sábado, 21 de julho de 2012

Repercutindo



Finalmente a Fabíola se manifestou. O silêncio durante todo este tempo é bastante compreensível. Evita dar declarações de cabeça quente e se queimar com o treinador de vez. Afinal, ela ainda, caso acontecesse algum problema de contusão, tinha chances de disputar a Olimpíada.

Ao mesmo tempo, as declarações da Fabíola pouco esclarecem. Os motivos do seu corte permanecem somente na cabeça do Zé Roberto e comissão técnica. O melhor é ouvir que, apesar de tudo, ela ainda vai lutar pelo sonho de voltar à seleção.

************************


Nesta reportagem, o Zé Roberto dá margem a uma interpretação que explica a preferência pela Dani Lins à Fabíola - já que a Fernandinha tornou-se, de repente, a solução de todos nossos problemas no levantamento e absoluta no grupo. A escolha pela Dani está relacionada ao tempo que se dedicou à seleção. Entre Fabíola e Dani, como já comentamos aqui, o Zé deve ter dado preferência a quem participou do processo desde o início. 

************************

Esta história de que ele teria convocado a Fernandinha antes se não fosse o problema nas costas não é bem assim. Quero dizer, pode ser que em 2011 tenha sido este o problema, mas a Fernandinha não esteve no grupo em 2009 porque falou demais. E isto está registrado no Papo:  Menos, Fernandinha,menos

Ela constou numa primeira lista de convocadas e saiu metendo banca. A partir daí, o Zé Roberto trabalhou o ano inteiro com Dani Lins e Ana Tiemi. Em 2010, chamou a Fabíola. Por ela ter funcionado bem naquele ano e, como se lê na matéria do GE, o Zé pensava ainda na Fofão, a Fernandinha não teve sequer o nome citado.

Aliás, passam-se os anos e tenho a sensação de estar parada no tempo quando se trata sobre a volta de Venturini e Fofão à seleção. A história se repete e meu argumento também. Grande parte do problema de não termos levantadoras preparadas para os Jogos deste ano, é termos adiado ao máximo a renovação das jogadoras desta posição.

Ok, isso nos valeu um ouro olímpico. Mas 2008 foi o limite e o Zé Roberto não viu isso. Este era o ciclo para renovar e sondar a Fofão novamente mostrou que ele só pensava no presente. Certamente ele queria garantir mais medalhas de ouro para a sua biografia, mas o trabalho que deixaria ao seu sucessor seria absurdo. Mesmo que trôpego, o Brasil precisa andar sem depender da Fofão ou da Venturini.

************************

Pê ésse:

- Seleção B volta da Copa Panamericana com a prata. Bobeou na decisão contra os EUA, levou a virada e perdeu o ouro. Se fosse em outras condições, talvez a medalha fosse mais valorizada. Ainda assim, bons nomes saem desta competição e da Copa Yeltsin: Pri Daroit, Claudinha e Gabi. Sem contar a Natasha que, depois de uma temporada apagada na SL e na Copa Yeltsin, se recuperou e saiu com o prêmio de melhor bloqueadora.

- Cardullo não se recuperou a tempo e foi cortada da Itália. De Gennaro entra no lugar da experiente líbero, substituição com o qual a seleção italiana sai ganhando.

13 comentários:

tete disse...

Zé Roberto confessou que até 2010 tentou convencer a Fofão a Jogar novamente pela seleção, sinceramente se Fernanda Venturini se destacou no time lesionado/cansado da Unilever passada acho que a Fofão ajudaria sim a Seleção.
Laura confesso que me lembrava que Fernandinha tinha sido "cortada" pela língua anteriormente, mas ela e o Zé vieram com o papo de problem nas costas ai fiquei com preguiça de dar uma olhada no google e ver se ela ficou afastada do time dela em algum momento. Sobre o corte a Fabíola não ia falar nada mesmo, se a Mari com sua personalidade forte não falou os podres da seleção a Fabíola é que não ia falar. A convocação de Fernandinha de última hora e coincidentemente ela sendo da mesma equipe que o Zé Roberto vai comandar para mim cheira a coorporativismo, o mesmo Zé Roberto que já disse há um tempo atrás quando a Líbero Suellen foi destaque na Superliga que ela era fora dos padrões da seleção Brasileira e que para ela ser convocada ela teria que se adequar( ou seja se não emagrecer não joga na seleção), não vi a Suellen perder um quilinho e como ela agora foi convocada para seleção B, tivemos líberos melhores nessa superliga que não foram convocadas, essas convocações tanto da Fernandinha como a das jogadoras da Seleção B Marketing para o time novo de Campinas.
Zé Roberto em entrevista frisou que Fabíola nem sempre foi titular e não jogou bem me deu a certeza que ela só estava lá tampando buraco mesmo.
A seleção embarcou e a Brait foi junto de 13 elemento, depois de tantos serviços prestados a seleção pela Brait ganhando ou perdendo Fabizinha volta aposentada da seleção.

Welmer disse...

Laura, achei legal a Fabíola falar sobre o seu corte ela não falou nada polêmica e foi bom saber que ela ainda deseja voltar à seleção.

Com relação seleção B, achei o desempenho muito, mas o resultado poderia ter sido melhor. As meninas estavam ganhando por 2x0, e levaram a virada, ficou aquele gostinho de decepção (não é essa palavra que eu quero usar). Eu não vi o jogo, mas vendo as estatísticas eu tirei duas conclusões, uma foi que o passe da seleção deve não ter funcionado bem, pois as centrais foram pouco acionadas, não sei se tenho razão, e outra é que faltou mais consciência tática e competência no bloqueio, pois o Richards fez 35 pontos enquanto a segunda maior pontuadora dos EUA, se eu não me engano, fez 12. Mas de qualquer jeito foi uma boa participação dessas jovens jogadoras.

Renato disse...

Olá Laura, que bom voltarmos a falar do volei nacional. Achei legal a forma como a Fabíola se pronunciou, mostrou maturidade e perseverança. Todos náo sabemos que ela não é um gênio, mas também sabemos que foi cortada injustamente.
Quanto a entrevista do Zé Roberto, cada vez mais me decepciono com ele. Fernanda, Fofão é passado. Tinha que preparar alguem desde 2004, e o pior deram crédito a Tiemi e Dani Lins que já provaram que não tinham condições. Também concordo que essa história de problema nas costas da Fernandinha é papo para boi dormir. Não quero levantar nenhuma polêmica aqui, mas acho que a preferência pela Fernandinha tem muito a ver com o fato da levantadora ir jogar em Campinas, no time dele. Sua escolha pela Dani Lins é totalmente sem lógica, mesmo que a mesma tenha participado de todo o ciclo olímpico, quando a coisa apertava a Fabíola ia e tomava a vaga dela. Na verdade ele e o Sr. Paulo Coco não gostam da menina e não são Homens suficiente para assumir isso publicamente. Uma coisa é fato perdi toda minha admiração por ele, pois ao meu ver provou também que é um grande paneleiro assim como o Brnardinho.

tuliobr disse...

Olá, Laura e amigos. Estamos em contagem regressiva e, a essa hora, JRG e o time estão voando para Londres. Ora, não acho o bicampeonato impossível, mas quem tenha acompanhado ainda que superficialmente este ciclo olímpico sabe que esse resultado não deve ser considerado provável. Mesmo que aconteça, a medalha de ouro não mudará minha opinião: JRG se perdeu completamente, principalmente depois do vice mundial em 2010. E as últimas decisões polêmicas, algumas tomadas no afogadilho da emergência, outras com cara de improviso, e uma (a aposta tudo-ou-nada na Natália) cheirando a desespero, só confirmam esta impressão. Se a Olimpíada fosse uma surpresa no estilo daqueles testes que antigamente as professoras do primário aplicavam, até seria precariamente justificável tal clima de 'barata-voa' na SFV. Mas é um ciclo de quatro anos com calendário bem definido e com a possibilidade de trabalhar com um planejamento inteligente e organizado, algo que aliás o pessoal de 'marketing' da CBV se gaba de fazer. Para o próximo ciclo, mantenho minha sugestão para o presidente Ary Graça: liga para o McCutcheon e contrate-o ao menos como consultor. Sobre a seleção B, valeu pela oportunidade da Gabi mostrar serviço; outras poderiam também ter tido a chance: Tássia, Ingrid, Juliana Carrijo. Estas são as minhas, escolham as suas. E parabéns, Stacy: de novo campeã pela sua seleção. Sentiremos saudades de você por aqui.

Eduardo Araujo disse...

Oi gente acabei de ler uma entrevista rápida da Thaisa no aeroporto, quando perguntaram para ela sobre os cortes e da Mari, ela respondeu que foi uma surpresa e que as decisões do ZR deixaram o grupo abalado, a semana do corte da Mari demorou a passar, mas que ela tem que confiar que o mesmo sabe oq esta fazendo.
O ZR foi questionado e respondeu, que somente falaria sobre o grupo que estava indo para londres...
Agora em relação ao post pra mim sempre foi claro que o ZR não gostava da Fabiola (não tenho ideia do pq), já que a mesma sempre substituía a Dani Lins na hora do aperto e a Dani Lins sempre voltava como titular no jogo seguinte.
A Fernanda vai para Londres pq joga em campinas e por jogar em campinas que muitas jogadoras estão no time B.
Nada contra a Suelem, mas pra quem esta acostumado a e ver o Brasil com líberos ágeis e finas, é muito estranho assistir um jogo do Brasil com ela na posição.

tete disse...

Eduardo eu também não tenho nada contra a Suellen, mas quando ela se destacou no time do São Caetano e lá jogavam as campeãs olímpicas ele foi perguntado se convocaria a Suellem e ele disse que ela estava fora dos padrões para representar a seleção agora ela continua do mesmo jeito nem vêm jogando tão bem e é convocada para o time B jogar em Campinas deixou elas nos padrões? Uma coisa é certa ele não pode comandar uma equipe feminina e a seleção feminina ele não consegue se manter isento na hora da convocação.

Julie disse...

Esse favoritismo, ou corporativismo, do ZRG pra mim tem a seguinte razão:

Valorização de passe!

O Campinas é um time novo... a Amil ta injetando grana... e vai querer retorno! E a venda de jogadoras movimenta esse capital. A Fernandinha-Seleção com certeza já vale mais do que quando foi comprada...

Business... business

Julie disse...

Pelo que andei lendo... entendi que caso a Brait seja cortada... ela fica por lá como se fosse da comissão técnica... ajudando nos treinos. O mesmo acontece com a seleção masculina... onde Lucarelli faz essa função.

Parando pra pensar um pouco... acho a ideia interessante e positiva. É uma maneira de dar experiência ao atleta... um investimento.

Anônimo disse...

Qdo a MARI disse que Ze' Roberto E' ANTIETICO ela estava com toda a razao.
Fabiola disse que nao sabe os motivos de seu corte, o Ze' simplesmente deu um pe' na bunda dela. Simples: o Ze' e' um paneleiro antietico, so' convoca as protegidas dele e corta as jogadoras que ele nao gosta pessoalmente. Por o time de Campinas p/ jogar na selecao e' p/ la' de antietico, principalmente a Suelen: obesa, lenta, agil como uma ancora. Tiemi e Ju Nogueira afundando o time, levar Natalia p/ Londres sem ter disputado um jogo oficial em 2012 e' outro absurdo! FORA ZE' ROBERTO E TODA SUA CORJA! P/variar cada vez mais freguesas dos EUA, seja na selecao A,B,C... ou Z.

Welmer disse...

Laura e amigos vocês sabem se algum canal transmitirá os amistosos da seleção contra a Rússia e o Japão???

João Lucas disse...

A entrevista de Fabíola foi muito interessante principalmente para mostrar a jogadora está bem e que pretende ainda lutar pelo sonho de voltar a vestir a camisa amarelinha. A entrevista também serviu para que ficasse claro o que já sabiamos José Roberto não deu justificativas plausíveis nem para a jogadora para seu corte, ele simplesmente exclamou que Fabíola estava fora da busca do bicampeonato olimpíco, uma atitude no mínino lamentável.
Já a entrevista do técnico deixa claro que o seu critério para a posição de levantadora é a FALTA DE CRITÉRIO. Ou ele quer que eu acredite que Dani Lins está em Londres por estar a mais tempo dedicando ao projeto. E que a "salvadora da pátria" Fernandinha vai para Londres porque é uma levantadora diferenciada e que só não entrou antes por causa de um problema nas costas? Ele acredita mesmo que com Fernandinha e Dani Lins nosso problema de levantamento está resolvido?
A verdade é uma só, Dani Lins está em Londres por ser a preferida do técnico e Fernandinha por ser pupila do técnico no recém criado Campinas. E Fabíola foi cortada por ele não gostar dela. Outra coisa tem que ser dita a José Roberto, a renovação de levantadoras foi mal desenvolvida pela comissão técnica, será que achavam que Venturini e Fofão seriam eternas? A era Fernanda Venturini-Fofão acabou em 2008, aliado a isso a decisão de Carol Albuquerque de não jogar mais pela seleção. Com isso jovens levantadoras promissoras foram alçadas a seleção e esse impasse dura 4 anos, ou seja, não houve renovação, não se viu uma levantadora experiente passar o bastão para uma novata.

PS. A seleção B fez bonito, gostei de Claudinha, Joycinha, Andressa, Pri Dairot e Gabi. Mesmo sendo premiada não engulo a Natasha. As baixas ficam por conta da líbero Suellen, Ju Nogueira e da levantadora Ana Tiemi, que já teve várias chances na seleção principal e em clubes e nunca se firma em lugar algum, é até engraçado mais Tiemi jogou mais na seleção principal como titular do que nos clubes por qual passou.

Eduardo Araujo disse...

Oi gente acho que a temporada de 2013 vai ser bem reveladora pelo menos na posição de levantadora.
Acabei de ler no saqueviagem que o time de SESI acabou de se apresentar para os treinamentos e a novidade foi a confirmação da levantadora Carol Albuquerque no elenco, pra mim isso mostra que o Talmo realmente não ficou satisfeito com a Dani Lins nessa temporada isso pq os times tem uma levantadora de nome na posição é muito dificil ter 2 levantadoras de nome disputando vaga, já que a segunda levantadora acaba jogando pouco e o salário não justifica e também explica pq a mesma se ofereceu para o VF antes de quebrar, se ela não for bem é bem provável que será reserva no SESI, já que lá ela não tem a proteção do ZR.
Agora se ela for reserva na equipe e se realmente o ZR sair da seleção duvido muito que a Dani seja convocada.
E pode ficar ruim para o próprio ZR, se o Brasil não for bem, se a Fabiola comer a bola outra vez na SL e a Amil não ficar em uma posição boa... a imagem dele pode ficar abalada, td bem que tem muito se nessa história, mas acho que pode acontecer.

tete disse...

Eduardo, não vou confirmar para vc pois não vivo no meio do volêi há um tempo atrás já tinha comentado aqui que achava estranho o comportamento da Dani Lins com o técnico do Sesi nos pedidos de tempo ela ignorava o técnico, as vezes ele puxava ela e ela se esquivava, no jogo contra o Unilever ele segurou ela pelos ombros para dar instruções me parecia que jogadora e técnico não falavam a mesma lingua, já que nunca a vi com essas atitudes nem com o Zé e nem com o Bernardinho.
PS: Li no Terra que a Camila e a Natália ainda estão sofrendo por causa de quem vai ser cortada o Zé ainda não conseguiu acalmar os animos das jogadoras, enquanto os outros times estão definidos o nosso ainda sofre com os cortes.