terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Hoje é dia de bloqueio, bebê

Sollys/Osasco 3x0 Usiminas/Minas

Vitória tranquila, tranquila para o Sollys. Uma goleada, ainda mais se formos conferir os números de pontos de ataque (47x29) e bloqueio (15x3)

A Fabíola jogou com a bola na mão e fez uma distribuição homogênea, o que deixou o Minas perdido na marcação do ataque paulista.

Mais para o final do jogo, a levantadora concentrou o jogo na Sheilla e a oposto correspondeu. Foi a maior pontuadora da partida e a melhor notícia que o torcedor do Sollys poderia ter. Fica a expectativa de que ela possa repetir a atuação nos próximos jogos.

Já o Minas teve uma enorme dificuldade de pontuar no ataque. Isso porque o bloqueio e a defesa do Sollys acabaram com o jogo mineiro. O Minas ficou perdido, sem saída e só pôde esperar pela derrota.

Gostei da qualidade e seriedade do Sollys. O ritmo, mesmo com as substituições do terceiro set, não diminuiu e o Minas não conseguiu sequer complicar o jogo, colocar alguma pressão no adversário.


*****************************


Assim como o Sollys, o Unilever confirmou o favoritismo com uma vitória tranquila e baseada na força do bloqueio. Mas ao contrário do rival, o time do Rio deu suas derrapadas. Por diversas vezes se desconcentrou e cometeu erros de recepção.

Ao menos o bloqueio compensou as falhas do passe e, nos momentos mais delicados, foi ele que evitou que o Rio do Sul complicasse a partida.

Agora, uma pergunta: alguém sente falta da Logan Tom? Com a temporada que a norte-americana vinha fazendo, a entrada da Gabi só veio a acrescentar. 


 *****************************

Pê ésse:

- Vou viajar e não sei se vou conseguir acompanhar os próximos jogos das quartas de final. Mas o Papo vai estar aberto para comentarmos cada partida. Conto com vocês para ficar a par dos confrontos. ;) 

15 comentários:

Anônimo disse...

Laura, em noite de bloqueio, ressalto um bloqueio em especifico da talentosa, mas pequenina Elis de 1.68 que bloqueou a nossa eterna promessa Natália. Há algo de errado, não é possível, por favor seja sincera. Ela não é nem sombra daquela Natália q marcou praticamente os 15 pontos do tie break em 2010..eu estava no ibirapuera e vi uma jogadora vibrante e hj me parece mais cumprir tabela. Ela não tem mais a mesma impulsão e poténcia de antes. Não venha com esse papo de estar sem ritmo. Alias, Unilever é um time que é a cara do técnico, acho que se o bernardinho treinasse o rio do sul, seria finalista. Vejo jogadoras robotizadas que cumprem a risca o que o técnico exige e só fica por lá quem não for rebelde, regis e outras coadjuvantes. Admirável a competência dele? Não sei, afinal foram alguns vices ultimamente, incluo olimpiadas tb. Juciely mostrou na sexta como é jogar sob pressão, chorou e mostrou como é o ambiente. Queria apenas o seu comentário, contrário ou não. Abraço sua fã, Deborah

Welmer disse...

Finalmente a Sheilla teve uma atuação que dela se espera.

Acho que desses dois jogos a atuação da Sheilla é o grande destaque, já que ela vinha com atuações um tanto apagadas.

Agora, realmente a Logan Tom tá fazendo falta nenhuma. Se na temporada passada a Gabi foi uma das boas revelações da Superliga, essa temporada tá sendo a temporada de afirmação dela.

Eu também concordo com o que a Deborah falou com relação ao Bernardinho. Ele é um excelente técnico e acho que ele pode tornar qualquer time razoável em um time competitivo. Por isso, eu tenho um certo receio se ele deixar o comando da Unilever um dia se o time terá a mesma competitividade que tem com ele no comando.

Laura disse...

Oi, Deborah. Obrigada pelo comentário.

Pois é, sobre a Natália, a resposta que tenho é aquela que não queres ouvir. Eu penso que é uma questão de estar ainda em processo de recuperação.

Mas tem uma verdade na qual podemos refletir: nem ela nem a Mari, na temporada passada, conseguiram recuperar as suas melhores condições no Unilever.Coincidência ou o modo de trabalho não as ajudou/a?

Eduardo Araujo disse...

Olá os jogos de hoje foram treinos, vocês concordam? o clima no Sollys era de total tranquilidade e pra mim isso ficou bem evidente no 3 set quando o auxiliar técnico fala para a Fabíola contra-ataque com a Sheilla na maior distancia e ele vira para a Sheilla e fala contra-ataque com você na maior distancia e a Thaisa fala não eu também quero bater e todo mundo da risada .

Agora como esse time do Minas conseguiu ganhar da Unilever é um verdadeiro mistério, a linha de recepção delas é muito ruim e contra o bloqueio do Sollys parecia que o Sollys estava batendo em bêbado!!

Acho que esses jogos do Sollys e da Unilever serão somente para treinar mesmo e recuperar atletas, o Sollys deve insistir muito nas jogadas com a Sheilla e acho que o Unilver vai fazer a mesma coisa com a Nathalia.

Falando em Nathalia essa fase dela esta preocupante talvez ela nunca volte a ter a força que tinha, se for o caso ela vai ter que se adaptar e mudar a forma de jogar.

Abraão disse...

Ola Laura, gostaria de falar que jamais me canso de ler suas opinioes, nunca vi da sua parte nenhuma injustiça ou comentario sem fundamento como existe por ai em tantos outros espaços, por isso sera tao ruim para nos que voce se ausente do blog por esses dias. Mas enfim vamos ao que interessa. Vi os dois jogos de ontem e por enquanto nenhuma surpresa, esse time do minas nunca faria mesmo frente a equipe de osasco e so questao de protocolo mesmo. Agora Deborah, veja so o paradoxo da sua opiniao; voce estava no ibirapuera quando a Natalia simplesmente destruiu o time do rio naquela final historica. Entao tu nao podes dizer que aquela jogadora e uma promessa certo? sendo a mais jovem de todas ela assumiu uma responsabilidade que cabia as veteranas e mesmo assim saiu com a vitoria que tanto queria. Naquele ano Deborah ela esteve sempre entre as quatro maiores pontuadoras da competicao, sendo a maior pontuadora entre as finalistas. No ano anterior fez 34 pontos na final em que seu time perdeu. Em 2009 foi ao lado de Sheila e Mari a grande referencia no ataque da seleçao brasileira. Ou seja Natalia e uma jogadora totalmente consolidada, tirando as pessoas leigas que por simples ma vontade ignoram o que ela representa para o volei do Brasil, nunca vi nenhum especialista duvidar do que ela ja mostrou por varias temporadas seguidas ser capaz de fazer. Nunca foi casualidade Deborah, voce mesma é testemunha disso.

Anônimo disse...

Natalia=flopada

Anônimo disse...

Abrãao, concordo com a Debs e com "Anônimo", A Nat não se firmou como jogadora de seleção, por isso, muitos dizem, com razão, que ela é uma "eterna promessa". Desde a temporada de 2011 (última no Sollys) ela tem jogado nada!!! Fato!!! Por isso, ratifico: #Natália=flopada.

Aline N. disse...

Sobre a questão da Natalia, acho que é impossível uma jogadora passar mais de um ano parada, e no seguinte, você querer que ela arrase (por mais que no fundo a gente torça para isso). Não sou atleta, mas acho que ritmo de jogo pesa sim, e com certeza é o que falta a ela. Arrisco-me a dizer até, que talvez, a gente não veja mais aquela Natalia da final da Superliga 09/10 (espero que isso não aconteça!), e que acabou com aquele jogo. Mas isso não quer dizer que ela não seja fundamental para a Seleção ou seu Clube, pelo contrário, agora ela vai ser meio que “forçada” a se reinventar como atleta, se sua potência foi comprometida, ela tem que buscar outras alternativas, saber trabalhar outras formas de ataques aliadas a sua força.

Um exemplo que poderia ser citado é a própria Tandara, que está fazendo a diferença no Sesi, e já foi bastante elogiada por aqui mesmo no blog. Quantas vezes eu me desesperei com aquelas bolas jogadas fora por ela, e que poderiam ter sido mais bem trabalhadas, hoje graças a Deus, e não por um motivo de lesão, e sim, talvez por causa de um amadurecimento por parte dela, acredito que tanto físico como psicológico, ela já tem mais “golpes” e, é a maior pontuadora da Superliga.

Sheilla é outra, diversos golpes na manga e excepcional jogadora, que a meu ver foi um pouquinho injusta com as criticas (beleza, estava jogando abaixo do seu nível, mas tinha bastante crédito, diga-se de passagem), e agora já deu um sinal de que pode voltar a ser aquela jogadora decisiva. Eu vi alguns comentários, de que era melhor ter mantido a Hooker do que ter trazido ela, vale lembrar também, que a Hooker não foi nenhum pouco profissional no inicio da temporada, se lesionando por “conta própria”, mas no momento mais importante fez o que dela se esperava, decidiu. Por que com a Sheilla não pode ser diferente? Temos que valorizar mais o que é nosso!!

Com isso, acho que somente com paciência é que vamos descobrir se a Natalia vai voltar a ser decisiva e importante, tanto para o seu Clube como para a nossa Seleção. Agora isso, de ser eterna promessa ou não, na minha opinião não cabe a ela, é preciso avaliar que a jogadora que desde 2011 (que foi dito que ela não jogou nada), já sofria com essa lesão, no ano seguinte devido a essa mesma lesão fez duas cirurgias e ficou a temporada toda parada, e somente agora está podendo retornar as quadras. Se nesses, praticamente, três anos ela estivesse atuando normal, e não fazendo nenhuma diferença, ai sim poderia ser intitulada dessa forma.

Isso é somente minha opinião, posso está certa ou não, mas cada um tem seu ponto de vista...

Anônimo disse...

alguém pode me explicar o que é flopada?

Anônimo disse...

PRAIA, PRAIA!

J.W. disse...

O Sesi tem um elenco de valor não convenceram até agora, por que? Não sei o que falta. O treinador Talmo parece ser competente e mais importante, é respeitado pelas jogadoras, seria bom ver o Sesi na semi. O Praia também se superou, quando diziam que o time dependia da cubana, quase acreditei, felizmente elas provaram que o conjunto é bom. Claro que Herrera é boa atacante mas sem um bom time ela não faria milagres. O que me deixa desconfiada é o Amil Campinas, Waleska, Natasha, Pri Daroit, Daymi e Vasileva, nomes de respeito mas estão sofrendo para vencer em seus jogos, o que está errado?Culpa do passe? Levantadora? E não entendo o segredo do Bernardinho, um time ruim no passe, centrais baixas, saque razoável e o time vence todas? Não vi o jogo contra o Minas, gostaria de ver o que é que as mineiras fizeram para derrotar as cariocas. Natália é forte mas nas horas decisivas ela erra, foi assim no Osasco e principalmente na seleção. Ela é oposta, não adianta tentar fazê-la passadora. Mari foi sensacional em 2008, ninguém pode negar, depois teve problemas e não repetiu a boa fase. Sheilla é com certeza melhor do que Hooker. Experiência, todos os golpes e profissional de verdade. Concordo com o que disseram sobre a palhaçada da americana no Sollys, parecida com a levantadora que jogava no V.Futuro, não gostou e foi embora, simples assim! Felizmente para o Sollys e principalmente para ela, resolveu vestir a camisa do time, literalmente, e foi decisiva no último confronto com o Unilever.

super-novatas disse...

Essas 4 novatas são os meus maiores destaques dessa superliga:
1. GABI GUIMARÃES, ponta;
2. JULIANA CARRIJO, armadora;
3. ANGÉLICA MALINVERNO, meio-de-rede;
4. TÁSSIA SILVA,líbero.
A GABI GUIMARÃES é um verdadeiro “FENÔMENO”, é a melhor ponteira de Unilever, pôs LOGAM TOM no banco antes dela se contundir. Gabi tem muita personalidade, liderança, pede bola, chama a responsabilidade para si e resolve!!! Sinceramente nunca vi uma jogadora com apenas 18 anos com tanta personalidade e liderança, a camisa da UNILEVER não pesou para ela, ela simplesmente não amarelou com tamanha responsabilidade. Em vez disso, GABI foi uma das grandes responsáveis pela manutenção da UNILEVER no topo da tabela! Nunca vi isso: uma garota de apenas 18 anos ter a responsabilidade de manter um time do porte da UNILEVER na liderança do campeonato numa função de faz-tudo. Ela passa, ataca, bloqueia, saca e defende com muita eficiência e está mostrando que é um jogadora fora-de-série pela idade que tem. Parabéns também ao trabalho do Bernardinho com a Gabi, ele acreditou no potencial da garota e deu a oportunidade que ela merecia para mostrar seu voleibol e evoluir cada vez mais.
Juliana Carrijo joga com maestria, corajosa, ousada, determinada, arrojada são algumas das suas caraterísticas, é um colírio para os olhas vê-la jogando.
Angélica MAlinverno, uma central diferenciada, com muita força física, tem um porradão nas bolas de meio e bloqueia de forma fantástica. Das centrais que vi jogar é a que ataca mais forte, tem a mão muito pesada e eficiente.
Líbero: a Tássia é uma líbero exemplar, o sonho de toda a levantadora, passes com açúcar para as levantadoras poderem usar toda sua criatividade na armação, ótimo posicionamento de defesa e agilidade na cobertura de bolas.

Tandara 3x0 Praia disse...

A CAMPEA OLIMPICA TANDARA simplesmente acabou com o jogo! MAO PESADISSIMA no saque,ataque e bloqueio,ela pontuou como quis! TANDARA FURACAO passou como um ROLO COMPRESSOR devastando a corajosa equipe do PRAIA CLUB! Spencer Lee fez o deu,mas estava impossivel deter TANDARA!

Anônimo disse...

Me poupe, um fenômeno?!! menos bem menos..ela é rainha em terra de jogadora de 1.60. Apresenta ela pro time da Russia, USA. Só toco. Ela dará uma boa líbero quando a anciã amiga dela finalmente se aposentar.

Anônimo disse...

claro que falo da Gabi