As palavras da Mari


A Olimpíada 2012 continua rendendo... 


IG Esporte - Mari diz que foi injustiçada por Zé Roberto e fala em jogar por outro país



Aprecio a sinceridade da Mari, mas nem por isso acho que ela tenha razão neste caso. O corte dela foi justificado e natural – se fosse por mérito, ela nem teria que ter sido convocada. O histórico é que pesou para que ela estivesse no grupo pré-olímpico.


Sim, ela fez parte do todo o ciclo olímpico, mas há tempos não jogava bem e não contribuía. Pode-se questionar – e muito - a escolha do Zé Roberto pela Natália, pelo corte da Fabíola, mas não a dispensa da Mari. E isso avaliando somente o lado técnico, o que se via em quadra, ignorando os problemas de relacionamento que não sabemos ao certo quais foram e em que nível chegaram.

E acho que falta isso à Mari: dar-se conta que não é mais mesma jogadora, que não está bem. Antes de jogar a culpa nos outros, fazer uma autocrítica.

Daqui a algum tempo, ela vai ver como soou boba e ressentida esta entrevista, principalmente o fato de declarar interesse em jogar pela Alemanha.

Comentários

Eduardo Araujo disse…
Olá Laura e amigos, consegui ler a entrevista da Mari e ela esta realmente muito brava e como não tem mais chances de servir a seleção esta falando oq sabe e oq não sabe!!

Tenho que concordar com algumas coisas como por exemplo o corte da mesma ser injustificado!!, calma vou explicar a minha linha de raciocínio.

A alguns dias atrás o portal UOL entrevistou a Camila Brait e a mesma falou bem rápido do corte dela em Londres, segundo ela o ZR disse que precisava levar a Nathalia, pq queria uma jogadora que bloqueava e sacava!!

É verdade e a Mari não estava bem, mas estamos falando da Nathalia que conseguiu jogar 3 sets seguidos ontem, contra o SESI, jogo que a Unilever ganhou!!

Na minha visão Mari jogando 10% é melhor que a Nathalia não jogando!!, o ZR poderia ter levado Tandara e Mari, já que ele queria alguma jogadora para bloquear e sacar, afinal foi isso que ele falou para a Brait.

Ou seja ele levou uma jogadora que não jogava a 1 ano e não sei quantos meses, que voltou a jogar somente agora e segundo o Bernardo ela ainda esta pegando ritmo de jogo.

Ele deixou de levar a Mari que estava pelo menos em uma forma física melhor, por isso que eu entendo que foi injustificado o corte se pensarmos que ele precisa levar uma jogadora que bloqueava e sacava.

Quanto a jogar por outra seleção eu desconsidero o comentário dela, pq o ricardinho na época falou a mesma coisa, esta de cabeça quente!!!
tuliobr disse…
Eu admiro profundamente a Mari, talvez a jogadora que, por seu histórico de glória e superação, traumas e triunfos, carisma e determinação, melhor represente a maior geração do vôlei feminino brasileiro. Por isso mesmo eu torço para que ela tenha agora perto de si um amigo verdadeiro. Não é algo trivial, falo daqueles que tenham coragem de dizer aquilo que não queremos ouvir. São mais comuns os que nos amam, mas não têm coragem, ou os que têm coragem, mas não nos amam o suficiente. Mari agora parece estar pensando com o fígado. Desde sua volta ao malogrado Sanca, passando pelas apagadas temporadas no Unilever, uma sucessão de lesões e atuações muito irregulares justificam sua ausência na foto do pódium em Londres. JRG cometeu muitos erros em sua desastrosa condução do ciclo olímpico que milagrosamente terminou bem apesar do técnico, e não por causa dele, mas o caso Mari não foi um desses erros. Melhor faria a loura se observasse a Fabíola e a Brait, que também têm suas razões para destilar mágoas. A atuação das duas na quadra nas finais do paulista fizeram mais pelo futuro e pela biografia de ambas do que se atirassem um dilúvio de pedras no telhado de vidro do JRG. Quanto a jogar pela Alemanha, é um recurso que eu até aceito para uma cubana que fuja da ilha-prisão cujo regime até hoje ainda fascina a maioria de nossas lideranças políticas e intelectuais, mas é odiosa, ou para, por exemplo, uma argentina que sonhe disputar uma olimpíada e evidentemente não teria chance pelo seu país natal, mas poderia fazê-lo pela pátria de seus ascendentes; mas no caso da Mari ela estaria fazendo por birra algo que só a diminuiria.
Renato disse…
Eu gosto muito da Mari, apesar da fase, é uma excelnte jogadora. Concordo com o Eduardo Araujo, se o sr. ZR queria alguem para sacar e bloquear, Mari mesmo com 10% seria melhor do que Natália meia bomba e Tandara juntas. Só acho que ela não deveria tomar essa postura, não é nada elegante e não combina com o perfil de grandes atletas. A meu ver ela tem que treinar, entrar em um bom time, e correr atrás do tempo perdido. Condições de voltar a ser uma excelente jogadora ela tem e muito !!
Welmer disse…
Eu não tenho muito o que falar, sempre gostei muito dela. Eu aceito o ressentimento pelo corte, mas ficar atacando o Zé não vai levá-la a nada. Espero que ela se recupere dessa má fase, e volte a jogar em alto nível.
Aline disse…
Acho que a MARI foi corajosa, falou muitas verdades que estavam entaladas na garganta de muitas jogadoras e de muitos jornalistas esportivos que não tiveram coragem de falar!
Porém há de se lembrar que as maiores injustiçadas pelo Zé Roberto foram Fabíola e Camila Brait, que estavam no auge da forma e foram cortadas injustamente. E NATÁLIA ganhou o OURO mais injusto das OLIMPÍADAS!
Comentarei as declarações de MARI:
1."Passei três ciclos olímpicos para, no último minuto, ser cortada. O Zé Roberto não se importou com o que eu acrescentei à seleção. Fui injustiçada. Não tenho mais relacionamento com ele e não faço a menor questão de ter".
Admiro essa atitude de MARI, principalmente pela forma como foram feitos os cortes: muito dolorosos e sem agradecimentos pelos serviços prestados. O próprio depoimento da Fabíola prova isso, foi cortada no saguão do aeroporto de forma fria, Zé Roberto não a abraçou, nem sequer lhe apertou a mão e agradeceu, o que custaria um pequeno gesto de gratidão num momento tão delicado? O que custaria menos frieza e um pouco de compaixão? O da Brait acho que foi o pior de todos, pq já foi lá em Londres... O da Mari foi na lavanderia de Saquarema depois que as outras jogadoras já tinham ido para seus quartos.

2."Todas as meninas choraram e vieram falar comigo. Me disseram que na semana do corte, o clima dos treinos ficou ruim"
O Zé criou um clima de tensão nas meninas afirmando a toda hora que esperaria por NATÁLIA até o último minuto, ele endeusava uma jogadora em detrimento das outras, eram 2 pesos e 2 medidas: para NATÁLIA TODOS OS PRIVILÉGIOS E MIMOS POSSÍVEIS, para as demais jogadoras, RÉLIS MORTAIS, o fantasma do corte surpresa. O fato de ele transformar a NATÁLIA na DEUSA DO VÔLEI, numa PSEUDO-SALVADORA-DA-PÁTRIA, criou um clima muito ruim dentro da seleção, pq todas as demais jogadoras se sentiram rebaixadas, afinal de contas elas ralaram muito o ano inteiro para estar na seleção enquanto NATÁLIA não jogou nenhum jogo oficial em 2012 e sequer participou da superliga.

3."O meu corte atrapalhou muito o grupo, Sei disso porque falei com as jogadoras. A relação entre o Zé Roberto e as atletas estava muito desgastada. Se elas não tivessem parado e conversado para fazer tudo de novo, o ouro não teria acontecido. Elas são realmente as grandes merecedoras da medalha"
Ficou óbvio que o Zé Roberto mais atrapalhou do que ajudou nesse ciclo olímpico e quem realmente conquistou o OURO foram as jogadoras que lideradas pela CAPITÃ FABIANA deram um BASTA nas intervenções ignorantes do técnico e se uniram em prol do OURO, claro que com uma ajuda dos EUA que classificaram o BRASIL para as quartas-de-final VENCENDO a TURQUIA

4."Eu tenho a opção de jogar pela seleção alemã também, porque posso pegar o passaporte alemão. Se quiser jogar mais um Mundial e uma Olimpíada, posso fazer isso pela Alemanha. Sou muito amiga do Giovanni Guidetti [italiano que dirige a seleção alemã]. Quando ele soube disso, veio conversar direto comigo".
Concordo com MARI acho que ela deve jogar pela Alemanha sim, ela tem que pensar na sua carreira, acho que grande parte das contusões dela é derivada do stresse emocional e se livrando do convívio com o Zé Roberto ela estará mais aliviada, jogar pela Alemanha dará nova motivação a ela, seria um verdadeiro recomeço. Desejo sorte a ela e que seja muito feliz na SELEÇÃO ALEMÃ. O fato de ela jogar pela Alemanha não quer dizer que ela está se indispondo com os brasileiros, mas sim uma forma de ela ter uma nova experiência e um nova motivação depois de grandes decepções nesse último ciclo olímpico tanto na COPA DO MUNDO/2011 quanto no corte olímpico.
Graca disse…
Galera, na moral, Mari está certa, Zé Roberto foi um tirano inescrupoloso com a seleção inteira, não só com a Mari. Concordo que o fato dele transformar a Natália na última bolacha do pacote, fez com que as demais jogadoras se sentissem diminuídas perante a intocável Natália. Acho que Mari tem que jogar mesmo pela Alemanha e dar a volta por cima, porque, infelizmente acho que o Zé Roberto será mantido como técnico da seleção, ao contrário da vontade da maioria das jogadoras que estão com ele pela garganta.
Aline disse…
Mari jogando pela Alemanha estará livre do peso psicológico da carranca do Zé Roberto, seja feliz Mari, por ser corajosa para falar o que muitos queriam e não tiveram peito, te apoio muito!
Amigos o fato eh que o Ze' eh rancoroso. Basta lembrar o motivo da convocacao da Fabiola, desde a aposentadoria da Fofao e o inicio do novo ciclo olimpico o Ze' descartou a Carol e insistiu com 2 levantadoras: Dani Lins, sua eterna protegida e Ana Tiemi sua eterna reserva. Fabiola se convocou dentro de quadra,sem padrinhos, jogando muito bem pelo PINHEIROS liderando o modesto time da capital a 2 titulos paulistas consecutivos e na sua estreia pelo Sollys foi logo campea e melhor levantadora da Superliga 2012 deixando o fenomeno FERNANDA VENTURINI em segundo lugar. Porem Ze' Roberto NUNCA gostou da FABIOLA, a convocava por obrigacao, devido as suas conquistas dentro de quadra. Talvez o fato da Fabiola ser cria do Bernardinho possa tbem ter influenciado, ao passo que a Dani Lins foi cria do Ze'. Sempre Dani Lins comecava como titular os campeonatos e a Fabiola era jogada na fogueira para apagar incendio na selecao, foi assim no MUNDIAL/2010 e na COPA DO MUNDO/2011, mas na verdade ate' a eterna reserva Ana Tiemi era mais valorizada que a Fabiola. Porem o Ze' nunca teve a intencao de levar a Fabiola p/Londres/12 e precisava de arranjar uma levantadora que pudesse fazer dupla com a Dani Lins que NAO fosse a apagadissima da ANA TIEMI,foi entao que surgiu a FERNANDINHA destaque na LIGA ITALIANA de volei, que comecou as OLIMPIADAS como titular e depois cedeu a vaga para a DANI LINS.
Concordo com o EDUARDO ARAUJO que o caso da CAMILA BRAIT foi traumatico ser trocada pela NATALIA que toda a comissao tecnica e as demais jogadoras sabiam que estava sem condicoes de jogo foi muito doloroso, ainda mais pq BRAIT estava no auge da forma e contribuiu muito no GRAND PRIX nos jogos em que se revezava com a FABI. Alem disso NATALIA nao conquistou sua vaga dentro de quadra, uma vez que nao jogou nem a SUPERLIGA nem o GP, a vaga dela foi na peixada. A medalha de OURO da NATALIA foi a mais injusta dessas OLIMPIADAS,essa medalha deveria ser da BRAIT!
Neide disse…
Pessoal qual o problema de Mari jogar pela Alemanha? Se eu estivesse na situação dela faria o mesmo! Vocês já imaginaram o que é para Mari querer jogar um Mundial, uma Copa do Mundo e uma Olimpíada e ter o Zé Roberto como uma pedra no caminho? Eu faria o mesmo! Mari tem meu apoio também!
Neide disse…
Pessoal qual o problema de Mari jogar pela Alemanha? Se eu estivesse na situação dela faria o mesmo! Vocês já imaginaram o que é para Mari querer jogar um Mundial, uma Copa do Mundo e uma Olimpíada e ter o Zé Roberto como uma pedra no caminho? Eu faria o mesmo! Mari tem meu apoio também!
MARI, A GERMÂNICA! disse…
WARUM NICHT GERMAN???(Porque não alemã???)
Ela tem sangue germânico correndo nas veias, olhos, cabelos, tipo físico e temperamento germânicos. E sobrenome germânico: Steinbrecher.
Porque não seguir os passos de CACAU e de PAULO RINK que nasceram no Brasil, mas jogaram COPAS DO MUNDO pela seleção alemã?
Mari tem que ir em busca de seus sonhos, cuidar da sua carreira e defender a Alemanha faz parte de sua evolução como jogadora, é um novo desafio! Boa sorte Mari!
leoo disse…
Após a entrada do italiano Giovanni Guidetti em 2006 como técnico da Alemanha, a equipe tem subido de produção: conquistou o Bronze no Grand Prix/2009 e Prata no último Campeonato Europeu em 2011, deixando equipes fortes como Rússia, Itália, Turquia e Holanda para trás. Como é amigo pessoal de Mari, ao contrário de Zé Roberto que se tornou um desafeto, Guidetti espera contar com o reforço da Loura Campeã Olímpica na forte equipe alemã. Mari irá brilhar ao lado de estrelas como a oposta Margareta Kozuch(Busto Arsizio)e as meios Christiane Fürst(Günes Vakifbank)e Corina Ssuschke-Voigt(Lokomotiv Baku). A Alemanha é uma das equipes mais tradicionais no Campeonato Europeu: conquistou 2 Ouros(1983 e 1987), 5 Pratas(1977,1979,1985,1989 e 2011) e 3 Bronzes(1975,1991 e 2003). Nas Olimpíadas as alemãs conquistaram uma Prata em Moscou/1980 numa final duríssima contra as donas da casa perdendo por 3x1 para as russas, nestes jogos Cuba ficou em quinto, o Peru em sexto e o Brasil em sétimo.
Afe Tado disse…
Laura, você é muito ponderada e coerente em seus comentários. Não faz de ZR um vodoo de todos os males, nem santifica jogadoras. Parabéns pela postura profissional. Esse é o melhor site de volei do país.
Gente, que entrevista é essa da Mari? Onde está disponível?
Anônimo disse…
Mari tem que falar menos e jogar mais. Atualmente ela pega banco ate no time Alemao.
Laura disse…
Paulinho, é uma entrevista pra revista Istoé 2016. No link q coloquei no post está um trecho dela.

Eduardo, não acho q seja injustificado. Uma razão teve. Na época eu até escrevi aqui q gostaria q ela estivesse presente em Londres, pela experiência e por ser uma jogadora diferenciada. Tb acho q seria mais útil tê-la no grupo do q a Natália. Mas não dá para negar q ela não estava bem.
A Mari tá muito ressentida. Lembra o caso do Ricardinho na época do corte da SMV. Quem sabe se esquecer o Zé e a seleção ela não volta a render aquilo que sabemos que ela pode dar. Agora uma coisa é fato: a Natália continua sendo uma promessa, nada mais. Vamos como vai se recuperar da cirurgia.
Eduardo Araujo disse…
Oi Laura, oq eu quis dizer na vdd é que quando vc leva uma jogadora que não joga a 1 ano e alguns meses, todas as outras dispensas acabam sendo infundadas.

A pessoa treina pacas, no final não vai pq o treinador quer levar uma pessoa que não consegue jogar, acaba detonando a motivação das outras atletas.

Mesma situação em colocar a Libero do Amil na seleção b, cade o critério? lembrando que o preparador físico da Amil falou que ela se apresentou acima dos 100 kilos!!

Oq falta na seleção é critério para convocar, critério para dispensar, hj é esse o problema sem isso da essa zona toda!!!

Quando a libero do Amil foi convocada a libero do Minas que ficou em segundo as estatísticas deve ter pensado quem eu tenho que matar para esta na seleção.

Esse tipo de atitude da comissão técnica que gera briga.
Luh disse…
Só um comentário em relação a colocação da Aline. Aline a Fernanda Venturini continuou a ser o fenômeno após 4 anos de aposentadoria conseguiu chegar em segundo com um time que na maior parte do tempo teve suas jogadoras principais lesionadas. Não concordo com o corte da Fabíola, mas ela estava no melhor time da superliga era mais do que obrigação ser a melhor levantadora do campeonato.
Sinceramente Mari está certa em reclamar, pois ela não tem chance de voltar a jogar pela seleção enquanto o Zé tiver lá, tudo bem que no último ano ela teve uma fase "Adriano Imperador" nas noites do Rio, mas o ZÉ sempre disse quais eram as regras para ir para olímpiada que eram dentre elas ser titular e está atuando em algum campeonato e participar do "ciclo" onde Fernandinha e Natalia preenchem o requisito? Se ela não estava bem tecnicamente a Natalia estava?
Minha maior revolta nessa situação toda é que a grande mídia não enxerga os erros do Zé. Pelo contrário, ficam endeusando o cara como se o ouro em Londres fosse resultado do trabalho dele. Tá certo, ninguém é tricampeão olímpico à toa, mas daí a não enxergar os erros, ou pior, faze de conta que eles não existem é brincadeira. O Zé errou, e errou feio ao levar a Fernandinha e a Natália pra Londres. A levantadora pelo menos jogou os três primeiros jogos, mas a Natália foi apenas passear e tirar fotos.
Aline disse…
LUH concordo contigo em relacao ao fato de o Ze' Roberto dizer que dentre as regras para ir para olímpiada constavam: ser titular e estar atuando em algum campeonato e participar do "ciclo", mas isso sempre foi uma ENORME BALELA, ele mesmo nao respeitava isso. Mas o maior absurdo de todos foi explicar a convocacao da NATALIA, afinal de contas ela nao se enquadrava em NENHUM DOS CRITERIOS p/estar em LONDRES. Ela, ao contrario das outras, nao ralou dentro de quadra p/ conquistar sua vaga. Ao mesmo tempo ele dizia que esperaria por ela ate' o ultimo minuto, como se ela fosse melhor que as outras. Isso criou uma disparidade dentro da selecao, somente NATALIA estava BLINDADA e IMUNE AO CORTE, enquanto as outras tinham que conviver com o fantasma do corte. E' por esses motivos, por essa falta de criterio, por essa SOBERBA da DITADURA ZE' ROBERTO, que apoio a CORAGEM e a decisao da MARI em buscar novos ares. Mari vai se dar muito bem na Alemanha, uma selecao em evolucao desde a entrada do italiano Giovanni Guidetti(amigo pessoal da MARI) como tecnico da selecao, em 2009 a ALEMANHA foi CAMPEONATO MUNDIAL JUVENIL e BRONZE no GRAND PRIX, em 2011 foi PRATA no CAMPEONATO EUROPEU, tem muitas jogadoras promissoras(Kozuch,Ssuschke-Voigt,Fürst,Brinker,Dürr) jogando pela Europa em ligas fortes:ITALIA, TURQUIA e AZERBAIJAO. P/ Mari sera' um recomeco longe do desgate de ter que suportar mais uma vez o incoerente sem criterio do Ze' Roberto.
luh disse…
Aline,o Zé gosta de posar de bom moço caso a Mari volte a jogar bem e ele a convoque para mostrar que não guarda rancor, mas na primeira oportunidade se a camisa do uniforme dela tiver amassada ele a corta novamente por indicisplina e fica bem na mídia.
Neide disse…
Enfim, fazendo um resumo, a melhor palavra para definir o tecnico Jose Roberto Guimaraes seria "Traira": ou seja, ele usa a jogadora ate qdo for do interesse dele ou ate desgasta-la por stresse fisico ou emocional e depois lhe desfere uma "facada nas costas",sem nem um muito obrigado, como foi o caso tbem de Fabiola e Camila Brait. Mari, corajosa, percebeu isso e faz questao de nao trabalhar mais com ele e aposto tbem que nao vai trabalhar mais com ninguem da equipe tecnica dele. Ela esta trilhando um novo caminho na equipe da Alemanha. Muitas jogadoras tem a mesma percepcao do ZRG que teve a Mari, e reagiram dentro da propria Olimmpiada para conquistaram o Ouro independente da pessima influencia do ZRG, somente nao tem a mesma coragem que a Mari de por a boca no trombone, pois sao oprimidas pelo ZRG e pela CBV!
tete disse…
Mesmo que a Mari volte a jogar bem com essa comissão técnica ela não tem chance, por isso ela resolveu falar, Brait tadinha ta rezando pra Fabizinha se machucar pq antes ela ia se aposentar agora em Londres, mas já veio com um papo de tentar jogar na Olimpiada do Rio, mesmo jogando muito Brait é segunda opção em relação a Fabi e o caso da Fabiola é tão ruim quanto o da Mari se a fernandinha ficou com a vaga dela quando ela estava extra oficialmente no Amil imagine agora.
Anônimo disse…
A Mari padece de um declínio aparentemente irreversível de sua condição física, sao joelhos, ombros, e força q lhe faltam principalmente. Infelizmente sua carreira foi encurtada devido essa limitação. Foi a melhor jogadora brasileira nas Olimpíadas de Atenas.

Crowley.
Fofoqueira pseudojornalista do VOLOCH disse…
Essa semana, no dia 14, o Portal UOL publicou em sua página de esportes uma reprodução da entrevista concedida pela Mari para a revista "Istoé 2016".

O site www.mariannesteinbrecher.com.br vem esclarecer, em nome da Mari, que a reinterpretação do UOL atribuiu um sentido às declarações da atleta que não condizem com as suas reais opiniões.

"Eles mudaram o sentido das palavras! Da forma como colocaram parece que eu estou atacando e me desfazendo da seleção!"

O que foi expressado na entrevista original apenas apresenta a opinião e os sentimentos da jogadora acerca de sua trajetória na seleção. Mari não "detonou" Zé Roberto, como diz a chamada da matéria. O uso desse termo deixou implícito um intuito agressivo às palavras da atleta, quando ela apenas esclareceu como é, agora, sua relação com o treinador e como ela viu a decisão e às justificativas alegadas por ele para o seu corte de Londres 2012.

Outro termo usado na reportagem que pode proporcionar interpretações equivocadas diz respeito à colocação de que Mari disse que o grupo estava "rachado" com Zé Roberto. Ela disse que o grupo estava "desgastado", e essas palavras pressupõem coisas muito distintas.

O UOL também passa uma impressão de desdém por parte da Mari com a seleção brasileira e dá a entender que ela teria a intenção de jogar pela seleção alemã. Mari disse que essa possibilidade existe, mas isso não implica numa pretensão ou planejamento.

A Equipe MarianneSteinbrecher espera que tenham ficado esclarecidas as colocações da jogadora e deixa aqui o sua indignação com o site UOL pelas distorções cometidas que, em nenhum momento, levou em consideração o impacto disso na imagem da jogadora.
tuliobr disse…
A assessoria de imprensa a serviço do site marianne... é aplicada e faz um esforço comovente para exercer bem suas funções. Deveria, porém, combinar melhor com sua patroa. Distorcer palavras pode até ser fácil para quem sabe fazê-lo, mas há limitações: se algo tem rabinho enroscado, nariz de tomada e faz "óinc!Óinc!" parecerá um porco e provavelmente será um porco. Dito isto, a equipe que cuida da imagem da Mari marcará pontos com ela se lembrar-lhe algo de que certamente ela tem conhecimento, mas nessa entrevista evidentemente negligenciou: na comunicação vale não o que o emissor quis dizer, mas sim o que o interlocutor entendeu. E, nesse caso, os pingos são claramente pingos, e os "i's" são cristalinos.
Samia disse…
OI TULIOBR, na verdade quem distorceu o que a MARI disse foi o fofoqueiro sem vergonha do VOLOCH, a MARI foi corajosa ao falar de um assunto tão delicado e não nega nada do que disse, acontece que nós sabemos que o tal do VOLOCH é péssimo profissional e adora criar factóides, denigrindo a imagem alheia e menosprezando com termos pejorativos vários atletas de ponta. Fabíola, Fabizinha, Paula e Mari já foram vítimas desse pseudo-jornalista que adora destilar seu veneno e distorcer o que os outros falam, criando situações costrangedoras. Quanto à Mari acho que ela merecia mais respeito e uma retratação por parte do UOL que hospeda o blogueiro Voloch. Veja o desrespeito com que ele tratou Mari:
Título da matéria: "Mari é uma jogadora decadente, individualista e se recusa a enxergar a realidade"
Trechos de mau-gosto e desrespeitosos:
"Infelizmente, Mari precisa mesmo de ajuda." O cara tá insunuando que ela é louca?
"A atleta não é tão querida como possa imaginar.Humildade zero." Quem é ele para dizer que ela não é querida?
"Em que mundo Mari vive?" Ora agora Mari não pode expor seu ponto de vista, por acaso o Zé Roberto está sempre certo pq deu sorte de as jogadoras ganharem as Olimpíadas?
"Mari não enxerga a verdade. Se recusa, o que é pior." Por acaso o Voloch é que é o "DONO DA VERDADE?"
"Mari é individualista e prepotente, por isso não sobreviveu." Nossa que rancor esse cara tem da MAri!
"José Roberto Guimarães sempre manteve a classe e o bom senso nas declarações. A ex-jogadora da seleção se contradiz." Que bom senso ao creditar passar a mão no CORCUNDA a sorte nas olimpíadas, que bom senso tbém ao manter NATALIA em Londres e mandar a Brait de volta, que outro bom senso ao convocar Suellen com mais de 100Kg de peso distribuídos em 1,69m para a seleção, muito bom senso mesmo!
"Será mesmo que alguém em sã consciência acredita nela? Duvido." Mais uma vez ele chama MAri de Louca e expande isso para que acreditar nela.
"Só mesmo o ótimo Giovanni Guidetti, treinador da Alemanha. Mas antes de aceitar Mari vestindo a camisa da Alemanha, como ela mesmo imagina no futuro, Guidetti não deixará de pegar referências profissionais sobre a atleta em questão." Agora ele acha que Guidetti que é amigo pessoal e vizinho da MAri na TURQUIA vai ter que pegar alguma referência pessoal para convocá-la como se a MAri fosse uma ex-presidiária.
"Além de bola, falta lucidez a ex-jogadora da seleção." Para terminar, mais uma vez esse falso do Voloch chama a Mari de louca e o UOL deixa que um texto desse seja publicado! UOL é UÓ!!!
Eduardo Araujo disse…
viram a entrevista da Sheilla?

Começou a falar também e falou que a Mari esta falando a vdd!!!
Aline disse…
A verdade está vindo a tona, as jogadoras não desmentiram a Mari e deram apoio a ela. Está confirmado o que eu havia afirmado: O Zé criou um clima de tensão nas meninas afirmando a toda hora que esperaria por NATÁLIA até o último minuto, ele endeusava uma jogadora em detrimento das outras, eram 2 pesos e 2 medidas: para NATÁLIA TODOS OS PRIVILÉGIOS E MIMOS POSSÍVEIS, para as demais jogadoras, RÉLIS MORTAIS, o fantasma do corte surpresa. O fato de ele transformar a NATÁLIA na DEUSA DO VÔLEI, numa PSEUDO-SALVADORA-DA-PÁTRIA, criou um clima muito ruim dentro da seleção, pq todas as demais jogadoras se sentiram rebaixadas, afinal de contas elas ralaram muito o ano inteiro para estar na seleção enquanto NATÁLIA não jogou nenhum jogo oficial em 2012 e sequer participou da superliga.
Anônimo disse…
Será como a Fernanda Venturini, que desdenhou da seleção e o técnico, qdo se deu conta da burrice que fez veio com o rabo entre as pernas.