segunda-feira, 12 de agosto de 2013

GP - Brasil 3x0 Porto Rico

Não sei se a previsão do Zé Roberto era exatamente promover a entrada de Thaisa e Fabi nesta última rodada ou se a derrota para a Bulgária acelerou o processo, mas o que interessa é que a presença delas deu um up no time.
 
Ok, Porto Rico não é adversário que dê muito parâmetro, exigiu muito pouco da seleção. Mesmo assim, do que pude acompanhar, não se pode negar que as meninas acrescentaram qualidade à equipe, sobretudo a Thaisa.

A volta das experientes estava dentro do cronograma, mas a leitura que faço no momento é que nenhuma jogadora que vinha como titular aproveitou a oportunidade e deixou, ao menos, uma dúvida na cabeça do Zé. Nem Brait, nem Jucy nem Adenízia conseguiram retardar o retorno das veteranas. 
 
************************

Pê esse:

- Sucesso de público em Porto Rico, hein? Nem com a seleção da casa jogando conseguiram ocupar um lado da arquibancada por inteiro.

- No próximo post vou comentar o Sportv Repórter sobre o um ano da conquista do bi-campeonato olímpico. Quem ainda não viu, vai ter reapresentação às 16h de terça (13/08 - Sportv3) e às 9h da manhã de quarta (14/08 - Sportv2).

5 comentários:

Julie disse...

Oi Laura... oi blog!

Confesso que me decepcionei com a seleção no jogo contra a Bulgária! Aliás... essa apatia repentina que se deu nessa partida... é a coisa que mais me incomoda nesse time, seja com que formação for! Não sei o que acontece... mas fica nítido na cara de todas elas que existe uma nuvem negra sobre a quadra e que não vai ser possível reverter a situação! O jogo entrou nesse clima... nessa vibração logo de cara... e eu senti de início o que ia acontecer! Time pra vencer a gente tinha... na quadra e no banco!!! Mas tava estampado que íamos perder! É como se elas se entregassem... não só elas, mas também toda a equipe técnica! Zé Deuzão Roberto idem! Macumba... patuá... reza forte... sei lá! rsrsrs!

Em relação ao Sportv Repórter... foi uma das PIORES edições de vídeo que eu já vi! Trabalho de estagiário que precisa cumprir horas pra faculdade sem ligar a mínima!!! Paraaaaa o mundo que eu quero descer... gente!!! Sem dúvida alguma a história da seleção em Londres foi uma das coisas mais emocionantes de todas as olimpíadas! E tudo está registrado em vídeos... entrevistas exclusivas pra Globo!!! Mega fácil pra um adolescente juntar 10 vt's com umas transições e arrebentar na emoção! E eles me saem com aquilo??? Me poupem! Re-dramatização é F&*%$#@(¨!da!

Sigo na torcida para a nuvem negra de "Lost" não alcançar as meninas
na próxima fase!

Bjssss

Anônimo disse...

Gente eu sei que não tem nada a ver com a pauta, mas, eu estou intrigada e não poderia deixar passar. Estava eu vasculhando o site da cbv e resolvi olhar as meninas da seleção infanto juvenil e lá bati o olho em uma central que deve estar com 17 anos e com 1,76 cm. Isso mesmo 1,76 cm de altura, meu Deus tamanho de líbero, estou chocada. Ou essa menina é um fenômeno bloqueando e atacando ou os dados estão errados.

Renato disse...

Olá Laura e pessoal do blog, boa noite !! Alguém tem alguma novidade sobre o time de Jacareí ?

tuliobr disse...

Querida Laura, caros amigos, nessa altura do GP eu penso que a SFV foi melhor que a minha expectativa inicial. Considerem vocês que essa formação jamais jogou junta, e nem esteve nos planos ou mesmo nos sonhos do JRG, e só foi à quadra por conta das imprevistas ausências de jogadoras como Natália, Tandara, Angélica ou Jaqueline (os deuses do vôlei continuam com sua má-vontade com a SFV). Acredito que esse time tem um certo potencial que, pelas circunstâncias, nunca veremos realizar-se, pois para ele funcionar não se pode colocá-lo para jogar como as seleções que contavam com Thaísa, Fabiana, Mari, Paula e outras campeãs olímpicas; Monique, Juciely, Adenízia têm outras características. Em um exercício de imaginação, vejo esse time atuando mais parecido com o Praia Clube da temporada passada, com a oposto participando do passe, a Garay fazendo o papel da Herrera, e as centrais dedicadas às bolas mais velozes ou combinações de jogadas. E defesa, muita defesa, sem tentativas de armar bloqueio triplo com jogadoras baixas. Evidentemente a volta das titulares reconduzirá a seleção ao que estamos acostumados a ver no longo ciclo do JRG. Fico torcendo por ele, mas com a impressão de que esse início de temporada é um ponto fora da curva e não servirá para nada na preparação para 2016; e ainda temo pela excessiva exposição da Gabi: não podemos esquecer que ela ainda é juvenil. Para terminar, Laura, pode ser implicância minha, mas depois de ver Vasileva e Nikolova no mesmo time, continuei com a impressão de que o JRG trouxe a búlgara errada no ano passado.

Anônimo disse...

Laura
Dando uma olhada nas chaves da última fase.
O Brasil Ja ta praticamente garantido entre a 6.

O único time q pode perigar sair entre os 6 eh a Itália q vai entrar numa chave difícel.

A Italía vazando entre os, quem tem mais chances de entrar pelos pontos e pelos adversários q pega na última fase, eh a Rússia.

Crowley.