Papo pós-medalha

As entrevistas realizadas após a vitória trouxeram declarações interessantes sobre a campanha brasileira na Olimpíada de Londres.

O Zé Roberto afirmou que o que mais o intrigou e tirou o sono no início dos Jogos foi entender porque a seleção fazia ótimos treinos, mas não rendia em quadra. Se soubéssemos disso antes, talvez não perderíamos a esperança no time. Quem via aquelas atuações iniciais realmente era levado a crer que a luta estava perdida .

O problema parecia mais profundo do que uma questão de confiança ou atitude. Tanto que discutimos aqui pontos técnicos e táticos, questões que não se consertariam de uma hora para outra. No fim, o trabalho técnico estava bem encaminhado, faltava o time “destravar”.

***************************

Outro momento comentado pelo Zé e pela Fabiana foi a reunião dos dois logo após a derrota para a Coreia. Numa entrevista para a ESPN, o treinador disse que ficou até umas 3 horas da manhã conversando com a capitã.

A central também revelou que pediu ao treinador que procurasse incentivar mais as jogadoras e não valorizasse tanto os erros. Taí, a gente questionava o papel de capitã da Fabiana e obtivemos a resposta. Em quadra ela não parece exercer uma forte liderança, mas fora dela, ela cumpriu com sua função.

***************************

Mas a principal declaração do Zé Roberto veio na coletiva de imprensa após a chegada ao Brasil. Foi preciso mais de um mês para que soubéssemos a justificativa do corte da Fabíola:

“A Fabíola e a Dani têm estilos muito parecidos, enquanto a Fernandinha é completamente diferente. A Fernanda poderia mudar o estilo do jogo em um momento. Acontece que a Dani, todas as vezes que entrou, entrou muito bem. Isso deu uma tranquilidade muito grande. A Dani entrava com uma naturalidade muito grande. E a gente não pode esquecer que a Dani também foi titular em alguns campeonatos”

Convenhamos que agora é mais fácil explicar a escolha e defender a Dani Lins. Ainda procuro entender como se pôde comparar uma jogadora que atuava como titular e se expôs aos problemas de jogo com outra que praticamente só treinava.

O raciocínio (da semelhança da Fabíola e Dani e em arriscar na Fernandinha) até que faz sentido. A Fernandinha, na teoria, tem um estilo diferente - que na prática não comprovou.

Este foi o azar do Zé. A Fernandinha não correspondeu às expectativas e não justificou a aposta do treinador. Mas como não é só a competência que faz um campeão, ele teve a sorte de que a polêmica opção pela Dani Lins se mostrou correta. E sorte maior ainda de que a inversão 5x1 (e mesmo a utilização de outras peças do banco) pouco se fez necessária.

Comentários

fabiane disse…
Sabe Laura, me abstendo sobre possíveis erros e/ou acertos a única coisa que posso dizer é que o jogo - aquele que nós assistimos pela TV - é apenas parte do processo. Felizmente e infelizmente, só quem está lá dentro sabe do que se passa. É como um casamento, uma relação de trabalho...A nós, só resta fazer possíveis interpretações, avaliar os burburinhos e o melhor: avaliar as performances nos jogos!
Renato disse…
Olá Laura, boa noite !! Para ser franco ainda não consegui entender bem as justificativas do Zé Roberto em relação ao corte da Fabíola. Se Fabíola e Dani Lins têm estilos parecidos, por que ele passou mais de 2 anos com as duas ? Por que não chamou a Fernandinha ou até mesmo uma outra levantadora antes ? Oportunidades não faltaram. Se não me engano Fabíola vinha atuando como titular e a Dani reserva, se as duas têm estilos parecidos por que ele optou pela reserva, a deixando ainda na reserva, pois quem começou as Olimpíadas como titular foi a Fernandinha. Ao meu ver o Brasil foi campeão pois o passe e o saque funcionaram e as atacantes conseguiram se superar e colocaram as bolas no chão. Para mim as levantadoras estavam sendo sacrificadas (mesmo sabendo que não são perfeitas) por deficiência no passe e ataque. Nada me tira da cabeça que a escolha da Fernandinha foi para colocá-la em evidência pois atuará no mesmo time que ele.
Welmer disse…
Mesmo com essa declaração do Zé ainda não engulo a ausência da Fabíola na Seleção, por mais que a Fernandinha tenha levado o Brasil à vitória contra a Turquia, nos momentos de maior dificuldade ela pouco ajudou. Entendo o argumento dele, mas a Fabíola conseguiu mudar o panorama de muitas partidas quando a Dani não estava bem, não que eu ache que hoje a Fabíola é melhor que a Dani, afinal está mostrou ser superior, porém o Zé esqueceu toda a história da Fabíola na Seleção ao escolher a Fernandinha (e eu ainda defendi a convocação dela em detrimento da Dani, o mundo dá voltas!!!!).
Welmer disse…
Laura, acabei de ler uma notícia triste para o vôlei feminino, mas boa para o masculino. Em entrevista ao UOL, o Ary Graça disse que já está acertada a permanência do Bernardinho. Pra mim, é triste porque eu acho que grande parte desse sucesso da Unilever se deve a presença do Bernardinho. Torço muito que se caso o time tiver um jejum de títulos de, sei lá, uns 3 anos ele não acabe como acabou o time da Cimed no masculino.
Anônimo disse…
Na verdade o merito desse OURO nao e' do ZE' e de sua comissao tecnica, mas sim da CAPITA FABIANA que reuniu e uniu as jogadoras em prol do OURO... Queria mesmo era saber a explicacao de deixar NATALIA no grupo p/cortar a BRAIT.
tete disse…
Por ironia do destino só ganhamos o Ouro por causa da ajuda do USA na primeira fase é a realidade a imprensa só fala do Ouro, mas se olharmos para o desempenho do time desde 2010 veremos que é um time instável e não vinha jogando em alto nível deram uma chance nas olímpiadas e elas agarraram. Sobre a declaração que no treino elas estavam jogando bem até o Ibis que é o pior time de futebol joga bem nos treinos, pois se joga contra o seu próprio time, não têm pressão externa (torcida e adversário)e se errar é fazer de novo coisa que não se pode fazer em jogo corrido.
Também acho que a Fernandinha foi levada porque vai estar no time novo não vejo justificativa, sempre preferi a Dani Lins do que a Fabiola as jogadas marcadas de segunda dela me irritam, a Fernandinha tinha um jogo diferente sim era tão diferente que não deu certo com as jogadoras do próprio time. Natalia foi outra aposta equivocada daqui a 4 anos poucos vão lembrar, mas ela era a salvadora do time segundo o técnico e vimos ao vivo o que todo mundo já sabia ela ainda não se recuperou não é só falta de ritmo ela não se joga no chão e nem ataca para frente poucas vezes ela pulou para cair com o peso em uma perna só. Tandara nada fez então porque não levou a Mari para passear também? O Zé têm que sair já enfiou a Fernandinha na seleção A e a Suellen na B querem mais provas que só vai convocar o time da Amil para jogar na seleção. O cala boca da Mari em 2008 foi comentado, algumas vezes criticado, mas ninguém disse que ela não tinha motivos para fazer levou a culpa por um erro que não foi só dela. Gosto da Sheilla, mas vinha jogando mal desde a superliga só jogou bem nos últimos jogos e a Fabizinha também no caso delas as críticas tinham muito fundamento tanto tinham que a sheilla deixou a marca dela e pisou na linha na hora do saque.
Laura, ainda não engoli o corte da Fabíola. Venturini e Fofão sempre tiveram um estilo parecido e nem por isso deixaram de atuar juntas na seleção (não querendo comparar nossas atuais levantadoras com elas, isso está fora de cogitação)portanto, ter o estilo parecido, não me parece um justificativa razoável.
Tete, realmente as convocações de segurança do Zé e que causaram mais polêmicas foram as que se mostraram mais inutéis (Natália, Tandara e Fernandinha). Ficou claro que houve preferência do Zé pelas jogadoras que vão representar o Amil. Não entendo como a CBV não exige exclusividade dos técnicos, ou pelo menos que o técnico da SFV não atue por um clube de volei feminino.
Sempre defendi o que a Mari disse na entrevista dela após o corte ("Natália não é essencial, todas são essenciais."), hoje sou obrigado a discordar "Todas foram essenciais, menos Natália, Fernandinha e Tandara.
tete disse…
Paulinho não podia até ano passado, mas parece que mudou. Não lembro se era o Sesi ou o VF que queria contratar ele, mas para ser técnico da seleção feminina e técnico de um time feminino no Brasil precisa da aprovação de outros treinadores, pois pode haver conflito de interesses. Bernardinho e Luziomar foram contra e ele não voltou. A superliga não começou então o Zé ainda não é técnico do Amil quer isso na teoria que na prática todo mundo sabe que ele já está lá. O Ary graça disse que o Bernardinho e o Zé ficam. O Zé depois de ter dispensado a Fabiola vai chamar la novamente? E se chamar será que ele não a dispensa antes do Mundial para colocar a levantadora do Amil no lugar?
Espero que pelo menos o Luizomar seja contra, pelo menos pra forçar o Zé a ter escolha menos parciais nas próximas convocações.
Welmer disse…
Laura, você chegou a ler declarações da Paula dizendo que ela foi mal aproveitada, não lembro se foi esse termo que ela usou, pelo Zé Roberto??? O que você achou???

Sinceramente, achei essa declaração um pouco sem nexo. Como ela queria ser aproveitada???? Ela joga na ponta e ela jogou na ponta. Por acaso ela queria jogar de oposta???
Lilian disse…
O técnico dos EUA,Hugh McCutcheon, ganhou o prêmio: "A BESTA OLÍMPICA", pois perdeu o OURO olimpico no jogo contra a TURQUIA. Todo bom tecnico tem que jogar com o REGULAMENTO debaixo do braço. Ele poderia ter descansado as titulares, evitado a contusão da BERG, poderia ter escalado as reservas para ganhar ritmo de jogo, perdido para a TURQUIA e eliminado um adversário direto ao OURO OLÍMPICO: O BRASIL. Se tivesse feito isso a besta do Hugh McCutcheon, seria hoje bicampeao olimpico, em vez disso saiu com o rabinho entre as pernas e pediu demissão. O Hugh McCutcheon criou COBRA, cutucou a ONÇA COM VARA CURTA ao não eliminar o BRASIL qdo teve a chance... Jogar com o regulamento faz parte e ajuda bastante... Quem critica é hipócrita, todo mundo faz isso, e quem não faz se lasca, assim como aconteceu com a seleção dos EUA. Não foi mérito do Zé Roberto a conquista do Ouro, e sim da capitã Fabiana que uniu o grupo qdo a vaca tava indo para o brejo. O Zé só fez dificultar muito o q poderia ter sido mais fácil. A insistência com a NATALIA que foi fazer TURISMO em LONDRES, tomando a vaga de BRAIT que estava 100% fisicamente, é o exemplo mais claro de como o Zé só dificultou mais as coisas.
Julie disse…
Cara... uma coisa ficou bem evidente pra mim... O destino da seleção feminina em Londres não foi igual ao dos meninos por um detalhe... praticamente um milagre!

Na noite antes da final eu disse pra minha irmã... o time ta funcionando com as 7 titulares. Se precisar do banco a gente perde!!! E não deu outra! Ganhamos porque quem estava em quadra resolveu a situação!

Infelizmente no masculino os 7 não seguraram a onda! Ficou claro que o time precisava terminar o jogo em 3 sets... porque não tinha banco! A situação ficou crítica porque os titulares não tinham condições físicas de aguentar além de 3 sets!!! E acho que eles entraram em quadra sabendo disso!

A situação do Giba e da Natalia era bem parecida... mas com certeza ele exerce uma liderança e apoio ao grupo infinitamente maior que ela. Fato é que ficou provado que só isso não basta!

Admiro e me orgulho muito das duas seleções. Mas estamos longe do time ideal... pois o mesmo deve ser formado por 12 jogadores atuantes e no mesmo nível... capazes de entrar e substituir qualquer jogador sem cair o rendimento ou deixar buracos!

Sobre as levantadoras... nessa mesma entrevista o ZRG declarou que a Dani se mostrou muito tranquila durante todo o processo e que as vezes ele se perguntava se ela tinha noção que estava numa olimpíada... tamanha a frieza e serenidade dela. Acho que ela ganhou a vaga da Fabíola ai!

Sobre o time estar bem nos treinos e ruim em quadra... o ZRG já tinha dito isso depois de todas as atuações na primeira fase... mas soava como conversa pra boi dormir... coisa de perdedor...
Eduardo Araujo disse…
A vdd é que demos uma sorte do caramba e 6 jogadoras, jogaram oq nunca jogaram na vida!!!
Pq se fosse precisar de banco..., a coisa estava feia.
Ele errou na convocação sabe disso, alias td mundo viu, mas claro que ele nunca vai aceitar isso na vida.
Abraão disse…
O Hugh McCutcheon não eliminou o Brasil na primeira fase simplesmente por ego, é muito simples, o time dele não perderia pra ninguém até a final e seria campeão invicto, além disso havia a possibilidade do Brasil cair pelo caminho, os EUA então não teriam uma única mancha que maculasse o brilho de sua medalha. Ele só não contava coma astúcia do paciente José Roberto Guimarães que justo no jogo mais importante tirou da cartola um coelho chamado Jaqueline Carvalho, ou alguém acha que sem a sua inspirada atuação estilo finalíssima teríamos ganho delas?
Anônimo disse…
Eu só quero saber se o Zé Roberto vai usar a FernanDINHA como titular no Amil ou vai arrumar uma susbstituta para ela também na superliga...
tuliobr disse…
Uma respeitosa correção ao comentário da Lilian: McCutcheon não pediu demissão devido à perda do título olímpico para o Brasil; já se sabia há um ano que ele concluiria seu trabalho na seleção americana após as Olimpíadas e assumiria o comando do time da Universidade de Minnesota na NCAA. Eu concordo com o McCutcheon em relação à sua atitude no jogo contra a Turquia: em respeito ao público, aos adversários, aos patrocinadores e, por último mas não menos importante, à ética, deve-se entrar em quadra, pista ou campo para vencer. Mesmo que somente para preservar a própria biografia de algo semelhante ao ocorrido com a seleção masculina no mundial de 2010, um título que será para sempre lembrado pelo imfame jogo contra a Bulgária. O grande Bernardinho e sua incomparável equipe simplesmente não precisavam de que uma nota de pé-de-página assumisse tamanha dimensão em sua rica história. Assim também, na minha opinião, McCutcheon tomou a decisão correta, embora eventualmente, talvez até por outros erros que de fato cometeu, perdesse a final.
Eduardo Araujo disse…
Se ficar confirmado mesmo que o ZR continua na seleção mesmo dirigindo um time do vôlei feminino, podem ter certeza a Suellen vai ser a libero do Brasil, para esse próximo 4 anos!!
Afinal ninguém sabe o pq, mas ela já faz parte da seleção de novas!!!

No Brasil isso que me deixa chateado, o ZR foi campeão, fazendo escolhas erradas, dando uma sorte incrível, jogadoras como a Dani Lins que teve o passe na mão e jogou muito bem, coisa que é rara!!!

Na final a Jaque incorporou o Murilo e comeu a boa, graças a isso levaram a medalha, mas agora td mundo ficam elogiando o trabalho dele, esquecendo que os 4 anos dele no comando foram uma droga.

Outro dia assisti uma entrevista dele que eu achei o máximo, ele explicou que todos os jogos que o Brasil fez contra o EUA, foram testes e sempre que eles descobriam uma falha na equipe americana eles deixavam isso de lado e guardavam para os confrontos na olimpíadas e que as outras derrotas não tinham importância!!!

O cara é vidente!!! ou seja todos os passeios que tomamos do EUA foram propositais inclusive na fase de classificação das olimpíadas, pq ele sabia que o Brasil estava na final e ia usar toda a informação acumulada em 4 anos nesse único jogo!!!, o cara é um gênio!!!

Menos ZR!!!
Laura disse…
Julie, foi bem isso. Se dependessemos das reservas, o final seria o mesmo do masculino.

Welmer, li e tb achei sem nexo. Não sei o q ela queria q o Zé fizesse.

Acho q tb não devemos crucificar o Zé por algumas convocações. Antes dos Jogos, qd fizemos as nossas escolhas para a seleção, a maioria não convocaria a Mari nem a Dani Lins. Ou seja, a Fernandinha e a Tandara tinham apoio.

Em geral, nós só criticamos a escolha da Natália. A Tandara se apresentou bem antes dos Jogos e mereceu a vaga - não dava pra adivinhar que ela não iria render na Olimpíada. E nada impedia de ela e Mari estarem no grupo.

E a Fernandinha foi o mesmo, pouca gente defendeu a presença da Dani com a Fabíola. Só agora a gente vê q esta seria a composição mais justa e a melhor para a seleção.


Anônimo disse…
Jaqueline fez a partida da vida dela, Fabizinha defendeu quase todos os ataques da Hooker. O destaque da final fica principalmente por essas 2 jogadoras. Zé Roberto se safou, mérito dele foi SORTE, e acabou tendo o contrato na SFV renovado.
Quanto a declaraçao das americanas, da Tom, Berg, e a Hooker falando mal dos torcedores brasileiros, dor de cutuvelo meu bem, nunca foram campeãs olímpicas. Me Beeja.

Priscila Lafayette.
Welmer disse…
Uma notícia bem legal pra todos que gostam de vôlei feminino.

A partir da próxima quinta-feira o Sportv 2 vai transmitir a copa minas de vôlei, se eu não estiver enganado, o torneio contará com a participação de Usiminas/Minas, Banana Boat/Praia Clube, Unilever e BMG/São Bernardo. E vendo a programação do canal para os próximos dias, acho que o Sportv vai transmitir mais jogos do campeonato paulista.