Por uma vaga em Londres

Está difícil de acompanhar o vôlei feminino. O tempo anda apertado e tem me deixado um pouco afastada do site.

E amanhã começa a Copa do Mundo com jogos na madrugada... Vou correr contra o tempo para manter o site atualizado. Mas convido vocês para não deixarem de dar as suas opiniões aqui e “escrevermos juntos” os comentários sobre cada duelo brasileiro.
 
********************
 
Por enquanto, deixo vocês com a matéria que saiu na Folha de São Paulo de hoje.
 
O Zé acredita que EUA, Sérvia e China são os principais adversário na briga com o Brasil pelas 3 vagas para Londres.

China... será? Estou curiosa para ver como a China vai se apresentar.  Já no GP esperava uma melhor atuação do time e o resultado final foi decepcionante.

E o Brasil pega logo de cara os EUA. É o jogo mais importante da Copa logo na estreia. Mas isso não significa que uma vitória ou uma derrota escreverá de vez o destino do Brasil na competição. Isso porque o campeonato é longo e tropeços podem vir. E temos que lembrar da Sérvia, time-sensação que pode desbancar os favoritos Brasil e EUA.
 
******************** 
 
Ouro dá gás ao Brasil por vaga olímpicaApós Pan, time tenta superar cansaço na Copa do Mundo do Japão

Mariana Bastos
 
O ano já está se encerrando, mas a maratona de jogos e viagens da seleção feminina de vôlei não tem fim. Desde maio, as atletas do Brasil participaram de cinco torneios, 34 jogos e passaram por seis países diferentes.

Justamente na reta final do ano, a seleção encarará no Japão seu principal desafio, a Copa do Mundo, que distribui vagas na Olimpíada de Londres-2012 às três seleções que subirem ao pódio.

Mesmo com tantos torneios no calendário, as jogadoras brasileiras dizem ter valido a pena viajar a Guadalajara para disputar o Pan. Segundo elas, a conquista do suado ouro contra Cuba motivou a equipe para a Copa.

Um dos principais adversários do Brasil na Copa do Mundo, os EUA optaram por enviar ao México a equipe B, enquanto o time principal se concentrava só na preparação para o torneio no Japão.

"As duas opções [de Brasil e EUA] são válidas, mas confio mais na nossa. A gente optou por jogar, sofrer pressões. E isso foi o que aconteceu no Pan, contra Cuba. Foi importante porque vai ser assim na Copa do Mundo, uma pressão maior a cada dia pela vaga", declarou a líbero Fabi.

No Japão, o Brasil enfrentará, a partir de amanhã, 11 adversários em apenas 15 dias, passando por quatro cidades diferentes. O rival de estreia será justamente o "descansado" time dos EUA.

"O cansaço faz parte. Este ano está bem puxado, mas acho que, para a Copa do Mundo, vamos esquecer tudo para conseguir a vaga em Londres. A gente está bem motivada e bem unida", declarou a capitã Fabiana.

"A gente olha uma para a outra e vê que está todo mundo correndo atrás, procurando fazer o seu melhor."

A união do grupo foi o principal legado deixado pelo Pan, segundo as jogadoras. Mas, depois de tanto tempo convivendo juntas, as rusgas não tendem a aparecer?

"É complicado. É mulher, tem TPM, tem estresse, essas coisas. Mas a gente conhece bem uma à outra. Então, quando uma está de TPM, a gente evita falar para não tomar uma patada. Nós estamos tranquilas. Aprendemos a conviver bem", afirmou a levantadora Dani Lins.

ZÉ ROBERTO ELEGE 4 FAVORITOS AO TÍTULO
 
Além do Brasil, o técnico da seleção elencou os EUA, atuais vencedores do Grand Prix, a Sérvia, campeã europeia, e a China, que ganhou o Asiático, como os principais rivais na busca pelo título. Mas, para o treinador e as jogadoras brasileiras, a prioridade será a classificação para Londres-2012. "Nosso foco é a busca da vaga olímpica, e a consequência é o título", disse a líbero Fabi.
 
 

Comentários