sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Que dó, que dó


Foi de dar pena. O Unilever esmagou o Sesi. Primeiro, no saque. Que dó da líbero Juliana. Segundo, no bloqueio. Que dó das atacantes do time paulista.

As sequências de bons saques do Unilever acabou com a confiança do Sesi, que esqueceu que também poderia usar da mesma arma contra a equipe carioca. Quando resolveu ser mais agressivo no saque, no terceiro set, conseguiu liderar o placar. Até o momento que, pela terceira vez no jogo, empacou com problemas de recepção e a falta de eficiência de suas atacantes.
 
Não foi uma boa partida da levantora Dani Lins. Ela sofreu com o passe, mas errou a medida de bolas fáceis. Com exceção da Fabiana, da Tandara (assim, assim) e da Marina (que entrou bem), nada se salvou no time do Sesi. Não entendi porque o Talmo manteve a Jéssica no lugar da Sassá, que até ajudou no início, mas pouco colaborou no restante da partida.

De qualquer forma, tenho que admitir que iria fazer pouca diferença. O Unilever venceu porque se aproveitou melhor das fraquezas do Sesi, marcou as jogadas do adversário e teve uma bola de segurança importante: Sarah Pavan. Isso porque o ataque carioca também não esteve lá essas coisas. A Fofão não pôde usar muito as centrais e Natália e Logan foram bem marcadas pelo Sesi. Sobrou para a canadense fazer seu papel de oposto e decidir. 

Ainda assim, para mim, o destaque da partida ficou por conta da Juciely. Afinal, a meio de rede brilhou nos fundamentos que fizeram a diferença para o seu time: saque e bloqueio.

*************************


Demais resultados da 8ª rodada:

São Caetano 3x2 São Bernardo 


Vôlei Amil 0x3 Banana Boat/Praia Clube

Rio do Sul 2x3 Pinheiros



- O São Bernardo conseguiu o primeiro ponto na SL! Mas, também, só isso. Abriu 2x0, porém levou a virada do São Caetano. Não sei o que prever para o SB. Talvez a pausa de final de ano ajude o treinador José Alexandre a formar um time. Sim, porque até agora o SB é uma confusão, sem estilo de jogo muito menos jogadoras definidas. 

E o “definida” aqui pode ter dois sentidos. Um é que há um troca-troca de atletas. Numa hora a Renatinha é oposta, na outra a Masso, etc. Num momento a Stephany é a líbero, depois a Ana Paula. E também serve para descrever a forma física de algumas jogadoras. Será que por isso o time parece cansado? A diferença de disposição na partida contra o Sanca foi gritante.

De qualquer forma, temos que dar o mérito ao Sanca, que não desistiu nunca. As meninas comandadas pelo Hairton Cabral mantiveram o fôlego até o fim e alcançaram uma importante vitória. Gostei da oposta Dani, que puxou pelo grupo e foi a maior pontuadora do jogo, e da central Aline, que conseguiu importantes bloqueios.

- Seguindo a lógica de Unilever x Sesi, o que era para ser mais um jogo equilibrado na SL acabou em 3x0. O Praia conseguiu mais um ótimo resultado. E para a surpresa de todos, sem a ajuda da Herrera, que saiu machucada no primeiro set - o que torna o resultado ainda mais especial. Monique assumiu o papel de principal atacante e marcou 21 pontos. E a outra supresa foi ver a pontuação da búlgara Vasileva, do Campinas: 2 pontos. Noite infeliz para o time do Zé Roberto.

*************************
Pê esse:

Esta semana a Sheilla recebeu o prêmio Brasil Olímpico de melhor atleta do vôlei e de todas as modalidades. Acho ótimo que o vôlei feminino tenha alcançado estes dois reconhecimentos, mas não vejo a Sheilla como a melhor representante do esporte e da campanha olímpica do vôlei feminino em 2012.
 
Se eu pudesse escolher este nome, seria a Thaisa. Acho que seria uma das poucas jogadoras que passariam incólumes a possível tragédia de uma eliminação na primeira fase. Esteve bem do início ao final da Olimpíada. Mas o mais importante é que ninguém melhor vestiu e mostrou o espírito de recuperação, garra, indignação e todos os outros sentimentos e sensações que despertaram os Jogos de Londres.
 
Sem tirar o mérito da Sheilla, que foi também uma jogadora importantíssima para a seleção, mas a central do Osasco deu algo mais. Lembro do choro da Thaisa ao errar um saque, a cobrança e o abatimento pela má campanha e, depois, o brilho e o destaque nos jogos decisivos contra China e Rússia. Enfim, para mim, foi a cara do vôlei feminino na Olimpíada.

5 comentários:

Welmer disse...

Eu só consegui ver o finalzinho do terceiro set e me surpreendi quando liguei a televisão e o placar apontava 2 a 0 pra Unilever já encaminhando o terceiro set. Eu esperava um jogo equilibrado, assim como o SESI com o Sollys, mas o saque carioca fez a diferença e quebrou a recepção da equipe paulista.

O resultado do jogo entre Praia e Amil também me surpreendeu. A equipe mineira venceu sem poder contar com a cubana Herrera desde o primeiro set, e a equipe campineira contou com uma apagada atuação da Vasileva.

João Lucas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Lucas disse...

Realmente Juliana sofreu no passe, é uma líbero muito jovem tem boa defesa, porém, pena na recepção. Juciely e Pavan desequilibraram. O Sesi só tem uma viradora de bolas que é a Tandara que quando muito marcada, como no jogo de hoje, o time inteiro desanda. Tandara no ataque e Dani no levantamento não vão fazer milagres.

O jogo entre Praia e Campinas deve ter sido muito interessante, o que não deixou de ser surpreendente de como ocorreu a vitória do time mineiro.

Quanto a premiação, todos sabem a minha opinião que é igual a sua, ninguém ali naquele grupo mereceu mais que Thaísa. Sheilla brilhou no quinto set cntra a Rússia e Thaísa foi esencial durante toda a Olímpiada inclusive naquele jogo.

Paulinho Adorador disse...

Concordo com todas as suas observações Laura. O Sesi surpreendeu negativamente, mas acho que o Talmo peca por demorar a mecher no time. Mas a surpresa mesmo foi a derrota do Amil com a Vasileva fazendo apenas 2 pontos.
Quanto à premiação, qualquer pessoa que realmente entende de voleibol sabe que a real merecedora seria a Thaísa, que vem carregando a seleção nos ombros desde 2010.

Eduardo Araujo disse...

Olá, que surra!!! o SESI foi passear ou o pessoal estava pensando nas festas que elas não poderão participar, já que vão viajar para um torneio internacional, no qual devo dizer que o Brasil vai passar vergonha com o SESI representando.

Não teve jogo, o passe estava algo tenebroso, acho que elas conseguiram tomar 12 ou 15 pontos de saque, parecia uma equipe profissional contra uma amadora.

Quando o passe existia a Dani Lins levantava errado as bolas, fora do tempo, ou muito atrás ou muito na frente das jogadoras, nos ralis era Unilever atacando e SESI passando a bola de graça.

Tandara sendo bloqueada de todos os jeitos possíveis e imaginários.

E nem a Unilever fez uma boa apresentação e o jogo estava tão fácil que não entendi pq o Bernado não queria os microfones nos tempos técnicos, afinal era sacar e fazer pontos!!!

Agora me deixou preocupado os sorrisos das jogadoras do SESI no final do jogo, achando que estava td maravilhoso!!!

No final esse ano o SESI vai ser saco de pancadas dos outros times outra vez!!!