Os primeiros semifinalistas


É impressionante o quanto a história de um jogo pode mudar em apenas um set, um ponto, um minuto.

O Praia Clube estava escrevendo a sua vitória contra o VF com uma atuação irrepreensível. O ataque fluía muito bem com a Dayse, Suelle e a Monique, o time levava vantagem nos contra-ataques, defendia muito e anulava o adversário.

O Praia teve a vitória em suas mãos e não conseguiu segurá-la. Recuou quando o VF, com as trocas realizadas pelo Paulo Coco, cresceu. 

**************************** 

A primeira mudança significativa foi a entrada da Verê que estabilizou o fundo de quadra de Araçatuba. A segunda, a troca da Ana Cristina pela Ana Tiemi no levantamento. Tiemi acelerou as jogadas e, com o passe de melhor qualidade, explorou as bolas com as centrais.  Foi objetiva no terceiro set ao optar somente por quem estava virando: Wal e Gattaz. E inteligente ao colocar Paula e Garay no jogo no quarto set, ainda que não tenham alcançado o melhor que elas podem apresentar.

Outra substituição fundamental para o VF foi a entrada da Gattaz. Esta troca já estava caindo de maduro há algum tempo. A Andressa só tem utilidade para o saque. Nos demais fundamentos é bastante apagada. Gattaz fez a diferença junto com a Wal no set que determinou a vitória do time na partida, o terceiro.

**************************** 

O VF evitou a terceira partida e garantiu sua vaga nas semi. Mas ainda restam muitas preocupações. O time não tem cara de conjunto, ainda mais com tantas indefinições. O time está ganhando à base das individualidades. Por tantas vezes foi a Garay, outras a Paula, hoje a Wal.

Verê e Gattaz têm que ser as titulares nas semifinais. Ainda não entendo a lógica do Paulo Coco. Ele resolveu dar ritmo de jogo à Sykora na hora decisiva quando a Verê já estava melhor preparada.

**************************** 

Ao Praia resta os parabéns. Foi o carrasco de muito time grande e igualou uma disputa contra um adversário renomado e de maior investimento. O técnico, Spencer Lee, foi o principal responsável por tirar tantas vezes o nome do Praia do papel de coadjuvante. 

E algumas jogadoras saem desta SL com o saldo positivo. É o caso da levantadora Juliana, das atacantes Monique, Dayse e Suelle – que deu um belo passo na carreira ao buscar a titularidade depois da reserva do Unilever –, e da Arlene, que continua defendendo muito.


****************************


Desta vez o Unilever se apresentou como o Unilever. E não simplesmente por uma questão de técnica, mas de atitude. Impôs seu jogo e assustou o Mackenzie nos dois primeiros sets.

No terceiro é que o time recuou e deixou o Mack ganhar moral. Gabi começou a soltar o braço e ajudou a Thais na responsabilidade de virar as bolas. Um dos problemas do Mack foi a “não-atuação” da Ingrid. Mal desde o início do jogo, a oposta enfraqueceu umas das principais virtudes da equipe, o trio de ponteiras.

Outro ponto que dificultou o Mack conseguir equilibrar a partida foi o alto número de erros cometidos. Ao contrário do primeiro confronto, o time não resistiu a pressão do Unilever nas fases finais do sets. E não adianta. Se o Mack quiser repetir a atuação do primeiro jogo, precisa contar com toda equipe em boas condições. Precisa jogar no seu máximo para fazer frente ao Unilever.

****************************  

O Unilever ainda apresenta dificuldade com as bolas pelas pontas. Ao menos a melhora da recepção proporcionou à Venturini explorar as jogadas com as centrais. É ótimo ver o entrosamento dela com a Valeskinha. A velocidade com que as duas fazem as jogadas é impressionante e torna o lance muito bonito. 

Mari confirmou, ao final da partida, que ela e a Venturini não estão se acertando na combinação das jogadas, o que resultou em mais uma partida discreta da Mari. A participação dela só não passou em branco porque a loira tem estrela e foi responsável pela virada no final do terceiro set e, consequentemente, a vitória do Unilever. E é isto que difere o grande time dos demais: se o conjunto não está lá essas coisas, ele tem uma única peça que pode fazer a diferença. 
 
 ****************************  

O confronto vai para terceira partida. O Unilever tem a obrigação de vencer e fugir de um vexame, mas o time tem totais condições de segurar esta responsabilidade. O Mack pode e deve ter ambição de vencer o favorito mais uma vez. Mas deve deixar o peso da responsabilidade de lado, jogar solto. Afinal, não tem nada a perder. 

****************************   


O Osasco tinha totais condições de liquidar a fatura em 3 sets. Mas a queda de ritmo no terceiro custou um set ao time do Luizomar.

O estrago só não foi maior porque o Osasco é muito superior ao São Bernardo. A equipe até é esforçada, mas é limitada. O ataque é fraco e o bloqueio inexiste. Se a Lia não estivesse num dia inspirado, ia ser difícil, mesmo com o cochilo do Osasco, vencer um set.

No fim, a equipe se classificou para as semi com tranquilidade. Esta é a vantagem da primeira colocação. Há uma diferença significativa entre o oitavo (São Bernardo) e o sétimo colocado (Mackenzie). E o Bernardinho agora está sabendo bem disso. Ou seja, o último Unilever x Osasco não era simplesmente um amistoso de luxo.

Comentários

Anônimo disse…
La Cauda

Já consegue enxergar uma boa Sel.B p/ jogar o Montreux?

Q Tal?

Ana Tiemi, Claudinha, Natasha, Naty Martins, Adê, Gabi, Thaizinha, Dayse, Ivna, Daroit, líberos: Michelle, Verê.
Renato Reis disse…
Olá Laura, excelente o seu comentário sobre a bela virada do VF sobre o Praia. Concordo com tudo que vocÊ disse. Mas mesmo assim o time de Uberlândia merece nossos parabéns pelos disputadíssimos confrontos nesta fase. Outra coisa que gostaria de registrar é a otima atuação e postura do técnico Spencer Lee. Didático, educado e durão nas horas que tem que ser, mas nunca mal educado e desrespeitoso com suas atletas. Tem técnicos por aí que poderiam aprender um pouco com ele.
Osasco deu mole, mas continua muito bem. Fabíola e Ade jogando mais a cada partida.
Mackenzie hoje não entrou em quadra nos dois primeiros sets. Ingrid parece que ficou assustada com o Maracanazinho. Taisinha arrebentou mais uma vez. Fui ao Maracanazinho e fiquei impressionado com sua técnica e impulsão. Me parece muito introspectiva, poderia vibrar mais com sua equipe, assim seu jogo poderá render ainda mais. Unilever melhorou muito no passe. Fernanda e Walesquinha muito bem entrosadas, Sheila melhorou um pouco, mas ainda continua longe da Sheila de 2008. Mari foi decisiva apesar da visível falta de entrosamento com Fernanda. Vamos torcer para que o jogo de segunda seja tão disputado como foi o primeiro confronto, porque hoje a Unilever não fez muito esforço para vencer.
Laura disse…
Acho uma boa ideia de seleção B! Mas tiraria a Naty Martins, q não está em boa fase, e acrescentaria mais uma do Mackenzie: Letícia Hage.

Renato, concordo com vc! O Spencer Lee e o Ricardo Picinin, do Mack, são dois bons exemplos do q é ser um bom técnico.
Welmer Sales disse…
Hoje, eu vi como a Mari é uma jogadora importante para a seleção, apesar de não ter feito nada de mais durante o jogo todo, quando o time da Unilever mais precisou dela ela estava lá e decidiu o jogo. E uma coisa que acho e que muita gente vai descordar, mas não devia, é que se a Seleção Brasileira for completa para as Olimpíadas vai ser difícil de ser batida, apesar de no ano passado, durante a disputa da Copa do Mundo, ter sido bem irregular, mas acho que isso foi consequência de uma longa temporada sem descanso, o que deixou as meninas muito exaustas, e também das contusões das ponteiras Jaqueline, Fê Garay e Natália, que poderiam ajudar nos momentos difíceis que a seleção passou durante a competição. Outra coisa que queria enfatizar é como melhorou as bolas da Fabíola com a Thaísa, o que é muito bom para a seleção. A Thaísa que vinha com atuações muito irregulares jogou muito bem nessas duas partidas contra a equipe de São Bernardo e espero que ela continue melhorando as suas atuações e chegue a seleção em um alto nível. E o que falar da Fabíola, para mim hoje, é a melhor opção para ser titular da seleção, vem com atuações muito regulares e atuações bem melhores que a sua companheira de posição Dani Lins.
***Uma comparação que eu venho fazendo há algum tempo é que a base desse time do SESI era a base do time do Pinheiros da temporada passado e que a Fabíola com esse time Pinheiros tinha atuações bem melhores e era mais regular que a Dani Lins com o time do SESI. Alguém concorda????