segunda-feira, 16 de julho de 2012

As eleitas de Itália e EUA


Enquanto os dois últimos cortes da seleção brasileira não são oficialmente anunciados, vamos dar uns pitacos em duas convocações que já estão definidas para os Jogos Olímpicos: Itália e Estados Unidos. 
  
************************

Itália

Levantadoras: Eleonora Lo Bianco, Giulia Rondon

Opostas: Lucia Bosetti, Caterina Bosetti

Ponteiras: Carolina Costagrande, Antonella Del Core, Francesca Piccinini

Centrais: Simona Gioli, Valentina Arrighetti, Jenny Barazza

Líberos: Paola Cardullo, Paola Croce

No caso da Itália, as ausências mais sentidas foram da oposto Ortolani e da central Anzanello. O treinador preferiu ter duas líberos (Croce e Cardullo), a jovem atacante Caterina Bosseti e a veterana meio-de-rede Barazza entre as relacionadas para Londres.

Apesar de não ser a jogadora mais regular, acredito que Ortolani seria muito útil ao time ao dar mais poder de ataque. O Barbolini justificou o corte devido a preferência dele por jogadoras que pudessem atuar tanto como ponteira como oposto. Ainda assim, com Del Core, Piccinini, duas líberos, ele tem uma boa linha de passe. A Ortolani poderia ser uma opção de ataque que, com esta convocação, a Itália não tem.

Mas, enfim, ao menos ele deu uma justificativa. E o Barbolini parece não ser muito fã da Ortolani. Primeiro, inventou a Gioli como oposto e deixou a menina na reserva por um bom tempo. Agora, mesmo depois de jogar todo o GP e a Copa Yeltsin e ter boas atuações, ele não a convoca.

Outro ponto questionável é a escolha da Cardullo que há anos sofre com problemas de lesões e há meses não entra em quadra. E líbero é o que não falta à Itália.

Assim como a preferência pela Barazza para ser a meio-de-rede reserva. A fase dela já passou e ela não voltou, após a gravidez, a alcançar um nível de jogo internacional. Anzanello também não está no seu melhor, mas é mais qualificada. Ou então, o Barbolini poderia optar a começar a renovação e chamar a jovem Folie para compor o grupo. 

************************ 

Estados Unidos

Levantadoras: Lindsey Berg, Courtney Thomson

Opostas: Destinee Hooker, Tayyiba Haneef-Park

Ponteiras: Logan Tom, Jordan Larson, Megan Hodge

Centrais: Foluke Akinradewo, Christa Harmotto, Danielle Scott-Arruda

Líberos: Nicole Davis, Tamari Miyashiro


O Hugh McCutcheon deixou de fora dos Jogos a central Bown e a levantadora Alisha Glass. Não tenho opinião sobre a Thompson, levantadora reserva convocada, mas conheço a Glass, que foi muito bem na fase final do GP e tem talento para superar facilmente a Berg. Por isso, acho um desperdício deixá-la em casa e não dar experiência a uma jogadora que certamente estará no comando do time nos próximos anos.

Em relação a Bown, ela já tinha caído de rendimento e foi perdendo espaço no time. Mesmo sendo titular na Copa do Mundo, já não era a jogadora de antes. Nesta temporada, a Harmotto surgiu muito bem. Assim, a disputa ficou entre a Bown e a Dani Scott, que no fim foi a escolhida pelo McCutcheon.

Scott também não está no seu melhor momento, mas é uma jogadora símbolo. Aos 39 anos, vai disputar sua quinta Olimpíadas. É um exemplo para o grupo e pode ser que seja premiada com um ouro por toda sua trajetória na seleção norte-americana.

E seguindo a tendência, os EUA também levam duas líberos. Mas o uso que o treinador norte-americano faz da Miyashiro é o tradicional saque-fundo de quadra. A baixinha é meio que um amuleto do McCutcheon. Com opções de sobra para o ataque, os EUA podem se dar ao luxo de ter uma jogadora para ações bem específicas.

************************ 

Outras convocações:

China

Levantadoras: Qiuyue Wei, Yang Mi

Opostas: Chunlei Zeng, Lei Zhang

Pontas: Yimei Wang, Ruoqi Hui, Jinling Chu

Centrais: Yunwen Ma, Junjing Yang, Yunli Xu

Líberos: Xian Zhang, Danna Shan

Turquia

Levantadoras: Naz Aydemir, Özge Kırdar Çemberci

Opostas: Neslihan Darnel, Polen Uslupehlivan

Pontas: Esra Gümüş, Gözde Sonsırma, Neriman Özsoy

Centrais: Eda Erdem Dündar, Bahar Toksoy, Ergül Avcı
Líberos: Gülden Kayalar Kuzubaşıoğlu, Gizem Güresen

16 comentários:

leonardo disse...

Laura, eu acho que o BARBOLINI esta' certo: ele EXTINGUIU a funcao de oposta na SELECAO ITALIANA, as irmas BOSETI sao jogadoras polivalentes e completas, se saem bem em todos os fundamentos, podem atuar tanto como ponteiras como opostas e a ORTOLANI perdeu a vaga por nao ter essa versatilidade, concordo com o BARBOLINI!

leonardo disse...

TODAS as grandes selecoes que aderiram a um VOLEIBOL MODERNO estao levando 2 LIBEROS... Enquanto isso o BRASIL cogita levar uma jogadora que nao participa de um jogo oficial ha' 01 ano: a NATALIA nao pode tirar a vaga de uma jogadora que esteja em plena forma e atividade! Imaginem se CESAR CIELO, MICHAEL PHELPS, USAIN BOLT, NEIMAR, MARCELINHO UERTAS, MAUREEN MAGGI estivessem 01 ano parados, sem competir, como seria a atuacao deles nas olimpiadas? Sera' que a NATALIA e' tao superior a esses atletas citados que pode se dar ao luxo de ficar afastada UM ANO de competicoes oficiais e mesmo assim ir p/ as OLIMPIADAS???

tete disse...

Essa lista brasileira que não sai, esse suspense só atrapalha as jogadoras. Segundo o que está sendo divulgado quem vai ser cortada é a Sassá e a Brait, eu já cansei de falar do Zé Roberto, mas ele deve estar com ódios das jogadoras segundo a lista que vazou a Brait é a substituta da Natália. Camila e Natalia são amigas desde das seleções de base imagino como não está a cabeça dessa menina saber que está em melhores condições e não ir tem que ter um espírito muito elevado para não torcer para que a jogadora se machuque, se elas jogassem na mesma posição tudo bem, mas "perder" a vaga para uma jogadora voltando de lesão só por capricho do treinador.

Eduardo Araujo disse...

Vi 2 jogos da Itália elas me pareceram uma equipe normal, acho ate que Ortolani tem mais força no ataque, mas talvez se o passe sair corretamente e os levantamentos forem rápidos o suficiente a Itália não precise de uma atacante forte, mas quando o passe não funcionou a Itália tomou uma surra da Russia.

A vdd é que a Ortolani é a Fabíola da Itália e o técnico não vai com a cara dela e fez de td para ela ficar fora também.

Quanto a disputa por medalhas estava vendo, se agente conseguir ficar em 2 na fase de classificação teremos um caminho mais calmo ate a semi, acho que podemos pegar medalha, soh acho que o ZR dificultou mais as coisas...

tuliobr disse...

Olá, Laura e amigos! Na seleção americana eu preferia a Metcalf no lugar da Haneeff como reserva da Hooker, mas admito que é questão de gosto por um estilo mais refinado. Já a Courtney Thompson eu acho uma boa opção para o momento: a Glass teve uma temporada conturbada na Polônia, deve voltar no futuro mas, para agora, a Thompson 'encaixa' melhor nas inversões, além de ter um saque eficiente, como o Brasil amargamente constatou no GP. Já a cascuda Itália eu não acho que está em um momento particularmente feliz desde que o Barbolini começou suas controversas experiências com a Gioli e agora com as Bosetti, mas elas têm sorte, como o título da Copa do Mundo pode provar. Nossa SFV segue para Londres em baixa. A torcida não acredita, a imprensa não noticia com entusiasmo, o técnico é questionado (e deu razões de sobra para isso, vamos reconhecer). A Natália corre sério risco caminhado sobre um fio de navalha entre ser heroína ou mártir no final da competição. Mas eu acredito em superação: chegando à final, é um jogo só. Um dia que bem pode ser feliz, com as atletas em quadra vencendo provavelmente as super preparadas americanas, seu técnico neozelandês especialista em Brasil, e também o JRG com sua miríade de equívocos neste ciclo olímpico.

Anônimo disse...

Tem um entrevista da Glass q ela claramente diz q o vôlei não eh a sua maior prioridade na vida, q ela pensa em voltar a se dedicar aos estudos, acho q isso deve ter pesado na convocação.

Crowley.

Laura disse...

Crowley, não sabia disso. Pode mesmo ter pesado na convocação. E é uma pena que o vôlei não seja prioridade.

tuliobr, tb prefiro a Metcalf à Haneef.

Leonardo e tete, pois é... é o que comentei em outro post. O Zé colocou a Natália em um nível muito superior a das outras colegas. Ou seja, o discurso de trabalho em equipe vai pro vinagre no momento em que se faz uma diferenciação tão grande entre as atletas. A própria Mari falou nisso, dizendo que não era só a Natália essencial, mas todas eram essenciais para o time.

Pedro disse...

De fato, a prioridade é Rio 2016. Por isso que Sassá foi definitivamente cortada. Se não for a Natália, vai a Brait. Minha impressão, porém, é: nossos adversário não estão muito bem. À exceção dos EUA, os demais estão fragilizados. Todos. Mesmo Rússia e Itália. Dá para o Brasil ganhar a olimpíada de Londres, na minha opinião.

Abraão disse...

Deixo bem claro que os últimos acontecimentos me entristecem, o modo como o Zé chegou ao ponto dos cortes foi cruel e insano, difícil concordar. Mas se tem uma coisa boa nisso tudo é a preservação das esperanças em manter a Natália entre as doze. Pode soar estranho, controverso, pode parecer que a Natália foi colocada em um trono onde as outras que ralaram tanto não merecem segundo a percepção de muitos. Mas devo dizer que não acho nem um pouco absurdo o técnico esperar por ela. Ora, convenhamos, a principal deficiência brasileira tem sido a dificuldade de por bolas no chão. Sem desmerecer as outras, mas Natália pode fazer muita diferença nesse sentido, como fez Ana Moser, na olimpíada de 96, ou alguém acha que havia substituta para ela? Não, não havia. E também não há hoje na seleção uma jogadora com as mesmas características de Natália, ela ataca bolas altas, fora da rede, tem alcance e explosão inigualáveis, nenhuma brasileira pega alto e forte como ela. E no fundo de quadra acredito muito que ela tenha evoluido visto que esteve por muito tempo impossibilitada de saltar. Ela merece esta confiança e podem anotar, ela vai espantar muita gente!Eu acredito!!!

Julie disse...

Oi gente...

Eu também acredito muito nas meninas e meninos do vôlei! Acho que temos chances reais de levar o ouro nas duas seleções!!! Pelo pouco que li hoje... Sassá foi cortada por lesão... Que ela se recupere logo!!! Brait ta indo mesmo na incerta!!! Gosto tanto dela que não sei se torço pra Natália não ficar 100% e dar a vaga pra Camila... ou se torço pra ela se recuperar e furar o chão no ataque.. rsrsrrs!!!

Agora... vamos combinar... a imprensa brasileira é uma bosta mesmo!!! Só pensa em futebol... O unico site que anunciou o corte da Sassá foi o ESPN... Não entendo isso!!! O volei é que traz as medalhas sempre... seja nas quadras ou nas areias... mas eles só comentam coisas bestas... tipo a limpada no nariz do Ronaldinho pelo Anderson Silva! Me cansa... affffff

Falando em mídia... alguém aqui é assinante Sky??? Eu não consigo achar os canais Sportv 3 e 4 na grade de jeito nenhum....

Eduardo Araujo disse...

Julie, ninguém falou muito do corte da Sassá pq o COB já tinha recebido os nomes das atletas que iriam representar o Brasil no vôlei.
E como os repórteres são malandros conseguiram a lista antes do ZR falar por exemplo, nessa lista já se sabia que a Sassá estava cortada e não foi por contusão e como vazou para a mídia, o grande ZR foi falar com a Brait para ver se ela aceitava ir ate Londres e voltasse caso a Natália fosse aprovada para jogar as olimpíadas.
Claro que com o vazamento da lista ouvi mais uma vez um mal estar na equipe já que o ZR falava para todas que nada estava decidido, quando na realidade estava decidido fazia tempo.
Por isso que ninguém falou do corte dela oficialmente, já que era uma coisa que todos já sabiam.

Welmer disse...

Realmente Julie, a imprensa brasileira é lamentável, eu gosto muito de futebol, mas eles devem entender que não é só de futebol que vive o esporte nacional e com relação aos canais SporTV eles ainda não estão disponíveis, talvez estejam semana que vem.

fabiane disse...

Olha, eu concordo com o Abraão, apesar de ser super fã de carteirinha da C. Brait [e quero muito vê-la em Londres], entendo que a Natália, estando pelo menos 80% ainda é a atacante mais agressiva que nossa seleção tem. Talvez essa espera valha a pena, vai saber. Acho que críticos, céticos, pessimistas ou não, estaremos sim torcendo muito pelas meninas. É um esporte vitorioso e muito querido, apesar de não ter o prestígio que merece, conforme os amigos falaram aqui. Vamos lá Brasil!!

leonardo disse...

Cara o BRASIL tem a sindrome do PAIS DO TERCEIRO MUNDO… Cada epoca vira fregues de uma selecao, primeiro eram freguesas do PERU, depois de CUBA, depois da RUSSIA, agora virou freguezaca dos EUA??? RIDICULO ter tomado essa virada dos EUA… ISSO SE CHAMA “AMARELAR” ou “MEDO DE VENCER” ou “SINDROME DO TERCEIRO MUNDO”!!!

Lilian disse...

Nossa Senhora existe um “tremendo abismo” entre a mobilidade, agilidade e velocidade da libero Sykora, fininha e em forma, dos EUA e a extrema lentidao e a obesidade da Suelen, o que a Tassia e a Michele Daldegan devem estar pensando em ter perdido a vaga na selecao para a Suelen?

Aline disse...

Chega de nadar, nadar e morrer na praia! Naum aguento mais essas amareladas! Brasil tem medo de vencer os EUA? Freguesas de carteirinha? Cria uma falsa expectativa na torcida vencendo os 2 primeiros sets e, mais uma vez, deixa tomar a virada? Essas amareladas sao irritantes!!!