GP - Brasil 3x1 EUA


Não chegou a cinco sets, mas este foi, sem dúvida, o confronto mais complicado para o Brasil na temporada. Tanto que, para vencer, o time teve que pedir ajuda das jogadoras do banco: Fabi, Sheilla e Fabíola.

A dificuldade nesta partida não foi muito diferente nas demais: o ataque. A questão é que, desta vez, contra um time de maior volume de jogo e organizado, o problema brasileiro ficou mais evidente. 

**********************
As jogadas brasileiras não fluem com facilidade. Parte se deve à irregularidade da recepção, parte pelo mau levantamento da Dani Lins. Aqui falo de duas questões: a falta de velocidade e a de precisão.

Se a bola chega lenta, vai sair lenta das mãos da Dani. Falta aceleração. E não são poucas as vezes que as jogadoras estão utilizando colocadas e explorando bloqueio não apenas como um recurso de habilidade, mas
devido às bolas imprecisas.

A Fabíola resolveu esses problemas no quarto set. Isso quer dizer que ela deve ser titular? Não. É diferente estar em quadra o tempo todo. Poderia ser que, como titular, ela apresentasse os mesmo problemas da Dani.

O que acho é que o principal ponto para o Brasil trabalhar no momento é na armação de jogadas – que inclui também uma maior qualidade na recepção. 
**********************

Outro fator a melhorar é o início da partida. A seleção entra fria em quadra, não impõe pressão no adversário. No jogo de hoje, os Estados Unidos jogaram com a bola na mão o primeiro set inteiro.

Este time norte-americano não tem atacantes fora de série, precisava da regularidade no passe para distribuir a responsabilidade de colocar a bola no chão. E o Brasil favoreceu o adversário ao não forçar o saque e não encurralá-lo desde o começo. 

**********************
Pê ésse:
- Só para não ficar longe do tema “levantadoras”: como é bom ver a Alisha Glass jogando. É uma facilidade e qualidade no toque que, mesmo quando ela tem que buscar a bola lá no final da quadra, o levantamento chega em condições para a atacante.

- Totalmente desnecessário o chilique do Zé Roberto no segundo set. Existem outras maneiras de puxar pelo time sem precisar entrar em quadra esbravejando contra a arbitragem.

Comentários

Anônimo disse…
Aquela foi a Monique, a oposta a salvadora da pátria??? Coitada...
Excelente visão do jogo Laura. A seleção parece desorganizada mesmo e como todos prevíamos os torneios disputados na Suíça e na Itália não serviram de parâmetro para avaliar o padrão de jogo.

Vejo a Brait meio sobrecarregada no passe, pois Gabi e Garay ainda não demonstram excelência nesse fundamento. Acho que até por isso não tem mostrado o desempenho que esperávamos dela. Pelo menos mostrou-se bem na defesa.

A questão do levantamento realmente passa pela recepção também, mas como comentei no último post, uma levantadora campeã olímpica não pode ser tão instável e tem que se virar com o passe ruim sim. Também não acho que Fabíola deva ser a titular agora, mas foi nítido que a seleção melhorou com ela em quadra no 4º set.

Acho que com a entrada das "estrelas" alguns problemas devem ser resolvidos, mas pelo tempo que esse time vem treinando e jogando junto deveriam estar mais entrosadas, principalmente as jogadas com as centrais.

Também achei totalmente desnecessária e deselegante a atitude do Zé. Na verdade tenho notado que nos últimos anos ele tem apresentado esse tipo de comportamento deplorável cada vez mais.
Welmer disse…
Eu não vi o jogo todo, mas até onde eu vi a seleção brasileira tava com muita dificuldade no ataque , a Garay não tava com a mesma efetividade e a recepção ruim estava dificultando o trabalho das levantadoras.

Mudando de assunto, dizem que a Richards vem pra Amil para segurar o passe junto com a Michelle Daldegan, mas pelo que vi nesses três jogos, acho que o time campineiro vai ter muitas dificuldades na recepção.
João Lucas disse…
Eu também não vi o jogo todo, mas pelo que vi achei a seleção muito fraca na virada de bola. Quando Garay não funciona as outras atacantes não correspondem.Foi só eu ou outra pessoa também sentiu falta dos saques de Thaísa? Creio que com a central de Osasco as recepçõees tanto americana quanto russa seriam mais pressionadas. Também vi Brait muito pressionada na recepção de saque, entretanto, acho que ela foi bem. Brait fez excelentes defesas e se fosse Fabi seriam narradas a orgasmos múltiplos.
Tenho que concordar que Fabíola foi melhor que Dani Lins, ao menos arrendondou melhor as bolas e Sheila é Sheila sem mais. Sem falar que Jaqueline faz uma falta imensa no fundo de quadra, podem dizer o que quiserem, mas, Jaqueline Carvalho é craque de bola.

Pensei a mesma coisa em relação à Richards, e olha que Daldegan mesmo que seja excelente na defesa não é lá essas coisas na recepção de saque.

João Lucas disse…
Eu também não vi o jogo todo, mas pelo que vi achei a seleção muito fraca na virada de bola. Quando Garay não funciona as outras atacantes não correspondem.Foi só eu ou outra pessoa também sentiu falta dos saques de Thaísa? Creio que com a central de Osasco as recepçõees tanto americana quanto russa seriam mais pressionadas. Também vi Brait muito pressionada na recepção de saque, entretanto, acho que ela foi bem. Brait fez excelentes defesas e se fosse Fabi seriam narradas a orgasmos múltiplos.
Tenho que concordar que Fabíola foi melhor que Dani Lins, ao menos arrendondou melhor as bolas e Sheila é Sheila sem mais. Sem falar que Jaqueline faz uma falta imensa no fundo de quadra, podem dizer o que quiserem, mas, Jaqueline Carvalho é craque de bola.

Pensei a mesma coisa em relação à Richards, e olha que Daldegan mesmo que seja excelente na defesa não é lá essas coisas na recepção de saque.
Welmer disse…
Concordo com o João Lucas, Jaqueline faz falta no fundo de quadra. Por isso torço muito para que ela consiga voltar às quadras a tempo do Mundial.
Raphaela disse…
O jogo foi bom. Muito bom foi o jogo da Russia com a Polônia. Quem ficou e assistir se deu bem. Após uma bate e volta em Campinas pra assistir esse jogo, posso dizer que valeu a pena. Algumas conclusões (minhas conclusões): - Adenizia é ótima jogadora, mas tem que aprender a controlar a ansiedade. A ausência de frieza a atrapalha. Por isso a Fabiana entrou e não saiu mais. Sim Jucy está melhor. E se Fabiana e Thaisa são titulares com a seleção contando com todas as jogadoras, Jucy esta merecendo ser a 3° meio de rede; - Monique, não pode ser oposta da seleção brasileira, nem reserva. Ainda, acredito que terá dificuldade de ser titular até em seu clube na superliga esses ano. A Dani Lins simplesmente não tinha confiança para mandar a bola para a oposta. QAuando mandava era "toco"; - Gabi precisa treinar muito o passe, jogar mais pela seleção. Mesmo assim não há dúvida que ela é uma grande promessa (já quase realidade). Que vontade tem essa garota.
Anônimo disse…
Vi apenas parte do jogo. Mas o que vi, não me convenceu a recepção da brait. Ela tem recebido sem segurança, daí o passe sai lento de mais para a levantadora, por consequencia, o bloqueio chega pesado. Precisamos urgentemente de preparar uma outra líbero para substituir a fabi. Alguém com mais personalidade e segurança.
Aline disse…
A velha historia se repete: A PANI LINS VOLTOU!!!
Pois eh amigos Dani deu Pani outra vez... E novamente Fabiola eh jogada na fogueira para salvar a patria novamente.
Se Fabiola nao assumisse o jogo o Brasil perderia para os EUA!!!
Por varias vezes Fabiola teve q substituir D.Lins nessas condicoes. So p/ citar alguns exemplos: Mundial-2010 e COPA DO MUNDO-2011.
Nesse inicio de Grand Prix Dani Lins:
1.Mostra-se insegura e imprecisa;
2.Assim como no SESI, escolhe uma jogadora para sobrecarregar. No SESI foi Tandara, na selecao eh Garay;
3.Exagera em bolas na entrada de rede;
4.Varias vezes poe a bola em cima da antena, impossibilitando o ataque na paralela;
5.Outras vezes poe a bola baixa e colada na rede facilitando o bloqueio adversario;
6.Usa muitas bolas lentas e previsiveis sem qquer tipo de finta no bloqueio;
7. Usa pouco o potencial das centrais, nao acerta a bola delas... A Fabiola,p.ex., colocou a Juciely no jogo.
8. A grande atacante que eh a Juciely, que no Unilever atacava tudo qto eh bola nas maos de Venturini e Fofao, com D.Lins nao consegue mostrar seu jogo, com Fabiola Juciely foi muito mais acionada.
9. A levantada para saida de rede da D.Lins eh muito ruim, cada hora vai de um jeito: muito alta, muito baixa, colada, na antena... Haja habilidade da oposta p/ consertar essas bolas;
10. Por tudo isso, o Brasil teve muito dificuldade na virada de bola contra os EUA que tem um sistema bloqueio-defesa muito bem arrumadinho. Com D.Lins estamos tendo q contar muito com a habilidade das atacantes p/sair da marcacao. Claro que nao temos mais Fofao, mas seria necessari uma levantadora mais ousada, inteligente, criativa, precisa e,sobretudo, menos previsivel, coisa q Dani Lins nao eh;
11. Sinceramente, cheguei a pensar q depois de Londres Dani Lins teria amadurecido e mudado de postura dentro de quadro, mas nessas 3 partidas constatei que os velhos erros ou vicios de sempre voltaram.

Como pau q nasce torto nunca se endireita, acho q seria importante o Ze testar uma nova levantadora, nem q fosse p/tirar D.Lins dessa ZONA DE CONFORTO em q ela se encontra como titular absoluta...
Ju Carrijo fez uma excelente Superliga e sequer foi lembrada.
Claudinha foi convocada, mas soh esquentou banco. Ze nao deu uma oportunidade real a ela de mostrar servico.
Estamos no inicio de ciclo olimpico, era boa hora de testar novas opcoes p/a posicao de levantadora,assim como outras selecoes vem fazendo.

Achei totalmente desnecessario o xilique com a arbitragem.
Serah q se o Brasil perdesse o Ze culparia a arbitragem?
Hoje o Brasil correu serio risco de perder para os EUA. Porem Fabiola entrou e evitou a derrota. Tenho certeza que num proximo confronto as americanas virao com sede de vitoria, sera que Dani Lins vai dar pane de novo?
Sera q nao deveriamos ter mais opcoes para a posicao de levantadora do que Dani Lins e Fabiola somente?
João Lucas disse…
Acabei de ler Fabíola pediu dispensa da seleção, por motivos familiares. Fico triste pela jogadora, que sem dúvida alguma pra nós brasileiros também é uma campeã olímpica. E que ela volte logo.
Aline disse…
Infelizmente, apos uma atuacao de gala que evitou a derrota para os EUA, Fabiola teve q pedir dispensa da selecao por problemas particulares.
Desejo muita paz e tranquilidade a Fabiola e que ela tenha forca e exito para resolver seus problemas.
Alem disso devemos agradecer a ela a paciencia e dedicacao, mesmo depois do corte olimpico, sempre esta disposta a socorrer a selecao, principalmentre qdo a Dani Lins entra em pane.

Espero tbem que agora Claudinha tenha uma oportunidade verdadeira de mostrar servico.

Dani Lins nao pode ser dona absoluta da oposicao, ate pq ela tem cacife p/isso,pois tem deixado muito a desejar.

Claudinha deve ter chance de ser pelo menos uma opcao, deve comecar como titular contra as selecoes mais fracas em Porto Rico.
Eduardo Araujo disse…
Olá quando assistia o jogo eu ate comentei, que as atacantes que jogam com a Dani Lins, tem que saber explorar o bloqueio, pq 98% das vezes tem dublo em cima delas.

O brasileiro esta acostumado a levar o atleta do céu para o inferno, se agente pegar os 4 anos da Dani Lins na seleção é assim, no GP ela sempre foi titular, mas durante o jogo era quase sempre era substituída pela fabiola, mesmo assim no jogo seguinte ela voltava a ser a titular, já que no GP da para fazer isso tem todo ano, agora nos grandes torneios ela começava como titular e logo no 3 ou 4 jogo já era banco da fabiola, ai veio as olimpíadas ela fez 4 jogos ótimos e todo mundo esqueceu como ela jogava, veio a SL e a mesma com a velha inconsistência tendo que a Carol salvar o SESI algumas vezes e a mesma em algumas partidas tirou a titularidade a Dani.

Não esperem mais do que isso da Dani Lins esse é o jogo dela e piora quando tem uma sombra igual ou melhor na reserva.
E quando toma bronca ai que some do jogo mesmo, aconteceu isso nesse jogo quando o ZR deu a bronca nela ai que ela sumiu da partida.

Agora vai ficar interessante pq a Fabiola pediu dispensa por motivos pessoais e é engraçado pq ela não é valorizada aqui no Brasil lá fora ela foi eleita a 3 ou 4 melhor levantadora pelo mesmo site que elegeu o Bernardinho e o Bruno como o melhor técnico e o melhor levantador.

Com isso poderemos ver se a Claudinha tem capacidade de ser uma boa levantadora e se vai ter capacidade de apagar os incêndios quando a Dani Lins não der conta do recado.
Anônimo disse…
E o set que o Brasil ganhou de 25x18? Foi sorte ou o que? Parem de falar besteiras,Alines,Eduardos e afins!!! O que falta a esta seleção são atacantes que o padrão do vólei de hoje exige. Ou alguém ainda é capaz de defender essa tolice de Monique ser oposta de seleção quando nem nos clubes ela jamais foi unanimidade? Dessas anãs todas que aí estão somente Gabriela merece respeito, ela sim tem um futuro brilhante pela frente,as outras não passam de experiências vazias,inclusive Jucyelly que passou há muito dos trinta!!! Não era pra renovar a seleção? Que chamem então a Carla do Sanca.
Anônimo disse…
PS.Já ia me esquecendo.Dani Lins hoje em dia é o melhor que nós temos, se não é craque do porte de Fernanda e Fofão, é melhor do que todas as outras que podem chegar a seleção esses dias!!!
Carla disse…
Anonimo lave a boca p/falar da Juciely!
Sequer tem coragem de se identificar!
Juciely foi uma das atacantes mais eficientes da Superliga jogando com Fernanda Venturini e com Fofao, e na selecao somente aparece qdo a Fabiola esta em quadra.
Entao a culpa e de quem? A culpa e da jaqueira da Dani Lins!
Vc diz q Dani e melhor q as outras q podem chegar a selecao esses dias? Errado! Dani Lins foi a unica q realmente teve varias oprtunidades na selecao e sempre sofreu de apagoes!
Que oportunidades reais jogadoras como Juliana Carrijo e Claudinha tiveram na selecao?
O que Dani Lins fez na Superliga alem de levantar jacas pra coitada da Tandara?
Muito importante lembrar que Dani Lins sobrecarregou tanto a Tandara no SESI que ela foi parar no departamento medico e foi cortada da selecao por contusao.
Assim como Dani Lins estourou a Tandara, agora ela escolheu a Fe Garay para sobrecarregar de jacas!
Dani Lins nao sabe explorar as excelentes atacantes que sao Juciely e Adenisia.
Olha a diferenca que foi a Adenisia jogando com Fabiola no Sollys e a Adenisia com a Dani Lins na selecao, o mesmo serve para Jucy com Fofao e Venturini.
Agora vc acha q o problema e das atacantes?
Se o Brasil tem vencido os jogos, e gracas a habilidade das atacantes.
E no caso do jogo dos EUA, se nao fosse a Fabiola assumir o jogo ate o fim, era derrota na certa.
Na proxima fase em Porto Rico, Claudinha tem que jogar, porque ficar dependendo de uma jogadora que vive dando apagoes que nem a Dani Lins nao da!
TORCIDA UNILEVER disse…
A nossa sorte e que temos Fofao. Gracas a Deus Fofao renovou com a UNILEVER, MVP da Superliga, a melhor levantadora em atividade do Brasil. Seremos campeoes Mundiais pelas maos magicas de Fofao.
Enquanto isso, no SESI, o Talmo vai continuar tendo ataque de nervos com a Dani Lins, menos mal que tem a Carol Albuquerque para apagar os incendios. Isso se a propria Carol nao for a titular do SESI.
Brakika Mihajlovic esta bombando no Grand Prix e vira com tudo para o Mundial de Clubes.
Com Fofao, Gabi Guimaraes, Juciely, Fabi, Sara Pavan e Mihajlovic a UNILEVER e favoritissima.
Enquanto isso veremos as jacas da Dani Lins no Grand Prix.
Moura BR disse…
Gostei do jogo, e se tirarmos a paixão de lado percebemos que apesar dos erros e da insegurança as jogadoras estão encontrando aquele algo a mais que faz uma equipe superar adversidades. A recepção não está boa e mesmo assim vencemos, Dani Lins continua a mesma de sempre e mesmo assim ganhamos. Agora, me desculpem os fãs de Fabizona, mas a Juciely está voando e acho que se nossa capitã não se coçar vira terceira opção. Adenisia, como disse um colega ai em cima, deixa que sua ansiedade bloqueie seu potencial, uma pena. Brait foi muito bem, nossas ponteiras foram regulares, mas contaram com a fraca leitura da Dani Lins para deixa-las sempre no duplo, Monique não foi tão bem, mas pelo que fez nos outros dois jogos sai com saldo positivo.

Ps. Com a bola rápida da Alicia Glass a Garay vai deitar no Fenerbaçe.
Camila Sampaio disse…
Juciely voando???
Desculpe-me MouraBR mais eu não entendo nada de voleibol, pois, uma jogadora que esteve perdida na partida contra a Rússia em que foi bloqueada em todas as passagens na rede. A posição de meio é a que menos me preocupa, Fabiana e Thaísa só perdem a titularidade em casos de contusão tirando isso não vejo outras jogadoras capazes de assumir a titularidade no meio. Fato.
Evelyn disse…
Cara Camila Sampaio, se a Juciely esteve perdida na partida contra a Rússia em que foi bloqueada em todas as passagens na rede, de quem é a culpa? De Dani Lins, óbvio!!!
Isso ficou claro no jogo contra os EUA, quando a Fabíola pôs a Juciely pra jogar e Juciely voou sim como disse o Moura-BR...
A Juciely também voa quando joga com a Fofão, e como já disseram aí acima, voava quando jogava com Venturini.
Será que a culpa é de quem então? claro que é da Pânico Lins!
R.TIGRE disse…
Achei que a estreia do Brasil foi boa em termos de resultados, mas poderia ser ótima se não perdesse alguns sets de bobeira e não perdesse um ponto no jogo que foi para o tie break contra a Rússia.
Vejo que o Zé Roberto está testando jogadoras em "todas as posições", exceto no cérebro do time: a levantadora.
Dani Lins ganhou uma condição de titular absoluta, intocável, mas, ao meu ver, não está fazendo jus ao status que lhe foi dado.
Dani Lins vem cometendo falhas antigas e insistindo em erros do passado.
Vem sobrecarregando a Garay na seleção, assim como sobrecarregou Tandara no SESI.
Tandara foi cortada da seleção por contusão, será que essa sobrecarga não contribuiu para essa contusão?
Vejo as ponteiras muito marcadas, porque os levantamentos estão muito previsíveis e muitas vezes imprecisos. Há pouca variação de jogadas, o potencial de ataque de Adenízia e Juciely está sendo sub-utilizado.
Contra a Rússia, complicou-se um jogo desnecessariamente. Escolhas erradas e conservadoras fazem com que as atacantes enfrentem frequentemente bloqueio duplo e até triplo. Raramente vejo Dani Lins deixar uma jogadora sem bloqueio, ou pelo menos no simples.
No jogo contra os EUA, no quarto set a seleção americana estava dominando e, se Fabíola não entrasse para mudar o jogo e virar o set, o Brasil correria sérios riscos de perder o set e quiçá a partida. Com a entrada da Fabíola, houve maior variação de bolas e as centrais começaram a aparecer mais.
Achava que, assim como está acontecendo nas outras posições, já que é início de ciclo olímpico e um ano de poucas cobranças, no qual todas as seleções estão se renovando, a posição de levantadora também deveria testar caras novas.
Claudinha, em 2013, no máximo esquentou banco, nunca foi testada de verdade, nunca teve uma real oportunidade de mostrar serviço.
Agora que a seleção vai para Porto Rico e vai enfrentar seleções bem mais fracas do que as que enfrentou em Campinas, é hora de por Claudinha pra jogar.
Assim como está pondo a novata Gabi Guimarães de titular, é hora também de testar de verdade a Claudinha, pois os adversários serão Porto Rico, Rep.Dominicana e Bulgária. Esses jogos não serão tão complicados assim, é hora boa para testes. Claudinha tem um bom potencial e se não for testada agora, será testada quando? Nas finais do Grand Prix? Não mesmo.

Gosto muito de observar a atuação das levantadoras, já que elas ditam o ritmo do time, não adianta ter um elenco repleto de atacantes talentosas, se a levantadora for limitada. E das novatas que observei nesse ano de 2013, a que mais tem me agradado é Noemi Signorile, a jovem levantadora italiana do Pesaro.
Noemi tem uma responsabilidade grande na Itália: substituir a competentíssima Lo Bianco, e tem feito isso muito bem. Jogando como uma veterana, a jovem italiana é muito criativa e ousada, sempre que pinta oportunidade ele aciona suas centrais com bolas muito precisas, invariavelmente tem deixado suas ponteiras no simples. Gosto da imprevisibilidade que ela tem, ou seja, Noemi Signorile sabe segurar bem o bloqueio adversário, que, desta forma, chega quebrado nas suas ponteiras.

Os torcedores do Sollys devem estar vibrando com a excelente estreia de Caterina Boseti no Grand Prix, da mesma forma que os torcedores da UNILEVER devem estar vibrando com as excelentes atuações de Mihajlovic. Foram 2 grandes contratações e, se não houver algum acidente de percurso, poderemos ter mais uma vez uma final SOLLYS(MOLICO) x UNILEVER na Superliga.
Camila Sampaio disse…
Cara Evelyn, então eu vi outro jogo contra os EUA, sinceramente não vi Fabíola colocando Juciely no jogo. Juciely joga bem e tem um grande voleibol, entretanto, compara-la a Fabiana é demais. Jogar bem na Superliga em que a maioria dos times jogam com jogadoras medianas e o clube em que ela atua possui um dos melhores elencos do país, agora voar em jogos internacionais contra seleções com alto padrão de jogo é outra coisa. As pessoas precisam entender que Superliga é Superliga e Grand Prix é Grand Prix. Concordo com vocês em relação a senhorita Dani Lins, que pra mim ainda é a melhor levantadora que nós temos, quando digo isso me refiro a toque de bola e técnica, agora no que concerne a personalidade Dani perde e perde muito. A levantadora não sabe sair de situações adversas ainda mais quando está tranquila na posição como agora. Dani tem errado levantamentos faceis e tem comprometido o jogo das nossas atacantes. Acredito que novas levantadoras devem ser testadas para pressionar Dani Lins, para que ela volte a apresentar o voleibol que a fez chegar na seleção e aquele que fez dela uma campeã olímpica.
Moura BR disse…
Camila Sampaio. Respeito a sua opinião. Como os comentários de qualquer blog são espaços para se expor impressões pessoais; acredito que a sua, conhecendo ou não voleibol, é inteiramente válida.
No jogo contra a Rússia, assim como em todos os demais jogos do Brasil, o que eu percebi e alguns pitaqueiros aqui do blog também foi que as centrais foram subutilizadas. Mas que mesmo assim a Juciely se destacou, com muita energia bons bloqueios( tanto que está entre as melhores este quesito)e uma china eficiente. Acho que a Dani Lins peca no trato com as centrais o que ficou bem perceptível pela superliga que fez a Fabi pelo SESI. Quanto a titularidade da Juciely, é mais por uma impressão de que a Fabizona se esforça muito pouco ultimamente e está sempre com um ar meio blasé, acho que ninguém é insubstituível e quando a atleta começa a acreditar nisso é quando sua substituição se torna eminente.
Um abraço.
Moura BR disse…
E essa "Estória" e que jogador de superliga não joga internacionalmente se provou uma bela besteira. Tá ai a Garay para avalizar esse fato, já que sempre foi tida como jogadora baixa e incapaz de jogar a nível internacional e hoje é uma referencia mundial como ponteira. O que cabe nos jogos internacionais é a personalidade, principalmente quando se veste a camisa da seleção. E vejo isso na Juciely. Não a vi com medo de enfrentar os bloqueios e muito menos se omitir nas suas funções dentro de quadra. O mesmo cabe para Gabizinha, Michele e Monique. Podem não ter o mesma capacidade física da Sheila ou da Tandara mas executam bem aquilo que lhes é solicitado.E tem o principal, ontade de vencer!
Geyse disse…
Eu acho que mesmo que esteja recebendo só jacas da Dani Lins pra atacar e isso muito raramente, porque a Dani Lins esquece que tem centrais, a Juciely não se desmotiva e vem sendo a melhor bloqueadora brasileira. Mesmo quando não conquista o ponto direto Juciely tem amortecido muitas bolas no bloqueio.
E nisso o Moura BR está certíssimo, Juciely está voando na rede e chegando muito rápido para compor o bloqueio tanto na entrada quanto na saída de rede.
Camila Sampaio disse…
Preferências são preferências e respeito muito a opinião de todos.
Preferências a parte, gostaria de comentar sobre uma seleção que está muito bem e que promete no futuro que é a seleção chinesa. Jogadoras altas e extremamente talentosas. A China tem um arsenal de atacantes que a muito não se via na seleção deste país, isso sem falar que a China est´pa deitando e rolando nas categorias de base e empacotando todo mundo. Venceu ptraticamente tudo. Essa seleção dará muito trabalho e crei que a China voltará a seus dias de glória no voleibol mundial.
Welmer disse…
Realmente Laura, é muito bom ver a Alisha Glass jogando. A qualidade no toque de bola dela é incrível, a bola sempre sai limpa de suas mãos, ela joga com velocidade e dificilmente erra um levantamento. É sem dúvida uma das grandes levantadoras da atualidade.

Outra coisa que me chama atenção é quantidade de boas jogadoras que aparecem na seleção estadunidense. Esse time que está jogando o GP é muito consistente. Se juntarmos a esse grupo Hooker, Akinradewo, Larson e Hodge, a seleção dos EUA vai ser favorita nos torneios que disputar bom um bom tempo.
Anônimo disse…
Dani Lins é Melhor que a Pastora e ponto final !