quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Decepção - Brasil 0x3 Coreia do Sul

Bem que tudo isso podia ser um pesadelo... mas não é. O Brasil fracassou e pode escrever a pior história do vôlei feminino em Olimpíadas desde 1992.

Não vou ficar citando os problemas que o Brasil apresentou nesta partida porque são os mesmos da Copa do Mundo, do Grand Prix e do início da Olimpíada.

A questão é que o Brasil chegou aos Jogos de Londres em situação exatamente oposta a que chegou em Pequim. Enquanto em 2008 jogadoras como Sheilla e Paula viviam a melhor fase de suas carreiras, hoje não têm força para serem protagonistas de uma seleção de alto nível. Em Pequim a seleção chegou voando fisicamente, em 2012 é um time desgastado; e há quatro anos o Brasil estava no auge e atualmente é um time em crise e decadente. 

*************************

 Além da incapacidade técnica, há o azar e o mau momento, fatores que fogem ao controle das jogadoras. E é triste, como foi na Copa do Mundo, vê-las tentar e não conseguir. 

É a pior situação que esta geração já enfrentou. Tem a obrigação da vitória, de evitar um vexame e a pressão é enorme. Deixando de lado novamente a questão técnica, a seleção precisa recuperar-se animicamente. O problema é que não se vê liderança no grupo para comandar qualquer reação e não se pode esperar nada do Zé Roberto, que não tem talento motivacional.

*************************  
 
Não é preciso ser nenhum gênio para prever um futuro negro à seleção nos Jogos. Os otimistas ainda verão uma saída. Os de fé acreditarão num milagre. Como não me encaixo em nenhuma das categorias, creio que a seleção, se conseguir a classificação, não passa das quartas de final. 

*************************   

Pê esse:

- O irônico e triste é que ouvimos o discurso de que a Natália poderia ser uma ajuda importantíssima na fase final, quando ela alcançaria o seu melhor ritmo e condições. Vejam só, quando ela estiver pronta, a seleção já vai estar eliminada.

30 comentários:

Eduardo Araujo disse...

Eita coisa feia, agora me expliquem uma coisa, o ZR convocou a Fernanda no lugar da Fabíola, td mundo sabia que a altura da mesma seria um problema para a seleção, mas muitos comentarias falavam que ela levanta melhor que a Fabíola e daria segurança ao time, não vi ela levantando isso tudo, achei que o Brasil teria que treinar uma nova defesa com a Fernanda na rede, somente tendo 3 meses para isso, fora a falta de entrosamento que a mesma teria com as colegas, mas hj quando ela finalmente estava jogando bem o ZR tira ela pq a mesma estava tomando vários overs das atacantes da coreia, será que somente ele não viu que isso iria acontecer??? se vai tirar ela quando a mesma esta jogando bem por causa do tamanho então pra que levou?? pra fazer compras???
Mesma situação da Natalia, levou pra que??? como vai pegar ritmo de jogo senão joga??? nesse caso levasse a Mari como oposta e colocasse a Tandara como ponteira, assim como ela jogou essa temporada no Sollys teríamos ao menos uma atacante que da porrada na bola!!!
Agora no 2 set a fabi estava dopada, fez varias defesas ótimas, mas no 3 set voltou ao normal, ainda acho que a Brait seria melhor e ninguém pode falar da recepção do Brasil, pq acreditem temos a melhor recepção do torneio ate o momento!!!
Não sei se o Brasil vai fracassar, mas grande parte da culpa é sim do técnico ele que convoca ele que treina e ele que escala as jogadoras!!!
Mas esperar oq de um técnico que da uma entrevista para o Sportv falando que para um time ser campeão olímpico tem que ter ajuda dos deuses do vôlei, quando os técnicos mais vitoriosos do Brasil como Muricy, Bernardinho, o grande Tele falavam que para ser vitorioso tem que ter trabalho, treino e dedicação, ou seja oq esperar de um técnico que não confia no próprio trabalho !!
E a coisa ainda pode piorar hj a China perdeu para os EUA, mas fizeram um jogo super duro com as americanas, as chances de não passarem de fase existem e são bem reais!!!

Anônimo disse...

Bom Laura a sfm de volei caiu muito em decadência
mas todo mundo sabe que o brasil tinha chance de medalha de ouro so tinha que escolher as jogadoras certas oque ele não fez pois ele investiu todas as esperanças na Natália q num virou nenhuma bola, falo que a fernandinha era salvadora da pátria mais so oque eu vi ela jogar foi um feijão com arroz junto com pani lins e agora por último leva a fabi que tá velha e deixa a melhor líbero do brasil no brasil e o pior mesmo e que o Ary graça quer que ele continue como técnico do brasil no feminino vê se pode???

Aline disse...

Mari nao iria fazer a diferenca nessa equipe, afinal de contas na COPA DO MUNDO a MARI foi pessima, o problema e’ o tecnico. Ze’ ROBERTO acaba com a equipe, foi campeao em 92 no masculino e acabou com a equipe dando vexame em 96. A mesma coisa aconteceu no feminino acabou com a equipe… E’ a especialidade dele. Hugh McKeaton , tecnico dos EUA e Barbolini, tecnico da ITALIA, poem esse Ze’ no chinelo.O grande culpado de tudo: ZE’ ROBERTO GUIMARAES!!! O ridiculo do Ze’ acabou com a selecao feminina psicologicamente, os cortes crueis, dramaticos e inexplicaveis, acabaram como espirito de grupo do time… O corte de FABIOLA em favor da pipoqueira amarelona da DANI LINS e o corte de CAMILA BRAIT para que NATALIA fosse fazer turismo em LONDRES foram de uma crueldade tamanha que acabou com o espirito de equipe. Nao ha’ alegria nas jogadoras, elas estao tensas, incomodadas… Um time sem espirito de equipe nao conquista nada e o Ze’ e’ o responsavel por isso. Ele fez a mesma coisa com a equipe masculina que foi campea em 92, criou um clima ruim, de conflito e o Brasil foi um fiasco em 96.

Paulinho Adorador disse...

Aline falou tudo.
Quando acabou o Grnad Prix, pensei seriamente que o Brasil poderia ter alguma chance de medalha, de outro era muito difícil, mas a prata seria extremamente honrosa pra essa geração que viveu de altos e baixos nesse ciclo, mais baixos do que altos. Sempre foi propagado aos quatro ventos sobre a questão psicológica do feminino e agora ele apronta essa. Destruiu a mente das jogadoras com 3 golpes:
1 . Corte da Fabíola, quando todas pensavam que ela seria a titular e começavam a pegar entrosamento com ela;
2. Corte da Mari e declarações que sem Natália o time não teria chance alguma;
3. E o derradeiro golpe quando confirmou a Natália sem ritmo e condições de jogo em detrimento da melhor líbero do Brasil.
Até no masculino uma situação dessa seria difícil, no feminino, devemos convir é de um peso ainda maior.
Só espero que essa comissão técnica saia logo após os jogos. Pensando nisso quem seria o melhor nome pra reestruturar a SFV?

Welmer disse...

Estou triste, muito triste.

Foi decepcionante ver a atuação das meninas. Não vou ficar procurando culpados para as fracas atuações da seleção, mas eu não consigo ver poder de reação na seleção.

Como você falou, Laura, os otimistas verão uma saída, os de fé um milagre. Eu costumava ser otimista, mas depois dessa atuação, continuarei torcendo, porém acho muito complicada a recuperação da seleção.

***Eu tô muito preocupado com uma coisa, eu não sei se sou só eu que tô pensando dessa forma, e não sei se elas seriam capaz de fazer isso, mas já pensou se as americanas perdem de propósito pra Turquia pra dificultar ainda mais a situação do Brasil?????

Anônimo disse...

Posso até esta enganada mas acho que a MARI faria sim grande diferença nesse time, te garanto que não ia a londres a passeio(ACHO O QUE ELE FEZ COM A MARI FOI ANTIÉTICO)...
Acho mas um erro não levar a fabíola, mas não acho um erro em levar fabizinha.
Pelo amor de Deus
#FORA ZE ROBERTO#

Anônimo disse...

Aline, a Tandara também foi péssima na Copa do Mundo quando entrou (muitos tocos) e você defendia a convocação dela para as Olimpíadas. Aliás, a equipe inteira foi péssima na Copa do Mundo, mas só a Mari, que realmente foi péssima, levou a culpa. Aquele papo do Zé de "precisamos mais da Mari" enganou o povo, que não percebeu a decadência generalizada em que estava entrando a equipe.
Agora, você é uma das que mais defende que se deve falar do presente, não do passado, quando o assunto é convocação. Então por que ressucitar a Copa do Mundo?
No Grand Prix, competição mais recente, a Mari se saiu muito bem como oposto reserva, se mostrando muito eficiente nas inversões, diferentemente da Tandara, que demonstrou a sua falta de experiência ou capacidade técnica para enfrentar equipes mais preparadas nos momentos de adversidade. Foi assim contra a Polônia.
Mas, por que mesmo você introduziu a Mari na discussão? Porque a sua salvadora da pátria Tandara não está desempenhando um bom voleibol nas Olimpíadas, não está sendo útil, mas isso você não quer admitir. Prefere ressucitar a Mari, não convocada, para dizer que ela não estaria jogando nada (hipótese), ao invés de falar de quem, efetivamente, não está jogando nada.

Farlei Melo disse...

Talvez Luizomar Moura (Sollys), Cézar Douglas (VF masc.), Marcelo Mendez (SADA/Cruzeiro), Giovane Gavio (Sesi), até o Lorena, hoje com 33 anos e jogando como um menino (foi assim no Montes Claros e no VF masc., na próxima Superliga ele estará no Sesi)... São nomes de impacto que podem dar um chacoalhão na Seleção feminina. Volta do Bernardinho? Difícil, até porque ele ganhou tudo com a seleção masculina, mas um desses nomes seria interessante no comando da equipe. (Me esqueci do Spencer Lee, do Praia Clube, e do Paulo Coco, ex-VF fem...)

fabiane disse...

Independente de quem foi ou quem ficou dos cortes e tal, acredito que o problema da SFV é emocional, como sempre foi. A diferença é que no passado tínhamos as tais lideranças e menos limitações físico/técnicas e hoje isso não ocorre. É visível num lance de ponto do adversário o olhar atordoado de cada uma das meninas, procurando algo/alguém que as oriente, que as acalme, chega dar dó. As entrevistas pós jogo foram o exemplo disso, vozes engasgadas tentando entender o que está acontecendo, sem falar da preocupação de não pagar mico, frente essas adversidades que já conhecemos. Acho que é unânime a opinião de que depois de hoje a SFV chegou ao fundo do poço, "involuiu seu voleibol". Também acredito que são momentos como esse que encerram uma era com fracasso total ou ressurgem como fizeram os meninos ontem - um time também velho, limitado fisicamente, blablabla - a diferença é que não tivemos brio, atitude! Acho que nossa SFV poderia ao menos encerrar sua participação em Londres "inspirando uma nova geração".

Renato disse...

Triste a situação do Brasil. Sem defesa, sem armação, sem ataque, sem vibração. Retrato do time armado pelo paneleiro Zé Roberto. O ataque não coloca a bola no chão e ele cortou a Mari, a defesa não vê a cor da bola e ela cortou a Brait e a Sassá, o levantamento não está entrosado e ele cortou a Fabíola. Castigo não vem mais a cavalo vem a trovão seu Zé Roberto. Seja Homem agora e assuma sua (ir)responsabilidade. Lamentável Brasil, perder para a modesta Coreia do Sul !!

Anônimo disse...

Solução: Bernardinho de volta na seleção feminina e renovação em 70% das jogadoras.

Crowley.

Renato disse...

Laura, gostaria de aproveitar esse espaço para lembrar um excelente profissional que infelizmente nos deixou precocemente. Pelo que você publica aqui, acho que você não chegou a vê-lo atuar. Falo do excelente e saudoso Inaldo Manta. No final dos anos 80, início dos 90, o Brasil não ganhava quase nada, nesta época ele surgiu e lançou essa geração maravilhosa de Ana Mozer, Ida, Ana Flávia, Márcia Fu, Venturini, Denise, Adriana. Dava gosto assistir os jogos desta seleção !!

Abraão disse...

Venho há um bom tempo insistindo nisso. O Brasil hoje Voltou a perder pelos mesmo motivos de sempre. Falta de convicção na hora de definir as bolas. Como um time que trabalha 80% do tempo com passe A pode ter tanta dificuldade na sua virada de bola? A resposta é muito simples, não se ganha jogo sem ponteiras! Sheila hoje fez 16 pontos em um jogo de três sets, ou seja uma média superior a cinco pontos por set. Muito bom, ótimo por sinal, as meios de rede também fazem o que podem até serem marcadas, pois elas se tornaram o ponto de referência das levantadoras, visto que deve ser desesperador quando a Dani ou Fernandinha olham para a entrada da rede e tem à sua frente ora Paula Pequeno, ora Jaqueline, ora Fernanda Garay que convenhamos vem muito bem, mas não é e nem nunca foi jogadora pra segurar a pressão de responder pela última bola, aquela que signifique o último ponto do rali, ou mesmo aquele que dê sobrevida para a equipe respirar e buscar nova força para reverter um set quase perdido. Sabe quem é essa jogadora? Pois é isso mesmo dona Aline "Mari não faria diferença". Na copa do mundo Mari jogou abaixo da crítica é bem verdade,Mas no Grand prix deste ano Virei um set onde estava 24x20 no jogo contra a Itália praticamente sozinha e o comentarista mau caráter do sportv vem e diz que o mérito da virada é todo do Zé Roberto que fez a mudança na hora certa. Ora desde quando fazer uma inversão de rede com um placar desses é certo? Mas a Mari correspondeu e corresponderia também agora, pois ela nasceu pra isso.Respondeu pelo erro da última bola que custou a tão sonhada medalha em Athenas e carregou sobre si, durante quatro anos, uma dor que nenhum de nós aqui é capaz de imaginar. E no instante de se fazer justiça à ela o que acontece?(justiça sim,ela estava a caminho de uma recuperação plena, fez jogos excelentes no grand prix e merecia a oportunidade de estar lá, visto que está mais do que provado que a Jogadora escolhida como substituta não é qualificada e isso não é questão de inexperiência e sim de vocação.

L disse...

Realmente quem acabou com o espirito de campeas das meninas foi o”TERRORISMO” usado pelo ZeRoberto. Ele torturou as jagadoras fazendo cortes relampagos, sem explicacoes e com tamanha crueldade: Fabiola, no saguao do aeroporto. Mari, na lavanderia da concentracao. Camila Brait teve que viajar a Londres para ser cortada logo depois. ZeRoberto agiu como Ozama Bin Laden criando um clima tenso, desagradavel e de infelicidade dentro da equipe. Com essas atitudes o ZE fez as jogadoras se sentirem umas “merdas descartaveis”, que a qquer momento poderiam ser jogadas fora como um papel higienico sujo. A injustica de levar uma jogadora que estava ha mais de 1 ano sem jogar e que nao conquistou sua vaga em quadra pesou bastante. Pois Natalia tirou a vaga de uma jogadora que estava 100% fisicamente para fazer turismo em Londres.Natalia tirou a vaga da Camila Brait p/ entrar p/ dar saquezinhos ridiculos? Dani Lins tomar o lugar da Fabiola tbem nao da p/engolir, Dani Lins fez uma pessima Copa do Mundo, uma pessima Superliga, quase nao jogou no GP e tirou a vaga da Fabiola: as jogadoras nao engoliram esse corte… Com essa panela toda e esse clima de terrorismo nao tem como ter conjunto e jogar como uma equipe. ZE abusou demais, alem disso ainda convocou Tiemi e Suelen para a selecao B,sendo que as 2 nunca deveriam vestir a camisa da selecao. Usar a selecao p/ treinar o time de Campinas? Lamentavel!

tete disse...

Por incrível que pareça Dani Lins não está prejudicando o time, já a baixa estatura e e o voleibol básico da Fernandinha sim ela até que estava jogando melhor hoje, mas o seu tamanho é mais um dos problemas da seleção. Porque o Zé espera não ter mais jeito para trocar as jogadoras, porque não colocou Adenízia antes. Deveriamos falar só de quem foi convocado,mas começo acreditar no que os fãs dizem que Mari é Diva falando bem ou mal vão falar dela, na Copa do Mundo Mari estava machucada ela mesmo disse isso em entrevista e no seu último campeonato disputado o Grand Prix ela estava bem entrosada com a Dani Lins salvaram até um set perdido porque para variar o Zé fez a inversão do 5x1 quando o Brasil perdia de 23 ou 24 não lembro direito. Eu até consigo visualizar e especular o porque de o Zé levar a levantadora anã do Amil Campinas e não levar a Fabíola (preciso fazer uma observação se falassem que muita gente ia preferir a dupla Fabiola e Dani Lins logo na primeira fase eu diria que essa pessoa estava maluca, mas analisando os dados bem ou mau sempre estavamos no pódio e agora corremos o risco de nem chegar as quartas. Segundo como já falei antes e reafirmo agora o Zé sempre teve suas 12 escolhidas nunca houve dúvida, não acredito nessa história que ele levou a Natália visando 2016 se fosse isso a Brait também iria e não teria grupinho nenhum que segurasse a vaga da Fabizinha e citando a SMF se fosse já o foco 2016 cortariam o Giba e o Lucarelli que só têm 19 ficava com a vaga. Eu como a grande maioria das pessoas não consigo entendero porque da Natália ir mesmo sem condições o Giba está lá, mas exerce papel de líder, mas a Natália é só a protegida do Zé não sei se ele é empresário dela não entendo essa ligação se fosse o Luziomar até entenderia foi técnico nas seleções de base e no Sollys então teriam um laço afetivo. Concordo com alguns blogs que o corte da Mari foi mais para intimidar e tentar botar ordem na seleção, pois nenhum time ia ficar unido e aceitar que o técnico levasse uma jogadora machucada e que não joga a mais de um ano e uma levantadora baixinha que não é melhor que as outras que já estavam na equipe.
uma ultima observação as jogadoras estavam fazendo SPA em Saquarema porque erra saque e manchete fundamentos básicos é inadimissivel.

tuliobr disse...

Laura e amigos, hoje mudamos de nível: perder para as ianques e passar sufoco contra as turcas era uma coisa, mas perder para a Coréia sem conseguir ganhar sequer um set, com todo respeito que merece a Kim Yeon-Koung, eu não lembro de ter acontecido a uma seleção adulta em uma competição relevante. Eu não me bato pela convocação desta ou daquela jogadora, ou fico imaginando como seria se a Mari, a Brait ou a Ana Moser estivesse ali, acho que o técnico tem uma estratégia na cabeça e deve escolher aquelas que melhor se adaptarem: se o JRG concluir que as ponteiras devem ser a Thaisinha e a Fernanda Davis porque assim a altura média vai ficar ótima, perfeito. Dito isso, não tenho dúvida de que o JRG sabe muito mais de vôlei do que eu, mas também tenho certeza que de bom senso eu sei tanto quanto ele: levar para uma Olimpíada uma atleta sem condição de jogo e fazer dela o 'pau da barraca' do time contraria o bom senso, e ninguém precisa ser bicampeão olímpico para saber disso. A partir dessa decisão, todas as outras tomadas por essa CT ficam para mim sob suspeição, da mesma forma que o JRG ficaria no mínimo desconfiado se o comandante do vôo que trará a SFV de volta para o Brasil se apresentasse com um sorvete colado na testa. E eu começo a olhar esse vôo prematuro de volta com uma certa simpatia: ao menos nos poupará de maior sofrimento. Perdoem, Laura e amigos, se eu não tenho palavras mais otimistas e esperançosas: assim como ao JRG e às nossas jogadoras, me falta inspiração.

tete disse...

Por incrível que pareça Dani Lins não está prejudicando o time, já a baixa estatura e e o voleibol básico da Fernandinha sim ela até que estava jogando melhor hoje, mas o seu tamanho é mais um dos problemas da seleção. Porque o Zé espera não ter mais jeito para trocar as jogadoras, porque não colocou Adenízia antes. Deveriamos falar só de quem foi convocado,mas começo acreditar no que os fãs dizem que Mari é Diva falando bem ou mal vão falar dela, na Copa do Mundo Mari estava machucada ela mesmo disse isso em entrevista e no seu último campeonato disputado o Grand Prix ela estava bem entrosada com a Dani Lins salvaram até um set perdido porque para variar o Zé fez a inversão do 5x1 quando o Brasil perdia de 23 ou 24 não lembro direito. Eu até consigo visualizar e especular o porque de o Zé levar a levantadora anã do Amil Campinas e não levar a Fabíola (preciso fazer uma observação se falassem que muita gente ia preferir a dupla Fabiola e Dani Lins logo na primeira fase eu diria que essa pessoa estava maluca, mas analisando os dados bem ou mau sempre estavamos no pódio e agora corremos o risco de nem chegar as quartas. Segundo como já falei antes e reafirmo agora o Zé sempre teve suas 12 escolhidas nunca houve dúvida, não acredito nessa história que ele levou a Natália visando 2016 se fosse isso a Brait também iria e não teria grupinho nenhum que segurasse a vaga da Fabizinha e citando a SMF se fosse já o foco 2016 cortariam o Giba e o Lucarelli que só têm 19 ficava com a vaga. Eu como a grande maioria das pessoas não consigo entendero porque da Natália ir mesmo sem condições o Giba está lá, mas exerce papel de líder, mas a Natália é só a protegida do Zé não sei se ele é empresário dela não entendo essa ligação se fosse o Luziomar até entenderia foi técnico nas seleções de base e no Sollys então teriam um laço afetivo. Concordo com alguns blogs que o corte da Mari foi mais para intimidar e tentar botar ordem na seleção, pois nenhum time ia ficar unido e aceitar que o técnico levasse uma jogadora machucada e que não joga a mais de um ano e uma levantadora baixinha que não é melhor que as outras que já estavam na equipe.
uma ultima observação as jogadoras estavam fazendo SPA em Saquarema porque erra saque e manchete fundamentos básicos é inadimissivel.

Abraão disse...

Sheila ainda é sim uma grande oposta, mas também não é jogadora de reponder na hora do aperto, nesta seleção esse papel sempre coube à Mari, foi ela a ser culpada pela má campanha da copa do mundo, foi ela também, mais do que qualquer outra, como disse aqui o túlio br, a mais vigorosa nas vitórias, nas glórias, ao contrário do que dizem os idiotas só porque ela nao sai pulando feito louca quando nos dá pontos preciosos. Vocês querem mais provas de que a ruína Brasileira tem origem nas nossas pontas? Pois aí vai mais uma. Os únicos momentos em que a seleção brasileira jogou de fato como seleção brasileira durante esse ciclo olímpico foram em 2009 e em 2010. Em 2009 quando o Brasil ganhou seu derradeiro título importante o país tinha nas pontas Mari e Natália, ou seja, não poderia haver linha de passe mais catastrófica, certo? mesmo assim esta limitação não serviu para parar nosso time. Sabem porque? porque são essas que respondem pela segurança da equipe quando tudo o mais dá errado. E em 2010 quando o Brasil foi vice campeão mundial Natália derrubava tudo enquanto Jaque dava-se ao luxo de ficar lá atrás. Esses foram pontos altos da nossa seleção por que existiam ponteiras confiáveis em suas maiores responsabilidades que são justamente segurar o ataque em momentos de crise técnica em outros fundamentos. Pois vejam vocês, hoje não existe passe melhor que o do Brasil nesses jogos olímpicos e mesmo assim o time não consegue vencer. Acho que o Zé nunca se arrependeu tanto de suas escolhas e seus equívocos quanto agora!

Anônimo disse...

Quem tirou a vaga da Fabiola foi a Fernandinha o povo que não gosta da Lins não enxerga isso e também se a Fabiola fosse no lugar da Dani Lins o quadro ia ser o mesmo porque para o Zé a jogadora titular é a Fernandinha e ela não está jogando nada e só é substituida quando têm 5 pontos de diferença para os outros times ou quando ele faz a inverção quando o jogo está perdido.Alguém aqui no blog já tinha falado isso que o Zé enganou a gente colocando a Fernandinha nos jogos fáceis fazendo agente acreditar que ela jogava mais do que a Fabiola e a Dani Lins o que não é verdade joga igual e tem o agravante de ser baixa que vem sendo explorado por todas as seleções adversarias nessas olimpiadas.

Giovanna disse...

Não acho que o problema do Brasil seja emocional, embora seja a hipotese mais fácil de aceitar, pois não queremos acreditar que o time está DECADENTE e INFERIOR aos demais, essa é a realidade. O problema do Brasil é técnico, não emocional, infelizmente, pq se fosse apenas emocional com uma conversa, nem que o Zé reunisse todas pra uma reunião de 1, 2 horas, e perguntasse qual o problema com elas, como eles poderiam resolver isso em conjunto, talvez arrumaríamos nossa seleção.

Mas o real problema é que a jogadoras que estão em Londres da nossa SFV não estão a altura das demais, nunca vi a deficiencia técnica da Jaque tão gritante quanto nesse inicio de Olimpiadas, não defende bola no fundo de quadra, só sabe fazer 4 coisas: 1) acrobacia quando ela TENTA pegar a bola, mas a bola já está mais que no chão, devido a essa 'grandiosidade' da nossa querida jogadora cuja função DEVERIA ser passar e defender 2) se atrever a rir e fazer gracinha nos pontos do Brasil mesmo quando o Brasil está sendo massacrado por EUA/coreia do Sul; 3) arrumar o cabelo; 4) dar as mesmas entrevistas com o mesmíssimo discurso "precisamos-mudar-isso-e-aquilo" e quando volta a quadra, é a mesma inutil de sempre. Ficou fazendo o que na Vila Olimpica que não foi arrumar esses erros, ein, Sra. Jaqueline Endres??

Paula Pequeno só manda bola p/ fora nos momentos de pressão, quando o resto do time tá bem ela tá uma beleza, mas qnd o time tá mal ela consegue estar pior.

Sheilla é o diamantinho do Zé...ele trocou a Fabiola pela Fernandinha pq a Fernandinha jogava melhor com a Sheilla, resumindo, todas as demais jogadoras são substituíveis, mas nem pensar em tirar a Sheilla da seleção, quem não estiver se dando bem técnicamente com ela que saia!!!
Mas eu continuo defendendo a permanencia da Fernandinha na seleção, pq creio que a deficiencia técnica é mais das 'viradoras' de bola do que das levantadoras, que, coitadas, levam a pressão toda pra cima delas!!! Natália vai aprender inglês em Londres, Tandara vai fazer turismo, e fica dificil a Fernandinha achar um viradora de bola se todas as disponiveis não correspondem as tentativas!! (menos Thaisa e Garay)

Não creio que falte garra ao Brasil, afinal nossas vaidosas e egocêntricas jogadoras adorariam estar no lugar mais alto do pódio e deixar as demais jogadoras pra trás, o problema é que elas até agora não sabem como fazer isso.

Não é questão de QUERER, mas de PODER E CONSEGUIR!!!

Luiz Felipe disse...

Concordo com todos que comentaram que o ZRG acabou com o emocional da equipe com os cortes. O jogo contra a Coreia, #15 do rkg mundial, que nem precisou monopolizar os ataque na fora-de-série Kim, prova isso. A equipe estava bem ao final do GP e foi destruída mentalmente pelas escolhas erradas (Natália e Tandara).

Ana Moser, corretamente, disse que tem faltado alma à SFV. Mari, pra mim, era a alma da SFV, desde 2004. Não estou dizendo que ela era a melhor jogadora, ou a mais vibrante, a mais qualificada ou que faria a diferença nestes JOs. Alma é o que conecta razão e emoção, corpo e mente. Pode parecer um paradoxo, mas a frieza da Mari era cativante.

Mari esteve com esse grupo em quase 3 ciclos olímpicos, dividindo os elogios pelas vitórias e monopolizando a culpa pelas derrotas. As jogadoras perderam sim, uma líder. Uma líder tímida, que não falava, pouco vibrava, "a mulher de gelo" - mas que, mesmo inconscientemente, mantinha o grupo unido.

Julie disse...

Giovanna... concordo com você! Mas também acho que além da deficiência técnica... o abalo emocional ta pesando e muito.

Acho que o ZRG tinha desde o início plena noção da deficiência técnica do grupo e quis usar uma estretégia de choque com as meninas. "Olha só... ta todo mundo com a corda no pescoço! Melhorem esse jogo ai senão eu corto! Não vão melhorar não??? Tô tirando a levantadora mais entrosada e vou botar uma 'gringa' que nunca jogou com vocês!!! Ainda não vão melhorar??? Eu que mando nessa porra!!! Olha quem eu vou cortar agora: Santa Mari!!! Acho que vocês não entenderam... e pra ficar bem claro... vou levar pra Londres uma jogadora que não joga há um ano e que periga nem entrar em quadra (eu não sou tão cruel a ponto de deixar ela se lesionar e acabar a carreira né!)... Olha o que eu faço com a melhor líbero do Brasil! Dá pra jogar??? Putz... elas não captaram minha mensagem!!!" - José Roberto Guimarães

É... acho que elas não entenderam... nem eu!

alexandre disse...

Concordo inteiramente com o comentário do Luiz Felipe de que a Mari era a alma da equipe. Catalizava as atenções positivas e negativas e conseguia aguentar, deixando o caminho livre para as demais jogadoras, sem muito pressão. Muito triste por tudo que aconteceu. respeitava demais o Zé Roberto, mas ele perdeu de mim tal sentimento.

Julia disse...

Pelo que vemos até agora, Zé Roberto fez um grande favor à Mari e Fabíola ao cortá-las, porque as poupa da resposabilidade por uma campanha desastrosa e ainda acende o mito do "se estivessem jogando, a coisa seria diferente". Com ou sem Fernandinha ou Fabíola, Mari, Natália ou Tandara, acho que o Brasil estaria do mesmo jeito. Como disse a Giovanna, nosso time está quebrado e fisica e taticamente inferior aos demais. Elas mesmas conhecem suas limitações, mas não podem admitir abertamente. Nossa seleção não é uma equipe: falta entrosamento entre levantadoras e atacantes, entre bloqueio e defesa, na recepção. Individualmente, as jogadoras estão sem o condicionamento físico ideal, com ataques fracos e largadas irritantes. E para piorar o cenário, EUA (com a medalha de ouro já garantida), Itália, China, Turquia e Coréia estão jogando melhor do que antes. O Zé apostou muito alto na Fernandinha e na Natália, tentou inventar uma seleção para as Olímpiadas, porque sabia que não tinha mais, desde 2008, uma equipe com chances de medalha. Arriscou uma subida de nível inédita, mas provavelmente vai amargar um dos piores resultados da seleção. Muito triste! Como apaixonada pelo volei e admiradora das grandes jogadoras que nossas atletas já foram, espero que possam focar em objetivos mais concretos: conseguir se classificar e chegar às semifinais, quem sabe. Que possam jogar o melhor que conseguem atualmente e despedir-se das Olimpíadas (e muitas da seleção) com a honra de quem tentou o seu máximo!

L disse...

O Ze e’ o grande culpado de tudo, com atitudes egoistas, tiranas e ditatoriais ele desgastou as jogadoras fisica e psicologicamente. Por egoismo e por uma vinganca pessoal o Ze resolveu levar o time A para o PAN/2011, tudo por vinganca contra as cubanas que derrotaram o time dele na final do PAN/2007, no Rio de Janeiro. Resultado: o Brasil venceu Cuba no sufoco na final por 3×2, muito desgaste fisico e psicologico desnecessario poucos dias antes da Copa do Mundo, mas a vinganca do Ze’ era mais importante do que a Copa do Mundo. Com isso ele tambem prejudicou os times do UNILEVER e do SOLYS, que sao as equipes que mais investem no voleibol feminino, nao liberando as atletas para disputar o MUNDIAL de CLUBES, que era uma competicao rapida de apenas uma semana e valia um TITULO MUNDIAL para o BRASIL, mas p/o Ze’ a sua vinganca no PAN era mais importante. A selecao foi para a COPA DO MUNDO cansada e desgastada, o resultado foi um “grande FIASCO”, perda da vaga olimpica e mais desgaste para disputar a repescagem sul-americana. Se em 2011 foi decepcionante, 2012 ja’ comecou muito mal pelas convocacoes POLEMICAS. Ze’,egoista, usou a selecao para treinar seu time de Campinas e,alem disso, convocou jogadoras que nao conquistaram sua vaga dentro de quadra jogando bom voleibol, casos de: ANA TIEMI, SUELEN, JU NOGUEIRA e NATALIA ZIGLIO. Convocacoes sem merecimento mechem com a cabeca das jogadoras, afinal de contas p/ ser convocada nao basta jogar bem? Tem que ser protegida do tecnico? Ou seja, o Ze’ nao tem um criterio justo ja’ para a convocacao, mas o pior estava por vir. Os cortes do Ze’ pareciam cenas de filme de terror, onde as pessoas podem ver suas cabecas rolando a qualquer momento sem nenhuma explicacao. A selecao que ja’ estava muito desgastada emocionalmente com a sequencia de partidas nao muito boas, ficou sobre extrema tensao com os PES-NA-BUNDA que o Ze’ deu. O modo como o Ze’ ia cortando as jogadoras fazia elas se sentirem menosprezadas, usadas, desnecessarias, descartaveis. Sem nenhuma justificativa ele ia passando o rodo em situacoes muito constrangedoras. Na volta do Grand Prix, no saguao do aeroporto, FABIOLA e JUCIELY receberam um cartao vermelho frio e cruel sem qquer explicacao do tecnico, outro dia, de noite, quando as altetas ja’ tinham ido para seus quartos descansar, foi a vez de MARI levar seu PE-NA-BUNDA na lavanderia da concentracao.

L disse...

Mas eu acho que o pior corte de todos foi o da CAMILA BRAIT, ele criou falsas esperancas nela, fez a menina viajar ate’ LONDRES, iludindo a coitada, fazendo ela pensar que teria alguma chance, mas no fundo ele sabia que CAMILA estava fora, pois mesmo nao estando 100% ele nunca teve real intencao de trocar NATALIA pela CAMILA BRAIT. BRAIT foi a LONDRES e logo depois foi cortado, chorou muito e com razao, pois o Ze’ fez ela sentir o clima das OLIMPIADAS em LONDRES para depois corta-la, foi como tirar doce de uma crianca. Ja’ estamos no meio da competicao de volei e NATALIA ate’ agora nao justificou sua permanencia em LONDRES. As outras jogadoras sao seres humanos, tem sentimentos, vendo suas companheiras, amigas sendo tratados como lixo descartavel, cortadas de forma cruel e sem satisfacao, ficam insatisfeitas e tristes. Elas veem que nao podem confiar no tecnico, pq o tecnico e’ um traira. Alem disso, o Ze’ tratou Natalia como uma DEUSA, uma SALVADORA DA PATRIA, com isso ele acabou com o espirito de equipe, pois todas as outras jogadoras, titulares ou nao, foram tratadas como menos importantes, pq NATALIA era mais importante que o resto da equipe inteira: isso e’ espirito de equipe? Por mais que eu goste da NATALIA, a presenca dela nas olimpiadas foi prejudicial ao grupo, talvez em 2016, mas agora nao era o momento dela. O corte da Fabiola, campea e melhor levantadora da superliga, que deixou ate’ a craque Fernanda Venturini em segundo lugar nas estatisticas, que por varias vezes foi jogada na fogueira para salvar os apagoes da DANI LINS, tbem nao foi bem digerido pelo grupo, Fabiola sempre conquistou sua titularidade socorrendo as amareladas da Dani Lins, alem disso Dani Lins nao foi bem nem na Copa do Mundo e muito menos na Superliga, no Grand Prix, praticamente so’ jogaram Fabiola e Fernandinha, Ze’ Roberto nao expos a Dani Lins, que quase nao participou dos jogos. Ze’ Roberto cortou a Fabiola por motivos pessoais, ele nunca gostou dela, tanto que ele insistia com TIEMI e DANI LINS, deixando Fabiola como apenas terceira opcao, desde o inicio do ciclo olimpico. Infelizmente Ze’ acabou com o psicologico das jogadoras fazendo terrorismo e agora nao ha’ muito o que fazer a nao ser cortar o mal pela raiz: TROCAR O TECNICO!

Sandro disse...

A grande levantadora Fernandinha salvadora da pátria, a levantadora da mão boa, está mostrando a que veio, não faz diferença, afunda o time quando está na rede... e hj nos mostra que de fato a Dani lins deveria ter ido pra olimpiada.. quem não deveria ter ido é a fernandinha. Sou crítico da dani, mas ela tem entrando dado conta do recado e com uma postura que até então eu não tinha visto.
A Jaque como todos sabem, nunca foi uma grande atacante exceto quando tem uma levantadora que coloca a bolinha mamão com açucar pra ela vide super liga, gran prix onde ela foi eleita a melhor atacante, e o mundial quem seria essa levantadora???
Alguem aqui em sã condição não escalaria a adenizia entre as titulares?
Quem deixaria a camila brait de fora ?
Quem levaria a Natalia para as olimpiadas?
Quem permaneceria com a nossa central Fabiana como Capita da equipe?
Quem é o grande responsável por planejar, treinar, escalar e liderar um grupo rumo a ser campeão?
Depois da liga mundial alguém achou que realmente o masculino fosse chegar na olimpíada aquele mesmo caco? Os jogadores de todas as seleções e criticos de todos os paises, colocavam o brasil como favoritos ao ouro!
Que falta faz um grande lider não?

J.W. disse...

Estou muito triste, sem entender o que aconteceu. Mas me lembro da declaração de uma jogadora já aposentada que insinuou sobre o "caráter" do técnico JR e agora estou desconfiada que ela estava certa. Não apenas pelos resultaddos mas pelas declarações que dava de que daria chances para essa ou aquela jogadora. Não era defensora da Fabiola ou Jucyele mas a forma como foram cortadas ficou para mim como um grande tapa. Quanto à Natália, eu não levaria alguém que há mais de um ano não joga, mas o Bernardinho também levou o Giba que fez uma grande cirurgia. Por que? Porque confia no Giba, um coringa, e ele é um grande jogador sim! Mas a Natália não tem a segurança e a técnica que o Giba tem. É uma grande jogadora mas deveria ter ficado. Talvez uma novata que se destacou na superliga tivesse se saído melhor "já que" Mari, minha favorita, não está em boa forma física.
Enfim, milagres acontecem, "vai que" Paula, Thaisa, Fabisinha e Dani desembestem e façam os melhores jogos de suas vidas, assim teremos chance de classificação.
Esperar para ver. E torcer cmo nunca!

Prof. PP disse...

ZRG fez como Parreira, na Copa de 2006: levou uma seleção de medalhões envelhecidos e decadentes por medo de apostar nos novos. Vai fracassar se escondendo atrás dos nomes famosos que escalou. Foi cagão. E eu não vi isso ser escrito nesse blog.

Laura disse...

Giovanna, tb acho q a questão é mais técnica+física do q emocional. Mas, como tenho dito, as barreiras técnicas q o time enfrenta afetam, por consequência, o emocional - e o grupo ficou bastante abalado depois da derrota contra Coreia.

JW, outra questão é q Giba, assim como a Ana Moser em 1996, tem um histórico, experiência. Vale a pena o investimento pq o cara é craque e líder. Mas a Natália ainda não tem essa história.