GP - Brasil 3x0 Japão

Foi um trabalhoso 3x0, principalmente nos dois primeiros sets. O Brasil demorou para encontrar a marcação no bloqueio, mas quando o fez, foi o fundamento que fez a diferença para a seleção dominar o jogo. E neste ponto, Thaisa brilhou. Como já comentamos aqui, a presença dela no time faz a diferença.

Mais exigido do que na partida anterior, o Brasil voltou a apresentar problemas na recepção. Mesmo assim, em geral, não chegou a comprometer o ataque, tanto que Gabi e Garay se destacaram. A Gabi é uma baixinha que compensa ter no time.

Agora, é muito bom ver a qualidade que o time alcançou em termos de volume de jogo. Trouxe à equipe a outro nível de competitividade. O Brasil está se reencontrando com a sua cara, ou melhor, com a cara que o Zé Roberto dá a seus times.


**************************

Giro pelo GP

China 3x2 Itália; Sérvia 3x1 EUA

- Ontem disse que a Itália não ia passar de uma mera figurante na fase final do GP, mas a rodada de hoje me desmentiu. A seleção italiana tirou um pontinho importante da China e ajudou o Brasil na busca ao título.

- Como de costume, os pontos de ataque da Sérvia ficaram concentrados entre a Brakocevic e a Mihajlovic. Sem contar os saques da primeira. Estou curiosa para saber como o Brasil vai lidar com este forte poder ofensivo.

Comentários

Eduardo Araujo disse…
Olá hoje sim foi um jogo de Vôlei gostoso de ver, teve de tudo erros na recepção, pane na Dani Lins nesse momento eu achei que o ZR fosse colocar a Claudinha quando o Japão abriu muito, ate para dar uma conversada com a Dani, mas a mesma se recuperou na quadra mesmo e fez um jogo bom.

A Fabi vive fazendo eu queimar a linguá, passou bem e defendeu muito também, como a Laura disso o volume de jogo do Brasil foi muito bom, e quando o bloqueio entrou ai acabou o jogo, foram 14 pontos nesse fundamento em 3 sets, um numero muito bom, fora as bolas amortecidas.

Agora o meu destaque vai para a Gabi, essa menina é um aborto da natureza rs, os times adversários, sacam nela ela recebe bem, na defesa esta indo bem também e no ataque a menina da nó em pingo de aguá, pode levantar baixo, alto, fora de tempo que ela da um jeito, incrível.

O pessoal reclama de renovação na seleção, afinal enquanto as outras seleções estão fazendo testes a nossa é basicamente a mesma de uns 3 anos pra cá, isso faz com que o Brasil tenha obrigação de ganhar o torneio.

Mas se formos pensar tirando a Fabi essa geração é nova e tem gás para mais um mundial e olimpíada, para o mundial por exemplo a Fabi tem gás para ir, não sei se vai ter para as olimpíadas, mas falam que levantador e libero tem mais tempo no vôlei.

Agora pensando no mundial ano que vem das novatas a unica que ganhou uma vaga no time é a Gabi.

Pq penso que teremos a volta das seguintes jogadoras, Fabiola ate pq mesmo quando a Dani entra em pane, a Claudinha não esta entrando para dar uma relaxada na Dani e torneio para testar novas levantadoras era esse e isso não aconteceu, também deve voltar, Jaque, Tandara e a Nathalia e talvez as gemias, já que o ZR declarou que gostou muito do jogo delas, lembrando que tanto a Nathalia quanto a Tandara podem jogar de opostas ou ponteiras.

Moura BR disse…
Eduardo, o problema(BOM) para o Zé Roberto vai ser nas pontas, Gabi e Garay estão um pouco inseguras no passe mas sem comprometer o jogo, e no ataque estão muito consistentes. Quando a Nati(que substitui a Mari como nova filha do Zé Roberto), Tandara e a Jaque voltarem, quais serão as três que deixarão o time? Ou ele corta as gêmeas e a Daroit, ou, se quiser manter a Monique como saída ele não vai se desfazer da Gabi nem da Garay, nesse caso a meu ver quem vai sobrar vai ser a Tandara. Acho também que a Fabíola não volta, mas não acho que a Claudinha venha treinando como o Zé imaginava e por isso não joga. Acho que vale a pena manter um olhar lá pra Turquia para ver como será a temporada da Tiemi que parece ter retomado o voleibol da época de Minas.
Sobre o jogo, o Japão sacou forte como vinha fazendo durante o grand prix e conseguiu complicar as brasileiras, não coloco os erros de recepção na conta das brasileiras mas sim na eficiência japonesa. Outra coisa que me impressiona é que o Japão agora defende muito e ataca muito. O que eu vejo como a maior vantagem do Brasil sobre as outras seleções é o poder de fechar jogos, mesmo jogando atrás do placar o Brasil conseguiu a virada nos cinco últimos pontos.
Zé Henrique disse…
Excetuando a Gabi, que pena essa mocinha não ter uns 5 dedinhos a mais, a renovação brasileira é no banco de reservas.
A Monique não é jogadora para seleção.
Principalmente em competições mais importantes como mundial e olimpíadas.
Mas é isso aí, o Zé Roberto ficou sem a Tandara e a Natália, duas peças fundamentais no quesito renovação.
Ao meu ver o mais importante nesse ciclo olímpico é achar uma substituta a altura para a Fabizinha.

PS: Fabíola cintura dura não volta. A conquista do ouro em Londres e a mais que plausível conquista desse Gran Prix mostram que ela não faz falta.
Anônimo disse…
Falar que esta Gabi é fenômeno da natureza já é demais! Ela é mediana e ponto. Fenônmeno da natureza só teve um, Mireia Luis, com 1.73 e com um ataque fora de série. Esta Gabi é superestimada. Ela apenas faz o feijão com arroz e só. Quando Jaque retornar ela já era.