atletas de 7 pontos é o Unilever.

Olhando o lado da Jaqueline que reclamou nas redes sociais falando que não teria aonde jogar...

Sobrou para ela o Unilever, oq é uma situação difícil, já que ela é mãe agora.

Mas nesse caso teria que o Murilo ficar em SP e ela no rio com o filho.

Situação complicada! penso que seria mais correto a cbv colocar os pontos nos atletas, dessa forma na teoria ela não teria interesse, oq acontece hoje quando os clubes que colocam a pontuação.

E a tendência é piorar para o futuro, já que vcs viram a quantidade de atletas com 6 pontos a SL possui?

Paulo Roberto disse...

Na verdade o Molico tem 3 atletas nível 7: Jaqueline, Sheila e Thaísa. O ranking é definido de acordo com interesses escusos dos clubes. No masculino o maior beneficiado foi o Sesi. Alguém me explica como o melhor jogador do mundo desde da Liga Mundial de 2009 até Londres 2012 (Murilo) recebe pontuação 6? No feminino o grande beneficiado foi a Unilever, Sara Pavan valendo 6, nenhuma vale 7. Rídiculo.

Agora se os jogadores estão insatisfeitos que se unam de maneira séria, que se articulem que arregacem as mangas.

Aline disse...

Eu acho que separar jogadores por pontuação é UMA ATITUDE DISCRIMINATÓRIA!
Jogadores não deveriam aceitar serem rotulados como mercadoria!
Como uma jogadora que está um tempão parada, primeiro por contusão e depois pela gravidez recebe 7 pontos???
E, como seu marido, Murilo, que é um dos melhores do Mundo recebe 6???
Na verdade ne Jaqueline deveria receber 7, nem o Murilo 6, ambos não tinham que receber ponto nenhum! Afinal eles não são mercadoria!
Acho injusto ter que separar um casal, ainda mais com filho recém-nascido devido a um RANKING injusto que impedem as pessoas de jogaram onde querem!
Recorram à Justiça do Trabalho!
Procurem o Ministério Público para impetrar uma ação de INCOSTITUCIONALIDADE contra esse ranking.

Anônimo disse...

INEXPLICÁVEL a diferença de pontuação entre o casal JAQUELINE e MURILO.
RANKING INJUSTO, FAJUTO, CORRUPTO, IMORAL, INDECENTE: NÃO DEVERIA EXISTIR!!!

Eduardo Araujo disse...

Acho que o Rank ate poderia existir, mas pontuado e administrado pela CBV e não pelos clubes.

Teria que existir critérios claros, assim evitaria esses absurdos na pontuação.

Vocês perguntam pq a Jaque, ainda tem pontuação 7, mesmo tendo ficado parada 1 ano.

Eu vejo da seguinte maneira, puro e simples interesse dos outros times, afinal eles que colocam essa pontuação na jogadora.

Se a ideia é acabar com os super times que a Nestle vem fazendo a 3 anos, como eu disse antes pode ate não ganhar, mas no papel são super times sim!!!, e sabemos que é bem mais difícil ganhar de super times.

Por esse motivo votaram para que os clubes tivessem somente 2 jogadoras de 7 pontos, se eles colocassem a pontuação da jaque para 6 pontos, para o Molico/Nestle não ia mudar nada, o time iria ficar como esta.

Então para afetar o Molico para a próxima temporada a Jaque foi mantida com 7 pontos.

Segue alguns comentários do Luziomar sobre o Rank, tirado do site melhor do vôlei.

"Eu estou tranquilo para falar sobre o ranking, pois nossa equipe votou pelo fim do ranking. Eu acho que o ranking já teve seu propósito, mas hoje ele não é determinante. Tirar o direito das jogadoras de ir e vir não é legal, mas se essa é a regra, somos voto vencido, vamos continuar trabalhando. Teoricamente teríamos mais uma jogadora com 7 pontos, a Jaqueline, mas quando terminar a temporada, a gente vê o que vamos fazer."

"Eu acho que o grande problema é o direito de ir e vir das jogadoras. Antigamente o proposito era não formar superequipes. Hoje, numa equipe como a nossa, uma central, sabe que tem Thaísa e Adenízia, vai querer vir jogar aqui? Então a gente acaba investindo em jogadoras mais jovens. A Samara (hoje no Pinheiros) era uma jogadora que a gente queria que ficasse, mas ela queria jogar e saiu. Então acho muito difícil de se fazer um supertime."

"As jogadoras nível 7 ficam muito limitadas. São oito, para quatro grandes investidores, como o Praia por fora, então vai ter que se ajustar naquilo ali. Os clubes menores, que as vezes forçam a manutenção do ranking, eles não entendem o investimento da nossa equipe. Vou dar um exemplo, do Maranhão, um projeto que gosto muito, que teve o melhor público, mas o quanto foi importante para isso a nossa equipe, a do Campinas, o Sesi, o Rio de Janeiro, ir lá e lotar o ginásio? Será que se não tivesse as grandes estrelas aqui, eles teriam o recorde de público? Então o papel que as equipes grandes fazem para as equipes menores, as vezes não é entendido. Hoje temos o mundial no calendário, que a gente já teve a oportunidade de vencer, mas não dá para ir lá com 32 pontos e competir com times que além de ter as melhores jogadoras de seu país, tem algumas estrangeiras de nível."