Das coisas que (ainda) não entendo



Primeiro, muito obrigada ao Eduardo Araújo por nos recomendar esta entrevista da Fabíola, Jaqueline e Luizomar. Vou aproveitar e colocar um trecho também da entrevista publicada na revista ESPN com o Zé Roberto. 



 ********************

Revista ESPN - outubro/2012

Você teve problemas de lesão, disciplina e relacionamento entre as jogadoras. Ao fechar o time com 12, manteve a Paula Pequeno, mas, quando chegou ao Brasil, ela reclamou que foi mal aproveitada. Como lidar com isso?

Infelizmente, acho que foi uma frase mal colocada, ela não parou para pensar na performance da Gray., que entrou muito bem no lugar dela. Achei uma de respeito à Paula com uma companheira, porque as mesmas orientações dadas ao grupo foram dadas a Paula. É uma questãio de aproveitamento: nas veses em que ela entrou, não foi bem. A Fernanda foi mais feliz. Gosto de frisar que, quando temos 12 jogadores do mesmo nível, joga quem estiver melhor. Em 2008, a Jaqueline era titular e a brigada pela outra posição era entre a Paula e a Mari. Mas a Jaque não estava bem, acabou ficando de fora , e a Paula foi a meljhor jogadora da Olimpíada. Você não pode ser protagonista o tempo todo. O importante não é quem joga, mas como a equipe se define nas horas decisivas. O mais importante foi termos sido campeões. A Paula ajudou, mas foi infeliz no comentário.

Este último foi o ciclo olímpico mais difícil no qual você já trabalhou?

Sim, porque após uma grande conquista é difícil continuar ganhando. Parece que se trabalho já foi cumprido. Aparecem as acomodações, as jogadoras entram em uma zona de conforto, os sacrifícios são deixados de lado e não pode ser assim. Nossa história mostra que, quando cometemos esses erros, a gente sucumbe. Foi o ciclo mais complicado, de muita briga e muitos problemas, mas graças a Deus terminou bem.

Como foi cortar a Fabíola, melhor levantadora da última Superliga? Foi um alívio ver a Dani Lins tão bem?

Alívio, não. Porque eu sempre disse que a Dani, das três levantadoras, era melhor tecnicamente. Faltava amadurecer. Uma atacante você demora cinco, sete anos para construir. Uma levantadora leva o dobro. A Dani vinha num crescente, mas precisava ter uma personalidade mais contundente em relação às companheiras. Muitas vezes ela era a culpada do fracasso das outras e assimilava o golpe. Já a Fernandinha sempre teve um estilo diferente da Dani e da Fabíola: era importante para poder mudar o ritmo de jogo. E a Fabíola não estava bem, não estava tranquila. A Dani tinha entrado melhor: mesmo na berlinda, em uma situação complicada, não deixou de dar força às companheiras, correndo atrás, com astral bom. Isso foi fundamental para que a Dani ficasse. Ela mostrou para todo mundo que queria mais do que tudo estar na Olimpíada, mas sem forçar a barra, sem falar muito e com uma postura muito legal. Enquanto isso eu via a Fabíola toda nervosa e sem jogar à vontade.


 ********************

Bom, para não me repetir muito sobre o mesmo assunto, tenho duas coisas a dizer:

- Realmente a forma com a qual a Fabíola lidou com tudo isso foi excepcional. Se até hoje nós torcedores não conseguimos engolir o corte e voltamos constantemente a este tema, imaginem como foi para ela lidar com tudo isso e se recuperar. 

O silêncio da Fabíola garantiu a sobrevivência da seleção. Ela poderia ter seguido o caminho da Mari, que convocou uma entrevista coletiva e deu declarações desagradáveis. Poderia ter chutado o balde, e criado uma crise ainda maior. Mas não. Ela jogou à favor da seleção, mesmo fora dela.

- Engraçado como é difícil para o Zé explicar o corte da Fabíola. Ele elogia a Dani, a Fernandinha, mas falar o que o levou a cortar a Fabíola é complicado. Na entrevista, ele conta que a levantadora não estava à vontade, nervosa. Se ele acreditasse no talento dela, teria a mesma paciência que teve com a Dani Lins. Não adianta, não dá pra justificar quando há um peso e duas medidas. Durante este processo, o treinador sempre usou critérios diferentes para avaliar a Fabíola e as demais.

Comentários

Eduardo Araujo disse…
Oi Laura e Amigos que bom que gostaram do link, achei que seria legal as pessoas conhecerem o lado da Fabíola também.

É interessante como nenhuma jogadora fala detalhadamente da campanha olímpica, o único que fala e se deixar fala durante horas é o ZR ele claro esta aproveitando para fazer o nome dele ficar ainda mais forte, a poucos dias atrás ele foi eleito o 3 esportista mais influente no Brasil.

Nas entrevistas dele, ele pinta um quadro, eu como gosto do vôlei e sempre que posso vejo entrevista das jogadoras assim como vcs somos, todos viciados em vôlei!!

Eu comecei a ver algumas coisas interessantes, as poucas que falaram alguma coisa, falaram rápido, não entraram em detalhes e não exaltaram o ZR!

Por exemplo a Jaque e o Murilo no programa de frente para a Gabi, antes do programa o ZR declarou para a imprensa que o Murilo e o Sidão foram muito importantes para a Jaque e a Dani, pois ajudaram elas nas olimpíadas.

A Gabi como uma boa apresentadora que é comentou sobre o assunto perguntando se eles se viam muito durante as olimpíadas, tanto a Jaque como o Murilo falaram que era quase impossível eles se verem já que quando elas estavam treinando eles estavam jogando e vice e versa, o Murilo disse que os homens ficavam no segundo andar e elas no primeiro e a concentração era total, parece que eles se viram uma vez no refeitório e bem rápido, contrariando oq disse o ZR.

Em uma outra pergunta da apresentadora a mesma faz a seguinte pergunta qual o treinador é melhor o Bernardo ou o Zr, a jaque por questão ética fala que são iguais e o Murilo fala sou meio suspeito para falar já que gosto muito do Bernardo e nunca trabalhei com o ZR, mas conheço as histórias, por isso eu escolho o Bernado.

Tem a entrevista da Fabizona no final das olimpíadas falando sobre a reunião com o ZR, a mesma nunca mais declarou nada a respeito.

Tem a Sheilla no programa do Jo mostrando a medalha e estranhamente falando muito pouco da campanha e o Jo não perguntando quase nada sobre isso.

Tem a ade no arena ela não leva a medalha de ouro olímpica, somente leva a medalha paulista e quando questionada ela afirma não foi ZR e nem treinamento a reação veio de dentro ela fala isso bem rápido e no final da entrevista.

Quanto a Fernandinha existem alguns boatos que acaba vendo em fóruns como por exemplo o pai da fernanda é amigo pessoal do Zr e por isso que ela acabou sendo encaixada outros falam que a Amil precisava de uma jogadora famosa da atual geração para melhorar a imagem do elenco e o fato é que metade das jogadoras da Amil estão na seleção B.

O ZR não vai na Band sports pq a emissora foi uma das poucas a contestar o treinador no caso da fabiola e pq um repórter da emissora conseguiu a lista final das jogadoras que iriam para as olimpíadas com o COB, deixando o Zr na época em uma saia justa, já que o mesmo falava para as jogadoras que todas tinham chance, quando na vdd a lista já estava feita!!

Mas pra mim pessoalmente o pior caso foi o da Brait que foi para londres com a desculpa que caso ela não estivesse na lista seria membro da comissão técnica, oq nunca aconteceu e a Brait também foi dispensada no aeroporto ganhando como premio um almoço no restaurante da vila e indo embora poucas horas depois chorando!!!
Realmente, o ZRG já encheu o saco de quem é apaixonado pelo voleibol. Não tem argumentos sólidos para explicar os cortes da Brait e da Fabíola e fica tentando jogar conversa fora. Mas o que me deixa mais contrariado é que a grande mídia nunca questiona.
Espero que se a CBV confirmá-lo como técnino para o próximo ciclo, que o obrigue pelo menos a treinar um time masculino, ou então ir pra fora do país. Se não, espero que os grandes nomes da seleção (Thaísa, Fabiana, Sheila, Jaqueline) tenham peito para boicotar o trabalho dele, assim como a geração de Ana Moser boicotou o Wadson de Lima e nos idos de 2000 a Fofão liderou o boicote ao Marco Aurélio. Quem sabe a Jaque e a Thaísa não puxam a fila.
Welmer disse…
Laura, eu até hoje não engulo o corte da Fabiola, e acho que nem vou engolir, lembro que quando li a notícia não acreditei e fiquei desejando que alguma outra fonte negasse o que tinha lido.

Não sei onde li, mas lembro que o Zé falou que sempre acreditou na Dani e que teve uma conversa particular com ela na qual choraram juntos. Depois disso, pensei: "Ele não poderia ter feito isso com as duas (Fabiola e Dani), e não ter a necessidade de chamar uma terceira levantadora?"

Pra mim, a Fabiola não tinha que ter ganho a vaga pela grande Superliga que fez, mas sim pelo grande Campeonato Mundial que fez, até hoje não entendo porque ela não foi titular pela seleção em 2011, acho que pelo fato dela jogar no Pinheiros e a Dani na Unilever.

Por mais que ele tente explicar o corte da Fabiola, sempre vai haver dúvidas. E acho que pra ele foi um alívio sim, ver a Dani conduzir a Seleção ao ouro olímpico.
klaus disse…
Oi, Laura .É a primeira vez que comento aqui , mas leio o blog a mais tempo.Leio as opiniões colocadas pelos leitores ,mas percebo que há uma certa rejeição ao trabalho do Zé Roberto.Entendo que há discordâncias em alguns pontos e posso citar o caso da Fabíola, que também acho que não merecia ser cortada,mas também entendo que um técnico que consegue ser tri-campeão olímpico não pode ser tão incompetente assim.Acho que também suas qualidades devem ser exautadas e não somente críticas.Bom, essa é minha opinião , sou apaixonado por vôlei e respeito a maneira de pensar de cada um, apesar de não concordar integralmente
Welmer disse…
O Renato comentou no post anterior se o fato da Fabiola ter sido uma cria do Bernadinho poderia ter influenciado na decisão do Zé. Eu, particularmente, não creio que essa rixa entre eles levaria o Zé tomar tal decisão, mas essa enorme confiança que ele diz ter na Dani, com certeza, é porque ela é uma cria dele na base do Osasco, e essa mesma confiança ele nunca demonstrou de que a Fabiola pudesse ser a levantadora da seleção.
Aline disse…
Amigos o fato eh que o Ze' eh rancoroso. Basta lembrar o motivo da convocacao da Fabiola, desde a aposentadoria da Fofao e o inicio do novo ciclo olimpico o Ze' descartou a Carol e insistiu com 2 levantadoras: Dani Lins, sua eterna protegida e Ana Tiemi sua eterna reserva. Fabiola se convocou dentro de quadra,sem padrinhos, jogando muito bem pelo PINHEIROS liderando o modesto time da capital a 2 titulos paulistas consecutivos e na sua estreia pelo Sollys foi logo campea e melhor levantadora da Superliga 2012 deixando o fenomeno FERNANDA VENTURINI em segundo lugar. Porem Ze' Roberto NUNCA gostou da FABIOLA, a convocava por obrigacao, devido as suas conquistas dentro de quadra. Talvez o fato da Fabiola ser cria do Bernardinho possa tbem ter influenciado, ao passo que a Dani Lins foi cria do Ze'. Sempre Dani Lins comecava como titular os campeonatos e a Fabiola era jogada na fogueira para apagar incendio na selecao, foi assim no MUNDIAL/2010 e na COPA DO MUNDO/2011, mas na verdade ate' a eterna reserva Ana Tiemi era mais valorizada que a Fabiola. Porem o Ze' nunca teve a intencao de levar a Fabiola p/Londres/12 e precisava de arranjar uma levantadora que pudesse fazer dupla com a Dani Lins que NAO fosse a apagadissima da ANA TIEMI,foi entao que surgiu a FERNANDINHA destaque na LIGA ITALIANA de volei, que comecou as OLIMPIADAS como titular e depois cedeu a vaga para a DANI LINS.
Concordo com o EDUARDO ARAUJO que o caso da CAMILA BRAIT foi traumatico ser trocada pela NATALIA que toda a comissao tecnica e as demais jogadoras sabiam que estava sem condicoes de jogo foi muito doloroso, ainda mais pq BRAIT estava no auge da forma e contribuiu muito no GRAND PRIX nos jogos em que se revezava com a FABI. Alem disso NATALIA nao conquistou sua vaga dentro de quadra, uma vez que nao jogou nem a SUPERLIGA nem o GP, a vaga dela foi na peixada. A medalha de OURO da NATALIA foi a mais injusta dessas OLIMPIADAS,essa medalha deveria ser da BRAIT!
Renato disse…
Olá Laura e amigos do blog, boa noite !! Laura vamos fazer desta vez o bolão da SFV 2012/2013. Não vai ser difícil e nem trabalhoso. Criamos regras simples e bem definidas !! Temos tempo ainda para isso !! Acho que tem tudo para "bombar" mesmo tendo somente um aspecto lúdico, de diversão, sem valer nada é lógico !! Se precisar de ajuda me coloco a disposição. Abraços.
Laura disse…
Oi, Klaus! Valeu pelo comentário!

Sem duvida o Zé tem seu valor, não é qq um q ganha três ouros olímpicos. Sem contar q ele sempre monta times de qualidade. É competente e tem estrela.

Acho q nós estamos pegando tanto no pé dele é pq td q ocorreu antes da Olimpíada foi pouco questionado e falado pela imprensa. Ele ficou meio q protegido. E qd venceu, aí mesmo q as mancadas foram esquecidas.

Mas entendo o q vc diz, e concordo.

Renato, não tenho dúvida q iria "bombar", mas sinceramente não sei se consigo organizar e manter o bolão. Me manda um e-mail e conversamos: papodevolei@gmail.com
Renato disse…
Laura, te enviei o e-mail !! Abçs
Pedro disse…
Queria chamar atenção para um detalhe da entrevista: o gafe que foi a pergunta, para a Jaque, sobre a intenção/plano/vontade de ter um filho. Putz, o cara não sabia que ela perdeu um bebê? Pelamordedeus...
klaus disse…
Muito obrigado Laura pela atenção e por se dispor a responder ao meu comentário.Que bom que você não entendeu mal as minhas colocações .Entendo que muitas coisas que ocorrem com a SFV ficam subentendidas, sem explicações e isso gera especulações.Acho que uma maior transparência por parte de toda a comissão técnica acabariam com tantas dúvidas.Gostaria de dizer que o blog é muito bom e espero que ele continue por muitos anos.
Abraço.
Eduardo Araujo disse…
Alguem sabe oq a Mari falou na entrevista dela para a revista, que esta dando oq falar!!, alguem tem o link do mesmo?
Anônimo disse…
Klaus

É fácil explicar como ser campeão sem se fazer um grande trabalho. A olimpíada é a prova disto.
O Brasil tem uma ou mais jogadoras entre as cinco melhores do mundo em suas posições. Sheila Jaque Garay Thaisa Fabizona e até Dani e Fabizinha. Com um time desses se não atrapalhar o técnico já esta ajudando. E foi o oposto do que o ZRG fez até as vesperas do jogo contra a Turquia, ATRAPALHOU! ( E isso foram palavras da sua capitã).
Quando as meninas se reuniram e decidiram lutar com o coração e com fé pelo ouro, e decidiram fazer isso por elas e por aqueles que estavam aqui torcendo enquanto milhoes torciam contra, ai nem mesmo o técnico pode impedir a medalha!
Voleibol hoje em dia é um jogo estudado minuciosamente, as atletas assistem e comentam exaustivamente jogos e sabem exatamente o que as adversárias vão fazer. assim foi o que fez os EUA no grandprix e mundial, praticamente anulou a tática Brasileira. E é ai que entra a competencia do técnico. Pois se o setor ofencivo não consegue superar a defesa adversária, a preparação defensiva em cima dos pontos fortes adversários deve prevalecer. Com Fabiana e Thaisa não conseguimos parar as americanas, nossa libero e ponteiras não conseguiam subir bolas. Claro durante os videos enfadonhos do ZRG todos dormem pois o técnico apenas os exibe, sem fazer um estudo aprofundado junto as atletas, por que? As táticas aparecem magicamente em sua cabeça durante o jogo, mas o time não treinou aquilo então seja o que Deus quiser e a corcunda permitir!
Moura Brasil