Brasil 3x2 Polônia

O que um intervalo de 10 minutos faz com um jogo... A parada entre o segundo e terceiro sets transformou a partida. E o que poderia ser um 3x0 virou mais um 3x2 na conta brasileira no GP.


************************

O Brasil tinha tudo para ganhar com tranquilidade da Polônia. Vinha num ritmo forte, impondo pressão no saque e explorando a fragilíssima recepção polonesa. 

Mas havia um intervalo no meio do caminho. E a seleção brasileira deu espaço para a Polônia crescer a partir do terceiro set. Deu chances para que as atacantes polonesas se recuperassem, principalmente a Zebrowska. A recepção e a defesa brasileira caíram de rendimento, a organização de contra-ataque também e o ataque penou na virada de bola.

Não é uma vitória da qual podemos nos orgulhar. A história desta partida poderia ter sido muito mais fácil. A Itália, também com time misto, venceu por 3x1 esse time polonês, que é bastante inconstante e pouco ágil. 

************************

Ao menos, a partida trouxe boas novas e algumas confirmações. O saque foi o destaque brasileiro, principalmente com a Adenízia e Fernandinha. Aliás, as duas jogadoras são o que melhor tiramos desta primeira fase de GP. O bloqueio novamente apareceu bem.

Mas a melhor notícia veio da Mari. Quando todos achavam que estava morta e enterrada, ela ressurge. Entrou muitíssimo bem no quarto set, virando todas as bolas com potência e habilidade. Sim, lembrou a velha Mari de 2004, quando jogava como oposto. Não apareceu no tie-break, mas foi um belo sinal de que a loira ainda está na disputa.

************************ 

Fazendo um balanço da primeira fase do Brasil no GP, o saldo é positivo. A seleção conquistou resultados importantes com um grupo desfalcado, pouco entrosado e que teve que lidar com mudanças de peças a cada jogo.

O ataque foi a principal dificuldade da seleção. Paula teve altos e baixos e nossas opostas não fizeram o papel de ser a bola de segurança do time. Ainda falta ao time fazer um jogo mais veloz e aproveitar melhor as centrais. Em compensação, o sistema defensivo se mostrou em um estágio muito bom para início de temporada. Defesa e bloqueio deram show.

Individualmente, a dúvida com a Mari como oposta ainda continua. Tandara jogou bem, mas ainda não está preparada para ser a principal atacante do time. E a Camila Brait é só segurança, parece titular deste time há anos.

Como comentei, Fernandinha e Adenízia aproveitaram a oportunidade e conquistaram espaço. A meio-de-rede foi disparada a melhor jogadora da seleção nesta primeira fase. Já a levantadora deu regularidade ao time e sai na frente da Dani Lins na disputa por uma vaga no grupo.

Comentários

Pra mim, Adenízia entra na briga pela titularidade. E Fernandinha ganha a vaga de Dani Lins. Garay deve ter seu nome confirmado pra Londres e as demais dúvidas continuam.
Welmer disse…
Bom Laura, como já comentei aqui antes, gostei muito da atuação da nossa seleção, mas os resultados poderiam ser melhores. O Brasil poderia ter saído desta etapa com 9 pontos, mas saiu com seis e com três vitórias, nada mal para um time pouco entrosado, porém poderia ser melhor.

Não sou um fanático pela Mari, mas estava muito na torcida para que ela se recuperasse, e que bom que foi ainda nesta etapa. Ela fez sete pontos só na metade o quarto set. Espero que ela continue com o voleibol apresentado hoje.

Nessa rodada na Polônia a jogadora que mais me impressionou foi a Adenízia. Fazer 25 pontos de bloqueio em três jogos não é pra qualquer jogadora, só acho que ela poderia ter sido mais acionada pela Fernandinha. Esta apareceu muito bem, pra mim é a segunda levantadora, é mais confiante que a Dani Lins.

Camila Brait pra mim merecia ir às olimpíadas, mas acho que não vai. Gostaria que na seleção que vai a Londres estivessem Mari e Tandara ou Natália, mas acho que isso não acontecerá, já que uma dessas jogadoras terá que dá espaço a Sassá.

Laura e colegas, vocês acham possível o Zé deixar a Sassá e levar uma jogadora mais atacante, como a Natália e a Tandara?
luh disse…
Também gostei de ver a Mari jogando bem. Welmer vamos esperar os jogos aqui no Brasil o time titular, vamos ver se o Zé Roberto está mesmo mais arrojado (substituindo quem não estiver bem) ou o mesmo Zé de sempre. Porque se a Adenízia continuar jogando assim merece ser titular.
Welmer disse…
Eu quero ressaltar o saque da Adenízia, nunca tinha visto ela executar um saque viagem, gostei muito da sua técnica. Acho que o Zé poderia pedir ou mandar mais as jogadora como Jaque, Mari e Tandara, que tinham um ótimo saque viagem, a executarem mais.
Anônimo disse…
A Mari jogou muito bem,e deve continuar jogando assim sempre.
Adenizia é ESPETACULAR no bloqueio,só precisa a Fernandinha levantar mais bolas pra ela.
Paula Pequeno jogou bem mais jogou melhor contra a Sérvia,e também está voltando a jogar como antes.
Fernandinha está jogando demais podendo muito bem ir á Londres em ótima forma física.
Fe Garay tá arrasando,tem um ataque muito potente só precisa melhorar no passe.
Natasha jogou bem está se entrosando muito rapidamente.
Laura disse…
Tb estou curisosa, Luh, para saber como o Zé vai agir a partir de agora. Nesta primeira etapa, ele foi bastante prático e objetivo.

Welmer, pelo o q conhecemos do Zé, a Sassá fica no grupo para Londres. Mas ele começou com uma atitude diferente esta temporada, vai q ele nos surpreenda...
Pedro disse…
Adenízia está jogando muito. Acho que será titular. Uma pena que não seja mais explorada no ataque. É um defeito da Fernadinha, mas entendo que falta entrosamento. Acho que Fernandinha, no geral, está bem, mas, além da falta de jogadas rápidas pelo meio, senti que as bolas nas pontas nos contra-ataques não foram muito precisas. Por várias vezes, Paula e Garay conversaram sobre ajustes com ela. Outro detalhe ruim: Brait falhou várias vezes na recepção no jogo de hoje.
Abraão disse…
Confesso que por força do hábito de anos e anos liguei hoje a tv no horário do jogo. Logo imediatamente fui tomado de descrença e nostalgia, como dissera antes, a miséria que se prometia há algum tempo começava a se concretizar. Mari no banco, Paula insegura nos ataques. Mas a verdade mais cedo o mais tarde aparece. Viram? Apesar da irregularidade, ainda é tempo para elas, essas mulheres extraordinárias são por enquanto extremamente necessárias. Mari reequilibrou o jogo no quarto set, assim como disse a Laura muitos já acreditavam, inclusive eu, que sua história na seleção estivesse selada. Mas como duvidar dela? ninguém deveria fazê-lo, Mari já nos fez calar de espanto e admiração uma vez e todo mundo deve saber que ela é perfeitamente capaz de repetir a dose em Londres. Quem viver verá!
Eduardo Araujo disse…
Pelo visto a Ade, brait e Garay aproveitaram bem a oportunidade, segue as posições das melhores de acordo com as estatísticas.


Confira os destaques da primeira etapa
Maior pontuadora: Fernanda Garay (Brasil)
Melhor atacante: Giel (Cuba)
Melhor bloqueadora: Adenízia (Brasil)
Melhor sacadora: Ortolani (Itália)
Melhor defensora: De Gennaro (Itália)*
Melhor levantadora: Wei (China)
Melhor passadora: Pannoy (Tailândia)*
Melhor líbero: De Gennaro (Itália)*

* Nas três listas, Camila Brait ocupa a segunda posição
Welmer disse…
Sei que nesse final de semana ainda será disputada a rodada do Brasil do GP, mas estou ansioso para a etapa que a seleção jogará na China. Nessa etapa do Brasil Zé optará pela seleção titular, mas na etapa da China acho que finalmente poderemos ver a Natália em quadra, pois durante a disputa do pré-olímpico o repórter do sportv disse que a Natália já estava recuperada, mas que o Zé iria esperar mais um mês para não correr risco de perder a jogadora, acho que ele não esperou tanto. Espero que durante esse período que ficou sem realizar saltos, ela tenha trabalhado no seu passe, o que seria muito bom, já que ela é uma ótima atacante.
Leonardo disse…
Marco Aurelio Motta esta' na segunda fase de regra do libero: ousou usando 2 liberos, Gulden e Gizem, se revezando constantemente no passe e defesa. Com isso tirou a pressao em cima de uma libero so' dividindo as responsabilidades, ainda desafogaram mais as ponteiras-passadoras deixando-as mais livres p/ o ataque, porque as liberos passaram a cobrir um trecho maior da quadra. Com essa estrategia, Marco Aurelio conseguiu um feito historico na TURQUIA, conseguiu classifica-las pela primeira vez p/as olimpiadas no pre-olimpico mais dificil do mundo: o EUROPEU, de forma invicta, deixaram p/ tras: russas, polonesas, alemas, servias e holandesas. Na semana seguinte, o tecnico da ITALIA, adotou a mesma estrategia no dificilimo pre-olimpico europeu masculino, usando 2 liberos, Bari e Giovi, se revezando a Italia conseguiu a classificacao, deixando os servios, campeoes europeus e os bulgaros,donos da casa para tras. Desta forma as 2 unnicas equipes que usaram a estrategia dos 2 liberos nos pre-olimpicos europeus, obtiveram a classificacao: TURQUIA e ITALIA. Dessa forma penso que se temos 2 excelentes liberos: Fabi e Brait, pq deixar uma fora das olimpiadas? Pq nao levar as duas? Eu levaria Fabi e Brait e uma oposta reserva que tbem pudesse jogar como ponteira: Tandara ou Mari. Com isso a minha selecao ideal p/ Londres seria:
Levantadoras: Fabiola e Fernandinha.
Liberos: Fabi e Brait.
Meios: Fabiana, Taisa e Adenizia.
Ponteiras-passadoras: Paula, Garay e Jaqueline.
Opostas: Sheila e Tandara(ou Mari).
tuliobr disse…
Olá, Laura e amigos! Do que vi na primeira semana de Grand-Prix o quê mais me animou foi ver Tandara e Adenízia sacando viagem! Alvíssaras! Não sei em qual quina de mesa o JRG bateu a cabeça, mas viva a mesa! A SFV precisa variar a estratégia de saque, como ficou evidente no ano passado. Apesar dos três pontos perdidos, achei o saldo positivo, considerando que era um time alternativo que a rigor jamais havia jogado junto. Deve-se reconhecer o mérito das jogadoras brasileiras, até por sabermos que poucos países mais têm um elenco que vá além das sete titulares, às vezes nem isso. Também foi bom ver que a condição física, um dos pilares da conquista de 2008, evoluiu notavelmente: foram quinze sets jogados, e o time chegou inteiro aos tie-brakes, facilitando as vitórias nos sets-desempate. Problemas há para resolver. Fernandinha, por exemplo, está um pouco mais lenta que o desejável; precisa se desvencilhar do ritmo de seu time cazaque e voltar para a cadência esperada de uma levantadora brasileira, além de melhorar o trabalho com as meios de rede: contra a Polônia, foram as adversárias que fizeram as jogadas de meio mais velozes, algo totalmente inesperado nesse confronto. E a Mari, que dos quinze sets jogou somente um e meio, tem minha torcida para derrotar a lógica mas, nas condições normais de temperatura e pressão, o mais correto e justo hoje é que Tandara seja a reserva da Sheilla em Londres. Porém eu conheço a loura quieta e não sou bobo de apostar contra ela, que tem mania de derrotar o destino. Prefiro esperar mais um pouco e ver o jogo que realmente interessa: Brasil x EUA em SBC.
Lilian disse…
Olha também sou de acordo que se levem 2 líberos para Londres, se o Zé Roberto jogou com 2 líberos no Fernebach e foi campeão europeu ela já sabe quais são as vantagens de se jogar com 2 líberos se alternando na partida. Fabi e Camila Brait são 2 das melhores líberos do mundo e as 2 merecem ir a Londres, não acho justo que se corte uma delas.