sábado, 23 de fevereiro de 2013

Uma vitória na derrota

Sollys/Osasco 3x2 Unilever


Quantas histórias em uma só partida.

E o final feliz foi de quem? Unilever, que garantiu o primeiro lugar mesmo derrotado, ou o Sollys, que venceu o clássico e deu o troco da partida do primeiro turno?

O Sollys brigou fortemente pela vitória mesmo sabendo que a liderança não poderia ser mais alcançada depois de dois sets perdidos. Foi emocionante a forma que as meninas entraram no quinto set e conquistaram o clássico.

Porém, não adianta. Quem saiu satisfeito, com o resultado que lhe interessava debaixo do braço, foi o Unilever. Uma vitória na derrota. O time do Rio de Janeiro, mais uma vez, se reinventou do nada.


************************

O Unilever chegou ao terceiro set sem qualquer controle da partida. A recepção até não era seu principal problema no jogo, mas sim os consecutivos (e irritantes) erros de saque e o mau aproveitamento nos contra-ataques.

E, de novo, uma substituição conduziu o grupo a uma mudança de atitude e deu maior opção de ataque. A Gabi cresceu com a entrada da Regiane e, a partir de então, fez uma grande partida. Teve peito para definir bolas importantes. Pavan, apesar de alvo fácil para explorar quando está no bloqueio, também foi decisiva para o Unilever.

O Sollys teve a partida nas mãos e diminuiu o ritmo. Assim como no clássico do primeiro turno, deu abertura para o Unilever crescer e não soube aproveitar as bolas que definiriam a partida a seu favor e ainda o dariam a liderança.

Saiu com uma vitória boa para moral, mas com um gostinho amargo.



************************

Pê ésse:

- Em jogos assim, a última coisa que queremos é comentar a atuação dos juízes porque significa que boa coisa não vem por aí. A arbitragem cometeu um erro grosseiro no terceiro set. A bola que a Fabi teria supostamente defendido bateu claramente no chão. O erro aconteceu num momento decisivo da partida. O ponto daria uma vantagem importante pro Osasco no final do set.


************************

Demais resultados da 9ª rodada do returno:


Rio do Sul 0x3 Praia Clube

Sesi 3x2 São Caetano
Vôlei Amil 3x1 Usiminas/Minas
Pinheiros 3x2 São Bernardo

************************

Os cruzamentos de quartas de final:

Unilever x Rio do Sul

Sollys x Usiminas/Minas

Vôlei Amil x Pinheiros
Praia Clube x Sesi

Difícil fazer qualquer previsão para o confronto entre Praia e Sesi. O Praia tem mais conjunto, mas sofre sem um nome de decisão desde a saída da Herrera. Já o Sesi é praticamente só individualidade, com a Tandara levando o time nas costas. É a equipe capaz de levar pro tie-break um jogo contra o Unilever e, numa rodada depois, sofrer para vencer o São Caetano, também no quinto set.

11 comentários:

Welmer disse...

Que jogo!!!

O Sollys poderia ter saído com os três pontos, mas a Uni conseguiu crescer no jogo e levar dois sets.

O clima do jogo foi como se fosse uma final. Depois de ter ganhado o 4 set a time carioca pareceu não se importar com o resultado. No quinto set, eu fiquei intrigado com aquela atitude da Jucy, pareceu que pelo fato da equipe carioca pouco se importar com o resultado da partida ela queria que a reação das jogadoras do Sollys fosse a mesma.

Segunda começa os playoffs e acho que podemos esperar por dois bons confrontos entre Amil e Pinheiros e SESI e Praia.

tuliobr disse...

Uma queixa recorrente dos torcedores quanto à SL é a repetição de finais envolvendo Sollys e Unilever. Evidentemente um dia isso terá fim mas, cá entre nós, quando acontecer ficaremos certamente com um sentimento de amargura escondido em algum canto, tal a característica épica que esse clássico conquistou com sua longa história de rivalidade, qualidade e emoção. O "derby" virou quase uma marca à parte da SL, esperado com ansiedade e vivido com intensidade, mesmo que não seja um jogo decisivo. No de ontem, achei muito boa a atuação da Fabíola: a frequência com que ela deixava o bloqueio carioca perdido deve ter colaborado para esgotar o fôlego da Fofão e a paciência da Juciely. No lado da Unilever, destaque sem dúvida para a Gabi; às vezes dá para esquecer que ela só tem dezoito anos, e nas condições normais de temperatura e pressão nem deveria estar ali; se está, é porque trata-se de um talento excepcional. A lamentar, a atuação da Natália. Lembro que, como oposta, ela foi a melhor jogadora em dois mundiais das categorias de base e, jovem como hoje é a Gabi, jogou excelentes temporadas na SL. Era uma oposta excepcional. Pergunto-me se terá valido a pena trocar uma oposta excepcional por uma ponteira que até hoje (à parte sua longa ausência por conta de uma cirurgia), conseguiu ser no máximo regular. Lamento também o atrito entre as comissões técnicas e os excessos de algumas jogadoras na veemência das reclamações ou comemorações. Devem os protagonistas do espetáculo terem sempre em mente que ali haviam espremidas quase cinco mil pessoas e o comportamento de multidões tem algo de imprevisível. Sei que é difícil pensar nisso na hora da adrenalina borbulhante, mas acho que o esforço é necessário diante do potencial dano que uma atitude fora de lugar pode provocar; a maioria das grandes explosões nasce de fagulhas insignificantes.

Evandro. disse...

Foi realmente um jogo muito bom. Gabi e sarah Pavan, com mais de 20 pontos cada, praticamente garantiram os dois sets ao Unilever para conquistar o primeiro lugar geral.

Natalia: o que dizer dela? Cade aquela garota que num quinto set de final, dos 15 pontos faz 9? Cade aquela jogadora que ataca com força na pequena diagonal? Ficou um ano parada? Sim, com certeza. Mas já está desde dezembro jogando, fora os meses antecedentes treinando. Onde tá a impulsão dela? O ataque espetacular? Visivilmente tensa, marcava ponto explorando o bloqueio só. O que vale mais: uma oposta de 30 pontos na partida ou uma ponteira que mal consegue passar e marcar 7 pontos?

Irritante a Adenízia: a cada ponto que fazia corria pelo ginasio comemorando com a torcida. Uma vez ou outra, num ponto disputado, tudo bem, mas nao em todos né...enche a paciencia hehe.

Em Osasco nao existe ginasio maior nao? Unilever nos classicos leva pro Maracanãzinho....

No final,Unilever conquistou o resultado desejado, alcançou o objetivo proposto e dorme feliz.

Eduardo Araujo disse...

Oi Laura e amigos, que jogo o de ontem, mais uma vez o banco salvou o Unilever, concordo com o TuliBr quando ele fala que a Fabiola jogou bem ontem, fazendo o ataque rodar as bolas, mas a defesa do Sollys tem que melhorar.
Tem alguns pontos que eu gostaria de compartilhar com vcs.
Embora o bloqueio da Unilever tenha ficado perdido muitas vezes durante o jogo a defesa delas é muito forte a Fabi jogou muito bem e o posicionamento delas é perfeito e também jogaram com uma sorte, muitas bolas batiam nelas e voltavam para quadra no lado do Sollys quando acontecia a bola ia para a galera.
A Gabi e a Regis elas devem jogar possuídas contra o Sollys.
Falando das opostos a Pavan vira bola quadrada, bola redonda e não importa quem levante, ela no ataque esta dando conta do recado, já a Sheilla esta deixando a desejar nesse sentido, a responsabilidade da oposta é virar bolas complicadas e ela não esta conseguindo fazer isso, é incrível como o contra ataque do Sollys fica prejudicado se a bola não for a fabiola que levanta.
Já o Bernardo é malandro, conseguiu 2 sets para tirar a pressão em cima da equipe dele no 5 set colocou a Roberta deixando a impressão para todo mundo que o Unilever não estava nem ai para o jogo, mas acredito que a Fofão ficou sem folego, já que em um rali grande ela não aguentou, afinal o Unilver vem fazendo muitos jogos de 5 sets e acho que ela começou a sentir isso, vamos ver daqui para frente como vai ser o preparo físico dela.
Meu ponto negativo vai para o arbitro errar todo mundo erra, mas existe situações que é aceitável como por exemplo a bola que mordeu a linha ou raspou no dedinho da jogadora.
Mas ele teve 3 erros grosseiros, bola na mão da Sheilla no 1 set, que ele falou que bateu na quadra e as duas bolas no 3 set pq foram duas bolas que bateram no chão na defesa da Fabi, uma os comentarista falaram a outra eles não falaram.
Talvez vcs nem tenham visto esse segundo erro no mesmo set, mas o primeiro erro o Sollys parou e tomou o ponto e isso sem duvida em um jogo tão disputado teve sim uma influência no resultado do jogo, já que irrita jogadoras e tira a concentração, tanto que o clima não ficou legal.

Euri disse...

Acho que o time do Sollys tem que melhorar em dois pontos: a relacão bloqueio e defesa, que não está se entendendo; e o jogo da Sheila, que já melhorou, mas que não está 100% e sem isso fica difícil ganhar fácil do Unilever.
Por falar em fácil, eu não gosto de culpar os juízes pelo resultado do jogo, mas a verdade é que aquele erro da bola que não bateu na mão da Fabi impediu que o Sollys tivesse feito um fácil três a zero no Unilever.
Foi impressão minha ou o Luizomar poderia ter se esforçado mais pra ganhar o terceiro set. Ele não fez nenhuma substituição, fez? Nem o 5x1 e nem com a Gabi que entrava para sacar? Porquê?
O bom do jogo foi a vitória e é só preciso uma para o Sollys ser campeão. Além disso, a Ade parece que voltou de vez ao ritmo.
Nas quartas, eu acho que os jogos do Amil e do Pinheiros vão ser os mais emocionantes. O Pinheiros cresceu muito e vem dando trabalho e o Amil, que parece que nem melhora e nem piora, vai ter trabalho para passar.
Praia e Sesi provavelmente é o mais difícil de escolher o favorito. Não gosto do jogos deles. Muita bipolaridade pro meu gosto.

Vivi disse...

Ainda bem que a DIVA RÉGIS entrou no lugar da NATÁLIA, caso contrário o UNILEVER perderia a liderança e o jogo por 3x0! Régis e Gabi fizeram excelente partida, a Natália fez FOFÃO correr como uma louca atrás dos passes horríveis dela. No mais Sarah Pavan, Valeskinha, Roberta Ratzke e Juciely tbém fizeram ótima partida.

Paulinho Adorador disse...

Quando cheguei em casa estava 25x24 pro Rio no 3º Set. Não vi as bolas duvidosas anteriores, mas parece que realmente tiveram influência no resultado final do jogo. Uma pequena avaliação dos times:
- Unillever é Sarah Pavan e Gaby. Se elas rodam o time joga, se não ficam perdidas.Fofão está sentindo o peso da idade, depois de começar voando a SL, acho que ela não suporta mais o ritmo intenso de às vezes 3 partidas por semana. Fabi continua dando show na defesa, mas líbero também tem que passar, e nisso ela peca. Gabi com certeza é esperança para geração 2020, espero que não aconteça nenhum acidente de percurso que a deixe como uma eterna promessa, como aconteceu com a Natália. E usando de sua experiência a Régis vem rendendo no ataque quando entra no jogo. Juciele é o grande destaque do time, bloqueia bem, e ataca bem, como as principais selecionáveis devem descansar em 2013, espero que tenha chances novamente na seleção, só não entendi a provocação pra cima da Jaque quando recebeu o toco, e porque o arbitro não amarelou, nem ao menos advertiu, já que foi tão claro. Valesquinha não se destaca, mas também não compromete, acho que está ali mais pela experiência do que pelo voleibol apresentado, até porque quem o Bernardo colocaria em seu lugar?
- Sollys: Fabíola reencontrou o seu jogo e tem concertado até passes ruins, ou seja, deixou de ser aquela levantadora que só joga com passe A. Thaísa segue sendo a melhor central do mundo, porém caiu um pouco de rendimento no bloqueio. Adenízia ainda não está 100%, mas está em visível evolução, gosto de como meche com a torcida. Garay é mais ataque do que passe, mas precisa aprender a usar mais técnica do que a força em alguns momentos, ontem ela levou alguns tocos desnecessários. Jaqueline está extremamente amadurecida, deixou de ser jogadora de composição e está virando bolas difíceis e importantes, embora leve alguns tocos ainda. Brait é a melhor líbero do Brasil há pelo menos 3 anos, indiscutível! Agora, por incrível que pareça, a Sheilla é o ponto fraco do Sollys, no jogo de ontem virou mais bolas do que o de costume, mas ainda não justificou o alto investimento da sua contratação, tirando o excelente desempenho do Mundial de Clubes, mas naquele campeonato, o nível dos times era no máximo um Sesi.

Do jogo do 1º turno pra cá o Sollys evoluiu enquanto o Unillever acentuou a dependência de Pavan, por isso acredito que se Sheilla voltar ao seu ritmo ou ficar pelo menos 90% do que pode, aposto no bicampeonato do Sollys, se não, qualquer coisa pode acontecer.

Mas uma das coisas que mais dá tesão no esporte é o fator surpresa, então vamos ver o que acontece.

Ter um MVP no time, nem sempre siginifica título! disse...

O confronto entre SESI e PRAIA, é o confronto da individualidade(TANDARA) contra o conjunto.
Por quanto tempo uma ponteira só definindo levará o SESI pra frente?
Como exemplo temos o caso das MVP's OLÍMPICAS, jogadoras completas e craques de bola, mas que às vezes não conseguem levar seu time ao título:
MVP LONDRES/2012: a coreana KIM, seleção campeã: Brasil.
MVP PEQUIM/2008: a brasileira PAULA, seleção campeã: Brasil.
MVP ATENAS/2004: a chinesa FENG KUN, seleção campeã: China.
MVP SIDNEY/2000: a croata BARBARA JELIC, seleção campeã: Cuba.
MVP ATLANTA/1996: a holandesa CINTHA BOERSMA, seleção campeã: Cuba.
MVP BARCELONA/1992: a japonesa MOTOKO OBAYASHI, seleção campeã:Cuba.
Pelo histórico das MVP's olímpicas e as seleções campeãs vimos que às vezes uma andorinha só não faz verão. Às vezes só uma atleta levando a responsabilidade do time nas costas como a Tandara faz no SESI pode não ser suficiente para conquistar um título importante.

Cintha Boersma disse...

Por falar em Cintha Boersma que saudades dessa holandesa craque de bola, MVP OLÍMPICA em Atlanta/1996. Ela foi formada na época em que a meio-de-rede fazia de tudo: passava, defendia, bloqueava, atacava etc... Foi uma das jogadoras fundadoras do projeto Rexona/Unilever, escolhida, à dedo, por Bernardinho depois de ter sido Campeã Europeia em 1995 e MVP olímpica em 1996, com o status de maior estrela internacional da Superliga 97/98, foi contratada junto com sua companheira de seleção e também campeã europeia, Erna Brinkman. Logo na sua primeira temporada foi campeã da Superliga 97/98 e depois vice em 98/99. O Rexona/Unilever estreiou na Superliga derrotando as equipes tradicionais e conquistando o título surpreendendo a todos por “monopolizar” os prêmios individuais da competição. Somente os prêmios de melhor ataque e melhor bloqueio não foram para as jogadoras do Rexona/Unilever. No bloqueio, a vencedora foi Janina Chagas, do Uniban/São Caetano e a melhor atacante foi Karin Rodrigues, do Leites Nestlé.
Dos oito prêmios, as jogadoras do Rexona levaram seis, na estreia do time:
1. "Melhor Jogadora Estrangeira (MVP estrangeira)": Cintha Boersma;
2. "Melhor Jogadora Brasileira (MVP brasileira)": Fernanda Venturini;
3. "Melhor Levantadora": Fernanda Venturini;
4. "Melhor Sacadora": Érika Coimbra com apenas 17 anos;
5. "Melhor Passadora": Estefânia;
6. "Melhor Defensora": Ana Volponi.

Sets e jogos longos=Record de contusoes disse...

Selecao pra mim eh JUCIELY e JULIANA CARRIJO e mais 10 jogadoras!
NATALIA nao merece selecao, ganhou o Ouro mais injusto das Olimpiadas e ate hj na justificou sua convocacao!
Algo esta muito errado. Essa temporada bateu o record em contusoes!!!
Causas: 1. Excesso de jogos;
2. Jogos muito longos e desgastantes;
3. Muitos jogos estao ultrapassando 2 horas de duracao, um jogo com mais de duas horas acaba como atleta fisiologicamente;
4. Jogos muito tensos e equilibrados provocam desgaste mental e,por conseguinte, fisico tbem: "mente sana in corpore sano";
5. Tem que haver alguma forma de se limitar o tempo dos jogos, ficar saltando durante tanto tempo nao e saudavel!
6. Sets que beiram os 30 pontos sao uma aberracao, isso detona os atletas, tem que mudar!
7. Cada set dveria durar no maximo 25 minutos, mais que isso e exagero;
8. O volei tem q mudar, FIVB E CBV, o Sr. Ary Graca, tem que encontrar urgente uma forma de limitar o tempo dos sets e dos jogos, pq os atletas estao pagando isso com um record de contusoes;
9. As piores sao as fraturas por stresse, caso do Giba e da dominicana Eve!

Moura BR disse...

Uma analise da SFV

Arbitragem MUUUUUITO fraca e tendenciosa.


A Fernanda Garay a pelo menos quatro temporadas vem tendo o desempenho parecido, inclusive nessa, teve queda nas estatisticas de bloqueio. Que bom que finalmente está tendo o reconhecimento merecido.Infelizmente e possivelmente quem, no caso de titulo do osasco, será eleita a melhor da temporada será Jaqueline já que além de também vir jogando muito bem a escolha é politica e não por critérios técnicos, mas pelos numeros a Garay é quem merece.

Tandara é uma excelente definidora porém não é ponteira, para ser ponteira teria que desempenhar bem em mais fundamentos. Agora mais magra poderia ser a solução da saida de rede brasileira.

Sheila ta cansada e é muito diva para ser humilde e reconhecer a má fase, coloca toda sua frustração e suas mas atuações na conta da Fabíola. Pode voltar a sentir o gostinho de sangue agora nos play-offs e se redimir como fez em Londres.

Fabíola não veio bem para essa temporada. A contusão no dedo a impede de fazer inverões mais longas que eram uma caracteristica sua. O corte no saguao do aeroporto feito pelo patife do ZRG também parece ter tirado um pouco da sua confiança. Sua ditribuição está muito previsivel.

Gabizinha é uma jogadora excepcional, e será a ponteira em 2016 junto com a Garay. Espero que ZRG não coma barriga e já a coloque junto com a seleção principal ao final dessa temporada.

Natalia está dando pena de verdade. Ela vai precisar de muito trabalho psicologico para voltar as grandes atuações, inclusive acredito que ter ido a londres piorou sua cabeça pela rejeição sofrida da parte dos torcedores que a viram tirar o lugar de alguém que pudesse ajudar. Ela sabe que foi injusta sua ida.(Parabéns José Roberto)

Sollys tem um grande elenco e um treinador fraco, mas ainda é o favorito ao meu ver.
Unillever tem um grande técnico e um bom elenco, mas não da pra confiar na Natalia e na Régis para passar na mão da Fofão que ainda vai ter um infarte um dia desses de tanto correr na quadra.
Sesi tem um elenco que aguarda as férias e a nova temporada em outro clube.Deprimente!
BananaBoat achou que ia ser grande mas a realidade ainda é dura. Deyse é muito fraca não produz nem 10% do que a Herrera produzia. Se tivesse uma Neneca no elenco poderia ter melhor sorte na competição.
Campinas pode ser uma surpresa pra reta final, mas duvido. Ano que vem deve vir com maior qualidade e brigando por titulo.
Pinheiros foi uma grata surpresa, um time sem responsabilidade, e meninas novas que souberam aproveitar a superliga para ganhar quadra e experiencia.
Minas já foi grande mas infelizmente me parece estar se tornando um São Caetano. Joga a superliga apenas pela tradição. Lia poderia estar em uma equipe melhor porém como é uma menina de dificil convivencia deve pingar pelos pequenos por muito tempo.

Abraço