domingo, 1 de setembro de 2013

GP de volta às mãos brasileiras

Brasil 3x0 China

Passei a semana inteira esperando que aparecesse alguma seleção capaz de desafiar o Brasil e, no fim, não houve time capaz de sequer ameaçar a nona conquista brasileira do Grand Prix.

Os que seriam os adversários mais fortes, Sérvia e China, desmembraram seus times para enfrentar o Brasil. Um set mais complicado aqui, outro acolá, mas a verdade é que o rumo para o título foi bem mais fácil do que se imaginava.

Independente das escolhas dos adversários, o Brasil fez a sua parte. A equipe se mostrou madura, redondinha e com uma relação bloqueio-defesa muito bem desenvolvida, capaz de parar todas as seleções que enfrentou na fase final.

*************************

O Brasil, por si só, mostrou um ótimo voleibol. Foi a seleção que mais levou a sério o GP. O Zé Roberto mostrou desde o início que queria o título e o levou. Pena que a seleção não pôde ser mais testada, enfrentou equipes frágeis e, ao contrário do Brasil, pouco focadas no título.

A realidade é que, ao contrário da primeira fase e do que se esperava, a final do GP foi decepcionante pela baixa competitividade e qualidade.


*************************

As seleção do GP 2013

MVP: Thaísa (Brasil)
Melhor oposta: Brakocevic (Sérvia)
Melhores ponteiras: Mihajlovic (Sérvia) e Zhu (China)
Melhor líbero: Fabi (Brasil)
Melhores centrais: Thaísa (Brasil) e Rasic (Sérvia)
Melhor levantadora: Alisha Glass (EUA)

A premiação do GP contemplou as duas jogadoras brasileiras que, ao meu ver, foram determinantes para o salto de qualidade da seleção: Thaísa e Fabi.

É muito bom que o trabalho da Thaísa na seleção tenha sido reconhecido com o prêmio de MVP. É uma central completa: forte no bloqueio, ataque e saque – e, de brinde, tem habilidade no levantamento. E tem uma característica que nem sempre se vê numa meio de rede: é capaz de mudar o desempenho de um time, ser o seu diferencial.

Em relação à Fabi, antes da Olimpíada de Londres questionávamos muito a permanência da líbero como titular da seleção. A Camila Brait apareceu forte e com atuações melhores. Mas a verdade é que, desde os Jogos, a Fabi mostrou que é dona da posição.

A entrada dela no time, neste GP, ajudou a equilibrar o passe e deu outra disposição à defesa. . A Brait não vive a sua melhor fase, mas ainda tem condições de voltar à briga. Só que vai ser difícil a Fabi bobear e abrir espaço para a concorrente.

*************************

Giro pelo GP

Sérvia 3x2 Itália; Estados Unidos 3x2 Japão

- Deve ter sido um complô contra o Brasil as seleções da Sérvia, China e Itália não colocarem seus times mais fortes em quadra... Fora de brincadeira, não entendi a estratégia de Sérvia e Itália para esta partida final.  Se queriam tanto preservar os elencos para o campeonato continental, que começa semana que vem, por que, exatamente no confronto entre elas, escalam as titulares? Faria muito mais sentido poupar e esconder o jogo contra o adversário que pode cruzar seu caminho no Europeu.

46 comentários:

Welmer disse...

Laura, só uma correção os EUA ganharam de 3x2.

E concordo com quanto as seleções da Sérvia e da Itália. Se ambas queriam preservar seus times titulares, por que não jogaram com as reservas hoje?

Eu não consegui ver nenhum jogo do Brasil, mas pelos placares parece que o Brasil foi o único a levar esse GP a sério. Acho que o Brasil vai chegar forte para o próximo Mundial. Esse grupo já forte, e quando se juntar a ele Nati, Tandara e Jaque, vai melhorar ainda mais. Agora, é aguardar o início da SL que parece que vai ser bastante equilibrada e esperar que esse equilíbrio se confirme.

Anônimo disse...

A Sérvia, a Itália e a China nao jogam com suas melhores jogadoras contra o Brasil simplesmente pq acham d qqr forma o Brasil imbatível, e tentam poupá-las, fisica, emocional e moralmente evitando o confronto. Lamentável.

Luiz Felipe disse...

Para mim, o que fica desse GP é que o Brasil pode ter um time competitivo com baixa média de altura. Confesso que não acreditava no início desta temporada que um time com duas ponteiras com menos de 1,80 poderia levar o título mais importante do ano.

No caso da Garay, nada mais há a provar. Acho que ela inclusive já leva vantagem em relação a Tandara e Natália na briga pela titularidade nas pontas, considerando Sheila ainda intocável como oposta titular.

Creio que ninguém contava (eu pelo menos certamente não) com o fantástico desempenho de Gabi, principalmente nestas finais. Acho que ela já está botando pressão nas duas grandalhonas que retornarão à seleção em breve...

R.Tigre disse...

Laura, achei importante o Ze nao ter poupado Gabi Guimaraes dessa fase final. Essa juvenil virou tirar em 2013 na Motreaux Volley Masters, ganhou o torneio de Alassio e agora o GP.
Gabi Guimaraes me lembra a Mireya Luis, uma baixinha pra la de arretada, juvenil com postura de veterana, comportamento concentradissimo, eficiente e objetiva.
Agora, porque sera que as equipes Europeias nao quiseram entrar com forca maxima contra o Brasil???
Italia: enfrentou o Brasil sem Carolina Costagrande e sem Valentina Arrigheti.
Servia: enfrentou o Brasil sem suas melhores atacantes Brankica Mihajlovic e Jovana Brakocevic.
Decepcionante!!!
Gostaria de ver BrasilxItalia e BrasilxServia pra valer, com forca maxima…
Porque sera q as europeias estao escondendo o jogo contra o Brasil?
Sera que ja estao pensando no Mundial 2014?
No confronto entre elas Servia 3×2 Italia, voltaram a jogar com forca maxima com Costagrande, Arrigheti, Mihajlovic e Brakocevic em quadra…
Sera medo do Brasil?
Sera o que?
Nao gostei dessa selecao do GP eleita pela FIVB!!!
A melhor ponteira desse GP foi,sem duvida, “GABI GUIMARAES”, essa juvenil fenomeno foi uma jogadora completa: pontuou em todos fundamentos e ajudou muito no fundo de quadra. Gabi tinha que estar nessa selecao.
Nao sei como sao feitas essas estatisticas de levantadora, mas ocorre que nao refletem a realidade em quadra. Alisha Glass nao afez boas partidas nessa fase final, nao merecia estar na selecao do GP.
Minha selecao do Grand Prix seria:
Ponteiras: Gabi Guimaraes e Brankica Mihajlovic
Centrais: Taisa e Milena Rasic
Oposta: Jovana Brakocevic
Libero: Fabi
Levantadora: Noemi Signorile, que torceu o tornozelo no meio da partida contra os EUA e nao pode atuar mais no GP.

R.Tigre disse...

Laura, ja parou para pensar que a UNILEVER esta com as 2 melhores ponteiras do mundo na atualidade: Gabi Guimaraes e Brankica Mihajlovic?
Tem tbem a melhor libero do mundo, Fabi.
E a melhor levantadora em atividade do mundo, Fofao.
Ainda tem Juciely e Sara Pavan!
Com certeza Unilever tem tudo para conquistar o Campeonato Mundial!!!

Laura disse...

Opa, é verdade! Obrigada pela correção, Welmer.

R.Tigre, eu não colocaria a Gabi como uma das 2 melhores ponteiras da atualidade, mas é impossível negar q ela está em ótima fase. A gente esquece completamente da altura dela. Mas vc lembrou mto bem,o Unilever tem uma dupla de ponteiras e um grupo muito fortes.

Bernardo disse...

Para mim depois do sacode da seleção brasileira contra os EUA as outras seleções ficaram com medo e aí decidiram poupar algumas jogadoras para não perderem de feio. No caso da China acho que a Zhu foi poupada pela pouca idade para não sofrer tanta cobrança já que iria ser a jogadora caçada na recepção.

Anônimo disse...

Ok, esta Gabi teve uma boa participação, mas não dá, definitivamente, para dizer que ela é "fenômeno da natureza"...kkk...Pelo amor, tem gente comparando com Mireia Luís, quando li isso parei...rs...Para chegar ao patamar de Mireia precisa ganhar 3 olímpiadas primeiro, saltar a 3,35m e ter potência no ataque. Se esta Gabi fizer isto um dia, podemos "comparar", por enquanto é uma promessa que se destacou em um ano de entressafra do vôlei mundial, simples assim! De promessa que não vinga estamos bem servidos, que o diga o exemplo recente da Natália!

Anônimo disse...

Anônimo disse tudo! Pode vir a ser uma grande jogadora,já é uma boa jogadora, não tremeu com a camisa do Brasil, mas pegou competições fracas tecnicamente. Tenho certeza que virá a ser uma das nossas principais referencias mas por enquanto é promessa!

DEL SILVA disse...

Laura, acho que alguns tecnicos pouparam suas jogadoreas para dificultar os estudos dos brasileiros, lembram que em londres, o brasil estudou por muitos jogos a Davis, para depois anular o esquema americano. Acho que China, Servia, e Itália, guardaram suas jogadoras para 2014, visando dificultar o estudo do Brasil em cima das suas principais estrelas.

ALTURA DA GABRIELA GUIMARÃES NO MÍNIMO 1,80m disse...

Há um grave erro de atualização dos dados da Gabriela Guimarães no site da FIVB, provavelmente falha da CBV que não atualizou os dados dela.
Os dados de "Altura, Alcance da Ataque e Alcance de Bloqueio" do Grand Prix 2013 são os mesmos de quando ela disputou o Mundial Infanto-Juvenil em 2011 na Turquia quando ela tinha apenas 17 anos e ainda jogava pelo Mackenzie.
Atualmente, jogando o Grand Prix, com 19 anos, mais alta, mais potente e com maior impulsão os dados dela continuam desatualizados.Quem assistiu aos jogos viu que no mínimo ela tem a mesma altura que a Fernanda Garay e, em relação à impulsão, ela é a jogadora de maior impulsão da seleção brasileira. Ela está pegando a bola muito alto e atacando pra baixo.
Anônimo, Gabi Guimarães não é promessa, é realidade!
O que dizer de uma garota que aos 18 anos, pôs LOGAM TOM no banco da UNILEVER em 2012, e que aos 19 anos,em 2013, substitui a Jaqueline no grupo das titulares que foram campeãs olímpicas e já é a principal atacante da seleção adulta, a bola de segurança da Dani Lins...
Enfim, Gabriela Guimarães não é nenhuma promessa, é uma realidade.
Que ponteira "JUVENIL" em seu primeiro ano como titular da seleção adulta teve uma estreia tão impactante quanto a dela? Não me recordo de nenhuma!

Anônimo disse...

É verdade, a altura e o peso da Gabi Guimarães estão desatualizados sim:
No site do Mundial Infanto de 2011 ela tinha 1,76m de altura e 59Kg e no site da UNILEVER ela está com 1,80m e 64Kg.
Ou seja, ela cresceu em altura e ganhou peso em massa magra muscular e claro está com uma impulsão impressionante.

Aline disse...

Não concordo come esse time do GP eleito pela FIVB, pra mim a seleção do campeonato seria:
Meios-de-rede: Thaisa Menezes(MVP merecidamente, melhor sacadora, melhor bbloqueadora do GP) e Milena Rasic
Oposta: Jovana Brakocevic
Ponteiras: Gabriela Guimarães(a maior impulsão da seleção brasileira, bola de segurança da Dani Lins) e Brankica Mihajlovic
Libero: Fabi Oliveira(Não existe nenhuma líbero no mundo capaz de fazer as defesas incríveis que ela faz, simplesmente "THE BEST")
Levantadora: Haruka Miyashita ou Noemi Signorile, duas novatas de alta qualidade que estão substituindo duas das melhores levantadoras da história, Takeshita e Lo Bianco.
A maior injustiça foi a FIVB ter deixado a Gabriela Guimarães de fora dessa premiação, ela manteve uma regularidade incrível desde o início do GP aqui em Campinas até a última partida contra a China. Sou totalmente contra a premiação da Zhu Ting, ela não é uma ponteira completa, ela só ataca bem, mas falha muito nos outros fundamentos, principalmente no passe, já Gabi é muito mais completa e tem um fundo de quadra muito melhor do que essa Zhu Ting. Brankica Mihajlovic mereceu a premiação, mas deveria estar acompanhada da Gabi na seleção do GP.
O que Alisha Glass estava fazendo nessa premiação? Não mereceu mesmo.

Aline disse...

depois da surra que os EUA levou na estreia da fase final, parece que as seleções ficaram com medo de enfrentar o Brasil, principalmente as europeias que pouparam suas principais jogadoras. Não sei se é medo, respeito ou covardia dos técnicos, ou se querem evitar um trauma psicológico de levar uma surra do Brasil às vésperas do Campeonato Europeu.
Porque realmente levar uma sova como a que os EUA levou é traumatizante, tanto que as americanas perderam totalmente o rumo e ficaram em último lugar e só conseguiram ganhar do Japão no ite break, porque as japonesas, que jogam sempre no último horário, terminaram a batalha de mais de 2 horas contra as chinesas muito tarde, saíram exauridas do combate, e em menos de 24 h tiveram que enfrentar as americanas.

Luiz Felipe disse...

Também não concordo com a escolha das melhores jogadoras.
Thaísa, Fabi, Brakocevic e Rasic realmente mereceram.
Agora com relação as ponteiras, a impressão que fica é que só levaram em consideração o ataque, não consideram outros fundamentos como Bloqueio, Defesa e Recepção!
A Zhu fez 74 pontos e a Mihajlovic fez 72. Enquanto que tanto Gabi como Garay marcaram 68 vezes.
Agora com relação a levantadora não concordo de jeito nenhum. Dani Lins distribuiu o jogo muito melhor que a Glass. Pela própria pontuação das brasileiras isso fica claro! O Brasil não teve nenhuma jogadora entre as 5 maiores pontuadoras.
Na estatística Glass ficou em 1º e Dani em 2º.
Mas a Glass cometeu muito mais erros de levantamento que a Dani, Glass errou 11 vezes enquanto que a Dani errou apenas uma bola.

Zé Henrique disse...

Laura, não houve competitividade no que diz respeito a seleção brasileira. Pois está no momento dois ou três degraus acima das outras seleções - que estão em um trabalho de renovação mais radical.
Agora, excetuando o Brasil, os outros jogos foram bem competitivos.
O Brasil foi o Schumacher, na fase em que ele ganhava tudo e a Formula 1 não tinha graça.
Duas observações:
Essa Gabi é diferenciada. Inclusive em termos de força de caráter. Veio pra ficar.
E a minha querida Dani Lins também tomou conta da posição.
Aliás, uma levantadora que faz nos cinco jogos finais do torneio 4 de suas companheiras MVP das partidas e na quinta a própria ganha é que deveria estar na seleção do campeonato.

PS: O saldo foi ótimo e as perspectivas para o futuro são ótimas.
Sorry, urubuzada. :-)

Evelyn disse...

Concordo contigo Luiz Felipe, acabei de olhar a estatísticas da FIVB e constatei pasma que a Glass foi a levantadora que mais cometeu erros nessa fase final, foram 11 erros de levantamento. Nenhuma das outras levantadoras da fase final chegou a casa dos 10 erros. Sendo que Dani Lins e Noemi Signorile cometeram apenas 1 erro.
Vale lembrar que a FIVB só considera erro direto quando a atacante sequer consegue alcançar a bola levantada, quando a atacante consegue pelo menos encostar na bola não é considerado erro e sim levantamento continuado.
Agora qual é lógica de premiar como melhor levantadora justamente a jogadora que mais errou levantamentos na fase final: Alisha Glass?
Também não aceito a premiação da chinesa Zhu, ela é só atacante, não é uma boa ponteira, essa prÊmia deveria ser da Gabi.

Anônimo disse...

Desculpa comparar a Gabi com Mireya Luis é exagero, Mireya tinha um 1.75m e alcançava a 3.35m no ataque um fenômeno até hj inatingível. Gabi remete muito a Érika em início de carreira. Fantástica.

Crowley.

Neide disse...

Que meda que geral tem do Brasil, coisa de louco. Fugiram do Brasil como o diabo foge da cruz.
Comentários sobre a premiação
MVP: Thaísa (Brasil)justíssimo melhor sacadora e bloqueadora da competição.
Melhor oposta: Brakocevic (Sérvia)derrubar bola é com ela mesmo.
Melhores ponteiras:
Mihajlovic (Sérvia) merecido ataca, saca e bloqueia bem, além de ser a melhor passadora da Sérvia na competição.
Zhu (China) não aprovei essa aí não, ponteira não vive só de ataque, ela não é oposta, é ponteira, para receber esse prêmio ela teria que ter melhorado muito seu fundo de quadra. Também acho que a Gabi deveria ter ganho esse prêmio no lugar dessa chinesa.
Melhor líbero: Fabi (Brasil) ninguém chega aos pés dela, excelentíssima, melhor que o Mário Jr.
Melhores centrais: Thaísa (Brasil) e Rasic (Sérvia) nessa posição a FIVB acertou em cheio.
Melhor levantadora: Alisha Glass (EUA). A que mais errou nas finais, 11 erros, só se for prêmio de consolação para não ficar tristinha com o último lugar. Nessa a FIVB errou feio. Se a Dani Lins, a japa Haruka Miyashita ou a italiana Noemi Signorile ganhasse esse prêmio estaria em boas mãos, mas a Glass não.

Neide disse...

Thaisa poderia jogar de levantadora se quisesse. ela levanta muito bem, quando sobra bola pra ela ela levanta até de costas para qualquer ponto da quadra com qualidade e percisão. Qaundo ela tá na rede e a Dani Lins defende, pode esperar que vem um excelente levantamento, Thaísa cumpre muito bem esse papel, e isso confirma a condição dela de MVP.

Anônimo disse...

Rafael Cruzeiro.

Pequena análise de nossas jogadoras:
1- Thaisa, Sheila e Fabizinha - excelentes, crescem em jogos decisivos e trazem segurança ao time. Fabizinha está muitos degraus acima das demais.
2 - Fê, Dani e Gabi - ótimas. Fê precisa melhorar recepção, Dani maior regularidade e Gabi melhorar o ataque do meio fundo.
3 - Michele, Jucy, Adenízia e Brait - boas, cumpriram seus papéis sem muito destaque.
4- Monique - regular. Falta levar confiança para a levantadora.
5- Claudia - sem nota. jogou pouco, não dá para fazer um comentário justo.
6- Fabiana- ruim. Passa por péssima fase. Não dá para saber se passa por algum problema pessoal, mas precisa retornar a sua capacidade.

Eduardo Araujo disse...

Nossa Laura como esta bombando de comentários o seu blog parabéns!!!

Gente quando eu falo que os outros times não estão nem ai para o GP, vocês brigam comigo, mas a maior prova esta ai, todos com renovação e ainda colocam time reserva para jogar contra o Brasil, não acho que seja medo, mas talvez um recado que é um campeonato sem planejamento, oq faz as seleções não darem grande importância.

Não pensem que vai ser assim no mundial uma ou outra jogadora dessas seleções vão estar lá, mas as veteranas tem gás para jogar mais um mundial, um exemplo é a Russia que já convocou varias veteranas para a EURO.

Agora em relação a esse torneio, que foi um dos piores que eu vi em nível técnico, cada jogo com jogadas mais bizarras que o outro, parecia competição.

Um exemplo gritante disso foi a levantadora dos EUA, ela fez partidas péssimas o time ganhou um jogo!! e perdeu de um set quando estava ganhando de 14 x 10, isso me lembrou o Brasil e Russia, não sei pq rs, e a mesma foi eleita a melhor levantadora.

A Dani Lins não comprometeu o Brasil, acho que ela fez os jogos de regular para bom, então pq não foi eleita a melhor levantadora?? mas ficou em 3 na posição.

Eu dei uma olhada nos números do Brasil e é bem interessante mesmo o Brasil ganhando a maioria dos jogos de forma fácil, ficamos atras em ataques em algumas partidas, isso quer dizer que o nosso sistema de ataque foi pouco acionado.

Já que fizemos muitos pontos de Bloqueio, saque e pontos em erros do adversário.

A Fabi passou e defendeu bem quando precisou, nota 10 para ela.

As outras seleções sacavam muitas bolas na Gabi e essa errou pouco se comparar com a Garay que foi bem menos constante nesse fundamente.

No ataque a Gabi, Garay, Thaisa e Sheilla, foram bem usando a cabeça, podem ver a Sheilla não da uma porrada na bola, ela não precisa!!

Quais foram as dificuldades que eu vi no Brasil, quando o passe não sai a Dani Lins joga bolas altas nas pontas deixando o nosso ataque muito marcado, eu gostaria que ela fosse um pouco mais rápida nessas situações, falta ao meu ver um pouco de ousadia.

Não tem que ser igual a Glass, pq essa ela é tão ousada que o passe sai errado e muitas vezes o levantamento sai pior ainda, pelo menos nesse torneio foi assim.

Eu sei que o ZR prefere trabalhar com bolas altas nas pontas, mas que tenha possibilidade do atacante conseguir explorar o bloqueio, do que uma bola rápida, mas não tão precisa, e também sei que ele fala para as levantadoras dele se vc tiver que dar 2 passos para pegar a bola, não jogue pelo meio.

Bom mais é isso agora é esperar a superliga, acho que vai ser mais emocionante que esse torneio ai

Abs.

R.Tigre disse...

Acho que 2 premiações foram extremamente injustas:1.Zhu Ting como ponteira;2.A.Glass como levantadora;
A técnica chinesa LANG Ping não escalou a ponteira Zhu p/jogar,pois sabia de suas limitações e queria preservá-la psicologicamente.Claro que o Zé mandaria caçarem a Zhu no saque,em vez de se ouvir"saca na MARI",ouviria-se"SACA NA Zhu"!!!Zhu nasceu em 94,mesmo ano que a Gabi Guimarães,porém Gabi é uma jogadora muito mais completa e madura,tanto técnica qto.psicologicamente.Gabi já é uma jogadora pronta,uma realidade.Zhu,por enquanto tem atacado muito bem,porém deixa muito a desejar no fundo de quadra defende mal e é muito insegura no passe,ainda é uma promessa,pode ser que melhore?Sim ou,talvez,não...Só o tempo dirá. O fato é que como está agora,Zhu não merecia ganhar a premiação de melhor ponteira,falha muito num fundamento crucial para uma ponteira:passe.Se Lang Ping escalasse Zhu contra o Brasil,ela poderia sair traumatizada da partidao bombardeio de saques em cima da garota seria mortal e ela, com certeza, ainda não tem o mesmo cacife que a Gabi Guimarães para aguentar essa pressão.
Garay assumiu a titularidade em plena olimpíada de Londres e não perdeu mais a posição, também é muito mais completa do que a Zhu Ting. Portanto, esse prêmio de melhor ponteira ficaria muito melhor nas mãos de Gabi Guimarães ou de Fernanda Garay do que nas de Zhu Ting.
Quanto à Alisha Glass, o que dizer? Ousar é bom, mas ela exagera muito... Puxa umas bolas de meio com passe B ou ainda pior, que tá na cara que a Central vai errar ou será bloqueada. Alisha Glass queima muito suas atacantes, com seu excesso de ousadia, beirando a loucura. Às vezes, uma dose de Dani Lins(bolas mais conservadoras) surtem mais efeito. Prova disso foi a espetacular campanha brasileira na fase final e o vexame dos EUA, que foi saco de pancadas nessa última fase. Uma jogadora que sabe dosar bem o limite entre ousadia e conservadorismo chama-se FOFÃO. Fofão, pra mim, é a melhor da posição na atualidade, é difícil ter o "feeling" que ela tem. Dani Lins evoluiu muito e jogou muito mais concentrada e objetiva que A. Glass nessa fase final. Gostei também da atuação das novatas Haruka Miyashita e Noemi Signorile que estão substituindo as veteranas Takeshita e Lo Bianco. Ao meu ver o prêmio de melhor levantadora poderia ira para qualquer uma dessas 3 levantadoras: Dani Lins ou Haruka Miyashita ou Noemi Signorile, porém não para Alisha Glass.
Por falar em levantamento, quero destacar a versatilidade e a qualidade técnica da nossa MVP Thaisa, que quando está na rede e a Dani Lins faz uma defesa e sobra pra nossa central levantar, ela faz isso com maestria. Thaisa tem um toque muito bom e preciso, levanta tanto de frente quanto de costas, bolas de entrada, saída e meio-fundo, com a mesma qualidade. Isso é um grande diferencial da nossa MVP Thaisa, pois ela ajuda muito a proporcionar um contra-ataque eficiente.

R.Tigre disse...

Porém esse Grand Prix me surpreendeu por um fenômeno: o medo e a covardia que os técnicos adversários tinham de enfrentar o Brasil. Nunca tinha visto isso: os técnicos preferirem escalar seus times reservas para perder do que tentar lutar pela vitória. Ficou nítido um misto de respeito com uma grande dose de "covardia"!!!
Nem quando Cuba estava no seu auge na década de 90 eu vi acontecer o que aconteceu agora contra o Brasil. Porém, a grande diferença entre Cuba de 90 e o Brasil de agora é que Cuba ganhava seus jogos baseada muito somente na potência de ataque e bloqueio para compensar o excesso de erros no passe e defesa. Já o Brasil é um time que erra pouco, tem uma líbero que intimida, as Torres Gêmeas, ponteiras ágeis e versáteis e uma levantadora mais conservadora, mas que tem se mostrado eficiente e objetiva e uma oposta técnica que varia muito seus golpes. Além de contar com um banco de reservas de altíssima qualidade. Enfim, é difícil para os técnicos adversários acharem um ponto fraco no Brasil. Mandaram sacar na juvenil Gabi Guimarães, mas a garota com postura de veterana, deu conta do recado. Fazer o que então? Perder com o time reserva talvez seja menos traumatizante...

Anônimo disse...

Nossa, que preguiça desse povo falando de Gabi "Guimarães"...rs...Esse Guimarães está engraçado...Ninguém fica falando Sheila Castro, Fabiana Claudino, Thais Menezes, Fabiana Oliveira...kkk... Muita babação para essa menina! Será que ela vai ser diferente da Natália Big Mac? Ela está mais para Erika no início de carreira. Vamos aguardar campeonatos de nível mais avançados para saber o quanto ela é "fenômeno", "sensacional", "fora de série". "veterana" e blablabla carregado de clichês! Mireya sim foi mito e fenomenal, Gabi "Guimarães"...kkk...ainda é PROMESSA!!! Nâo esqueçam de Natália ZILIO...kkkk

Zé Henrique disse...

Esse anônimo(a) fica falando:
PROMESSA, PROMESSA, PROMESSA...
Vá você, meu/minha caro(a), fazer uma promessa para deixar de ser chato(a). :-)




tuliobr disse...

Este foi o GP dos grandes duelos que nunca aconteceram: Ting Zhu x Gabi, Brakocevic x Sheilla, Rasic x Thaísa, Garay x Brankica (vamos convencer a moça que vem para o Unilever a usar seu primeiro nome: é fofo, pode ser abreviado para um apelido bonitinho e é bem menos complicado). Creio que a FIVB deveria questionar a atitude dos técnicos junto às suas respectivas confederações, pois desprestigiaram a competição e seus patrocinadores e expectadores, além de ser desrespeitoso com a SFV. Não uso meias palavras: acho que se tem orelhas de porco, nariz de tomada e rabinho enrolado deve ser um porco e ser chamado, pois, de porco. Terzic, principalmente, mas também Lang-Ping e Mencarelli tomaram atitude que parece demais antiética para não ser chamada de antiética. Perdão, Laura pela bronca indignada mas, dito isso, havia tempos que a SFV não fazia uma sequência de jogos atuando nos moldes do JRG: saque tático preciso, bloqueio muito forte tocando em todas as bolas, triplo sempre que possível, defesa e contra-ataques muito velozes. Para isso houve uma conjunção astral favorável que fez todas as titulares estarem em um bom momento físico e técnico simultaneamente, e o evidente desejo de recuperar o título e o posto de melhor time do mundo, perdido para os EUA do MacCutcheon. Falando nisso, todo mundo que gosta de vôlei fica constrangido de colocar o guizo no pescoço do gato, mas a estréia do Kiraly em um grande torneio intercontinental não poderia ter sido pior; se não melhorar muito, dará argumentos a quem acredita que não necessariamente um grande jogador será um bom técnico. Comecei falando de decepção e para não terminar também falando de decepção, concluo parabenizando a SFV: mandaram bem, garotas! e esse é o JRG que adoramos cornetar! Parabéns, senhores da CT!

Abraão disse...

Sei que o assunto aqui é a campanha memorável da SFV na fase final do GP. Mas muito me preocupa a disputa da superliga em sets de 21 pontos e por isso venho dividir com vocês uma solução alternativa para isso. Acho que o vôlei, assim como o basquete, deveria ser disputado com um cronômetro regressivo, sem limite de pontuação e se mantendo a necessidade da disputa do tie break em moldes originais, tal como sempre foi com a necessidade de haver vantagem de 2 pontos ao vencedor no caso das equipes empatarem em 2 a 2. Desse modo seria possível reduzir de forma significativa a imprevisibilidade da duração das partidas sem se perder a emoção do esporte. Aconteceria da seguinte maneira: haveria a disputa de quatro tempos iguais e decrescentes, com o relógio parando nos tempos técnicos somente. Isso desencoraja por exemplo as maçantes reclamações com a arbitragem uma vez que interessaria pouquíssimo aos perdedores que o jogo fosse interrompido com o relógio correndo. Se ao contrario a reclamação vier da equipe na dianteira do marcador, seja ela por razão justa ou nao, tal prática pode ser punida com a paralisação do relógio e ponto direto para o time adversário, pois já existe o recurso do desafio para corrigir eventuais erros dos juízes. Em caso de empate ao fim do tempo regular, algo que pela dinâmica do esporte penso eu que viesse a acontecer com extrema raridade, a solução poderia ser uma espécie de mini break, assim como ocorre com o tênis, ou a disputa de um golden point, isso pode significar muito mais esforço por parte dos atletas o que por conseqüência geraria uma disputa muito mais árdua e emocionante, visto que esse único ponto pode se traduzir na continuidade ou nao do sonho de sair vencedor do confronto! Sei que tal solução pode parecer controversa, mas acredito que seria também um caminho alternativo para barrar o que me parece uma tentativa de a todo o custo desfigurar o esporte no que ele tem de mais interessante que é justamente o fato de ser imprevisível. Dessa maneira seria possível manter tanto seu fator surpreendente e ao mesmo tempo chegar a se adequar às necessidades da televisão de sustentar um padrão de grade.

Anônimo disse...

Laura,
Acredito q se trata de um enorme erro das CTs da China, Sérvia e Itália BOICOTAREM o Brasil das suas melhores jogadoras, não importa o motivo.
Lembrando q o Brasil chegou onde esta após as dezenas de derrotas contra o Peru na década de 80, e outras dezenas de derrotas contra Cuba na década de 90, mas sempre com vontade de vencer mesmo sabendo da superioridade dos adversários, encaro essa tática além de completamente equivocada mas também como um gesto anti-desportivo, vôlei se joga na quadra e não com táticas fora dela, se fosse ZRG faria um MANIFESTO junto a FIVB sobre essa conduta.

Crowley.

João. Lucas disse...

Finalmente Thaísa teve seu trabalho reconhecido. É de longe a melhor jogadora do Brasil atualmente.

Gostaria de saber o que faz Alisha Glass nessa seleção do Grand Prix? Acho que não viram as atuações de Danielle Lins.

Fernanda Garay também deveria ser premiada como uma das melhores ponteiras da competição. Francamente, como a melhor ponteira do melhor time não é premiada?

Os técnicos da Itália, Sérvia e China foram covardes, não quiseram enfrentar o Brasil por medo.

Gabriela Guimarães é boa, impressiona pela impulsão e maturidade dentro de quadra só que ainda não é essa coca-cola toda. Li muitos comentários clamorosos afirmando que trata-se da nova Mireya. Menos bem menos.

Por último gostaria de ressaltar a cara de paisagem da nossa capitã Fabiana. Ela vem sendo engolida por Thaísa no meio, porém, mesmo com as atuações nada regulares da nossa central ainda a vejo como uma das melhores do mundo e é perceptível que ela está em outro patamar quando comparada com as outras centrais que temos. Nem Adenízia, nem Juciely ninguém joga mais bola que Fabiana, ainda . É bom que ela abra os olhos.

Anônimo disse...

Teve um coisa que faltou, que ME faltou neste campeonato mixuruca,como dizia o garrinha, q nao teve nem segundo turno, isto é, nao teve nem quarto set!
Faltaram as russas!
O prazer de derrotar as mulheres dos russos que estao por seu lado ganhando todas.
Vamos fazer algo,bernardinho?

Aline disse...

Sai fora seca-pimenteira de uma figa.
Engracado, todos os tecnicos se cagando de medo de enfrentar o Brasil, fato INEDITO no volei mundial. O Brasil ganha surrando geral de 3x0, revela para o mundo uma juvenil fenomeno. Joga a fase de classificacao com uma selecao renovada e a fase final com as olimpicas sem cair a qualidade do time. E melhor ganha TODOS os torneios disputados em 2013: Montreaux, Alassio e GP. E me aparece um seca-pimenteira, asa negra, frustrado e de mal com vida...
Eh o momento de festejar e nao de agourar...
O Brasil foi valente e determinado, Mencareli, Terzic e Lang Ping, medrosos e covardes...
Dessa forma o Brasil jah eh Bi-olimpico e caminha a passos largos para o TRI, e as demais equipes sao que na fila do pao???
Me poupem de suas derrotas pessoais pessimistas de plantao!!!

aline disse...

Nossa capita esta longe de ter "cara de paisagem".Fabiaa Clauddino eh fundamental, ela mostrou ao Ze a importancia do ladohumano e do fator psicologico na conquista do Ouro em Londres.
Quem tem essa carra de paisagem eh o Kiraly, que virou saco de pancadas nas finais do GP. Inerte, Kiraly na pedia tempo, nao substituia, se resumia a contemplar passivamente as sucessivas derrotas.
Soh foi ganhar do Japao no tie break e ne ultima rodada, pq pegaram as japas destruidas pela intensa batalha contra a China.

Laura disse...

tuliobr, vc resumiu muito bem o GP: os confrontos q não aconteceram. Decepção!

Eduardo, obrigada! Legal quando o pessoal comenta bastante, com opiniões diferentes. Sobre o GP, é mesmo assim. As seleções não levam a sério como o Brasil, é sempre um torneio para experimentações.

Aproveitando tb o q o tuliobr falou, a FIBV antes pegava no pé das seleções q não iam com seus times titulares. Acho q a Rússia era o principal alvo, nunca deu bola (e ainda não dá) pro GP. Sem dúvida a competição corre o risco de perder peso no calendário.

E concordo com vcs todos. Pelo o que vi na fase final, a Alisha Glass não poderia ter sido eleita para a seleção do GP. A Dani mereceria muito mais.

Anônimo disse...

Prezado Zé Henrique,

A jogadora Gabriela “Guimarães” (desculpa a ironia, mas não deixa de ser engraçado o povo usando o sobrenome dela) ainda é PROMESSA, quer você queira ou não, simples assim. Qual o problema dela ainda ser PROMESSA? Natália Big Mac ZILIO ainda não é PROMESSA de acordo com os especialistas? Então, não há problema dela ser PROMESSA. Algumas jogadoras tem um tempo para deixar de serem PROMESSAS, algumas demoram mais que as outras, haja vista o exemplo da Big Mac. Para terminar, a Sheila CASTRO não era promessa no mundial de 2002? rs.
P.S.: Estou achando o máximo usar sobrenomes e acho que vai ser tendência no Brasil a partir de agora!!! rs

J.W. disse...

O time me surpreendeu porque fiquei em dúvida após a derrota para a Bulgária. Gente, quanto à escalação ou não das titulares adversárias esqueçam, não é desmerecer as brazucas mas tentar vencê-las. No Grand Prix do ano passado, não tenho certeza, mas o norte-americano colocou reservas que bateram nossa seleção por três a um não foi? Deu certo e agora outros tentam imitá-lo, talvez acreditam mexer com os brios das brasileiras, felizmente não funcionou, parabéns meninas do Brasil, estão jogando como grandes que são.

Anônimo disse...

Aline. Não confunda o que vc viu no sport tv reporter com a realidade. Não esqueçam que se trata de um programa que visa enaltecer um trabalho e não diminui-lo, caso contrário teriam feito uma investigação mais a fundo no ciclo olímpico, as diferenças feitas pelo treinador entre as "estrelas" e as jogadoras mais novas, a falta de vontade inclusive da capitã durante a preparação.
Quanto ao momento atual da Capitã, concordo que está muito abaixo da Thaisa, e inclusive abaixo da Juciely, sim da Juciely que acabou a fase de classificação como a maior bloqueadora da competição enquanto que a Fabi na fase final acabou atrás de Thaisa Garay e Gabi neste fundamento e em numero de pontos ficou em 30°. Acho que é bom ela não dormir de toca se não vai ficar pra trás.

Eduardo Araujo disse...

Oi gente viram o novo time do Osasco, é vou falar Osasco, pq toda hora esses times estão mudando de nome, começo a dar razão para a rede globo nesse sentido.

Mas então hoje foi apresentado de forma oficial o time da Nestle, assim fica melhor rs.

Novidades de impacto ficaram por conta da Sheilla como capitã, o uniforme azul e branco, serão a unilever de São Paulo e as duas ponteiras passadoras, que não foram apresentadas já que estão disputando a EURO, uma é da Servia Sanja e a outra da Itália a Caterina.

No time titular mudaram as 2 ponteiras, e vendo a atuação da Catarina no GP, acho que o passe vai ficar bem complicado esse ano para o Sollys.

Eduardo Araujo disse...

Acabou de sair a convocação para a Seleção que vai para o sul-americano

As novidades são Fabiola e Nathália.

Foram convocadas as levantadoras Dani Lins e Fabíola, as opostos Sheilla e Monique, as ponteiras Fernanda Garay, Natália, Michelle e Gabi, as centrais Thaísa, Fabiana, Juciely e Adenízia e as líberos Fabi e Camila Brait. As jogadoras se apresentarão nesta quinta-feira (05/09), em Campinas (SP).

Zé Henrique disse...

Putzzzzzzzz!
Quando começa o sul americano?
Chegar do JAPÁO na terça e se apresentar na quinta é de lascar, hein!?

PS: Não há problema nenhum em ser promessa, prezado anônimo.
O problema é a má vontade/azedume de alguns pagãos. :-)
Uns têm nome e sobrenome.
Já outros se escondem.

Zé Henrique disse...

Ahh, Nathália vai arrebentar nesse recomeço.
E a Fabíola, tadinha, merece sim fazer parte do grupo.
Aquele corte da olímpiada deve ter sido pesado e ela, ao que tudo indica, soube levar "na boa" a porrada.
Atitude de vencedora.

Anônimo disse...

Escutem o que eu digo, ter este senhor que atende pela singela alcunha de Ari Graça filho na presidência da FIVB foi a pior coisa que poderia ter acontecido ao vôlei do Brasil e do mundo inteiro. Agora a globo tem um peão ao seu serviço para sabotar o esporte em escala planetária. Se antes as tentativas de minar o interesse do publico tinham somente efeito doméstico agora elas podem ter alcançar uma letalidade jamais imaginada antes. A globo nao gosta de vôlei, jamais se interessou em dignifica-lo e faze-lo crescer, vide todas as investidas originadas de sua parte em diminuir-lhe a visibilidade, reduzindo para jogo único a disputa final do campeonato mais importante do país e agora roubando quatro pontos de cada set. O volei nao tem o tamanho do futebol, infelizmente, por isso considero potencialmente devastadora essa capacidade que a Globo passou a ter de influenciar os rumos mundiais do esporte depois que o sr Ari assumiu a presidência da FIVB

Welmer disse...

Concordo com o que o anônimo disse. O Ary Graça afundar o voleibol mundial.

Confirmei isso vendo uma entrevista que ele deu ao Sportv, que foi ao ar ontem. Torço muito para que ele não faça uma besteira com o voleibol mundial.

Na entrevista ele disse que a regra de 21 pontos é pra diminuir a duração do jogo, visto que pela quantidades de ralis o jogo com 25 pontos dura quase 3h. Agora, fico imaginando, não seria mais interessante que se mantivesse os 25 pontos e voltassem com aquela regra, que nem chegou a ser efetivada, da proibição da recepção do saque de toque e também com antiga regra do toque na rede e que fossem um pouquinho mais rigorosos com dois toques, condução e coisas do gênero? Acho que o tempo de jogo reduziria, não tão drasticamente quanto essa regra bizarra, ao menos pra mim, dos 21 pontos, mas reduziria e também o jogo ficaria mais bonito tecnicamente. Aliás, acho que o voleibol deveria prezar mais pelo o 'belo' dentro de quadra, porque quando se assistimos a um esporte de alto nível, queremos ver belos lances, lances plasticamente e tecnicamente perfeitos, mas ultimamente temos visto muitos lances bizarro, jogadoras que não dominam todos os fundamentos, e acho que isso contribui para que o vôlei não caia na graça popular.

Aline disse...

Estou assistindo a Croacia x Russia na Band News, mas nao to aguentando ouvir o Marcelo Negrao: Pessimo Comentarista!!!

Eduardo Araujo disse...

Esta passando na band news? nem sabia,como esta a qualidade dos jogos?

JW disse...

Dêem uma chance ao Marcelo Negrão! Rapidinho ele pega o jeito da coisa, outros patinaram no começo, Leila e Virna por exemplo, Tande é chato e não ve o que acontece no jogo ao contrário de Nalbert e Kaka bisoki. Mas acho que o Marcelo Negrão pode ser um bom comentarista.