Os outros é que mudaram


O 20x16 está se tornando o 24x19 desta nova foram de pontuação dos sets. E está surgindo um especialista em recuperar o placar quando o adversário está somente a um ponto para fechar o set, o Pinheiros.

Só que, ao contrário do que aconteceu contra o Banana Boat/Praia Clube, o Pinheiros chegou até a virar o placar, mas não venceu o set. Acho que estas recuperações refletem o que de melhor tem o time da capital paulista, que são a persistência e a capacidade de se aproveitar das fraquezas adversárias.

O problema é que, no segundo turno, o Pinheiros tem encontrado adversários mais bem estruturados. Ou seja, existem poucas brechas para crescer em cima do concorrente. E a sua própria capacidade não tem sido suficiente para vencer.O Pinheiros continua o mesmo, mas os outros não.
 
*********************

O principal problema do Pinheiros tem sido o da maioria das equipes desta SL, o passe. Mas a dependência de bolas mais velozes é maior no time do que nos demais. Andrea e Ellen precisam de aceleração. Da mesma forma, as jogadas com as centrais mal existiem.

Samara está claramente ansiosa no passe. Recebe a bola “andando”, já se encaminhando pro ataque. Ora, ela não é a principal opção de ataque, não tem que se preocupar com isso. Seria bem melhor para o time se ela estivesse mais focada em fazer seu papel no fundo de quadra e deixasse a responsabilidade do ataque para as colegas.
 
*********************
 
O Vôlei Amil está, aos poucos, conseguindo se desprender da dependência da Tandara. A Claudinha saiu do automático, ela parecia programada somente para jogar com a oposto. Agora, quando o passe está legal, a levantadora está variando mais o jogo.

A contusão da Wal pode pesar e restringir as opções de ataque. A Angélica aos poucos volta a encontrar o ritmo de jogo e a Gattaz está bem apagadinha. Não contribui nem no ataque nem no bloqueio. A entrada da Angélica é até um investimento para a fase final, mas o ideal era que não fosse no lugar da Wal...
 
 
*********************


Que belo segundo turno o Sesi tem feito! A vítima desta vez foi o Praia Clube, vitória por 3x0. Mas fica difícil não falar da decadência do Praia... Acho que o Spencer, infelizmente, perdeu a mão do time, que enfrenta muita dificuldade em pontuar no ataque e está a moral cada vez mais baixa. Moral que vai ser difícil de recuperar: nos três próximos jogos o Praia joga contra os três primeiros colocados.

Comentários

sidnei trindade disse…
O Praia Clube é que não evoluiu como os demais times, Com o potencial que tem as opções, que nenhum outro time tem nas pontas e no meio está devendo. O Spencer está sendo teimoso com as gêmeas, ontem o Monique fez quatro pontos, pouco para um oposto. A Michele fez dois, é preocupante. São jogadoras técnicas e disciplinadas taticamente por isso tem a simpatia do técnico, mas precisam virar bolas. Quanto ao Pinheiros, brilhante sua análise, acho que atingiu o máximo de potencial antes das outras equipes, e vi no primeiro turno um time que quase não errava, não importava o placar, nas vitórias contra o Amil, deu tudo certo. Acho que o Vagão está indeciso quanto a levantadora. revezamento de levantadoras pode dar certo uma ou outra oportunidade, sempre não. Já vimos muito esse filme: Dani Lins x Fabíola x Fernandinha; Ana Tieme x Ana Cristina, etc. O Amil se melhorar na recepção pode dar trabalho, A Kristin agora está ajudando,tá jogando muito, e se a Natália jogar o que sabe, o time fica muito competitivo, pois a Tandara dificilmente joga mal, participa muito do jogo na defesa e no ataque.
aline disse…
A briga pela oitava vaga nas quartas-de-final vai ser ferrenha entre PINHEIROS, BARUERI e SÃO CAETANO.
Pinheiros e S.Caetano estavam tranquilos no primeiro turno, mas agora vem ladeira abaixo enquanto isso o Barueri vem para incomodar.

Qdo. um time começa a brigar e se desentender, por melhor que sejam os valores individuais, a maionese desanda, pois o time não funciona como equipe… Apesar de ter reforçado bastante o elenco com contratações de peso como: Tássia, Kim Glass, Mari e Natália Martins e a aposta na recuperação de Herrera, o time parece estar em conflito e tem se dado mal contra adversários com elenco mais modesto…
Das contratações, a líbero Tássia e a central Natália valeram bastante o investimento, são excelentes jogadoras e estão fazendo uma ótima Superliga… Porém, Kim Glass, Herrera e Mari, devido Às contusões e não estarem no melhor de sua forma estão demorando a dar resposta. Kim estava muito bem no time, mas se contundiu e Herrera não está no seu melhor para substituí-la bem, principalmente no fundo de quadra onde KIM faz muita falta… Mari por sua vez, tbém não é especialista no fundo e ainda não está 100%…
Admiro muito a MARI do passado, mas há muito tempo ela não tem condições de repetir as atuações que teve neste passado…
A MARI que despontou e apareceu para o mundo no time do OSASCO não é a mesma há muito tempo. Não teve as mesmas atuações brilhantes do passado nas suas passagens pelos times do SÃO CAETANO, UNILEVER, FENERBAC e agora, PRAIA CLUB…
MARI tem que ter paciência, está voltando de contusão e está longe de ser aquela MARI do Osasco, seria muito interessante que ela voltasse a jogar como antes no OSASCO, mas tem que ter paciência…
João Lucas disse…
O técnico Spencer Lee parece não ter o time na mão e tenho a impressão de que a comissão técnica de Uberlândia gastou mal o dinheiro. Herrera voltando de lesão, Mari há muito tempo já não é mais a mesma e Glass se lesionou aí o time fica dependente de uma excelente recepção para jogar com o eficiente ataque das meios Mayhara e Natália, ao contrário disso, fica refém das gêmeas Monique e Michelle que podem ser habilidosas e tal mas estão longe de ser definidoras. Soma-se isso a pífia temporada de Tássia no fundo, a ineficiência de bloqueio (nem as centrais bloqueiam, apesar de boas atacantes) e as jacas das levantadoras Camila Tourquete e Juliana Carrijo (já vi a reserva jogar melhor do que isso). Spencer parece não saber o que fazer com seu voleibol de volume em que ninguém define e certamente morrerá novamente na praia.

A queda do Pinheiros era esperada. O time de Wagão é um dos mais organizados taticamente e necessita de bolas aceleradas e criativas e isso só é possível com Macris em quadra, com Ananda o time dificilmente engrena e ainda tem a queda de rendimento de Samara (que tem um bom fundo de quadra). A ponteira só volta a render bem quando entender sua função tática e de coadjuvante, ela deve se preocupar primeiro com a recepção para que Ellen e Andrea possam brilhar. Outra dificuldade que vejo em Ananda é suas poucas bolas de meio, Lara Nobre e Andrea batem excelentes chinas.

Já o Sesi é outro time e tem jogado muito bem, e o time só tem a crescer com as voltas de Priscila Daroit, Juliana Costa e Mari Cassemiro. E ainda tem as excelentes atuações de Ana Beatriz e Fabiana. Mas quem tem chamado mesmo a atenção é Ivna Marra que tem sido a definidora do time e a líbero Suellen.

O Unilever é aquilo, um time sem passe que tem sobrevivido aos excelentes bloqueios de Ana Carolina e aos eficientes ataques e saques da sérvia Brankika, sobre a ponteira estrangeira do time carioca vale uma observação: não adianta nada dar porradas e fazer um caminhão de pontos e depois entregar todos na recepção de saque. Gabriela e Juciely estão muito mal, não tem jogado como na temporada anterior. Sarah Pavan ainda não aprendeu a bater forte na bola e tenho tido pena de Fabi, deve ser difícil ter que cobrir a quadra sozinha. O time anda sem levantadoras, pois, Fofão está de molho e mesmo se estivesse bem já não é a mesma de outrora e falta a Roberta experiência.

O time do Molico é aquilo, erra bastante e jamais deve ignorar as bolas com Thaísa, é a central que vem carregando o piano. As ponteiras são todas inconstantes, tanto na virada de bola, quanto na recepção. Sheilla apesar de
' ser a maior pontuadora do time não tem funcionado muito bem. Adenizia vem em uma crescente assim como Camila Brait e Fabíola vem muito ruim e imprecisa depois do corte em Londres. E no banco ninguém resolve, inclusive a imprecisa levantadora Ana Maria.

Vejo as senhoras de Brasília numa crescente assim como a equipe de Barueri e estou encantado com o voleibol da central Valquiria do Minas.

Entretanto, vejo um time com reais possibilidades de estragar a hegemonia da dupla Rio e Osasco e esse time é o time comandado por Zé Roberto. Com a volta de Angelica o time só tem a ganhar. Claudia me parece mais segura e a americana é boa de bola. Arrisco a dizer que o dia em que Natália, Tandara e Kristen jogarem bem este time ganha de qualquer um.
Laura disse…
Oi, pessoal!

Sidnei, acho q vc tem razão nesta questão das levantadoras no Pinheiros. E assim como o João Lucas e o tuliobr, acho q a decisão do Wagão deveria ser pela Macris. A Ananda tem sofrido com o passe, sem dúvida. O q ela correu no último jogo não foi brincadeira... Mas o estilo de jogo da Macris combina mais com a necessidade do ataque do time.

João Lucas, tb acho que o Amil é o time em condições de quebrar a hegemonia Rio-Osasco. Se destacou do grupo do meio e mostrou evolução, ao contrário do Unilever.

Agora, sobre o Praia, fica difícil dizer sobre os investimentos. Sempre achei que a contratação da Mari era uma aposta. Era complicado saber como seria a sua recuperação. Já a Herrera, imaginei que a volta seria mais tranquila e, por isso, achei importante a sua manutenção. É uma jogadora diferenciada, difícil de se achar no mercado.

O Spencer conseguiu fazer um bom time mesmo sem a cubana na temporada passada. Não sei, desta vez, a fórmula não funcionou.
Anônimo disse…
A Mari não volta mais a jogar em grande nível.
O tempo não para, galera - Já dizia Cazuza.
No esporte então...
Laura, gostei da alusão titânica no post abaixo.

PS: Alguém poderia me dizer qual a primeira competição da seleção esse ano?
Saudade de ver Dani Lins jogando. <3

Zé Henrique
aline disse…
A grande diferença entre a equipe feminina do SESI e a masculina do ex-RJX é a quantidade de atletas, o SESI tem 20 jogadoras no elenco enquanto o RJX tem só 10.
O fato é que o SESI preferiu montar uma equipe completa com peças de reposição, prevendo um campeonato longo e desgastante como a superliga, ao passo que o RJX fez um elenco CARO e com poucos jogadores. O resultado é que mesmo com a contusão de MARI CASSEMIRO, JU COSTA e DAROIT, o SESI TEVE PEÇAS DE REPOSIÇÃO DISPONÍVEIS NO ELENCO, enquanto o RJX NÃO.
Impressionante, mas a contusão de PRI DAROIT acabou fazendo bem ao SESI. A entrada da ponteira SUELLE deu estabilidade e segurança ao time no fundo de quadra, além de aumetar a qualidade do bloqueio na entrada de rede.
O SESI vem num crescimento constante, a final da COPA BRASIL já foi muito melhor que a final do PAULISTA.
Com passe na mão D.Lins tem oportunidade de jogar com suas excelentes centrais Fabiana e Bia e não sobrecarregar tanto as ponteiras.
O SESI jogando com suas centrais torna-se um time muito forte, muito mais poderoso do que jogando só coma as ponteiras
Acho que no SULAMERICANO, na excelente fase em que está, o SESI tem totais condições de ganhar do MOLICO/NESTLÉ, espero um jogo bem disputado.
Anônimo disse…
Gente quem lembra da Angela Moraes, barraqueira, jogava muito.

E a Bia Chagas q fim levou?
Anônimo disse…
Mais uma vez o voleibol brasileiro mostrado q e a força da america do sul, Molico/Osasco e Sesi-Sp estao sobrando no sul americano de clubes.
Alguem sabe me informar qual o proximo compromisso da seleçao ? Ancioso pra ver Thaisa, Jucy, Adê, e companhia dominando o cenario do volei mundial denovo.
aline disse…
O PINHEIROS jogando com MACRIS, a melhor levantadora das estatísticas, fez um 3×0 fácil no Barueri… Com Macris no banco e Ananda de titular estava indo ladeira abaixo… Alguém notou a diferença???

HORA DA REVANCHE: Chegou a vez do SESI!!!
A terceira final consecutiva entre SESI e MOLICO promete ser a melhor de todas, pois o SESI vem numa crescente e subindo de produção e concentração a cada jogo. Acho que dessa vez dá SESI. Na final da COPA BRASIL o SESI se apresentou melhor que na final do PAULISTA, agora tem tudo pra ser melhor ainda.
Estou gostando muito da evolução do time do SESI, que encontrou seu caminho em 2014 e está jogando um lindo voleibol.
Na verdade esse CLUBE LIGA NACIONAL DO PERU é a própria SELEÇÃO PERUANA DE VÔLEI, elas vieram com a seleção disfarçada de CLUBE e trouxeram as melhores jogadoras que elas tem e só conseguiram dar um calorzinho no MOLICO e levar uma SURRA do SESI…
Se a SELEÇÃO PERUANA disputasse a SUPERLIGA talvez sequer se classificasse para as QUARTAS-DE-FINAL… Quem diria heim, onde o vôlei peruano foi parar???